logo Melhores Destinos

Roteiro na China: Explorando Zhangjiajie e Xi’An

Redação
26/08/2020 às 5:04

Roteiro na China: Explorando Zhangjiajie e Xi’An

Até 2030, a China será o destino mais visitado do mundo. Viajar a turismo na China é bem mais simples do que parece, principalmente com as dicas do nosso leitor Leonardo Andrade, que explorou o Parque Nacional de Zhangjiajie, inspiração para os filmes de Avatar, e a Montanha Tianmen, com seu Portal para o Céu. Ele ainda aproveitou para visitar a cidade de Xi’an, famosa pelos guerreiros de terracota. Confira as dicas!

Perto do fim da quarentena, o turismo começa a se reerguer na China. Aproveite a oportunidade e vá se planejando para visitar o país da Grande Muralha!

Roteiro na China: Zhangjiajie e Xi’An

**Por Leonardo Andrade

roteiro zhangjiajie xian china

Certa vez, pesquisando sobre a China, vi algumas fotos simplesmente sensacionais. Eram lindas paisagens vista do alto de uma montanha. Acessível por meio de um teleférico gigantesco ou uma estrada cheia de curvas, que mais parecia tirada de um desenho. Tratava-se da Montanha de Tianmen.

Fiquei fascinado por este destino que descobriria estar localizado em Zhangjiajie, na China. Para completar, o Parque Nacional de Zhangjiajie, onde ficam as formações rochosas que inspiraram algumas paisagens do filme Avatar, fica lá também. Para finalizar, incluí Xi’An, com seus famosos guerreiros de terracota, no meu roteiro (já que estávamos ali pertinho, por que não?).

Definindo o itinerário

Para entrar no país mais populoso do mundo, escolhi Xangai, pois as passagens estavam mais baratas que para Xi’An e Zhangjiajie. Porém, vale destacar que eu já estava há 20 dias viajando pela Ásia, sendo meu último destino, antes da China, a cidade de Kuala Lumpur na Malásia. O retorno para o Brasil foi a partir de Pequim.

De Xangai para Zhangjiajie é possível ir de trem (mais barato, porém leva cerca de 20 horas) ou avião (aproximadamente duas horas e quarenta minutos), bem como de Zhangjiajie para Xi’An (trem 16 horas de viagem e avião 1 hora e 30 minutos) e de Xi’An para Pequim (avião 1 hora e 55 minutos e trem variando de 4 horas e 35 minutos, trem expresso, a mais de 12 horas). É possível consultar horários e preços no site China Travel Depot.com. Sugiro consultar também direto no site das companhias aéreas.

Então o itinerário final ficou assim:

Kuala Lumpur x Xangai

Voando AirAsia. Comprado pelo site da própria companhia ao custo de U$ 80,28 por pessoa. Voo direto que saiu às 19h de Kuala Lumpur – KUL e chegou às 0h20 à Xangai – PVG.

Xangai x Zhangjiajie

Voando Spring Airlines. Custo de U$ 130,12 por pessoa. Voo direto que saiu às 20h40 de Xangai – PVG e chegou às 23h10 à Zhangjiajie – DYG.

Zhangjiajie x Xi’An

Voando China Eastern Airlines. Comprado pelo site da China Travel Depot ao custo de U$ 53,32 por pessoa. Voo direto que saiu às 23h45 de Zhangjiajie – DYG e chegou às 1h10 à Xian – XIY.

Xi’An x Pequim

Percurso feito em trem noturno. Comprado pelo site da Ctrip ao custo aproximado de U$ 45,00 por pessoa (exatos CNY 302,50). O trem saiu às 19h21 de Xi’An Railway Station e chegou às 6h58 à Beijing West. Não confundir a estação Xi’An Railway Station, que fica no centro, com a Xi’An North Railway Station, que fica um pouco afastada.

Pequim x São Paulo (conexão em Doha, no Qatar)

Voando Qatar. Voo saiu às 1h50 de Pequim – PEK; chegou às 5h30 à Doha – DOH e partiu às 8h05 com destino a São Paulo, onde pousaria às 16h45. O valor por pessoa do trecho São Paulo/Bangkok e Pequim/São Paulo foi R$ 2.634,50 (permitindo parcelamento em 5 vezes).

Zhangjiajie

Há muitos anos recebi um e-mail com fotos da Porta do Céu (Heaven’s Door), um imenso portal cravado numa montanha. Para chegar lá, é necessário seguir por uma pista com 99 curvas e, por fim, uma escadaria com 999 degraus ou de teleférico. Aquela imagem me marcou!

Anos depois, vi um comercial do Ecosport da Ford gravado na mesma região. Resolvi pesquisar e descobri que se tratava da montanha Tianmen que ficava localizada na cidade de Zhangjiajie. Fiquei sabendo que nessa região também ficava o parque nacional que foi inspiração para aquelas montanhas flutuantes que aparecem no filme Avatar.

Em 2015, quando estive em Hong Kong, tinha decidido que visitaria Zhangjiajie. Todavia, para minha decepção, esta cidade fica a cerca de cinco horas de avião de Hong Kong; precisaria de visto para a China (ao contrário de Hong Kong que brasileiro é isento); não havia informações na internet de como conhecer suas atrações por conta própria e que pacotes de agência saiam muito caro.

O único blog brasileiro que achei orientava veementemente que as pessoas procurassem fechar com um guia particular, pois o casal que o escrevera não tinha obtido sucesso nem aproveitou o quanto desejava, face ser muito confuso e complicado obter informações lá. Desisti!

Mas nas minhas férias de 2017, estava decido a conhecer as belezas de Zhangjiajie e separei 3 dias inteiros lá, mas um em Xi’an, para conhecer os Guerreiros de Terracota . A ideia era ficar um pouco mais, porém não queria abdicar da visita a Xangai e Pequim. Comecei a fazer várias pesquisas, entrei em contato com agências de viagens, guias particulares locais e com anfitriões do Airbnb.

Cotei um guia particular para duas pessoas e o preço ficou em US$ 900,00, incluído todas as entradas nas atrações e transporte em carro particular durante o período de viagem. Só não estava incluso a hospedagem. Porém, eu não tinha este recurso, pelo menos para gastar em apenas 3 dias numa região, já que a minha viagem seria de 40 dias, aproximadamente. Precisava economizar para os outros destinos. O mesmo passeio com uma agência de viagem custaria quase o dobro deste valor. Então não havia opção, teria que arriscar e fazer tudo por conta própria.

Comecei a trocar várias mensagens com um casal que administra o Zhangjiajie MINI Inn. Eles são um amor, pacientes e extremamente prestativos. Enviei uma mensagem com os locais que queria visitar e eles me incentivaram, disseram que era sim possível fazer os passeios por conta própria com ônibus públicos.

Então juntei o máximo de informações que eu encontrei e cheguei ao roteiro abaixo.

Dia 1 – Chegada a Zhangjiajie

Cheguei ao aeroporto de Zhangjiajie (DYG) uns 20 minutos antes do horário previsto. O voo com a Spring Airlines foi super rápido e tranquilo. Para surpresa, o bilhete que tinha comprado, incluía refeição. Como ia chegar tarde, contratei com minha hospedagem, o transfer por RMB 40, aproximadamente o mesmo valor do táxi, segundo informação deles.

Avisei que já estava no aeroporto, pois meu voo chegou antes do previsto, (enviei mensagem utilizando o aplicativo Wechat, muito comum na China, através do wi-fi gratuito do aeroporto de Dayong) e, em menos de 15 minutos, um rapaz já estava lá para me buscar num carro super novo e confortável.

Cheguei ao hotel, fiz check-in e já peguei informações sobre minha visita ao Parque Nacional de Zhangjiajie que queria conhecer no dia seguinte. A proprietária sacou um mapa e começou a fazer várias marcações, escrever os nomes dos ônibus em chinês, para eu poder pegar informação na rua, e sugeriu alguns itinerários com base no que eu lhe informei que queria ver.

Como meu inglês era muito ruim e não falava nada do idioma deles, ela passou uns 20 minutos, com toda paciência e simpatia, me explicando tudo. Às vezes utilizava um aplicativo de tradução, quando eu não conseguia compreender. No final eu estava com este mapa (abaixo explico o que é cada marcação):

Dia 2 – Parque Nacional de Zhangjiajie

Acordei bem cedo, pois queria pegar um dos primeiros ônibus, que sai por volta das 6h (tem ônibus a cada 20 minutos a partir das 6h, aproximadamente) para Wulingyuan, cidade onde fica o Parque Nacional de Zhangjiajie – PNZ.

A meta era fazer o itinerário marcado com caneta azul no Mapa A. Algumas pessoas preferem ficar hospedadas em Wulingyuan durante dois ou três dias para conhecer PNZ, mas como cheguei muito tarde e contava com a ajuda do pessoal do hotel, preferi ficar em Zhangjiajie.

O ônibus sai do terminal indicado no Mapa B como Zhangjiajie Center Bus Station. Cuidado para não confundir, pois em frente à estação de trem (Railway Station) ficam alguns ônibus parados. Mas o que você deve pegar sai de dentro do terminal, cuja entrada fica uns 5 metros antes de chegar ao McDonald’s, na mesma calçada.

Você verá na entrada do terminal um salão aberto com uma roletas/catracas ao fundo e um pouco mais ao lado uns guichês para compra de passagens. Porém, você não precisa comprá-las, basta entrar nesse prédio, seguir até o final, onde fica o estacionamento dos ônibus. O que você deve pegar fica a esquerda, após as catracas. Como o ônibus não tem número, basta você mostrar a anotação que consta no Mapa A, no papel verde com número 1 ao lado: 武陵源 (Wulingyuan).

Ônibus para Wulingyuan

Ônibus para Wulingyuan

Essas informações em chinês abriam caminhos, pois quando eu mostrava para as pessoas, elas apontavam a direção a seguir. Quando cheguei ao estacionamento, novamente, mostrei o mapa e apontei para o que estava escrito e eles indicaram o ônibus que eu tinha que pegar. Entrei e fiquei esperando. Aos poucos foi enchendo. Quando o motorista chegou, eu mostrei, novamente, o papel e ele fez um sinal de positivo.

Você não precisa pagar a passagem para o motorista. Basta sentar e curtir a viagem que leva cerca de uma hora e dez minutos, aproximadamente. Ao longo do percurso, algumas pessoas vão descendo e outras subindo. Mais ou menos na metade do trajeto, o ônibus para num ponto onde entra uma pessoa que começa a cobrar a passagem (custa cerca de RMB 18 por pessoa). Você deverá descer no ponto final que fica num terminal de ônibus em Wulingyuan. Mesmo local que pegará para voltar à Zhangjiajie.

Saindo do terminal, você caminhará uns 10 minutos até a entrada do PNZ (Parque Nacional de Zhangjiajie). Basta apontar no mapa para onde você quer ir que as pessoas mostram a direção a seguir. O nome do PNZ em chinês é 张家界国家森林公园.

A entrada custa RMB 248 e você pode usar para acessar o parque durante 4 dias consecutivos a partir da data da compra. Para isso eles registram sua digital e vinculam aquele cartão a você. Assim que passar a roleta da entrada, verá um estacionamento com diversos ônibus parados e algumas filas. Cada fila dá acesso a um ônibus que leva a um determinado local do parque, já que este é enorme.

Meu objetivo era seguir o percurso marcado em azul no Mapa A (no sentido 1, 2 e 3, como indicado). Então apontei no mapa o nome em chinês para TianZiShan Cable Way Down Station e ele me mostrou a fila que dava acesso ao ônibus. Ao descer do ônibus, você terá que comprar o bilhete do teleférico que custa RMB 72,00 por pessoa. Atenção, pois a bilheteria fica logo depois que você sair do ônibus, antes de subir as escadarias até o teleférico. Eu não reparei isso e tive que descer tudo novamente para adquirir o bilhete. Bem cansativo!

TianZiShan Cable Way Down Station

TianZiShan Cable Way Down Station

Ao chegar lá no alto, à visão é linda. Após tirar algumas fotos, andei uns 50 metros e vi à esquerda uma escadaria que desci até um local onde há um McDonald’s. Tomei café da manhã. Caso prefira, pode comprar lanche nas lojas perto do terminal de ônibus, ainda em Zhangjiajie ou na cidade de Wulingyuan.

Depois de lanche, subi as escadas novamente para procurar o ônibus e seguir para o Ponto 2 em azul no Mapa A. Meu objetivo era ir até Tian Bo Mansion. Proceder da mesma maneira, mostrar o nome em chinês escrito no mapa para o motorista e ficar perto dele. O percurso de ônibus até este ponto é um pouco demorado, talvez uns 15 minutos.

Caso não desça, a próxima parada será no ponto 3 em azul no Mapa A. Se acontecer isso, aproveite para visitar logo essa região e depois retorne ao ponto 2. Porém, certifique-se, antes de entrar no ônibus, que ele vai para onde você deseja, pois nessas paradas, geralmente, existem dois pontos de ônibus (cada um seguindo para sentidos opostos) um pouco afastado um do outro (cerca de 5 minutos de caminhada entre eles).

Após descer do ônibus no Ponto 2, basta seguir as pessoas, placas (que estão em inglês e chinês) ou se informar com outras pessoas, utilizando o Mapa A, onde tem o nome em chinês.

 

A caminhada até Tian Bo Mansion é longa, passando por trechos de subida inclinada, outros apertados entre montanhas, mas é lindo. Vale muito à pena.

O trecho final é o mais complicado, devido ao fluxo de pessoas. É uma escada que dá acesso a Tian Bo Mansion. Tinha que esperar algumas pessoas descerem para outras poderem subir. Mas havia pessoas mais idosas e crianças, nada muito difícil. Depois de uma longa caminhada, cheguei.

Tian Bo Mansion é uma cabaninha (na verdade um guarda-sol grande feito de madeira) no alto de um pico de montanha. A vista lá de cima é muito bonita, assim como o percurso até lá.

zhangjiajie

Depois, retornei todo o percurso até o ponto de ônibus. Porém, nesse momento é preciso atenção para não pegar o ônibus voltando para o ponto 1 do Mapa A, mas sim em direção ao ponto 3, onde fica Natural Bridge Stop e Avatar Mountain.

Nesta região, o segredo é andar por todos os caminhos que você ver, procurando sempre acessar algum que não tenha passado ainda, pois muitos trechos são bem parecidos. Mas com um pouco de paciência você consegue ver tudo. Os principais pontos a serem visto nesta região são: Natural Bridge e a pedra que inspirou os cenários do filme Avatar.

Nessa mesma proximidade, após passar por uma ponte de ferro, existe uma estátua de um Banshee, ave voadora do filme do Avatar. É possível tirar uma foto ao lado ou em cima dele, se você tiver muita paciência, pois são muitos chineses querendo fazer o mesmo. Todavia muitos deles não respeitam fila. Eu aguardava pacientemente para tirar minha foto, perto da entrada dessa estátua que fica rodeada por uma cerca feita em madeira. Contudo, na minha vez, um chinês pulou a cerca e furou fila.

Eu fiquei estressado e comecei a reclamar (eles com certeza não entendiam o que eu falava, mas compreenderam o motivo da minha indignação). Fiquei na frente dele, não permitindo que tirasse sua foto. Finalmente ele saiu e esperou sua vez.

Depois de caminhar por toda essa região, procurei o ônibus para o elevador que liga a base da montanha. Segui a mesma didática, quando chegamos ao ponto de ônibus apontamos para o nome em chinês do Bailong Elevator (dizem que é o elevador externo mais alto do mundo). Comprei a entrada que custou RMB 72 por pessoa. O elevador é bem rápido e você não consegue ver muita coisa, até porque ele vai extremamente cheio e um trecho dele é dentro da montanha.

Lá em baixo a vista é bem bonita. Após tirar algumas fotos, peguei o ônibus para a saída do parque e fui em direção ao mesmo terminal de ônibus aonde cheguei pela manhã. O último ônibus para Zhangjiajie sai às 19 horas, porém é interessante que você se programe para chegar ao ponto uma 18h30 no máximo, para não ter perigo de perder.

Para retornar, mostrei o que está escrito no Mapa A, no canto inferior direito (张家界中心汽车站 – Terminal de Ônibus Central de Zhangjiajie) e todos indicavam o local. A dinâmica é a mesma, você entra no ônibus e no meio do percurso uma pessoa entra para cobrar a passagem que custa o mesmo da ida.

Dia 3 – Montanha Tianmen

Tinha planejado tomar café da manhã às 6 horas no McDonald’s da cidade, perto da estação de trem. Porém, apesar de indicar que abre este horário, era 6h20 e ainda estava fechado. Então comprei lanches nas lojas de conveniência que tem ali perto. Na esquina da rua do hotel também existe um mercadinho que você pode comprar coisa para levar.

Posteriormente fui andando para a entrada do teleférico que fica a uns 10 minutos de caminhada. Não tem erro para encontrar a estação, pois os bondinhos passam por cima desse trecho da cidade, então é só olhar para o alto e seguir na direção dos cabos.

São três opções de ticket: subir de bondinho e descer de ônibus; subir e descer de ônibus ou subir de ônibus e descer de bondinho. Cheguei lá antes das 8 horas e escolhi a primeira opção, ou seja, subir de bondinho e voltar de ônibus. Como cheguei bem cedo, estava vazio e foi tudo muito rápido. Comprei o ticket por RMB 258 (havia uma pequena diferença para as outras opções).

Mapa Zhangjiajie

São mais de 20 minutos montanha a cima dentro do teleférico, a vista é exuberante, linda e de dar medo devido à altura, principalmente quando você está para chegar lá em cima. Fui com mais 5 pessoas na cabine.

 

O teleférico te leva até o topo da montanha, acima do portal. Imagine essa região como um relógio de ponteiro em cuja chegada é no ponto 6. Ao descer do teleférico, você sairá num hall que tem acesso a um corredor longo que te leva a um elevador, porém não siga agora por este caminho. Saia do hall e siga para a esquerda, no sentido anti-horário. No mapa acima, você deve seguir em direção a linha vermelha.

Vá sempre margeando a montanha, caminhando tranquilamente, aproveitando a vista lá de cima. Dessa forma você conseguirá aproveitar tudo e encontrará a primeira ponte de vidro (são 3 lá em cima e fui em todas). Existem placas com o nome glass skywalk. Você paga, salvo engano, RMB 5 por pessoa para poder acessar a ponte, mas antes disso terá que colocar um pano vermelho nos pés, por cima do sapato mesmo, para não arranhar o vidro.

Seguindo em sentido anti-horário você encontrará outros lindos pontos para apreciar e tirar fotos. Caso tenha medo de altura, esse será o dia para superá-lo. 🙂

Imaginando ainda um relógio, no ponto correspondente ao meio-dia, estará o templo. Não entrei no templo, apenas tirei fotos na frente dele. Ali perto fica a entrada de um mini teleférico (estilo aqueles de estação de esqui, onde você fica com os pés pendurados) que te leva até um ponto próximo ao local de chegada ao alto da montanha.

Optei por não pegar o bondinho nesse ponto. Segui caminhando pela borda da montanha, agora pelo trecho em amarelo do Mapa C. Ao longo do caminho, existem algumas trilhas que dão acesso a pontos que possuem belas vistas. Indico você ir até estes pontos, basta seguir placas indicativas, depois regressem para seguir pelo caminho que estavam.

zhangjiajie

Dei uma volta completa até chegar, novamente, ao ponto inicial. Dentro do hall de chegada, então segui o corredor que tem nele até o elevador, onde subi. Lá em cima fica uma cabana (“mini templo”) e o lado oposto do teleférico que liga até a região onde está o templo. O trecho dele custa RMB 25 por pessoa. Peguei ele e retornei para o ponto que já tinha passado.

zhangjiajie

Ao descer do teleférico, você estará na região do templo e deverá seguir para a escada rolante que liga ao portal (aquele buraco enorme no meio da montanha).

Aqui indico algumas opções: você pode seguir a pé (se tiver disposição) por uma das margens da montanha (trecho amarelo ou trecho vermelho no Mapa C), em sentido horário ou anti-horário e assim rever algum ponto que tenha gostado ou para tentar ver a vista de um local que estava nublado quando você passou (a neblina muitas vezes altera a visibilidade em poucos minutos). Ou pagar novamente o teleférico, no valor de RMB 25 para o ponto inicial e ir andando uma distância menor até a escada rolante (indicada no Mapa C como Entrance of Upper Section Escalator).

Eu segui novamente pelo trecho em amarelo, pois muitos locais estavam nublado, quando passei pela primeira vez, e queria ir ao alto de uma cabana que tinha perdido a entrada, quando passei. Na foto abaixo é possível ver a cabana no topo da montanha ao fundo.

zhangjiajie

Desci a escada rolante que é enorme (meu ingresso já incluía o acesso a ela). São vários seguimentos de escadas rolantes construídas dentro da montanha. Impressionante! Saí em baixo do portal que é grandioso! Depois desci os 999 degraus até a base. Como tenho “pé quente” para pegar pontos turísticos em obra, não foi diferente aqui. As escadas estavam cheias de tapumes de madeiras, alguns trechos em reforma e chovia fraco, porém nada que tirasse o encanto e a beleza do local.

Para retornar, você deve pegar o ônibus verde (incluído no ingresso). Coloque o cinto de segurança, pois ele segue por 99 curvas fechadas que você tem que se segurar para não cair da cadeira.

Zhangjiajie

O ônibus te levará até um ponto onde há um templo e se tem uma visão muito bonita da montanha.

Após, você deverá pegar outro ônibus (também incluído no ingresso) que te levará até a estação do teleférico em Zhangjiajie. É um passeio muito cansativo, mas extremamente compensador. Tente ir bem cedo, pois, possivelmente, só terminará sua visita ao final de tarde. Um dos locais mais bonitos que já estive.

Dia 4 – Caverna do Dragão Amarelo e Parque Nacional de Zhangjiajie

Como esse era meu último dia e teria que desocupar o quarto pela manhã, perguntei se poderiam guardar minhas coisas até retornar no final do dia. Sempre prestativos, eles não se opuseram e, no dia seguinte, colocaram nossas coisas em um quartinho perto da recepção.

Peguei o mesmo ônibus com destino a Wulingyuan para uma nova visita ao PNZ, mas antes queria visitar uma caverna antes. Mostrei ao motorista que queria descer na Caverna do Dragão Amarelo (Yellow Dragon Cave – 黄龙洞). A entrada da caverna fica dentro de uma área cercada, muito bonita e bem cuidada, uns 10 minutos antes de chegar ao terminal de ônibus de Wulingyuan.

Como eu não avisei ao motorista, acabei descendo no terminal e tive que pegar outro ônibus, vermelho de número 1 que passa na rua em frente ao terminal. Existe uma placa com os números dos ônibus que param naquele ponto. Caso aconteça o mesmo com você, basta entrar nesse ônibus que custa RMB 2 (você deve ter o dinheiro trocado para colocar numa caixinha que fica ao lado do motorista) e apontar no mapa onde você quer descer. O nome do local e o número do ônibus esta no MAPA A, no canto superior direito indicado, ao lado do número 2 (Bus 1黄龙洞).

Ao descer do ônibus, você passará por um corredor cheio de barracas que vendem biscoitos, lanches, bebidas e lembrancinhas. Mas cuidado, o preço varia muito de uma barraca para outra. A bilheteria fica logo depois do portão principal, ao lado direito, e o ingresso das cavernas custou RMB 100,00 por pessoa. Assim que cheguei à entrada da caverna, já havia pessoas aguardando para o próximo tour que é acompanhado de um guia.

A Yellow Dragon Cave é imensa, cheia de formações rochosas, grandes salões, riachos subterrâneos e muitas luzes coloridas (super cafona para um ambiente natural, mas…).

zhangjiajie

Existe uma galeria que, para acessá-la, você deverá optar entre duas portas, uma da longevidade e a outra da felicidade. Aí uma oportunidade imperdível de impulsionar seu futuro! 🙂

zhangjiajie

Todo o passeio levou cerca de uma hora e meia, pois é muito grande lá dentro e se caminha muito (existem trechos com muitas escadas e partes escorregadias, tenha cuidado). No trecho final você ainda anda num barquinho por um pequeno rio dentro da caverna.

Posteriormente, peguei o ônibus número 1 que passa logo ali em frente. Para não ter dúvidas, apontei no mapa para o motorista onde deseja descer. Cheguei à cidade de Wulingyuan e segui para o PNZ. Como o ingresso adquirido no primeiro dia dava acesso a 4 visitas consecutivos, fui direto para a entrada.

Quando falei para a dona do hotel que queria ir às cavernas e ao PNZ no mesmo dia, ela indicou que fizesse o trecho em preto no MAPA A, pois o que ela tinha marcado em vermelho, levaria um dia inteiro. Como tinha apenas mais esse dia, fiz o trecho em preto que ela indicou e fui até Huangshi Village, porém ficou muito corrido.

Na entrada do parque apontei no mapa que queria ir até Bailong Elevator (onde terminei o meu passeio no primeiro dia). Mas agora, ao invés de subir no elevador, segui por baixo, numa trilha ao lado de um rio, chamada Golden Whip Stream que é cheia de macacos, principalmente no início. Fiz esse trecho em uma caminhada rápida de uma hora, mas que levaria umas duas horas se fosse devagar.

zhangjiajie

No final da trilha, peguei um ônibus do parque até a base do teleférico que leva a Huangshi Village.

Zhangjiajie

O bilhete de ida e volta até Huangshi Village custa RMB 118 por pessoa (subida e descida de teleférico). Saí do teleférico e segui sentido anti-horário seguindo por toda a borda da montanha até retornar ao local que cheguei. Existem vários mirantes, um mais bonito que o outro. Dei sorte, pois estava super vazio. Fiz tudo isso sem demorar muito, pois queria estar às 17h30, no máximo, no ponto de ônibus, pois o último sai às 18 horas para Zhangjiajie.

Zhangjiajie

Retornamos ao teleférico e pegamos o ônibus para a saída do parque (que fica no final da trilha). Depois segui andando até o portão. Para minha surpresa, logo ali ficavam vários ônibus parados. Apontei no MAPA A, onde estava a cidade de Zhangjiajie (张家界中心汽车站), e logo me mostram qual o ônibus pegar.

Chegando à cidade, jantei num restaurante local que fica na esquina da rua do hotel que fiquei. Pedi um picadinho de carne (uma delícia) com arroz e uma porção de mini camarão. Era o único estrangeiro naquele ambiente (atendente extremamente atenciosa e simpática). Adorei!

Depois retornei ao hotel para pegar minhas coisas e esperar meu transfer que tinha agendado para 21h. Fechei com o pessoal do hotel para me levar pelo mesmo valor de RMB 40 (total para duas pessoas). Quando chegara a hora, eles informaram que tinham mais um casal que iria para o aeroporto e perguntaram se eu me importava deles irem junto e que dividiríamos o valor. Topei na hora e paguei apenas RMB 20.

Confesso que ficou um tanto corrido, logo, caso tenha tempo, seria interessante reservar 5 dias. Assim ficariam dois dias inteiros para o PNZ (um dia para o trecho azul e outro para o vermelho no MAPA A), um dia para visitar Yellow Dragon Cave e retornar ao PNZ para rever algo que tenha gostado e, o quarto dia, ficaria para Tianmen Mountain.

Caso chegue durante o dia a Zhangjiajie e esteja só com uma mochila, acredito que vale a pena reservar um hotel em Wulingyuan para os 3 dias que for ao PNZ e à caverna, vindo no final do terceiro dia para Zhangjiajie para, então, no dia seguinte visitar Tianmen Mountain, seguindo viagem à noite.

Dentre todos os lugares que visitei, Tianmen Mountain foi o que mais gostei. Tudo muito bonito e organizado. Em todos os lugares que estive, a estrutura é muito boa. Existem banheiros gratuitos e locais para comprar comida e bebida, inclusive noodles e refeições.

Xi’An

Minha passagem por Xi’An foi extremamente corrida e cansativa, mas não tinha muito tempo e queria conhecer os famosos Guerreiros de Terracota, que são várias esculturas de soldados que foram descobertas em 1974 por um agricultor. Como estava visitando Xangai, Zhangjiajie e Pequim, não queria ter que retornar à China só para ir a este lugar. 🙂

Dia 5 – Guerreiros de Terracota

Meu roteiro para este dia estava cronometrado, não teria muito tempo e desejava aproveitar o máximo possível. Cheguei ao aeroporto às 1h10 da madrugada e segui as placas em direção ao Airport Bus Tickets. O último ônibus sai pouco depois da aterrissagem do último avião, então corri. Cheguei ao balcão de venda do ticket e apontei no Google Maps o local que estava indo. A atendente indicou a linha de ônibus Xishaomen que segue direto para o Centro. A passagem custou RMB 25.

Com os bilhetes em mão, segui para o portão de embarque indicado nele e mostrei a um funcionário que mostrou meu ônibus. A viagem levou cerca de uma hora até o ponto final onde o anfitrião do quarto que aluguei no Airbnb foi me buscar gratuitamente num carrinho (o apartamento dele ficava a cerca de 2 minutos de carro do ponto). Como fiquei no apartamento só das 2 até umas 6 horas, procurei algo bem barato, logo consegui esse local por US$ 13.

O apartamento fica num condomínio bonito e moderno onde em frente, pela manhã, peguei um ônibus até a estação de trem Xi’An (atenção, pois não é a estação norte). Essa estação de trem Xi’An fica ao lado da cidade murada. O centro de Xi’An é cercado por um muro que servia para proteger esse local. Imagine um quadrado… a estação fica ao lado superior direito em frente ao muro, mas fora deste.

Peguei o ônibus 611 até próximo à estação. Você tem que estar com dinheiro trocado. Custa RMB 2 por pessoa e você coloca o dinheiro numa caixa próximo ao motorista. Desci próximo à estação de trem e fui andando em sua direção (é interessante que você faça download de alguns mapas para poder acessá-los off-line).

Os ônibus que seguem até os Guerreiros de Terracota ficam estacionados à direita de quem está olhando para a estação. O número dele é 5, também conhecido como 306. Você embarca e depois o trocador passa cobrando a passagem que custa cerca de RMB 15. Basta mostrar ao motorista o local que você quer ir. São muitas pessoas seguindo para o mesmo destino, não tem erro. A entrada custa RMB 150 e o local abre às 8h30, logo tente chegar no primeiro horário para evitar a multidão.

Após a entrada, você tem que caminhar um pouco até chegar até o pavilhão maior (existem 3 no total), com mais estátuas. Aqui está indicado o local onde foi encontrado o primeiro guerreiro.

Confesso que fiquei um pouco decepcionado. O local em si é muito grande e bem cuidado, mas os guerreiros que estão inteiros não são tantos como eu imaginava e a grande maioria fica longe (não sei se criei muita expectativa…). Um ou outro estão separados em redomas de vidro. Não me arrependo da visita, mas não voltaria lá.

Xi'an, ChinaPeguei o ônibus para retornar a cidade em frente à saída do museu onde estão os guerreiros e retornei até a estação Xi’An. Como eu tinha lido sobre longas e demoradas filas para retirar as passagens de trem que tinha comprado para seguir viagem até Pequim, aproveitei e já peguei meu bilhete (não demorou mais que 20 minutos). Para entrar na estação, como em muitos lugares na China, você tem que passar por controle de raio-x.

Como ainda era umas 14h, resolvi passear um pouco pela cidade. Quando estava saindo da estação, notei que havia um guarda volumes, então deixei minha mochila, ficando apenas com carteira e documentos.

Entrei num McDonald’s que tinha ali em frente da estação para me conectar ao wi-fi e ver qual ônibus passava na Torre do Tambor e do Sino. Decidi por não entrar nessas atrações, mas apenas caminhamos ali por perto. A cidade é bem movimentada e tem ar de cidade grande, porém sem prédios altos. Tinha visto que havia uma região com comidas e artigos muçulmanos, mas não consegui achar. Retornei para a estação, peguei minhas coisas, comprei comida e bebida para a viagem e fui esperar o horário de embarque. Basta ver o número do seu trem (o meu era o Z20) e o portão com a indicação desse número.

Tinha comprado passagem para uma cabine com 6 camas. Quem ficava no último andar tinha que fazer malabarismo para subir, pois não era nada fácil. Junto comigo, havia um chileno (que estava viajando o mundo há 6 meses) e 3 chineses (que não falavam nada de inglês) e uma chinesa (que falava inglês). Fiquei conversando um bom tempo com o chileno que já tinha rodado vários locais remotos da China. Depois jantei o noodles que tinha comprado na estação e fui tentar dormir.

Estava tão cansado que eu apaguei umas 21h e só acordei uns 10 minutos antes da chegada, com as porradas que um dos funcionários do trem vinha dando nas cabines para acordar o pessoal e avisar que estávamos chegando a Pequim, na estação Beijing West. Estava com receio de não conseguir dormir bem, mas foi ao contrário. Descansei bastante!

Foi tudo muito corrido. O ideal é que você fique um dia inteiro ou, pelo menos, chegue num dia cedo para conhecer um pouco da cidade e no dia seguinte fazer o que fiz, ou seja, visitar os Guerreiros de Terracota.


Agradecemos ao Leonardo pelas dicas! E você, quer compartilhar sua viagem com os leitores do Melhores Destinos? Envie seu roteiro pra gente!

Não perca nenhuma oportunidade!
ícone newsletter E-mail diário com promoções Receba as ofertas mais quentes no seu e-mail
tela do app do melhores destinos
Baixe grátis o nosso app Seja notificado sempre que surgir uma promoção