logo Melhores Destinos

O que fazer em Paris – dicas imperdíveis para a sua viagem à França

Gisela Cabral
Gisela Cabral
09/06/2014 às 5:00

O que fazer em Paris – dicas imperdíveis para a sua viagem à França

Sem dúvida há muito o que fazer em Paris! A belíssima capital da França oferece atrações imperdíveis e passeios inesquecíveis! Entre tantos pontos turísticos, fica até difícil eleger o favorito: Torre Eiffel, Museu do Louvre, Arco do Triunfo, Sacré Coeur… Neste post trazemos um pequeno guia da Cidade Luz, incluindo dicas de restaurantes, compras e muito mais!

O que fazer em Paris – dicas imperdíveis para a sua viagem à França

“Paris é sempre uma boa ideia”, disse a eterna bonequinha de luxo, a atriz britânica Audrey Hepburn. E nós, do MD — que estivemos na cidade algumas vezes e preparamos um Guia de Paris completinho — concordamos em gênero, número e grau.

Isso porque a Cidade Luz, como é conhecida, é capaz de surpreender sempre, seja você um habitué ou esteja visitando-a pela primeira vez. Um grande centro atemporal com muito o que fazer, rico em história, cultura, cheio de bairros vibrantes, pontos turísticos mundialmente conhecidos, bons restaurantes, ruas de compras e muito mais.

Pensando naqueles que estão de passagens compradas, planejando a primeira visita à capital francesa, elaboramos este resumo com uma série de dicas importantes. Mas aqueles que já conhecem o destino podem enriquecer ainda mais este artigo deixando uma sugestão nos comentários. Até porque Paris é uma cidade de inúmeras possibilidades. Bon Voyage!

A famosa Torre Eiffel

Clima em Paris

A cidade é encantadora em todas as épocas do ano e a escolha do período vai depender muito dos gostos e objetivos de cada um. No verão, a temperatura média máxima fica na casa dos 25°C, as ruas bem mais cheias, festivas, e o clima –  quando ameno – incentiva a caminhada. Este ano, inclusive, a França bateu alguns recordes de calor no continente. Para enfrentar a temporada sem derreter, é preciso se preparar, usando roupas leves, hidratando-se bastante e, claro, besuntando-se de filtro solar.

A primavera, na nossa opinião, é um dos melhores períodos para visitar a cidade, que estará mais colorida e com clima bom, mínimas em torno de 11°C e máximas na casa dos 20°C. A época é perfeita para os apaixonados por fotografia, mas não tão boa para aqueles que sofrem com alergia ao pólen. Aproveite o período para sentar-se em um dos famosos cafés parisienses e observar o delicioso vaivém das ruas da capital francesa.

Paris no outono é puro charme

Mas se você é daqueles que curtem um friozinho, não pode perder o outono. Uma temporada pra lá de charmosa, com paisagens belíssimas, mais bucólicas, ou mesmo o inverno, este com temperaturas bem mais baixas. Planejando uma viagem a paris no fim do ano? Não deixe de colocar na mala itens como, por exemplo, cachecol, luvas, meias térmicas e casacos que ajudem a suportar um frio de 7°C (média/máxima) e 3°C (média/mínima).

Quanto tempo ficar em Paris?

Berço da cultura e da arte, a capital francesa é um destino que merece ser explorado a fundo e para isso é necessário um certo tempo. O ideal é que o visitante reserve ao menos três dias inteiros de estadia na cidade, período que, ainda assim, pode não ser suficiente, dependendo da quantidade de atrações a serem visitadas.

Como chegar em Paris

Voos diários partem das principais capitais brasileiras com destino ao Aeroporto Charles de Gaulle, que fica 20 quilômetros, a nordeste, de Paris. Tanto aqui no site, quanto no app do Melhores Destinos você vai encontrar passagens a preços imperdíveis. 

Boa parte dos voos fretados ou nacionais acaba chegando ao Aeroporto de Orly — 14 quilômetros ao sul de Paris. Charles de Gaulle e Orly estão conectados por ônibus que saem a todo momento, sem contar com as opções de transporte até o centro de Paris.

Aqueles que já estiverem na Europa podem acessar a capital francesa de trem, muito mais rápido, em alguns casos, e mais agradável. Paris possui várias estações que estão reunidas dentro dos 15 primeiros bairros da cidade, entre elas a famosa Gare du Nord, localizada na região central da capital. Lá chegam (e partem) trens provenientes de Londres, Bruxelas, Amsterdã, Berlim, entre outras capitais.

Estação de trem em Paris

A viagem de Londres até Paris é feita no trem de alta velocidade Eurostar e tem duração de pouco mais de duas horas. O Eurostar viaja pelo túnel do Canal da Mancha, num percurso de mais ou menos 50 quilômetros ao longo do Canal. Lembrando que a Inglaterra não faz parte do tratado de Schengen, portanto, ao sair do país é preciso passar pela imigração. 

O Arco do Triunfo

Onde ficar em Paris

Ficar bem localizado em Paris não é difícil, se você procurar um hotel/hostel ou apartamento que fique próximo a uma estação do Metrô.  Confira, abaixo, alguns bairros queridinhos dos visitantes:

  • Montmartre – o bairro fica numa colina do 18° arrondissement. Ruas de paralelepípedo cheias de cafés e restaurantes como a Crêperie Brocéliande, padarias como a Coquelicot e lojas diversas para aqueles que não resistem a umas comprinhas. Além disso, Montmartre abriga pontos turísticos importantes como o Moulin Rouge, famoso na noite parisiense, e, bem no topo da colina, a Basílica do Sagrado Coração (Basilique du SacréCoeur). A vista lá de cima é fantástica!
  • Pigalle – atualmente, a parte Sul do bairro, apelidada de SoPi, tem chamado a atenção por reunir o que há de mais moderno na capital francesa: hotéis-conceito, bares de cocktail e bistrôs superestilosos. Ao hospedar-se no quartier não deixe de passear pela rue des Martyrs, incluindo uma parada na Arnaud Delmontel, no número 39, uma padaria cheia de delícias como pães, macarons e tortas. Ah, a rue Clauzel é considerada o paraíso dos fashionistas!

O que você precisa saber antes de usar (ou não) o Airbnb;

  • Le Marais – o bairro tem uma atmosfera bem parisiense, perfeito para os que desejam ficar bem localizados. Repleto de bares e restaurantes como Les Philosophes, o Marais também reúne uma porção de butiques vintage, centros de arte como o Pompidou e pontos turísticos como o Hotel de Ville. A Rue des Rosiers e a Rue des Ecouffes são endereços quase que obrigatórios, onde você pode aproveitar para experimentar deliciosos pratos da gastronomia do Oriente Médio (como o falafel).
  • Saint-German-des-Prés – o bairro imortalizado por Hemingway, Camus e Sartre fica muito bem localizado, bem próximo da Catedral de Notre Dame e do Musée d’Orsay. Pelo caminho, cafés e lojas de doces como, no número 76 da rue de Seine, a Gérard Mulot e seus maravilhosos macarons e pain au chocolat recém-saído do forno. Saiba mais em: Onde ficar em Paris – como escolher seu bairro na bela capital da França;

 

Padaria vende baguetes na rua de bairro parisiense

Museus de Paris

Museu do Louvre – um dos museus mais famosos do mundo, o Louvre abriga obras de arte importantíssimas, como a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, além de esculturas como a Venus de Milo e Os Escravos, de Michelangelo. São mais de 30 mil preciosidades, entre pinturas, esculturas, gravuras e objetos diversos.

Museu D’orsay – o museu instalado em uma antiga estação de trens é outro imperdível da capital francesa. O local abriga uma vasta coleção de importantes obras, como o Autorretrato, de Van Gogh; as Coquelicots, de Claude Monet; L’homme qui marche, de Auguste Rodin, entre muitas outras.

Museu do Exército – parada obrigatória para aqueles que se interessam por assuntos de guerra, e para os fãs de Napoleão Bonaparte (não deixe de visitar o belíssimo túmulo do imperador). Artilharia, uniformes, obras de arte e muitos outros objetos estão reunidos no local.

Museu Rodin – a maior coleção do escultor francês Auguste Rodin pode ser vista nesse museu, inaugurado em 1919 e que abriga obras importantes e mundialmente famosas, como O Beijo e A Mão de Deus.

Escultura do Louvre

Pontos turísticos de Paris

Torre Eiffel  Dispensa apresentações, não é? O monumento francês mundialmente famoso, criado pelo engenheiro Gustave Eiffel, foi inaugurada em 1889. A torre tem 300 metros de altura, 7,3 mil toneladas de ferro e chega a receber milhões de visitantes, todos os anos. Não deixe de subir no topo e admirar uma das vistas mais bonitas de Paris!

Arco do Triunfo – o monumento próximo à Avenida Champs-Elysées tem 50 metros de altura e diversas esculturas adossadas aos pilares. Nas paredes do local – um dos pontos mais famosos da capital francesa – também estão gravados os nomes de batalhas e generais de guerra.

Avenida Champs-ElyséesLa plus belle avenue du monde, na tradução literal, “A mais bela avenida do mundo”, a Champs-Elysées é um dos endereços mais movimentados e mais caros de Paris. São 1.910 metros de comprimento repletos de lojas de todos os tipos, cinemas, cafés e restaurantes.

Aqueles que curtem andar a pé vão gostar do percurso Arco do Triunfo -> Champs-Elysées -> Praça da Concórdia (onde está o Obelisco). No caminho, repleto de belas paisagens, aproveite para conhecer o Petit e o Grand Palais, a Ponte Alexandre e o Jardim das Tulherias (Jardin des Tuileries).

Jardim das Tulherias/Musée de l’Orangerie – situado entre a Praça da Concórdia e o Louvre, este jardim datado do século XVI é repleto de fontes, esculturas e verde. Lá também se encontra um dos museus mais importantes de Paris, o Musée de l’Orangerie, onde você vai ver de perto as Nymphéas de Claude Monet.

Catedral Notre Dame de Paris – palco de vários acontecimentos importantes, como a coroação do imperador Napoleão (por ele mesmo), a Notre Dame de Paris está fechada para reformas desde o incêndio que destruiu parte do seu teto em abril de 2019.

Sainte-Chapelle – as duas capelas construídas entre 1246 e 1248 foram idealizadas por Luís IX para receber a coroa de espinhos de Jesus. Na capela superior, o visitante vai encontrar as famosas janelas com vitrais que retratam passagens da Bíblia. E, se o dia estiver ensolarado, o efeito nos vitrais é um show à parte!

Paris vista do terraço da loja de departamentos Printemps

Torre Montparnasse – do alto da Torre Montparnasse, que tem 210 metros de altura, tem-se uma espetacular visão 360º da capital francesa. Monumentos/pontos turísticos como a Torre Eiffel, a basílica do Sagrado Coração e Museu do Louvre podem ser facilmente identificados lá de cima. Em boas condições climáticas, é possível visualizar até 40 quilômetros à frente.

Père Lachaise – morada eterna de várias personalidades, entre elas o pintor Eugène Delacroix; o espírita Allan Kardec; o escritor e poeta Oscar Wilde; a cantora francesa Edith Piaf; o líder da banda The Doors, Jim Morrison, entre outros. O local repleto de árvores, esculturas e sepulturas bem elaboradas, recebe uma quantidade absurda de turistas todos os anos.

Sacré Coeur (Basílica do Sagrado Coração) – belíssima construção, tanto por fora quanto por dentro, começou a ser erguida em 1876 e tem uma grande importância para a cidade. Além disso, da cúpula da basílica – até lá são 234 degraus – se tem uma das vistas mais belas de Paris.

Passeios em Paris

Tour de barco pelo Sena – quer conhecer Paris de uma maneira diferente ou não tem muito tempo na cidade? Então, uma boa alternativa é o passeio de barco pelo Rio Sena. Durante o percurso é possível visualizar monumentos, museus, palácios, entre outros pontos turísticos importantes, de maneira privilegiada.

Tour de Bicicleta – também é possível explorar a capital da França sob duas rodas. E a cidade, que oferece ciclovias bem sinalizadas, tem um sistema self service usado por turistas e locais, o Vélib. São pelo menos 20 mil bicicletas e 1,8 mil estações, localizadas a cada 300 metros uma da outra.

Palácio de Versalhes – uma das mais belas realizações da arte francesa do século 18, o palácio de Versalhes foi a morada de três reis até a Revolução Francesa. A luxuosa construção – que fica no subúrbio de Paris – tem 51 mil metros quadrados, 2.153 janelas, 700 quartos e mais ou menos 2 mil acres só de jardins.

Disneyland Paris – aqueles que curtem um bom parque de diversões podem aproveitar a ida à capital da França para conhecer a Disneyland de Paris. Brinquedos dos mais diversos tipos, o famoso Castelo da Cinderela, shows e os famosos personagens da Disney estão todos lá. A atração, no entanto, é mais indicada para quem já esteve na cidade antes ou vai ficar mais tempo por lá;

Restaurantes em Paris

La Boîte aux Lettreso bistrô fica na rua Le Pic, em Montmarte, e além de um ambiente intimista, aconchegante, oferece um cardápio enxuto e muito gostoso. Tudo é preparado com ingredientes da estação, desde as entradas até a sobremesa. Dica: reserve a sua mesa!

Crêperie Brocéliande – na formule do dia (almoço/€16), estão inclusos um galette (crepe salgado), um crepe doce e uma bebida, que pode ser jus d’Orange (suco de laranja) ou sidra (espumante feito de maçã). O galette Campagnarde, com cebolas cristalizadas, bacon, batata, ovo e queijo é simplesmente divino. Já de sobremesa, uma boa pedida é o crepe de banana com chocolate. Chegue cedo ou faça uma reserva por telefone. A cozinha do local funciona do meio-dia às 15h e depois só abre para o jantar.

Croissants e geleias. Huuuuum…

Le Relais de l’Entrecôte – suculentos steaks bovinos envoltos em um molho misterioso (e delicioso), salada e as batatas fritas mais sequinhas e crocantes que existem. Este é o menu do restaurante que faz sucesso na cidade e está sempre lotado. Ah, as sobremesas do local também são excelentes!

Les Philosophes – em uma charmosa esquina do Le Marais está situado este charmoso restaurante, que tem um cardápio de pra lá de especial. Boas pedidas são a tábua de queijos, o steak tartare e o tradicional Boeuf Bourguignon, deliciosa carne ensopada, cozida no vinho. Depois do almoço ou jantar, não deixe de explorar a área em volta do restaurante, cheia de ruazinhas super charmosas.

Chez l’ami Jean – o restaurante é ideal para os que buscam algo mais especial em Paris. Comandado pelo chef Stephane Jego, o Chez l’ami Jean tem um ambiente incrível (de uma das mesas tem-se uma visão privilegiada da cozinha), deliciosos pratos (não perca o menu do chef) e excelente atendimento. Faça a sua reserva com antecedência!

Boulangerie Paul – muita gente chama a rede de padarias Paul de “Starbucks parisiense”. Isso por conta da grande quantidade de lojas espalhadas pelos mais diversos bairros, além de estações de trem, aeroporto e etc. A Paul é uma alternativa mais em conta para café da manhã e lanches ao longo dia. As lojas servem pães de todos os tipos, croissants, sanduíches no pão baguete, quiches, sucos, cafés, chocolate quente e vários doces deliciosos. Está com pressa? Então, você pode passar em uma das lojas, comprar a sua baguete e sair caminhando pelas ruas da cidade.

Comer bem e barato em Paris é possível. Confira mais dicas nesse post;

Fachada do famoso Moulin Rouge

Compras em Paris

Marche aux Puces (Mercado das Pulgas) – no mercado das pulgas de Paris é possível encontrar uma grande variedade de produtos a preços superconvidativos. São mais de 10 quilômetros de área repleta de barraquinhas, além disso, o local é o paraíso dos fashionistas, pois tem algumas excelentes opções de brechós

Place de La Madeleine – está rodeada de estabelecimentos de todos os tipos, muitas grifes famosas e lojinhas de comida, como a da mostarda Maille e a doceria Ladurée, famosa pelos macarons. Na verdade, quem curte umas comprinhas irá gostar de toda a região em volta da praça;

Galeria de compras do centro de Paris

Saint-German-des-Prés – neste charmoso bairro você vai encontrar de tudo um pouco, desde as famosas grifes mundiais, passando por renomadas lojas de doces – como a Gérard Mulot – e farmácias que enlouquecem o público feminino, a exemplo da Citypharma (com atendentes que “arranham” o português).

Boulevard Haussmann – duas tradicionais e famosas lojas de departamento francesas: a Galeries Lafayette e a Au Printemps estão situadas nesta via. Depois de conhecer as duas lojas, não perca a oportunidade de caminhar pela região, que também abriga uma boa quantidade de estabelecimentos, digamos, mais populares.

La Vallée Vilage – esta dica é para quem curte fazer compras em outlets. O La Vallée Village fica nos arredores de Paris e os preços são bons (não tão em conta quanto nos EUA, mas melhores do que no Brasil). Clique no nome acima para conhecer o site da loja, em português.

Metrô de Paris

Paris tem um metrô bastante eficiente. O tempo de espera do passageiro costuma ser curto, a passagem é relativamente barata e praticamente todos os pontos de interesse da capital francesa terão uma estação bem próxima. Lembre-se de que ele é dividido por zonas, sendo as áreas 1 e 2 aquelas que abrigam a maior quantidade de pontos turísticos.

Para utilizar o metrô, basta procurar pelo número da linha pretendida, seguido pelo nome da última estação (a fim de garantir a direção correta). Cada linha possui uma cor diferente, o que facilita bastante a visualização nos mapas que estão disponíveis em quadros posicionados nas entradas das estações e também são distribuídos gratuitamente nos diversos escritórios de informação turística.

Anote a dica: o metrô de paris disponibiliza um app gratuito para IOS e Android;

Dentro da estação, é só seguir as placas que indicam o número da linha seguido do nome da sua última estação. Fique atento, pois às vezes é necessário fazer uma baldeação, ou seja, a troca de linha. Nesse caso, não se confunda. A placa Sortie significa Saída.

Estação de metrô parisiense

Preços do Metrô de Paris 

Se você vai usar o transporte público de Paris ocasionalmente, o Tíquete T+ é a melhor opção. Ele vale por duas horas no metrô, a partir da validação, e pode ser adquirido em máquinas automáticas ou balcões de atendimento nas estações. O bilhete que dá direito a uma viagem custa €1,90, mas se a intenção é dividir com mais pessoas ou viajar bastante, o carnê com 10 acaba sendo mais vantajoso (€14,90).

Paris Visite 

Aqueles que vão passar de 1 a 5 dias na capital francesa e precisam de transporte público ilimitado entre as zonas 1 e 3, o Paris Visite é uma excelente pedida. Nele está incluído não só o Metrô, mas também viagens em bondinhos elétricos, ônibus, RER e SNCF. O cartão pode ser adquirido em estandes e máquinas automáticas disponibilizadas em todas as estações RATP. Os preços para adultos variam de €12 (1 dia) a €38,35 (5 dias). Crianças pagam mais barato.

Fonte: https://www.ratp.fr

O Paris Pass vale a pena?

O Paris Pass é um cartão que permite a entrada em mais de 60 museus, monumentos, passeios e descontos em lojas e restaurantes. Além de economizar uns bons euros – ingressos de algumas atrações chegam a custar mais de €20, sozinhos – com ele o vistante ganha tempo. Isso significa que em museus famosos como o Louvre, o Orsay e o Pompidou é possível pular a parte chata da fila.

O que faz do Paris pass mais completo é o fato de ele estar associado ao travelcard, ou seja, ao uso ilimitado de transporte público entre as zonas 1 e 3. O cartão é vendido online nas versões 2, 3 (inclui o museum pass de 2 dias), 4 e 6 dias. Os preços variam de acordo com o número de dias e a idade do portador (crianças, adolescentes e adultos). Ao adquirir o cartão, o comprador pode optar por recebê-lo em casa, via correio, ou coletá-lo quando estiver em Paris.

A pergunta que não quer calar, no entanto, é se o cartão vale a pena. A resposta é sim, caso você tenha a intenção de percorrer grande parte dos museus e pontos turísticos naquele determinado espaço de tempo, além de utilizar bastante o transporte público. Você tem um ritmo próprio, pretende visitar algumas poucas atrações em Paris e usar o transporte público eventualmente? Nesse caso, é possível que o cartão não seja, assim, tão vantajoso para você.

E o Paris Museum Pass?

O Paris Museum Pass promove o acesso sem filas a mais de 50 museus de Paris e arredores, incluindo o Palácio de Versailles. Ele é vendido online nas versões 2, 4 e 6 dias e custa, respectivamente,€48, €62 e €74. O benefício acaba não sendo tão completo quanto o Paris Pass – não estando incluso, por exemplo, o uso ilimitado de transporte público – mas pode ser bom para os que desejam algo mais simples e barato.

Ainda assim, é necessário avaliar se o que será visto no espaço de tempo pretendido fará jus ao valor gasto. Vamos supor que você opte pelo passe de dois dias (48 horas, a partir da validação) e pretenda se dedicar a quatro museus da cidade, durante o período:

  • Museu do Louvre – €17
  • Museu Orsay – €14
  • Centre Pompidou – €14
  • Museu Rodin – €12
  • Total gasto = €57 (sem o Museum Pass) €48 (com o Museum Pass)

Mais dicas importantes

Visto – cidadãos brasileiros não precisam de visto de turismo para permanência de até 90 dias na França e em outros países-membros do Acordo Schengen. Porém, no momento do desembarque serão exigidos passaporte válido e outros comprovantes como passagem de ida e volta, comprovante de recursos financeiros, seguro-saúde válido em todos os países-membros do acordo, entre outros.

Dinheiro – Paris não é um destino barato, principalmente no que diz respeito a hotéis, restaurantes e certos pontos turísticos/passeios. Mas isso não quer dizer que a cidade não tenha opções mais em conta. A moeda local é o Euro (€) e casas de câmbio/ caixas eletrônicos podem ser encontrados em praticamente todas as esquinas. Na dúvida sobre como levar dinheiro em viagens internacionais? Então, clique no post do MD e saiba como fugir do IOF.

Segurança – a capital francesa, em geral, é segura, porém golpes e furtos estão cada vez mais frequentes, especialmente nos pontos turísticos mais badalados e no Metrô. Fique muito atento a seus pertences: carteira, bolsa/mochila e outros objetos de valor, pois é possível ser roubado da maneira mais sutil possível. Também não dê confiança a pessoas estranhas, não assine listas de abaixo assinado e não deixe que estranhos coloquem um anel no seu dedo (outro golpe clássico).

Chegue Cedo – Paris é uma das cidades mais visitadas do mundo (talvez seja a mais), portanto, é raro encontrar a cidade vazia. A fim de evitar certos aborrecimentos, como as enormes filas que se formam na porta de alguns pontos turísticos, por exemplo, é bom chegar cedo ou adquirir ingressos com antecedência. Aos que forem a Paris com o intuito de comer em restaurantes mais disputados, também recomenda-se efetuar reservas previamente (muitos estabelecimentos o fazem por meio de sites, e-mail ou telefone).

O que fazer em Paris em 1 dia

  • Veja a Mona lisa no Museu do Louvre
  • Conheça o Arco do Triunfo
  • Desça a pé pela avenida Champs- Elysées
  • Visite a Torre Eiffel

O que fazer em Paris em 2 dias

  • Dia 1: O que fazer em Paris em 1 dia
  • Reserve um tempinho para explorar o Musée d’Orsay
  • Caminhe sem pressa pelo jardim das Tulherias, depois veja de perto as Nymphéas, de Claude Monet, no Museu Orangerie
  • Percorra a margem esquerda do Rio Sena a pé ou faça um cruzeiro pelo Rio
  • Visite a Torre Montparnasse e curta o pôr do Sol

O que fazer em Paris em 3 dias

  • Dia 1: O que fazer em Paris em 1 dia
  • Dia 2: O que fazer em Paris em 2 dias
  • Visite o famoso Castelo de Versailles pela manhã
  • À tarde, explore a charmosa cidade de Versailles

O que fazer em Paris em 4 dias

  • Dia 1: O que fazer em Paris em 1 dia
  • Dia 2: O que fazer em Paris em 2 dias
  • Dia 3: O que fazer em Paris em 3 dias
  • Veja de perto a escultura o “pensador”, no Museu Rodin
  • Visite a bela Sainte Chapelle e seus vitrais de tirar o fôlego
  • Coma um crepe de rua ou sente-se num café parisiense
  • Explore as ruas do bairro Marais, entre elas a Rue des Rosiers e a Rue des Ecouffes

O que fazer em Paris em 5 dias

  • Dia 1: O que fazer em Paris em 1 dia
  • Dia 2: O que fazer em Paris em 2 dias
  • Dia 3: O que fazer em Paris em 3 dias
  • Dia 4: O que fazer em Paris em 4 dias
  • Visite a Basílica do Sagrado Coração, em Montmartre
  • Explore a pé o bairro de Montmartre, um dos mais charmosos da capital
  • Almoce na boulangerie Coquelicot ou…
  • troque tudo isso por um dia na Disney Paris

115 Comentários

  • Pedro Mello says:

    Em relação a hospedagem, muitos turistas, sobretudo os europeus, escolhem ficar fora de paris, em cidades ao redor. Paga-se metade do valor e fica-se a 10 minutos de paris.
    Nós brasileiros ainda não temos uma cultura de viagem e procuramos ficar no centro.
    Se não tiver problema em pegar transporte publico eu sugiro ficar nas seguintes cidades, que são ótimas cidades em termos de segurança e transporte, e muito rapidamente chega-se no centro de Paris e as vezes possuem atrações não tão conhecidas por nós.

    Suresnes
    Puteaux
    Saint-Cloud
    Issy
    Sevres
    Boulogne-billancourt
    Meudon
    Ivry

    Com relação a transporte, se forem fazer muitos deslocamentos, sobretudo ida e volta a aeroporto, ida a versailles etc.. comprem o passe chamado Navigo.
    O cartão magnetico custa 5 euros e depois se recarrega em função das zonas. O passe completo custa por volta de 33 euros a semana toda(segunda a segunda) e te da direito ilimitado ao transporte na região, inclusive aeroportos, versailles, disney etc…
    Para comprar va na loja no proprio aeroporto e nao esqueça de levar um foto 3×4 para colar no cartão.

    Se for ficar so dentro de paris compre 10 bilhetes de uma vez só
    tem 20% de desconto.
    Só cuidado que esse bilhete só vale para os metros e outros transportes dentro de paris. Ou seja, os trens para aeroporto, versailles, disney la defense etc… não são cobertos por esse ticket.

    Quanto as filas, compre TUDO o que puder antecipado. O bilhete da torre, ingresso do louvre etc.. isso se faz pela internet e voce não perde horas de fila. chega e entra! e custa o mesmo preço que comprar na hora

    O arco do triunfo, para mim, tem a vista mais bonita de Paris. A subida é em escada, mas vale a pena. A torre eiffel é muito alta, o arco é mais baixo e pode-se observar lugares, na minha opinião, mais bonitos

    Para quem tem cidadania europeia(qualquer um da união europeia) e tiver menos de 26 tem entrada gratuita em todos os museus e monumentos.

    na categoria de parque de diversão, eu gosto mais do parque asterix. Os brinquedos são mais divertidos. Como há muito brinquedo de água o parque fecha no inverno

    Vocês falaram em "museu das armas". Na verdade chama-se MUSEU DO EXÉRCITO.
    Armée em frances é exercito. Armas em francês é Armes 😉

    • Muito boa a contribuição do caro colega… Anotado as dicas. Abraços a a equipe MD. Melhor cidade do mundo na minha opinião!!!

    • jonatan says:

      hospedagem eu indico esse hotel de Ivry-sur-Seine cidade ao lado de Paris: Adagio Access Paris Quai d Ivry eu fui a 1ª vez em março imprimi tudo do guia do md e me fui o hotel fica a duas quadras do rer C te deixa a uma quadra da torre eiffel e a uma também do palacio de versalhes.
      fica próximo uns 10 minutos caminhando do metro 7 que te deixa dentro do louvre e dentro da lafayete.
      é um ótimo hotel e preço muito bom próximo tem um Carrefour o hotel tem cozinha com micro ondas etc e nesse carrefour tem também um McDonald’s resumindo é ótimo hotel fácil de chegar dos dois aeroportos chegue do brasil do cdg e de Roma do Orly :
      .tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g196570-d1080596-Reviews-Adagio_Access_Paris_Quai_d_Ivry-Ivry_sur_Seine_Val_de_Marne_Ile_de_France.html

      • Pedro Mello says:

        os adagio são sempre uma boa opção.

        barato e pode colocar a familia toda dentro. é uma casa que tem tudo

        nos arredores de paris tem varias opções baratas.

        HÔTEL PREMIÈRE CLASSE PARIS OUEST – PONT DE SURESNES

        custa a partir de 40 euros por quarto. Banheiro no quarto e o quarto é triplo.

        sai mais barato que ficar em albergue e fica com muito mais conforto.

        em 5 minutos está em port maillot.

        só por não ser em Paris o preço cai mais do que pela metade.

    • José says:

      A ideia é válida, mas EU acho meio furada se hosperdar fora da cidade.
      A economia não vale a pens, a pessoa vai perder uns 20 min soh p/ chegar na chatelet les halles p. ex., mais o tempo até o metro proximo ao lugar a ser visitado…fazer isso todo dia é meio perregue.
      Uma vez fiquei em um hotel na região da praça da batilha por 50 euros a diária. Tem que pesquisar bem, mas encontra hospedagem barata por lá

      • Pedro Mello says:

        mas você não precisa ir a Châtelet. Essas cidades por vezes ficam mais próximas de algumas atrações do que se ficar em Paris.
        De Suresnes para o arco é um pulo.
        de boulogne para a torre é um pulo

      • Mariana Dias says:

        Também acho que se hospedar fora nem sempre é uma boa economia. Passei o Natal do ano passado em Paris e consegui hotel com quarto de casal por 50 euros a diária no 3e arrondissement. Na minha opinião só valeria a pena se hospedar fora de paris se a diária pro casal fosse no máximo 30 euros.

    • Claudia says:

      Excelente comentario. Acrescento que estive em Paris em novembro e fiquei num apartamento alugado por temporada na rue Jacob, na regiao de Saint German, e foi extremamente barato, isso sem contar que podia comprar comida no Carrefour e fazer pratos rapidos em casa, o que barateou ainda mais minha viagem.
      A farmacia Citypharma foi um achado, maravilhosa, tem todos os produtos de beleza por preços incriveis (La Roche, Bioderma, etc).
      Uma pequena correçao é que o Castelo é da Bela Adormecida, e nao da Cinderela, na Eurodisney. O da Cinderela fica nos EUA.
      Paris é um destino que nao se esgota, ja fui algumas vezes e pretendo ir novamente em breve, espero alguma super dica do Melhores Destinos.

    • caterina trotta says:

      Pedro ! Muito obrigada pelas inteligentes dicas! Estamos indo pela primeira vez, não tinhamos nenhuma dessas dicas! E olha que tenho pesquisado bastante!
      Um grande abraço, Caterina

    • Nilceia Andrade says:

      OBRIGADA PELA CONTRIBUIÇÃO

  • Hélder says:

    Da para viajar a Paris só falando português? Tenho muita vontade de conhecer, mas muito medo de ir por não falar outras línguas.

    • Renato says:

      É possível sim, fui a Paris em 2012, amei o local, o único senão são os parisienses, extremamente grosseiros, até os que trabalham com turistas, como garçons e vendedores. Mas, mesmo assim, recomendo a visita, o lugar é encantado. É só levar na esportiva. É como dizem: Paris, sem os parisienses, seria o paraíso.

      • Márcio says:

        O tratamento que recebemos quase sempre depende da forma como tratamos os outros. Consigo me comunicar um pouco em idiomas como inglês, francês, espanhol e italiano; já estive em vários países e nunca me trataram mal. Sempre ouvi as pessoas falando mal dos franceses, porém a surpresa foi positiva quando lá estive. De tão educados e atenciosos que até tentaram falar português comigo, e em certa ocasião perto dos Jardins de Luxemburgo, um senhor francês ao ver que estava tentando localizar um lugar no mapa, parou e tentou ajudar falando em inglês, por perceber que eu era turista. Paris não teria o mesmo charme sem aquele povo de elegância ímpar e muito educado. Hélder, expressões como "s'il vous plait", "bonjour", "merci", "pardon", dentre algumas outras são essenciais. Jamais aborde um francês, em inglês, sem antes se desculpar por não falar francês e pedir para que ele se comunique em inglês com você. Ninguém tem obrigação de falar outra língua porque o turista não sabe a língua local. A cultura dos franceses, e de muitos outros europeus é bem diferente da nossa. Diferente dos estadunidenses, que costumam colocar o "cliente" em primeiro lugar, lá vale o princípio da boa educação: cumprimente a pessoa que irá atender você, use o por favor e sempre diga obrigado. Outra dica: cuidado com a mania que muitos brasileiros tem de querer criar intimidade com pessoas que mal conhecem. Os franceses geralmente são formais e não gostam desse tipo de coisa. Cultura deles, nada mais que isso. Paris é lindíssima, acho que ao lado de lugares como Praga e Viena é uma das cidades mais bonitas do mundo. Fui uma vez no outono, pretendo voltar em dezembro em pleno inverno e ainda quero ir na primavera.

        • Andrea Klein says:

          Concordo com você Marcio, tudo depende do tratamento, da maneira de abordar as pessoas. Aprendi as palavras chaves em francês, na primeira vez que estive lá, e só tenho elogios aos parisinos. A cidade é linda e o povo é muito educado. Formal mas também gentil.

        • Leonay Melo says:

          Márcio, onde clico p curtir mil vezes? Perfeita a sua colocação, aqui é assim mesmo, vc descreveu perfeitamente o comportamento do francês… a abordagem é qm decide o tratamento q cada um recebe, portanto, seja educado, cumprimente em francês, explique q vc n fala o idioma e pergunte se ele pode falar c vc noutro. 🙂

      • Lira says:

        Renato: ou você teve MUITO azar, ou você possui baixa empatia. Não achei os parisienses grosseiros. Não mais que os habitantes de qualquer cidade grande. Sempre fui bem tratado, só falando bonjour, sil vous plait e merci. O resto em portugues/mímica/ingles mesmo. E sempre um sorriso, claro.

        • Marcia Lucas says:

          Eu também não tive problema nenhum com os franceses, foram simpáticos e eu me comuniquei em inglês o tempo todo e não tive problema nenhum.

          • Valdeir says:

            Também me surpreendi muito positivamente com o povo francês, já que até então tinha ouvido falar que eram grosseiros com estrangeiros. No dia de ir embora, após quase 20 dias mochilando pela Europa, estava no metrô tentando descobrir como chegar em CDG (sem smartphone). Passou uma senhora em torno de uns 45/50 anos e eu perguntei, em inglês, como fazia para chegar no aeroporto. Só estávamos nós dois no local, fazia MUITO frio e eu não estava lá muito bem vestido, com barba por fazer, etc. Por um motivo ou por outro (rsrs.), ela me pediu que a acompanhasse até dentro do trem, em inglês, que ela me explicaria. Uma vez lá, assim que foi começar, ela viu uma bandeirinha do Brasil que tem na alça da minha mochila. Ela então, de forma muito simpática e solícita, perguntou se eu preferia que ela me explicasse em inglês ou espanhol.
            Tem outros episódios. Mas esse eu considero bem ilustrativo.

        • Rafael says:

          Em Paris fui muito bem tratado. Até um local me vendo consultar o mapa do metrô na parede arrumou um mapa de papel e pediu a uma garota local para me acompanhar até a estação que eu estava procurando. A única pessoa que não achei muito simpática foi a moça da estação de metrô saindo do aeroporto, mas também pudera, até eu ficaria estressado com um emprego desses. Muitos sorriam, ajudavam até a polícia falava um inglês arrastado (algo que me impressionou). Mas atendimento e grosserias? Conheça o Espírito Santo, não precisa ir a Paris.

        • Gilberto says:

          Gostaria de saber se comprando um bilhete de metrô vale por 36 horas …Pq chego em 26/01 as 19hrs e vou embora 29/01 também as 19hrs

    • jonatan says:

      eu fui a 1ª viagem internacional nao falo nada de inglês e arranho um portunhol cheguei a comprar um dicionário em Guarulhos de frances nem usei os caras sao simpaticos e sempre nos locais turisticos tem gente placas etc em espanhol que ja da pra entender legal né vai tranquilo encara como uma aventura.

    • Pedro Mello says:

      Cara eu já fui a China e ninguém la fala nada a não ser aquela língua louca deles.
      Já fui na Russia e la ninguém fala nada além de Russo.
      Já fui na Jordânia e ninguém fala nada além de árabe. Nem as placas estão em alfabeto latino. Ainda aluguei carro pra rodar pelo país.
      Já fui na palestina sem falar nem hebraico e nem árabe.
      Fui na Indonésia sem falar uma palavra em bahasa.

      tudo isso para dizer que eu fui a muito lugar diferente e estou vivo aqui.

      Não tenha medo aproveite a vida. Você vi se sair bem vai ganhar experiência e vai voltar vivo.
      O único risco que você corre viajando é se viciar e não conseguir mais parar de viajar.

      Eu me chamo Pedro sou viciado e não viajo a mais de 2 semanas!

      • Lira says:

        Idem. É o comentário mais lúcido. Mania que o povo tem de restringir viagem por causa do idioma. Eu sempre decoro "por favor", "obrigado" na língua do país. O resto vai na base de gestos, sem muito problema. Sempre fui bem tratado.

        • Rafael says:

          É verdade. Já fui à Polônia à casa de uma amiga mas me deu pena não poder conversar muito com eles. É a única desvantagem. Mas uma regra vale, inglês NÃO é língua universal. No Egito mesmo algumas pessoas não entendiam nem "water". A dica é aprender alguma coisas no idioma local. Hoje em dia com a internet não há mais desculpas.

      • Solange says:

        Pedro concordo com você, já fui ao nepal, Jordânia, Egito, enfim, fui , voltei viva, amei e adooooro viajar, se não dizer, viciada. Sou viciada o MD. Viajar é sempre trocar a roupa da alma. Solange

      • sonia says:

        Cara já viajastes, heim , babei, abraço

    • José says:

      Desde que vc decore meia dúzia de frases básicas em francês, e ao menos tente "falar a lingua" deles, vc nâo terá problemas, e verá como os franceses são antenciosos e prestativos, muito mais do que os italianos, p. ex.

      • Claudia says:

        Concordo plenamente. Ao abordar um frances para pedir ajuda/informaçao, voce deve dar um "bonjour" , "s'il vous plait" que será muito bem tratado. Eu usei o trem para ir do aeroporto/hotel e varias pessoas se ofereceram para me ajudar com minha mala nas escadarias Fiquei positivamente surpresa.

        • Claudia says:

          Outro detalhe: antes de começar a mandar o seu ingles, diga em frances que voce nao fala frances e pergunte se seu interlocutor fala ingles, e use aquelas palavrinhas magicas – pardon, sil vous plait, bonjour. O tratamento será outro.

    • Sergio says:

      Se você ler muito sobre a cidade antes, não vai precisar ficar perguntando muito. Muitos dos fast foods tem um totem de atendimento onde se pode fazer o pedido lá em outras línguas

    • Helder says:

      Agradeço a todos pelas pedicas. Acho que vou deixar o medo de lado e embarcar nessa aventura na próxima promoção aqui do MD.

    • Hélder, eu acho importante pelo menos "arranhar" algum outro idioma, francês ou inglês. Não acho que você precisa ser fluente, mas saber pelo menos o básico vai ajudar muito.

    • Helder, como o Renato falou é possivel , mais tente aprender o básico, pois os parisienses não tem a fama só, são grossos na maioria; leve na esportiva. tente andar com um mapa, tente falar em inglês (se souber), inicie uma conversação em frances , passe para o ingles ou portugues, pois algumas lojas e a policia local podem ajudar.
      Fora de Paris vc será muito bem recebido, mesmo não falando frances, é outra realidade.
      Já recebi alguns fora mesmo arranhado meu frances. É uma cidade que deve ser visitada e qdo for irá querer visistar outras vezes. a Fança é grande. Planeje um percuso de de trem.

  • Luã ribeiro says:

    Na verdade, o povo de la fala inglês tambem (maioria), então o bom seria ter uma leve noção do inglês.

    • Pedro Mello says:

      fala nada……..,,

      os que dizem que falam(na maioria), falam na verdade uma coisa que se parece com inglês. São palavra em inglês com pronuncia em francês. O que chamamos de Franglish que é uma língua irmã do portunhol

    • Manu says:

      Na nossa experiência percebemos que são pouquíssimos que falam inglês, a maioria dos franceses que nos atenderam entendiam melhor o espanhol do que o inglês.
      Mas fomos com o básico(BEM básico mesmo) de tudo(inglês, francês, italiano, espanhol…) e nos viramos bem. Tem que ter bom humor claro, rsrs.

  • André Luis says:

    Vale a pena um passeio aos jardins de Monet em Giverny. Pegue um trem até Vernon e termine o trajeto de ônibus. Agora os jardins estão floridos, um bate e volta imperdível.

  • Claudemir says:

    Ola, encontrei promoçao pra Fernando de Noronha, no carnaval ou Pascoa, por 10 mil milhas o trecho voando Gol.

  • Ailton Freire says:

    Paris é uma cidade encantadora, passei alguns dias por lá e recomendo o bairro Le Marais, tranquilo, maravilhoso, perto de tudo. Caminhar por Paris sem ter lugar definido para ir, se perdendo por suas ruas e encontrando lugares (bares, cafés, restaurantes, …) fora dos roteiros turísticos é um prazer que somente vivendo para descobrir.

  • Lairton says:

    Estive em 2012 em Paris, fiquei ao lado da galeria lafayette, sendo que comprei o hotel através da dica que foi na época aqui no MD, o leilão de hotel Priceline, consegui um hotel muito bom, um quarto enorme com 5 estrelas por 100,00 dólares.
    Foi tudo de bom, entramos em um bistro no final de tarde para jantarmos e a música ambiente era Vinicius de Morais, a comida simplesmente maravilhosa.
    Não me lembro qual foi o bairro mas era lugar de Judeu também com construções muito diferentes e bonitas.

  • Rafael Guimarães says:

    Um lugar que nunca vejo nesses guias e que eu recomendo muito é o Musée de L'Orangerie… Lá você pode ver os belíssimos painéis de Monet com as famosas vitória-régias! Eu acho imperdível!!! Fica no final do Jardim des Tuileries… Vale muito à pena!

  • Paris é um sacrifício. Você é obrigado a tomar vinhos, queijos e frios nacionais. kkk

  • Se a pessoa se organizar, consegue bons preços para se hospedar em Paris, veja esse hotel (http://www.booking.com/hotel/fr/de-france-quartier-latin.html?dlen=1;aid=400000;), fica na Quartier Latin tem nota 7,7 no Booking e é super bem conceituado no TripAdvisor, Consegui fazer uma reserva para novembro com excelente preço. Quem deixa para ultima hora sempre paga mais caro. Uma semana de hospedagem em Paris, por R$1.400,00, achei o valor super bacana.

  • Eu e meu marido fomos em fevereiro e ficamos no Hotel Kyriad Gobellins. Boa localização, perto do metro, cama boa, banho bom e café da manhã mesmo com pouca variedade delicioso. Pagamos 80 euros!

  • José Canez says:

    O link para dicas de transporte de metrô não está funcionando.

  • Jonathan says:

    Muito bacana esse post,vamos para Paris pela primeira vez em novembro,ficaremos 1 mês la,alugamos um apartamento pelo Airbnb,vale muito a pena o valor e localização.

    • Eliane says:

      Indo ao museu do Louvre, tente localizar a entrada do Leao e entre assim que abrir o museu…nao tem fila.. a entrada principal tem uma fila gigante…

  • Costumo sempre alugar imoveis do que hoteis…fica bem mais em conta quando se viaja em várias pessoas e ainda podendo conviver com os locais da região. A ultima vez q estive em Paris peguei um apto muito proximo da estacao de metro. ( 3rd arrondissement) ..Eu adoro viajar para a Europa em junho/julho devido anoitecer bem tarde…entao 9 horas da noite ainda parece dia…e Paris com aqueles mercadinhos pequenos que podemos comprar vinho e queijo e o pain au chocolat … 🙂

  • Leandro says:

    Hospedagem, consegui preços muito bom para Hoteis 4 e 5 estrelas pelo priceline.com e hotwire.com, pagando em torno de 100USD por noite na Champs …

    A galeria Laffaiette é muito interessante para conhecer e para comer, lagosta/lagostins e camarão tudo fresco e feito na hora.

    Transporte tranquilo, trens e metros para todos os lados. Um dica, usei a empres Le Open Tours, ingresso para 3 dias, das 07:00 as 19:00(até o ultimo onibus[por volta das 21h] por 40 euros, facil e rapido além de visitar todos os pontos turisticos ajuda bastante no deslocamento entre os bairros.

    Os falafels e os quebabs também quebraram um galho na hora de forrar o estomago.

    Abs.

  • EDUARDOPGALVAO says:

    Interessante este negócio de que francês é isto, é aquilo.
    Estive em Paris 4x, falo pouco francês mas sempre fui MUITO BEM tratado… Já no Brasil…
    Acho que o maior problema é aquele turista que já chega or lá querendo falar inglês, etc… Disso eles não gostam mesmo. E estão certo, convenhamos.
    O francês é muito nacionalista. O parisiense então… se quiser ser realmente bem tratado, pergunte para eles sobre a cidade, sobre o rio Sena, se interesse pela cultura local ..etc… eles (a maioria, lógico) com certeza irão retribuir.

    • Também não tive problemas nas vezes em que visitei Paris e o restante da França, Eduardo.
      🙂
      Minha tática é a seguinte, inicio a conversa em francês e logo pergunto se a pessoa pode se comunicar comigo em inglês, com um baita sorriso no rosto, claro! 🙂 hehehe

    • Natália says:

      Não acho certo não. Inglês é a língua de mais fácil aprendizado e quem viaja não vai aprender a língua de cada país que vai, usar uma língua "universal" é super compreensivo, não há nada ofensivo nisso.
      E pessoas que trabalham com turismo não falarem inglês acho inescusável.

  • fctenorio says:

    Fiquei no New Orient Hotel duas estrelas que merece quatro, possui ar condicionado e elevador, itens não muito comuns em Paris. É um dos mais bem cotados no Trip Advisor, lá é tudo bom: http://www.hotel-paris-orient.com/

  • Sara says:

    Dica bacana para hospedagem em Paris é o http://www.rentparis.com, destinado a aluguel de imóveis para temporada e quarto de hotéis de alto padrão.
    Recentemente foi lançada uma versão do portal exclusiva para brasileiros, em português. Além dos imóveis, o RentParis.com oferece serviço de concierge sem cobrar a mais…

  • Monica says:

    Ai gente. Estou morrendo de medo, pois vou pela primeira vez e não sei falar bem mo francês e muito menos o inglês. estou apavorada!!!

    • Eliane says:

      Nao tem problema nao falar francês e nem inglês…mas se for pegar o metro é bom dar uma olhada primeiro nas estações para não se perder…eles não falam inglês na maioria dos lugares mas eu me perdi no metro na primeira vez e tive q pedir ajuda para uma moça em inglês…nos restaurantes geralmente tem o "plat du jour" ou seja, prato do dia, ai fica mais fácil…leve o dicionário… 🙂 e divirta-se.

    • EDUARDOPGALVAO says:

      Não tem por que estar apavorada!!!

      Pense assim: o europeu viaja, e muito. O alemão não fala francês, o francês não fala holandês, o holandês não fala italiano, e assim vai.

      A infraestrutura para o turista é excelente, não esta ZONA que é o nosso pais!!!

    • Junior says:

      Monica, fale bonjour (bonjurrr), s'il vous plait (si vu plé) e je ne parle pas français (je ne parrrle pá frrrancé).
      Pronto! O resto é com gestos e apontando na vitrine, no cardápio, no guia, no mapa, etc… Sorria e seja feliz! O friozinho na barriga faz parte da viagem, mas não precisa ficar apavorada!

      • Fernando Santos says:

        Excelente dica Junior ,depois da dica fico mais tranquilo ,viajo em abril e não entendo nada de francês e inglês. Porém tenho que decorar as palavras fundamentais em francês

  • Luis says:

    Acabei de voltar de Paris, fiquei em um apartamento muito legal pelo airbnb, muito top, perto da torre Eiffel no metrô Duplex. Paris é interessante, um banho de cultura e história, mas falando em Banho, a maioria dos Parisienses não conhece essa palavra, são muito mal educados, não grossos, mal educados mesmo, e vi pessoas daquelas de informações turísticas, mandando uma senhora de uns 70 anos, Brasileira, para um lugar errado, tive problemas até com a atendente da vueling de Paris, eu recomendo fazer aquela visita de turista mesmo, sem falar com ninguém de lá, muita decepção.

  • samy_sbz says:

    Dica de hospedagem: Hotel Au Pacific no distrito 15, próximo a torre. Ótimo custo benefício e próx. a estações de metrô. Quem puder, visite também Parc du Sceaux, na região metropolitana de Paris (pegar linha RER C). É um parque frequentado por moradores, pouco turístico, mas muito bonito. No mais, Quartier Latin é meu favorito…

  • Faltou a NIGHT
    VIP ROOM PARIS
    A MELHOR DE TODAS!

  • Janaina says:

    Moro em Paris há três meses como estudante. Já havia vindo como turista três vezes e, na época, sabia só bonjour, s´il vous plaît e merci em francês e me virava mais ou menos no inglês. Não acho as pessoas grossas. São mais objetivas que nós. Sempre fui bem tratada. Já viajei a muitos países e sempre vamos encontrar um ou outro mal humorado pelo caminho, do mesmo jeito que acontece no Brasil ou em qualquer parte do mundo. Como o pessoal já disse, ao abordar as pessoas, falar sempre bom dia e por favor em francês: isso já melhora bem as coisas. No mais, Paris é linda de todo jeito, venham e aproveitem!

  • Blenner says:

    Gostaria de saber se vcs tb tem uma materia sobre "O que fazer" para Madri e Roma, para o mes de novembro.

    obrigado.

  • Márcia Trein says:

    Eu meu marido e meu filho, de vinte anos na época, fomos a Paris em julho, fomos muito bem tratados, falando aquelas palavrinhas básicas: bonjour, oui, non. Ótimas lembranças, para vcs terem uma idéia de como fomos bem tratados, até um upgrade de quarto nos deram. Hotel maravilhoso Castille, ao lado da Mason Chanel. Hospedar se em Hotéis bons, também ajudá muito.

  • Cecilia says:

    Agradeço a todos pelas dicas. Estou indo a Paris pela primeira vez e suas sugestóes já estão na bagagem. Confesso que a insegurança e a ansiedade vào indo junto. Na volta eu conto como me saí.

  • Turista says:

    Pessoal, vocês que tem experiência com Paris, quanto seria de gasto, para duas pessoas para 7 dias?

    • depende muito do seu estilo, por isso esta pergunta acaba sendo muito difícil de responder. Alimentação é um dos itens mais importantes. Por exemplo, aqueles que optam por comer em lanchonetes ou fazer compras em supermercados, conseguem economizar bem mais. Mas se você gosta de ir à restaurantes, aí o cenário muda. Da última vez em que estive lá gastei uma média de 100 eur por dia, porém, eu gosto de ir a vários museus, comer em restaurantes e de vez em quando pego táxis (principalmente quando estou sozinha).

  • Roberto says:

    Conselho: cheguem em qualquer lugar na França com um belo sorriso, dizendo Bon Jour!!! Eles mostram toda simpatia na hora.
    Nas épocas de frio não dá para deixar de ir ao famoso, bem atendido e barato Au Pied de Cochon para comer a maravilhosa sopa de cebola elogiada por ninguém menos do que Patricia Wells.
    E para quem gosta de arte oriental, o Museu Guimet é extraordinário. Simplesmente não há nada igual no mundo todo, nem lá no oriente.

  • Obrigado MD ! Vocês poderiam postar o guia de Lisboa !

  • Silvana says:

    Estive em Paris em 2012, e amei cada minuto nessa cidade linda, e não tenho nada a reclamar, fui bem tratada, mas sempre com as palavrinhas mágicas na ponta da lingua, e em francês, é claro ! Irei novamente em 2015 e pretendo ficar uma semana ! Conheço muitas cidades do interior da França, maravilhoso o tratamento que recebi, momentos que podem passam 100 anos e eu nunca esquecerei !! Amo a França !!

  • Gabriela says:

    Ameiii. Perfeito! Estou de passagens compradas para as férias de julho, eu e dois sobrinhos adolescentes, menina e menino.
    Amei as dicas e espero dicas maravilhosas sobre Londres também, que visitaremos em 3dias.
    Grata Gabriela

  • Natália says:

    Gostaria de um guia sobre a região de provence ao sul da França. 🙂

  • Daniel says:

    Quando vcs alugam esses apartamentos de temporada por esses sites, como fazem quando chegam lá? Tem alguém sempre esperando? Como entram no apartamento?

    • Em geral, depois de aprovada a estadia, o dono do imóvel e o hóspede trocam mensagens para combinar o horário da chegada. Daí é feita a entrega da chave e o dono também explica ao hóspede tudo sobre o apto/casa e sobre a cidade também (alguns entregam mapas, dão dicas de restaurantes). Bem, todas as minhas experiências com o airbnb foram super positivas!

    • Sim, Daniel, pelo menos no airbnb é assim. Quando a estadia é aprovada, o dono entra em contato com o hóspede para combinar o horário de chegada e fazer a entrega da chave.

  • Cleber says:

    Quer visitar uma Paris quase vazia? Vá em agosto: os parisienses saem em férias e a cidade fica bem mais vazia. O inconveniente? Aquela boulangerie que te indicaram pode não estar aberta…

  • Juliana says:

    Fui a Paris mês passado e me surpreendi com o número absurdo de ambulantes e pessoas tentando aplicar golpes em todos os pontos turísticos. Muitos pedintes e moradores de rua tb. Sinalizações em todos os lugares para ter cuidado com os batedores de carteira. Não esperava…
    Tirando isso, foi uma viagem agradável, principalmente devido aos vinhos, queijos e pães maravilhosos franceses.

    • fctenorio says:

      Também me surpreendi Juliana, me decepcionei com esse lado de Paris principalmente porque vim de Londres e achei uma cidade maravilhosa, perfeita, 1º mundo mesmo, tudo limpo, sem pedintes, estruturada, metrô fantástico. Londres virou minha paixão. Tudo é questão de referência, podem até me xingar, mas gostei muito mais de Londres do que de Paris. Claro que Paris é linda, mas meu coração bate mais forte por Londres.

  • Claudete says:

    Ha um mês, eu e meu marido fizemos nossa primeira viagem à Europa. Mesmo tendo ido com um pacote de uma operadora de viagens (muito eficiente, vale lembrar!), aproveitei algumas dicas do MD nos dias livres. Nosso roteiro foi Lisboa, Madri, Barcelona, Lourdes, Bordeaux, Paris e Londres (incluindo passeios às redondezas de cada lugar, como Óbidos, Sintra, Toledo e pelo castelo de Chambord). Adoramos todo o roteiro e nos surpreendemos favoravelmente com todos os lugares! Lendo as dicas do MD viajei novamente à Paris e, com certeza, voltarei para visitar alguns lugares que ficaram para trás. Uma dica de restaurante: L'entrecôte de Paris, ao lado da Champs-Elysées (29, rue de Marignan). Comida e atendimento muito bons! Ficamos hospedados no Hotel Mercure La Défense, que é bem longe das principais atrações, mas o metrô fica a alguns minutos de caminhada e os táxis não são tão caros, principalmente dividindo o valor com outro casal. Consegui treinar o meu francês principalmente com os taxistas haitianos e argelinos, todos muito simpáticos, principalmente quando viam que éramos brasileiros! Desejo boa viagem para todos!!

  • Visando contribuir com os leitores,vou colocar algumas informações que mandei para alguns amigos da viagem que fiz em Novembro/2013.

    Museum Pass – é um passe de Museu de 2, 4 ou 6 dias que você compra e fura a fila de bilheteria indo direto para a entrada. É caro, mas vale a pena pois você fura a fila e dispõe de 60 atrações. Compre no setor de informações turísticas no aeroporto que você descer em Paris. Eu cheguei pelo Aeroporto Orly num voo da TAP
    http://en.parismuseumpass.com/

    Tickets Torre Eiffel – compre pela internet com antecedência. A fila para comprar na hora é imensa e pela internet você ainda escolhe e vê o horário que quer ir.
    http://www.eiffel-tower.com/pt

    Bateaux Parisiens – jantar pelo Rio Sena no Bateaux. Jantar maravilhoso e imperdível. O mais barato custa 99 euros por pessoa e dá direito à meia garrafa de vinho, ou seja, 200 euros com entrada, prato, sobremesa, show e vinho. Compre pela internet. A mesa é compartilhada neste preço baratinho. No nosso caso sentamos ao lado de um casal de brasileiros lá de MG e hoje, inclusive, tornaram-se nossos amigos
    http://www.bateauxparisiens.com/brasil.html

    Carrinhos de golfe – No Castelo de Versalhes (Chateau Versailles) existem carrinhos de golfe que você aluga para percorrer os imensos e quilométricos jardins. Vale a pena, pois você ganha tempo e ainda consegue visitar os outros 2 castelos que ficam nos jardins. O Grand Trianon (Castelo de Verão da Monarquia) e Petit Trianon (Castelo de Maria Antonieta).

    Le Train Bleu – restaurante secular na Gare de Lyon. Muita gente não conhece mas este local é inesquecível, o atendimento é primoroso e o ambiente é único. Existem menus fixos com entrada, prato e sobremesa + 1/2 garrafa de vinho por pessoa. Quando fui estava 60 euros por pessoa. No total gastamos 140 euros com 2 menus Rejane pois dei 20 euros de gorjeta. Não deixe de ir. Almoço é sempre mais barato que jantar em qualquer restaurante de Paris. Reserve o dia e horário pelo site. É tranquilo.
    http://www.le-train-bleu.com/fr/index.php

    Moulin Rouge – o show é massa!!! Vale a pena. Foi o passeio mais caro de Paris mas é uma vez na vida. Paguei 109 euros por pessoa com direito a 1/2 garrafa de champanhe por pessoa. É caro demais mas é imperdível. Vá no show que começa às 21h30min pois o bairro é meio perigoso para ficar após meia noite. Nós jantamos num boteco por perto antes do show. Importante salientar que este é um bairro tradicional de prostituição. Portanto tem puteiro e casa de strip uma colada com a outra. Inclusive perto do Moulin Rouge existe o Museu do Sexo. Não fomos neste museu mas dizem que é engraçado. Compre o show também pela internet.
    http://www.moulinrouge.fr/

    Você praticamente já sai do Brasil com Torre Eiffel, Bateaux Parisiens e Moulin Rouge comprados.

  • Dicas:

    – procure falar o básico do francês (por favor, com licença, obrigado, perdão, até logo etc.).

    – não chegue de cara falando inglês que eles serão rudes. Notei que eu chegava pedindo desculpas em francês por não falar francês e perguntava se falavam "brasilien". Eles riam e propunham que eu falasse em inglês ou espanhol. Ou seja, francês é simpático e educado demais desde que você seja humilde.

    – TODO mundo fala inglês lá. Até o faxineiro do metrô nos ajudou em inglês.

    – Almoço é sempre mais barato que jantar.

    – Sempre olhe o cardápio na porta dos restaurantes e cafés para não ser pego de surpresa na conta. Lá costuma-se dar 10% de gorjeta. Evite pagar com muitas moedas pequenas. Isso é uma referência simbólica que o atendimento do garçom foi ruim e eles ficam putos rsrs

    – Cuidado com furtos nos metrôs e nas atrações mais famosas. Cheio de trombadinhas em Paris. Vasculhe na internet pelos seguintes golpes: Golpe do Anel, Golpe de Assinar uma lista. As meninas romenas, todas lindinhas mas que te roubam no metrô. E cuidado com os senegaleses (uns negões grandões) que ficam na entrada da escadaria para visitar a Sacre Coeur. Eles tentam colocar uma pulseira em você tipo a fita do Senhor do Bonfim da Bahia e te cercam para pegar dinheiro. Tente subir até a Igreja pelo funicular ou por um escadaria numa rua lateral (já digo logo que a escadaria é imensa rsrsr).

    – Paris tem o tal happy hour, ou seja, até às 21h as bebidas são baratas (pagamos 4 euros numa caneca de 500ml de chope). Após as 21h esse preço pula para 10 euros.

    – Vinho é barato em supermercado. 5 a 8 euros a garrafa. Nos cafés e restaurantes partem de 22 euros.

    – Paris é caro para compras. Vá lá para passear e gaste sua grana com um bom vinho.

    – Metrô e caminhar. Essa mistura é fácil e fundamental em Paris. O sistema de metrô deles é muito bom e de fácil uso pois tudo é sempre bem sinalizado (1,70 euros o ticket do metrô que um só vale para 1 metrô, 1 ônibus e 1 RER que é o trem). Nunca jogue fora o ticket enquanto estiver no metrô. Se for exigido e você não tiver com o tíquete, será multado e a grana é pesada. Caminhar pelas ruas de Paris é uma experiência maravilhosa. É caminhando que você conhecerá os belos detalhes dessa cidade.

    – Não deixe de experimentar os doces e os croissants franceses. Não deixe mesmo. Se vir uma Laduree, Fauchon, Angelina, Pierre Herme, entre em uma dessas docerias e compre um éclair e um macarron (é um doce).

    – Amorino é o nome da sorveteria que você não pode deixar de ir mesmo que o clima esteja quente ou frio.

    – Comer em Paris não é caro. Não vá aos restaurantes próximos das atrações turísticas. Deixe para ir num café ou restaurante 3 ruas depois e verás que dá para comer muito bem e por um preço justo.

  • Aqui são perguntas de uma amiga e minhas respostas.

    1) Quantos dias vc ficou lá? 8 dias, sendo 1 na chegada às 16h, 6 inteiros lá e 1 na volta onde saí do hotel às 10:30h.
    2) Vc reservou o hotel pela internet? Sim, comprei pelo Decolar.com e mandei e-mail ao hotel confirmando a reserva.
    3) Qual hotel vc ficou? Ficamos no Hotel Comfort Inn Mouffetard.
    4) O hotel era bom? Era ótimo. Simples, confortável e muito bem localizado
    5) Tinha metrô perto? 02 estações de metrô pertinho. Em alguns dias saímos a pé pelas atrações. O Pantheon fica a 300m do Hotel e a Rua Mouffetard é super agitada. O bairro Quartier Latin é universitário então você tem muitas opções para jantar e por preços baratos.
    6) Vc foi com o hotel pago daqui? Sim. Comprei pelo Decolar.com
    6) Ainda tenho uma pergunta indiscreta: quanto saiu a viagem toda e quanto eu teria que levar em euros para comida e extra, sem ser compras? Passagem mais hotel deu em torno de 8.300,00. Meu voo foi pela TAP que sai de Recife, faz conexão em Lisboa e desce em Paris no aeroporto Orly. Se você for de TAM ou Air France é provável que desça no Aeroporto Charlles de Gaulle.
    Em dinheiro eu levei 2000 EUROS e neste valor já estava incluso os ingressos que comprei pela internet, transfer da Iberia que contratei no aeroporto e o Museum Pass que também comprei no aeroporto. Nós gastamos em torno de 130 euros dia o casal. Dos 2000 euros eu já havia contabilizado tudo que citei no e-mail (carrinho de golfe, ingressos, almoço no Le Train Bleu e demais ingressos comprados pela internet) A única coisa que me pegou de surpresa foi preço de cigarro já que sou fumante. 6,50 euros um maço mas não afetou nosso orçamento. Não usei cartão de crédito pra nada. Gastei exatamente os 2000 euros e ainda tivemos gastos não programados. Minha esposa descobriu uma farmácia chamada City Pharma no bairro de Saint Germain des Pres que vende produtos La Roche Posai por 5 a 10 euros, coisa que aqui custa de 60 a 100 reais. Aí já viu que ela fez a festa kkkkkk

    Dica importante: leve tênis!! Você vai andar muito e não quer machucar os pés.

    É bom ressalvar que fazíamos o seguinte:
    Café da manhã – não contratamos o hotel com café. Era 14 euros por pessoa por dia. A gente comia numa das maravilhosas padarias da região por 8 euros os dois.
    Almoço – como passávamos o dia vendo atrações nós lanchávamos uns paninis, baguetes e os almoços de menu fixo que são mais baratos e fartos.
    Jantar – comíamos na região do hotel. Era mais barato e era a hora de tomarmos uma bela garrafa de vinho para depois relaxarmos.

    Se você fizer assim dá tranquilo. Se for comer em restaurante no almoço e no jantar, vai gastar uma nota. Deixe durante o dia para experimentar doces, lanchinhos, salgados, coisinhas de Paris. A noite você janta com Vivi tomando um bom vinho e aí sim gastará mais. O único almoço caro foi o do Le Train Bleu mas já estava programado por ser um local especial.

    Se quiser viajar com uma GRANDE margem de segurança leve 250 euros por dia pro casal já considerando os ingressos como comprados. Vai sobrar dinheiro.

    Espero poder ter ajudado aos leitores.

  • Muito boas dicas,eu moro em Paris, vou deixar meu recado :
    o legal de viajar em agosto é o clima de verão que se instala na capital ! No entanto por ser alta temporada, os preços são mais salgados comparado a outros períodos do ano.
    Acho que você deve ficar no mínimo 5 dias em Paris ! Recomendo :
    Torre Eiffel
    Catedral de Notre Dame
    Arco do Triunfo
    Ponte Neuf
    Basílica Sacré Couer
    Museu do Louvre
    Rio Sena
    Moulin Rouge
    Palácio de Versalhes
    Jardim de Luxemburgo
    Acho interessante você fazer um tour gastronômico, experimentar a culinária francesas pode se transformar em momento especial da viagem, veja http://www.saboreandoparis.com

  • Carolina says:

    Oi gente!

    Paris ta ótimo, incrivel… não tem palavras pra descrever !

    Fui em janeiro e gostei muiiito. Eu comprei ingressos sem fila pro Louvre, Tour Eiffel e outras visitas, excursões no sito http://www.ceetiz.com.br. Ta certo. Preço barato e bom serviço! Pronto falei

    Aproveite!

    Carolina

  • Rogério L O Cercal says:

    Tem um desse para Miami? Grato pelas dicas

  • Gisela Cabral says:

    Oi Fabio, se você for do tipo de pessoa que não suporta frio, melhor deixar pra vir em outra época. Mas se gostar pelo menos um pouquinho e, claro, se agasalhar adequadamente, vai curtir bastante 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *