Onde ficar em Paris: como escolher seu bairro na bela capital da França

Por
Publicado 24 · ago · 2018       12:30Atualizado 17 · jun · 2019

Onde ficar em Paris? Qual os melhores bairros? Como encontrar um lugar barato e bem localizado na Cidade Luz? Se você está pesquisando onde se hospedar em Paris chegou ao lugar certo! Confira nesse post todos os detalhes para escolher o melhor bairro de Paris e aproveitar tudo que a cidade oferece!

Onde ficar em Paris – bairro a bairro

O aplicativo do Melhores Destinos acabou de divulgar uma superpromoção para Paris, a fantástica capital francesa! Depois de garantir a sua passagem, você começou a sonhar com os passeios em volta da torre Eiffel, em ver a Mona lisa no museu do Louvre, imaginou-se caminhando pela Avenida des Champs-Élysées e já até “sentiu” o aroma do croissant fresquinho que acabou de sair na boulangerie da esquina. Ah, Paris, são tantos pontos turísticos imperdíveis…

Longe de mim estragar o seu sonho, mas a pergunta que não quer calar é: você tem ideia de onde vai se hospedar em Paris? Essa é uma questão importante e que sempre intriga o viajante que pretende desfrutar ao máximo de uma das cidades mais visitadas do mundo. Esteja você indo pela primeira vez ou não.

A torre Eiffel é um dos pontos imperdíveis de Paris

Onde ficar em Paris?

Bem, o que você precisa saber, inicialmente, é que Paris oferece hospedagem dos mais diversos tipos e para os mais diversos bolsos. E apesar de ser considerado um dos destinos mais caros da Europa, com antecedência e pesquisa é possível, sim, encontrar opções mais “em conta”.

Na Cidade Luz há uma série de hotéis superluxuosos, estabelecimentos pertencentes a redes mundiais famosas e outros menores, entre eles os chamados bed & breakfast. Albergues também encontram-se por todos os lados, assim como os apartamentos de temporada que, no geral, acabam saindo mais baratos do que hotéis, principalmente para os que viajam em grupo. 

foto: Rafael Dantas

Paris é composta por 20 arrondissements, bairros que oferecem ao visitante uma experiência única com belas paisagens, museus e galerias, vida noturna pulsante, cafés, bistrôs, lojas e muito mais. Está indo para o destino com o orçamento apertado? Então, concentre-se em encontrar um hotel, hostel ou apartamento de temporada que fique próximo a uma estação do metrô. O metrô de Paris é um dos mais eficientes que já vi até hoje, portanto, caso encontre uma barganha em algum arrondissement mais afastado (só não aconselho que você fique fora de um dos 20), não haverá dificuldade alguma de locomoção.

A seguir, alguns dos bairros que, na minha opinião, você deveria considerar na hora de hospedar-se na capital francesa. Lembrando, ainda, que nesta página do MD você faz a pesquisa e já reserva o hotel da sua preferência em Paris. Mais fácil impossível!

A Basílica do Sagrado Coração em Montmartre

Montmartre: o reduto dos artistas

Numa colina do 18° arrondissement encontra-se este que é tido como um dos bairros mais coloridos e animados de Paris. Me hospedei por lá em duas ocasiões — no pequeno e aconchegante Hotel des Arts e num apartamento de temporada alugado pelo Airbnb — e posso dizer que Montmartre é daqueles lugares que ficam marcados na memória. Ruas de paralelepípedo cheias de cafés e restaurantes como a Crêperie Brocéliande, padarias como a Coquelicot e lojas para aqueles que não resistem a umas comprinhas.

Além disso, Montmartre abriga pontos turísticos importantes como o superturístico Moulin Rouge, famoso na noite parisiense, e, bem no topo da colina, a Basílica do Sagrado Coração (Basilique du SacréCoeur). A vista lá de cima é simplesmente fantástica!

Estação de metrô de Paris

Pigalle para os moderninhos

Pigalle é um bairro situado abaixo de Montmartre, bem próximo de atrações como o já citado Moulin Rouge. Atualmente, a parte Sul do bairro, apelidada de SoPi, tem chamado a atenção por reunir o que há de mais moderno na capital francesa: hotéis-conceito, bares de cocktail e bistrôs superestilosos. Ao hospedar-se no quartier não deixe de passear pela rue des Martyrs, incluindo uma parada na Arnaud Delmontel, no número 39, uma padaria cheia de delícias como pães, macarons e tortas. Ah, a rue Clauzel é considerada o paraíso dos fashionistas!

O famoso Moulin Rouge, sempre cheio de turistas

Le Marais, mais central impossível

O Marais (pronuncia-se “Marré”) é um dos bairros que mais têm aquela atmosfera parisiense, perfeito para os que desejam ficar bem localizados e também não pretendem economizar muito no quesito hospedagem. Repleto de bares e restaurantes como Les Philosophes, o Marais também reúne uma porção de butiques vintage, centros de arte como o Pompidou e pontos turísticos como o Hotel de Ville.

A Rue des Rosiers e a Rue des Ecouffes são endereços quase que obrigatórios, onde você pode aproveitar para experimentar deliciosos pratos da gastronomia do Oriente Médio (como o falafel) e também vai ver muitas lojinhas interessantes. Me hospedei uma vez no bairro e adorei, especialmente depois de descobrir o éclair (doce de confeitaria, estilo bomba de chocolate) do L’Eclair de Genie. No Marais a loja fica no número 14 da rue Pavéé.

Saint-German-des-Prés (6°arrondissement)

O bairro imortalizado por Hemingway, Camus e Sartre fica muito bem localizado, bem próximo da Catedral de Notre Dame e do Musée d’Orsay, além de ser excelente para ser explorado a pé. Pelo caminho, cafés, lojas de todos os tipos, desde as famosas grifes mundiais, passando por renomadas lojas de doces e farmácias que enlouquecem o público feminino. No número 76 da rue de Seine, por exemplo, está a marca Gérard Mulot com seus maravilhosos macarons e o pain au chocolat (tipo de croissant recheado com chocolate) recém-saído do forno.

Outra boa dica local é a farmácia Citypharma (26 rue du Four), imperdível para quem adora cosméticos. A boa notícia é que muitas vendedoras “arranham” a língua portuguesa, o que facilita bastante a vida daqueles que não dominam o francês ou o inglês.

Champs-Elysées – “A mais bela avenida do mundo”

Alguns chamam a área de “o coração financeiro de Paris” e isso se deve ao chamado triângulo de ouro formado pela Champs-Elysées e pelas Avenidas Montaigne e George V. Nessa área você vai se deparar com pontos turísticos interessantes e uma série de lojas — várias delas bem caras. Se comprar, no entanto, não for a sua intenção, não se preocupe, caminhar pela famosa região já é um superpasseio.

Sempre que vou a Paris, repito o percurso saindo do Arco do Triunfo, descendo a Champs-Elysées em direção à Praça da Concórdia (onde está o Obelisco). No caminho, repleto de belas paisagens, aproveito para admirar o Petit e o Grand Palais, a Ponte Alexandre III e o Jardim das Tulherias (Jardin des Tuileries). Imperdível!

O Arco do Triunfo

Belleville para os não convencionais

Belleville (19° e 20° arrondissements) não tem a atmosfera da Paris clássica que a gente vê nos filmes, mas surpreende por ser uma área multicultural e que oferece uma série de possibilidades tanto de dia quanto de noite. A arte do grafite, por exemplo, está impressa em várias construções do bairro.

É por lá, ainda, que você vai encontrar um dos parques mais legais da cidade, o Parc des Buttes-Chaumont e também o famoso cemitério Père Lachaise, onde encontram-se os túmulos de personalidades como o pintor Eugène Delacroix, o espírita Allan Kardec, o escritor e poeta Oscar Wilde, a cantora francesa Edith Piaf e o líder da banda The Doors, Jim Morrison.

Lembrando que Belleville também é conhecida por reunir restaurantes étnicos com preços supercamaradas.

Mais dicas de hospedagem em Paris

– Tenha em mente que a temporada escolhida na Cidade Luz pode impactar no preço do hotel. Caso a intenção seja economizar, considere períodos como o outono e o inverno (com excessão do Natal e do Ano Novo). O verão e a primavera costumam ser temporadas bem caras no destino.

– Fazer a reserva com antecedência pode resultar na economia de alguns euros. Quanto mais cedo você se programar, melhor.

– Antes de bater o martelo, pesquise sobre o estabelecimento e a localização dele para evitar surpresas desagradáveis. Em sites como o Booking, por exemplo, você confere as avaliações das pessoas que já se hospedaram no local.

– Dê preferência a reservas com cancelamento gratuito. Caso apareça uma oferta melhor, no futuro, a antiga pode ser cancelada sem custos.

– Outra opção para economizar é procurar hospedagem nos sites de reserva Hotwire e Priceline, braços dos sites Expedia.com e Booking.com. Nesta matéria do MD você vai saber mais sobre eles.

– Se você está indo para Paris pela primeira vez, é provável que deseje aproveitar a cidade ao máximo, ou seja, ir para o hotel apenas para tomar um banho e dormir. Neste caso, pode ser que você economize mais ao optar por quartos mais simples;

– Em geral, diárias com com café incluso acabam saindo mais caras. Em Paris, sempre prefiro tomar um bom café da manhã em alguma padaria da cidade, o que acaba saindo mais barato e bem mais gostoso!

– Outra dica de economia é não consumir os itens do frigobar do hotel. Comprar água, refrigerantes e afins num mercado ou lojinha de conveniência saem bem mais em conta;

– Não aconselho a hospedagem fora de um dos 20 arrondissements e nem perto do aeroporto Charles de Gaulle, caso você esteja indo para Paris a passeio.

Uma das entradas do museu do Louvre

Apartamento de temporada em Paris

Confesso que gosto muito da ideia de ficar hospedada em um bairro residencial, num apartamento com cozinha completa — ótimo para quem ama comprar produtinhos locais e preparar pratos deliciosos — e sem aquela rotina de hotel, com horário fixo para check in/check out, limpeza do quarto cedo da manhã, entre outras regras.

Como disse alguns parágrafos acima, aluguei um apartamento em Montmartre, da penúltima vez que estive em Paris, e posso afirmar que a experiência foi muito boa do começo ao fim. Na época, acabei pagando menos do que se tivesse ficado num hotel da região, além disso, consegui negociar o horário de entrada e de saída com o dono do imóvel, devidamente registrado e com excelentes avaliações no Airbnb.

Assim como em Amsterdam, onde moro, o governo francês também impôs uma série de regras para os que alugam apartamentos de temporada em Paris. Apesar disso, uma breve pesquisa no site mostra que não faltam opções, a bons preços, na capital francesa. Para utilizar o Airbnb você precisa fazer um cadastro, clique aqui para saber mais.

Alguma dica de hospedagem em Paris? Deixe a sua contribuição nos comentários! Não deixe de ler nosso Guia de Paris, com todas as dicas e informações para a sua viagem!