logo Melhores Destinos

O que fazer em Madri, dicas imperdíveis da bela capital da Espanha

Gisela Cabral
Gisela Cabral
22/12/2019 às 7:12

O que fazer em Madri, dicas imperdíveis da bela capital da Espanha

Madri é um dos destinos mais visitados do mundo e faz jus a essa colocação: a cidade oferece muito o que fazer e ver, pontos turísticos, museus incríveis, ótimos restaurantes e muito mais! Nesse post trazemos um pequeno guia do que fazer em Madri com dicas para a sua viagem! Confira:

O que fazer em Madri

Basta uma breve caminhada pelo centro de Madri para sentir a energia desse destino tão cheio de personalidade e muito o que fazer. Tradições passadas de geração em geração, desde os primeiros registros de existência – no período muçulmano – até os dias de hoje. Resultando numa capital moderna, que exala história e luta para manter a união de toda a Espanha.

Para o turista, o deleite é certo e neste post você vai conferir tudo o que apurei ao longo da minha estadia na cidade. Uma arquitetura de tirar o fôlego, com prédios seculares e palácios belíssimos – entre eles o Palácio Real, sede da monarquia na capital. Monumentos e igrejas que guardam riquezas incomensuráveis, além de três museus importantíssimos para a história mundial: o Prado, o Reina Sofia e o Thyssen-Bornemisza. Mais adiante falarei sobre casa um deles e, claro, como economizar na compra dos ingressos. 

A famosa placa da Puerta del Sol

Falar de Madri sem citar a arte da boa mesa é algo quase impossível. Isso porque comer bem é algo levado a sério pelo povo madrileño, e a enorme quantidade de bares, restaurantes e cafeterias é a maior prova disso. No menu, as famosas tapas – porções de petiscos preparados com ingredientes locais – o cocido madrileño, o bocadillo de calamares, os churros e muito mais. Na dúvida, corra para o mercado mais próximo e delicie-se com o que há de mais fresco! 

Como se pode ver, em Madri os costumes estão presentes pelos quatro cantos, mesmo aqueles considerados controversos nos dias de hoje, a exemplo das touradas. Por outro lado, o amor dos locais pelo time de futebol Real Madrid é algo bonito de se ver. Se você é fã, não pode perder a chance de visitar o grandioso estádio Santiago Bernabéu, seja para conhecer o museu do time ou, quem sabe, juntar-se à torcida durante uma partida. 

Bairro Malasaña, em Madri

Madri – Espanha: Pontos Turísticos

Palácio Real de Madri – a visita é como um passeio pela história da Espanha. A suntuosa construção atual foi erguida depois de um terrível incêndio, sendo o rei Carlos III (1759–1788) o primeiro monarca a viver por lá depois da tragédia. 

O atual rei espanhol, Felipe VI, não reside com a família no local, mas o utiliza para cerimônias e eventos oficiais na capital. No total, o prédio conta com 3 mil aposentos, salas como a do trono real, quartos cheios de obras de arte, salas que abrigam coleções de louças, prataria e até instrumentos do famoso luthier Antonio Stradivari. Um luxo!

Palácio Real

O tour é feito com o auxílio de um guia em áudio, disponível, também, em português. Para adquirir o ingresso (€12/adultos) é preciso marcar dia e hora da visita no site oficial do palácio. Na primeira quarta-feira de cada mês (exceto em Janeiro, Agosto e Setembro), ao meio dia, acontece a Troca da Guarda Solene. Um ritual que envolve 400 pessoas e 100 cavalos, assim como na época dos reis Alfonso XII e Alfonso XIII.

Uma troca da guarda menor também acontece todas as semanas, às quartas e sábados. Lembrando que ambos os eventos estão sujeitos a cancelamentos por conta do mau tempo.

O Palácio de Cristal

Catedral de la Almudena – estrategicamente posicionada ao lado do palácio, a catedral é a principal igreja da arquidiocese de Madri. Apesar de não ter a imponência de construções como a Sagrada Família, em Barcelona, e a Basílica de São Pedro, em Roma, o templo dedicado à virgem de Almudena tem seu charme. Carlos I propôs a construção da igreja em 1518, mas o trabalho para valer só começou a partir de 1879, tendo sido finalizado em 1992.

O interior é neogótico, com capelas e trabalhos artísticos de artistas contemporâneos. A entrada é gratuita, porém sugere-se uma doação de €1 por visitante. A dica para aqueles que desejam conhecer toda a história do templo – e também subir até o topo, para curtir algumas vistas da cidade – é o Museu de la Catedral. A entrada custa €6.

Confira o nosso mapa de Madri, com todas as informações desse post

Jardins de Sabatini – em frente à fachada norte do Palácio Real encontra-se este refúgio verde construído em 1930. Um jardim em estilo clássico, com fontes e esculturas, tão calmo que nem parece estar na região de los Austrias, a parte mais antiga de Madri. A entrada é gratuita.

Puerta del Sol – a praça é tida como o coração da capital espanhola. Por lá passam uma quantidade enorme de turistas e habitantes locais, sem contar que o endereço é um dos palcos preferidos de artistas de rua. Na praça, o visitante ainda vai ver de perto a estátua de bronze do Oso y el Madroño – um urso corpulento que tenta escalar a árvore, em busca de frutos.

Além disso, a praça que guarda o quilômetro zero da Espanha- onde iniciam-se as principais rodovias que cortam o país – é o principal ponto de encontro na noite de Réveillon. Lá, uma multidão se reúne todos os anos e um dos ritos consiste em comer 12 uvas durante a passagem de ano, com o objetivo de atrair boa sorte.

Plaza Mayor – a ampla praça renascentista, rodeada de pórticos, é um dos pontos turísticos com parada obrigatória na parte mais antiga da cidade. No centro, chama a atenção a imponente estátua do rei Felipe III, montado a cavalo. Outros dois destaques são o monumental Arco de Cuchilleros, um dos nove que dão acesso à praça, e a Casa de la Panadería, de 1590, que abrigou a padaria mais famosa da cidade.

Ah, a praça também está cercada de bares e restaurantes, porém todos muito caros e de qualidade duvidosa. Na minha opinião, até vale a pena pagar por um café ou drinque, a fim de curtir a atmosfera local, mas fuja da comida!

Plaza de Santa Ana – ponto de encontro famoso na área central de Madri, a praça tem um mix de arquitetura e energia incríveis. Cercado de barzinhos, o endereço é animação noturna na certa, com destaque para o prédio do Teatro Español.

Plaza Mayor

Gran Vía – a principal avenida da cidade pulsa tanto de dia quanto de noite. E se você é daqueles que curtem umas comprinhas, prepare o bolso, pois lojas não vão faltar: desde butiques de luxo até as fast fashion Zara e H&M. Ah, à noite o visitante encontra na Gran Vía uma porção de teatros, cinemas e casas noturnas com diversão até altas horas. Vale a pena conferir!

Parque del Retiro – pelo menos 15 mil árvores ajudam a formar um dos pulmões verdes da capital espanhola. No local, o visitante vai encontrar jardins belíssimos, um lago onde é possível alugar um barquinho a remo para até quatro pessoas (€6), pista de corrida/bicicleta, bares e restaurantes, muita sombra e água fresca. Não deixe de conhecer o Palácio de Cristal, um pavilhão romântico, todo de ferro, construído para sediar uma mostra de plantas exóticas durante a Exposição das Filipinas, em 1887.

Estádio Santiago Bernabéu – se você é fã de futebol não pode deixar de fazer o tour pelo grandioso estádio e museu do time do coração dos madrileños, o Real Madrid. Durante a visita você vai saber tudo da história do clube, vai ver de perto os principais troféus, salas utilizadas pelos jogadores antes da partida, o túnel que conduz ao gramado, sem contar com as belas vistas panorâmicas de todo o estádio. Ingressos custam a partir de €18, lembrando que no site também são vendidos ingressos para partidas oficiais. 

Estádio Santiago Bernabéu

 

Museus de Madri

Museu do Prado – o museu mais importante da região conhecida como Paseo del Arte de Madri, abriu as portas pela primeira vez em 1819. São, portanto, 200 anos proporcionando ao público o privilégio de ver de perto obras de arte como “A família de Carlos IV”, de Goya, “Las meninas”, de Velázquez; sem contar com trabalhos diversos de artistas Fra Angelico, Rafael, Titian, Hieronymus Bosch, Rembrandt, entre outros.

A entrada custa €15 (adultos), já crianças e adolescentes até 18 anos não pagam para entrar. No site também há opções de adquirir a visita guiada, o cartão Paseo del arte, que dá direito à entrada nos três museus (falo dele mais abaixo) e a visita exclusiva, que acontece antes da abertura do museu ao público. Quer visitar o Prado sem gastar nadinha? De segunda a sábado, das 18h às 20h, e aos domingos e feriados, das 17h às 19h, a entrada é gratuita! 

Dica do MD: não deixe para comprar o seu ingresso de última hora, na bilheteria do local, isso porque a fila costuma ser a mais longa de todas! Ah, fotos não são permitidas em nenhuma área do museu.

Reina SofíaSalvador Dalí, Joan Miró e Picasso, cujo principal trabalho exposto no local é a obra-prima Guernica. Estes são alguns dos destaques do museu que também faz parte do Paseo del Arte e está instalado no prédio do antigo hospital geral de Madri, construído por Francisco Sabatini. Lembrando que mais dois edifícios da capital pertencem ao museu, sendo eles o Palácio de Cristal, no parque Retiro, e o Palácio Velázquez.

A entrada no Reina Sofía – que tem um jardim interno maravilhoso, cheio de esculturas e fonte – custa €8,90 (online) e €10,90 no momento da visita. Porém, a boa notícia é que o museu oferece entrada gratuita às segundas-feiras e de quarta à sábado, das 19h às 21h, e aos domingos, das 13h30 às 19h. 

Visitante admira obra no Museu Reina Sofía

Museu Thyssen-Bornemisza – especialistas dizem que a visita ao Thyssen-Bornemisza é uma oportunidade de mergulhar num universo de vários estilos. Caravaggio, Peter Paul Rubens, Degas, Manet, Picasso e Van Gogh são alguns dos grandes nomes do museu, que pode ser acessado com o tíquete Paseo del arte ou por meio do ingresso adquirido no site: adultos pagam €13, crianças e adolescentes até 18 anos têm entrada gratuita.

Paseo del Arte

O cartão custa €30,40 e é perfeito para quem deseja conhecer os três principais museus de Madri, sem enfrentar filas. Ao adquirir o passe online, com desconto de 20% no preço combinado dos ingressos individuais, o usuário pode visitar as atrações ao longo de um ano, a contar a partir da data da primeira visita. 

Comprei o meu Paseo del Arte no site oficial do Museu Reina Sofía e validei-o na bilheteria do local, sem fila alguma. Tanto o site do Museu do Prado quanto o do Thyssen-Bornemisza também vendem o cartão, porém, as filas para compra/validação do tíquete no Museu do Prado, não costumam ser pequenas. Fica a dica para não perder tempo!

Onde curtir o pôr do Sol em Madri

Templo de Debod – datado do século II, o templo foi transportado diretamente do Egito para Madrid. Um ponto turístico gratuito que fica aberto ao longo dia, mas que acaba atraindo mais visitantes durante o pôr do Sol. O cenário é lindíssimo e, portanto, bastante disputado. Chegue cedo para garantir o seu lugar.

Círculo de Belas Artes – é provável que você enfrente alguma fila até chegar ao elevador que conduz ao topo do prédio. Um importante centro com atividades que vão da arte visual à literatura, da ciência e da filosofia ao cinema e às artes cênicas. As vistas da cidade, do terraço com bar e restaurante, são belíssimas, especialmente durante o pôr do Sol. Para subir o visitante paga €4.

Pôr do Sol do topo do Círculo de Belas Artes

Hotéis e mercado – alguns estabelecimentos disponibilizam terraços ao ar livre para os que desejam curtir um belo happy hour. As vistas podem não ser de tirar o fôlego, mas a atmosfera desses locais farão toda a diferença. Anote aí: The Hat, um hostel moderninho, que fica bem próximo à Plaza Mayor, e o terraço do Mercado San Antón para uma taça de cava ou um gin tonic delicioso!

Mercados de Madri

Mercado de San Miguel – a poucos mais de 200 metros da Plaza Mayor encontra-se o mercado instalado em um prédio em estilo art nouveau. Lá o visitante vai encontrar uma “atmosfera gourmet”, com estandes que vendem todos os tipos de tapas, vinhos, vermute e cava. O único problema, na minha opinião, é que o mercado atrai uma quantidade exacerbada de turistas. Tantos, que fica difícil de circular livremente pelos corredores, imagine comer. Sem contar que o local também é um grande chamariz para batedores de carteira, portanto, muito cuidado com os seus pertences!

Mercado de San Antón – situado em Chueca, um dos bairros mais interessantes de Madri, o mercado é um verdadeiro templo da gastronomia. A taberna-vinoteca La imperial é um dos locais que valem a pena, com vinhos nacionais deliciosos e um entrecot a la plancha divino. Lembrando que no último andar do mercado há um bar/restaurante com terraço ao ar livre, excelente para os dias de clima bom.

Mercado de la Cebada – o local tem cara de mercadão mesmo, bem menos pomposo do que os dois citados acima. Isso, porém, não o desabona em nada. Lá o visitante vai encontrar uma quantidade maior de barracas de frutas, verduras e peixes, o que significa mais habitantes locais circulando para lá e para cá. Porém, barracas com degustação de vinhos e comidinhas também são comuns, não deixe de experimentar algumas delícias. O la Cebada fica no bairro la Latina.

Feirinha em praça do bairro de Malasaña

Mercado de San Idelfonso – no famoso distrito de Malasaña fica este mercado gourmet moderninho e que serve comida do mundo inteiro. Ao visitá-lo, saboreei a paella de frutos do mar e o polvo com páprica assado na brasa, ambos na versão tapas. Mas se você não come nada de origem animal, pode optar pelo hambúrguer servido no estande de comida vegana.

El Rastro – neste famoso mercado de pulgas você vai encontrar de tudo: livros, roupas a preços pequenininhos, acessórios, suvenires e até objetos bem estranhos como máscaras de gás e bonecas assustadoras. Ele acontece somente nas manhãs de domingo/feriados e costuma atrair uma quantidade enorme de visitantes. Tanta gente a ponto de o local ficar infestado de batedores de carteira, todo cuidado é pouco! O mercado acontece entre a Calle Embajadores e a Ronda de Toledo. Além disso, você pode começar o seu passeio pela Plaza de Cascorro.

Leia também:
O que fazer em Barcelona – dicas para a sua viagem à capital da Catalunha

Restaurantes de Madri

La Bola – o restaurante é considerado um dos melhores lugares para experimentar o tradicional cozido madrileño. A técnica utilizada no preparo é a mesma desde 1870: panelinhas de barro são levadas ao forno com carvão, de forma que os ingredientes cozinhem lentamente. A porção é individual: primeiramente serve-se a sopa com macarrão “cabelinho de anjo” e, em seguida, o grão de bico, carnes e vegetais cozidos no caldo. Daquelas refeições que aquecem o estômago e o coração. O cozido – muito bem servido – custa 21,50. A casa faz reservas pelo site, porém não aceita cartões.

DeAtún

DeAtún–  digamos que este seja o templo do atum em Madri. No menu, delícias como o trio DeAtún – tataki,  sashimi e carpaccio (€29) – sem contar com a parpatana confitada (€20): parte macia e suculenta do peixe, assada e servida com vegetais. São dois restaurantes na capital espanhola e ambos fazem reservas online.

Yatiri – o cardápio da casa tem pratos para todos os gostos, mas é nos vegetarianos/veganos que ela manda muito bem. A deliciosa paella vegetariana serve bem duas pessoas e custa €22, outra pedida é o salteado de verduras com seitan ou tofu (€12). O Yatiri aceita reservas.

Chocolatería San Ginés – a estrela do cardápio da chocolateria mais antiga da cidade são churros crocantes, embebidos em chocolate quente. Sim, os churros espanhóis não são recheados com doce de leite como os nossos, e muita gente torce o nariz para isso. Eu, como boa especialista em comer de tudo, adoro os dois. A porção de churros acompanhada de uma caneca de chocolate custa €4,20.

Ojalá – o brunch não é lá um costume da cultura local, mas, como toda cidade grande, Madri também tem estabelecimentos especializados nesse “café da manhã, quase almoço”. Situado em Malasaña, um dos bairros mais deliciosos da capital, o Ojalá tem uma atmosfera praiana, atendimento amigável e combos como o brunch continental (€10): croissant, manteiga, marmelada caseira, ovo poché e uma mini salada de frutas. A dica é tomar o brunch e sair explorando os arredores do estabelecimento, cheio de ruelas lindas, lojas, praças e muito mais!

El Corte Inglés (Plaza del Callao) – o 9º andar da famosa loja de departamentos espanhola é todo dedicado à experiência gourmet. Comida japonesa, tapas e hambúrgueres são algumas das opções de restaurantes, sem contar com o mercadinho que vende jamón, queijos, azeites de oliva, entre outras delícias. Ah, a vista da cidade também é bem bonita lá de cima.

Flamenco em Madri

Cardamomo Flamenco Madrid – sapateado, vozes, guitarra, castanholas e muita tradição em uma hora de espetáculo que parece voar, de tão intensa. A casa de shows é pequena (o que é excelente) e da plateia se tem excelentes vistas do palco, sem contar que o menu de tapas e jantar é maravilhoso. Ingressos que dão direito a um drinque, na chegada, podem ser adquiridos no site do Cardamomo. Preços a partir de €39.

Flamenco Las Tablas – minha segunda experiência num show de flamenco profissional não poderia ter sido melhor. A casa é pequena, bem intimista e fica na Plaza de España, ou seja, mais central impossível. No palco, guitarras, vozes belíssimas, dança energética e envolvente. No menu, vinhos, drinques, pratos e petiscos diversos. A entrada no Las Tablas custa a partir de 29 e pode ser adquirida no site oficial.

Como economizar em Madri

Passes de turismo podem ser uma boa alternativa para os que desejam conhecer muito da cidade, economizando alguns euros. Antes de comprar o seu, no entanto, é preciso responder às seguintes questões para saber se vale mesmo a pena:

  • Quanto tempo vou ficar em Madri?
  • Quais atrações são imperdíveis para mim?
  • Farei uso do transporte público com muita frequência?
  • “Pular a fila” é um recurso importante?
  • Qual é o meu limite de gastos durante a viagem?

Parque El Retiro

Madrid City Pass

É um cartão de três dias 100% mobile e designado para turistas, que permite a entrada em dois pontos turísticos importantes: o Museu do Prado e o Palácio Real (guia em áudio incluso), desconto de 20% na entrada em mais de 30 atrações, entre elas os museus Reina Sofía, Tyssen Bornemisza e o tour no estádio/museu do Real Madrid.

Com ele o portador não enfrenta filas e ainda ganha um dia de transporte no ônibus de dois andares, Hop on Hop off. Aqueles que pretendem fazer bastante uso do metrô, ônibus ou trem para se locomover na cidade também podem adicionar um cartão de transporte público, incluindo o transfer de táxi saindo do aeroporto.

O City Pass vale a pena?

A resposta é sim, caso a sua intenção seja conhecer vários museus/atrações incluídas no “pacote”, não ter que enfrentar filas e tampouco preocupar-se em comprar ingressos separadamente. A intenção é locomover-se bastante de transporte público, incluindo a viagem do aeroporto até o centro da cidade? O cartão, portanto, pode ser uma boa alternativa para usar metrô, ônibus e trens da cidade de maneira irrestrita.

Adquira o seu City pass na loja virtual oficial

A resposta é não para aqueles viajantes que tem um ritmo próprio e pretendem selecionar, a dedo, o que será visitado ao longo da estadia. Se você também pretende andar bastante a pé em Madri, fazendo uso do transporte público esporadicamente, o cartão também não é uma boa pedida. Para evitar filas, é só adquirir o ingresso com antecedência, no site de cada atração.

Mercado de domingo El Rastro

Temperatura em Madri

Em Madri as estações do ano são bem definidas. Se você é daqueles que gostam do verão, vai curtir a cidade entre os meses de junho e agosto. Tenha em mente, no entanto, que a temperatura pode beirar os 40ºC em alguns momentos e preparar-se adequadamente para enfrentar o forte calor – usando roupas leves, filtro solar e hidratando-se bastante – é algo imprescindível. 

O calor costuma atrair mais gente – e por isso acaba sendo a temporada mais cara na cidade – mas, na minha opinião, as melhores épocas são a primavera, de meados de março até junho, e o outono, de setembro a novembro. Em maio, inclusive, acontece uma das festividades mais importantes do ano: a festa de São Isidro, o padroeiro da cidade. 

O clima, tanto na primavera quanto no outono, costuma ser mais ameno. Quando estive lá, no último outono, peguei dias bem agradáveis e quase nada de chuvas. Isso sem contar com a paisagem bucólica, por conta das folhas das árvores já bem amareladas. Um verdadeiro convite para os que curtem fotografar!

Já o inverno não costuma ser dos mais rigorosos da Europa, mas pode ser bem frio para os que não estão acostumados. Janeiro é considerado o mês mais tenso, com temperaturas médias mínima de 1ºC e máxima de 10ºC. Vai visitar a cidade nessa época, aproveitando os preços mais em conta de hospedagem? Não esqueça de levar na mala roupas e acessórios apropriados: cachecol, gorro, casaco, entre outros.   

Leia também: Dicas para escolher a mala ideal para a sua viagem de avião

Noite na região central de Madri

Hotéis em Madri

A dica para pagar mais barato na hospedagem é evitar períodos de alta temporada, como de junho a agosto (alto verão), e maio, época da famosa festa de São Isidro. Mas se você pretende ir justamente numa dessas épocas, tente fazer a sua reserva com antecedência, a fim de garantir a melhor tarifa. Outra dica é procurar um hotel que seja bem servido de transporte público. Isso porque estabelecimentos mais afastados do centro da cidade costumam ter preço melhor.

Austrias – supercentral no mapa, a área mais antiga de Madri abriga pontos turísticos importantes como a Plaza Mayor e a Plaza de la Villa. Edifícios suntuosos, erguidos nos séculos 15, 16 e 17, o Palácio Real, a residência da família real espanhola na capital, são alguns dos destaques da região, que ainda conta com uma grande quantidade de lojas e restaurantes nem sempre os melhores. Ao hospedar-se aqui você, provavelmente, fará pouco ou uso nenhum do transporte público.

Tupperware, famoso bar de Malasaña

Malasaña – definitivamente, é um dos bairros mais legais de Madri. São vários restaurantes excelentes, mercados, lojas de todos os tipos, praças que são verdadeiros pontos de encontro, principalmente nos fins de semana. Daqueles bairros centrais onde é possível passar o dia inteiro explorando e se divertindo!

Chueca – recanto LGBTS em Madri, Chueca tem uma atmosfera incrível e vida noturna que agrada os que gostam de diversão até altas horas. Digamos que a Plaza de Chueca seja o principal ponto de encontro no bairro, que abriga, também, um dos melhores mercados da cidade, o San Antón. 

No site do MD você encontra várias opções de hotéis em Madri

La Latina – o bairro supercentral é o lugar ideal para quem curte comidinhas locais; não deixe de visitar o Mercado de La Cebada para experimentar tapas deliciosas. Restaurantes excelentes também estão espalhados pelo distrito, assim como bares que animam a vida noturna. Ah, La Latina abriga, ainda, um dos mercados de pulgas mais famosos da Europa, o Rastro. Todos os domingos de manhã, habitantes locais e visitantes percorrem as ruas do distrito para comprinhas e muita pechincha.

Sol e Gran Vía – Na movimentada praça Puerta del Sol encontra-se o marco zero da capital espanhola. Hospedar-se na região, portanto, não é para os que buscam tranquilidade, mas, sim, muito movimento e, claro, estar a uma distância, a pé, de pontos turísticos como a praça em si, a Plaza Mayor e muitas lojas. Ah, falando em lojas, não posso esquecer de mencionar que a Gran Vía também é um paraíso das compras.

Artista de rua em Madri

Como chegar a Madri

De aviãohá uma boa oferta de voos com ou sem conexão entre as capitais brasileiras e o Aeroporto Madri-Barajas. Quer ficar por dentro de todas as promoções de passagens aéreas para a capital da Espanha? É só baixar o aplicativo do Melhores Destinos . 

Confira os melhores preços das passagens para Madri

De trem – para quem já está na Europa, a opção de acessar a capital espanhola de trem pode significar economia de tempo. Os trens de alta velocidade (AVE) funcionam não só para trajetos de longas distâncias, mas também cidades mais próximas da capital, como Toledo, Segóvia, Ávila, entre outras.

A Renfe é a empresa de trens na Espanha e um dos trechos famosos é de Lisboa a Madri. Uma viagem noturna no chamado Trenhotel, um trem com status de hotel, com duração de mais ou menos 10 horas (mais ou menos 620 km separam um cidade da outra) e passagens a partir de €24,60. Além disso, muita gente opta pelo trem para o trecho Barcelona-Madri, com duração de duas horas e meia. 

Trem na Europa: dicas para aproveitar gastando pouco

Trem da Renfe

Para economizar é preciso se antecipar, no caso dos trens de alta velocidade. A dica é entrar no site da Renfe com três meses de antecedência da data da viagem, para comprar o seu bilhete. Caso o seu cartão de crédito não seja aceito no site (por ser brasileiro), você pode pagar com Paypal ou fazer a compra pelo site Rail Europe (*sobretaxas podem ser aplicadas).

De ônibus – se você está com tempo disponível e pretende gastar bem pouquinho, a viagem de ônibus até Madri pode ser uma boa opção. Uma empresa famosa na Europa é a Flixbus, que transporta passageiros de cidades como Lisboa, Porto, Paris e Lyon para a capital espanhola. As passagens custam a partir de 9 e podem ser adquiridas online, no site da empresa.

Já a Eurolines é outra empresa que oferece os trechos interessantes, a exemplo de Madri-Bruxelas, Madri-Praga, Madri-Amsterdã, Madri-Roma, entre outros. Confira os trechos, preços e compre a sua passagem no site oficial.

Parque El Retiro em um dia de Sol

Segurança em Madri

Estive na cidade sozinha, ao longo de vários dias, e tudo correu bem do começo ao fim. Os cuidados principais foram com os meus pertences em áreas muito movimentadas como o mercado de pulgas El Rastro e mercados da cidade. Minha sugestão é que você coloque um cadeado na sua mochila, caso o zíper seja aparente, ou ande com a bolsa na parte da frente, se o lugar estiver lotado. Também preferi não andar de madrugada, sozinha, na rua, voltando para o meu hotel de Uber ou Táxi. Confie sempre na sua intuição. Se estiver estranho, é melhor não insistir!

E você, leitor do MD, tem mais alguma dica de Madri? Deixe a sua contribuição nos comentários!