O que fazer no Equador? Conheça Quito, Cuenca e Galápagos

Rafael Castilho
Rafael Castilho
20/08/2019 às 4:47 - atualizado em 27/07/2020

O que fazer no Equador? Conheça Quito, Cuenca e Galápagos

Que tal conhecer o Equador? Um destino relativamente perto, mas que raramente faz parte da lista de destinos dos turistas brasileiros. Pode ser pelas passagens relativamente caras quando comparadas com outros destinos sul-americanos, pelo valor do dólar que é a moeda oficial do Equador desde 2000, ou pela simples falta de informação. Mas motivos não faltam para o país fazer parte do seu próximo roteiro de viagem: o Equador apresenta paisagens encantadoras, comida saborosa, cidadãos receptivos e milhares de maravilhas que farão de sua viagem, sozinho, em casal ou até com crianças, inesquecível.

Voo para o Equador

Desde o final do ano passado o Brasil tem um voo direto entre São Paulo e Quito. A viagem da companhia Gol dura pouco mais de 5 horas e facilitou, e muito, a conexão entre os dois países, além de oferecer preços melhores nas passagens aéreas. Mas há outras maneiras de se chegar a Quito ou a Guayaquil com a Latam, Copa e Avianca, com as escalas em Lima, Cidade do Panamá ou Bogotá. Fique atento com o tempo das escalas na hora de comprar a passagem.

O Equador é um país pequeno e conta com apenas 5 aeroportos comerciais: Quito, Guayaquil, Cuenca, San Cristóbal e Baltra, os dois últimos nas ilhas Galápagos. As principais companhias aéreas locais são Avianca, Latam e Tame.

Os aeroportos de Guayaquil e Quito impressionam pela qualidade, principalmente o de Quito. Não é à toa que o Aeroporto Mariscal Sucre de Quito ganhou os prêmios da Skytrax de melhor aeroporto regional da América do Sul em 2018, 17 e 16. Já o de Guayaquil também sempre é apontado como um dos primeiros da lista Skytrax. Já os aeroportos de Cuenca, San Cristóbal e Baltra são bem pequenos e têm poucas opções de lanchonetes e lojas. Baltra, principal porta de entrada das ilhas Galápagos, a infraestrutura é um pouco melhor que os outros dois.

Saída dos aeroportos, Visto e Vacina

Os brasileiros não precisam de visto para entrar no Equador. Já a carteirinha de vacina amarela é pedida durante o check-in aqui no Brasil, a imigração equatoriana pode exigir na entrada, apesar de que quando estive no país não foi pedida. Outra solicitação do Equador é o seguro viagem, como determina a nova lei do país andino.

O aeroporto internacional de Quito está há quase 40 km do centro da cidade. Há ônibus que custa US$ 7. Prefira reservar transfer direto do hotel se viaja com a família. O valor deve girar em torno dos US$ 25.

Em Cuenca, o aeroporto está bem no meio da cidade. As casas ficam literalmente coladas a pista de pouso e decolagem. Saia do terminal e tome um táxi diretamente na Avenida. Com taxímetro a corrida até o centro sai por cerca de US$ 2. Mesmo valor que será cobrado, desta vez tabelado, pelas caminhonetes táxis em San Cristóbal, Galápagos. Já em Baltra, também em Galápagos, a distância é longa entre o aeroporto e Puerto Ayora, ilha de Santa Cruz. São cerca de 30 km e custa US$ 25. Depois do trajeto de carro será necessário pagar US$ 1 até a ilha de Baltra, onde fica o aeroporto. Depois ônibus gratuitos te levam até o Terminal. Saia com antecedência de no mínimo 2h30 do seu hotel.

Leia também:

Quito

A capital equatoriana está a quase 3 mil metros de altitude e incrustada num Vale. A cidade se alonga de Norte a Sul, já ao leste e oeste há altas montanhas e vulcões. Em uma delas está um atrativo, o qual recomendo ser feito como uma das primeiras paradas, o teleférico que sobe a 4.050 metros o Monte de Pichincha. Leve blusa. Lá no alto você poderá admirar grande parte de Quito e avistar diversos vulcões, se o clima permitir. O ingresso para adulto é US$ 8,50 e menores US$ 7. Veja aqui mais detalhes para a sua visita.

Ao sul da cidade está o Centro Histórico com suas ruas estreitas, construções coloniais e belas praças, a principal delas é a Plaza Grande, onde encontra-se o Palácio Presidencial e a Catedral. A região está repleta de atrativos, nada melhor do que se perder por estas ruas com tanta história. Por causa de seu conjunto arquitetônico do século XVII, o maior da América Latina, a Ciudad Vieja de Quito foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco em 1978.

No centro há dezenas de igrejas, destaco duas: a Igreja da Companhia de Jesus, próxima a Plaza Grande, com seu estilo barroco e toda adornada em ouro (US$ 5 adulto, criança até 4 anos não paga); e a Basílica do Voto Nacional, gótica, com 35 metros de altura que pode ser avistada de grande parte da cidade (US$ 2 adulto, criança até 4 anos não paga). No extremo sul da região está o Morro de Panecillo e seu anjo de alumínio de 45 metros de altura. Para chegar lá basta tomar um táxi do centro, menos de US$ 2. Solicite sempre o taxímetro.

Para sentir o sabor equatoriano, nada melhor comer que nem os locais. No Centro, vá ao Mercado Central. Há diversos quiosques com muito porco e peixe. Uma opção é Las Corvinas de Don Jimmy, peixe frito com arroz e ceviche, valor US$ 7. Para acompanhar sucos naturais, não fique acanhado pela apresentação em grandes vasilhames, os sucos são deliciosos. Cuidado somente com a qualidade da água. Para a sobremesa uma boa pedida é o puro cacao equatoriano na Republica del Cacao, na Calle Venezuela.

Parques de Quito

O Parque da Mitad del Mundo está no extremo norte da capital. De táxi desde o centro pagará cerca de US$20. Além do famoso monumento que marca a linha imaginária do Equador e a divisão do planeta entre Norte e Sul, o Parque abriga diversas lojas, planetário, museu do cacao e da cerveja, e playground para o delírio dos pequenos. Se está viajando com criança, vale a pena destacar mais tempo para desfrutar desta atração que custa US$ 5 para adultos e R$ 2,50 para niños.

O Parque La Carolina se estende por 640 mil metros quadrados de atrações, esporte e diversão para todos. O que impressiona aqui é a limpeza, preservação e organização. São dezenas de quadras esportivas e até uma pista de corrida oficial com o piso emborrachado. Para os pequenos há diversos playgrounds, tudo bem conservado e nada de remendos. O grande atrativo é uma lagoa, onde é possível se deliciar com pedalinhos por US$ 4 a hora.

Não deixe de visitar a Feira de Artesanias para comprar os souvenirs e as lembranças, preços bem mais em conta do que em Cuenca e Galápagos.

Veja aqui um roteiro de 3 dias sobre o que fazer em Quito e nos arredores.

Cuenca

A cerca de 40 minutos de voo de Quito está Cuenca, terceira maior cidade do país. Fundada em 1557, Cuenca tem em seu centro histórico bem preservado, patrimônio da humanidade declarado pela Unesco, o principal atrativo. Mas esta bela cidade também se destaca pela gastronomia, parques, museus, música, e muitas outras atrações. Podemos defini-la como a capital cultural do Equador.

Os principais atrativos desta magnífica cidade estão ao alcance de uma caminhada. Delicie e aprecie as antigas construções, algumas que datam do século XVIII. As fachadas mantidas ao longo do tempo remetem ao estilo republicano e colonial que evidenciam a antiga arquitetura europeias, principalmente a influência francesa e espanhola. Muito característico da cidade são as pequenas sacadas, as igrejas e as praças.

Igrejas de Cuenca

Na praça principal, chamada de Parque Calderón, encontra-se a Catedral da cidade. De um lado a Catedral Nova de Imaculada Conceição e do outro a Catedral Antiga. A Nova é uma construção majestosa de tijolos e pedras com suas cúpulas azuis, cartão postal da cidade. Dentro, o chão é revestido de mármore rosa importado de Carrara, na Itália, e tem o altar inspirado na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Já a Catedral Antiga foi transformada num museu, com entrada a US$ 2.

O centro histórico abriga outras diversas igrejas. Vale a visita Igreja de São Francisco, São Domingo e El Carmen, esta última com sua encantadora feira de flores. Na Calle General Torres, entre Mariscal Sucre e Presidente Cordova, encontra-se o Mercado de Artesanias, para a compra de presentes e artesanato local, destaque para as cerâmicas. É de Cuenca o famoso artista Eduardo Vega, que tem painéis de cerâmica espalhados pelo mundo, e um ateliê perto da Igreja de Turi, no morro ao sul da cidade. O táxi até lá custará cerca de US$ 2.

Como é o centro cultural equatoriano, Cuenca abriga diversos museus. O Museu Remigio Crespo Toral conta com um grande acervo de peças arqueológicas, algumas incas, e peças coloniais. Já o Centro Interamericano de Artes Populares abriga arte de vários países latinos. O Centro fundado em 2004 em uma bela construção ao lado do Rio Tomebamba. Você não pode deixar de caminhar pelas calçadas ao lado do Rio, com sua forte correnteza de águas que correm desde os Andes. Tudo muito limpo e bem conservado. Se estiver viajando com criança estique a caminhada até o Parque de La Madre, onde seu filho aproveitará muito o parquinho e a tirolesa.

Você conhece o chapéu do Panamá? Este vestuário, apesar de levar o país da América Central no nome, é fabricado em Cuenca. Ganhou o nome de Panamá durante a construção do Canal no início do século XX e a comercialização feita a partir deste país. Mas é no Equador que este chapéu de palha é moldado e feito num processo quase totalmente artesanal. Um dos mais famosos é o fabricante Homero Ortega que já vestiu a cabeça de muitas celebridades pelo mundo. Na Avenida Gil Ramírez Dávalos, perto da rodoviária, você pode conhecer a fábrica e se encantar com os diversos modelos que podem chegar a US$ 200.

Outro ponto alto de Cuenca é a gastronomia. Fica aqui a dica de três restaurantes imperdíveis: El Tiesto, cozinha local com um charme e sofisticação ($$$); El Mercado, comida contemporânea num ambiente super descolado com vista para o Rio ($$); Cristo del Consuelo, afastado do centro, mas a visita é recompensada pelo ambiente acolhedor, grandes porções e churrasco a moda equatoriana ($).

Nos arredores de Cuenca também há diversas atrações que podem ser reservadas com agências de turismo local: viagem de trem pelo Nariz del Diablo; complexo arqueológico de Ingapirca; e o Parque Nacional.

Ilhas Galápagos

Conhecida por sua imensa biodiversidade e única no mundo, Galápagos atrai turistas do mundo inteiro. O grande cuidado com a natureza mantém esta parte do planeta quase que intocável e cheia de encantos. Uma visita que irá te surpreender. São três grandes ilhas Santa Cruz, San Cristóbal e Isabela.

Embarque para Galápagos

A grande maioria dos voos para as Ilhas sai de manhã de Quito. Chegue com antecedência de pelo menos 2 horas antes do embarque, porque você terá que pegar uma fila para pagar uma taxa de US$ 20 do Governo de Galápagos e inspecionar as malas. Elas passam por Raio-X e se necessário até por inspeção manual antes de serem lacradas e despachadas. As autoridades procuram material orgânico e pragas que podem prejudicar a biodiversidade da ilha. Somente depois você poderá fazer o check-in.

O voo faz uma parada em Guayaquil antes de seguir por 1h30 até San Cristóbal. Antes do pouso a tripulação passará pela cabine com spray para eliminar qualquer inseto. Na chegada nova fila, agora, para pagar a taxa do Parque Nacional de Galápagos, brasileiros pagam US$ 50 e crianças US$ 25. Depois nova inspeção na bagagem de mão até a liberação completa.

San Cristóbal

San Cristóbal tem apenas 5.600 habitantes e sua maior cidade é Puerto Baquerizo Moreno, capital das Ilhas Galápagos.  Aqui você encontrará hotéis, pousadas, restaurantes, bancos, mercados, etc. Aqui pode ser um ponto de entrada para conhecer as maravilhas destes arquipélagos, pois San Cristóbal está mais perto do continente e conta com aeroporto, assim você poderá seguir viagem sem ter que retornar para a mesma ilha para tomar o voo. Cheguei por San Cristóbal e sai por Baltra.

Para conhecer bem a ilha acredito que dois dias são suficientes para visitar bem e relaxar. Mas se for incluir passeios fora da ilha, há que colocar mais dias em seu itinerário.

Perto do centro, além do Porto e da Orla repleta de leões marinhos, você encontrará outras atrações que podem ser alcançadas a pé. Visite o Centro de Interpretação para conhecer um pouco da história e da biodiversidade das ilhas. Siga pelas passarelas até o Cerro Tijeretas e sua maravilhosa baía, um dos lugares mais lindos da ilha e perfeito para snorkel. Aqui você poderá nadar com leões marinhos, tartarugas e uma infinidade de peixes coloridos. A água é transparente, mas gelada como em todo arquipélago. Não há pontos de aluguel de snorkel no local, leve o seu. Dê preferência para alugar no hotel, pois no centro o custo é US 10. Para crianças é importante levar boias, pois não dá pé.

No Cerro Tijeretas você também poderá tirar fotos com a estátua de Charles Darwin, naturalista britânico que fez mundialmente famosa as Ilhas Galápagos com sua Teoria da Evolução. Depois do mergulho é hora de continuar o caminho pelas passarelas até a praia Carola. Não esqueça do protetor solar e de levar água. A praia Carola é praticamente deserta, só há muitos leões marinhos e não há sombras. Ao lado da Carola fica a praia Mann, a mais popular da ilha, com pequena infraestrutura de bares e ótimo local para apreciar o pôr do sol.

Os outros lugares para conhecer em San Cristóbal há que tomar o táxi caminhonete. Relativamente perto do Centro está a praia Lobería. O taxí até lá custa US$ 2. Não esqueça de marcar com o taxista o horário para voltar, pois não há ponto de taxí na área. Durante o caminho até a praia aprecie a vista e as iguanas que encontram refúgio nas pedras ao longo da costa. A praia é linda, mas apesar do nome Lobería, aqui há menos leões marinhos que nas praias de Mann e Carola.

Pouco mais distante há três atrações que podem ser alcançadas por uma ótima estrada. É hora de subir o morro ou, melhor, o vulcão inativo para apreciar o lago El Junco que está a cerca de 700 metros acima do nível do mar. O lago de água doce, com mais de 200 metros de diâmetro, se formou na cratera de um vulcão e é o único em todos arquipélagos de Galápagos. Da beira da estrada, onde está o estacionamento, até a base do lago há uma longa subida de escada.

Descendo o morro em direção à praia é hora de fazer uma parada na Galapaguera, centro das tartarugas gigantes. Aqui você encontrará as famosas tartarugas de Galápagos em seu habitat natural. Há uma longa trilha a ser percorrida. Não incomode ou toque nas tartarugas que podem chegar a pesar mais de 300 quilos e ter até 1,5 metro de comprimento. Hoje os ambientalistas lutam para preservar esta espécie. Existia cerca de 15 tipos diferentes de tartarugas nas Ilhas Galápagos, mas com a degradação e o extermínio de tartarugas para extração de óleo e comida, hoje só há 10 espécies. Na Galapaguera também há um berçário de tartarugas.

Seguindo viagem você chegará a Puerto Chino, a 35 km de Puerto Baquerizo Moreno, a praia mais bela de toda ilha de San Cristóbal. Do ponto de desembarque até colocar o pé na areia há uma longa caminhada feita por passarelas, tudo bem conservado. A praia tem um azul turquesa sem igual. Aproveite para relaxar e curtir a paisagem. Todo este passeio com El Junco, Galapaguera e Puerto Chino sai por US$ 60 em táxi, o preço é tabelado, mas com muita negociação e na baixa temporada é possível conseguir por US$ 50.

Se estiver com tempo e muito dinheiro no bolso há outros passeios de barco ao redor de San Cristóbal: Tour Ilha Lobos US$ 120 (meio dia); Tour 360 US$ 150 (1 dia) volta completa pela ilha; Tour Ilha Espanhola US$ 200 (1 dia); Leon Dormido US$ 120 (meio dia). Todos passeios têm comida, bebida, equipamento de snorkel e toalha. Para crianças de 2 a 4 anos, que pouco aproveitarão o tour, há apenas um desconto de 30%.

Transporte entre as ilhas de San Cristóbal, Santa Cruz e Isabela

O valor de barco entre as ilhas habitadas é tabelado US$ 30 por pessoa/por trecho. Se comprar perto do horário de partida é possível encontrar por US$ 25. Não se assuste com o tamanho da embarcação, pequena, sem lugares marcados, um passageiro ao lado do outro. A segurança deixa a desejar, ainda mais para enfrentar mar aberto e ondas. Crianças até 3 anos não pagam.

Comida em Galápagos

Tanto em San Cristóbal quanto Santa Cruz há diversas opções para comer. Na hora do almoço há o especial do dia que as por cerca de US$ 5. Já a noite somente à la carte e o valor gira em torno de US$ 15/20 por prato individual. Em Puerto Ayora há uma rua noturna com pequenos restaurantes, conhecidos como Los Kioskos. As mesas e cadeiras ficam na rua. A opção a partir de US$ 6. Há vários supermercados, mas os preços são altos, como: água US$ 1,5; cerveja lata US$ 2; salgado de batata US$ 3/5; leite US$ 3. Há marcas conhecidas de nós brasileiros.

Ilha de Santa Cruz

A maior cidade da ilha de Santa Cruz é Puerto Ayora, principal entrada de turistas e com maior infraestrutura entre todas as ilhas. Tem cerca de 12 mil habitantes. Grande parte das atrações pode ser facilmente alcançada a pé, apesar de às vezes a caminhada ser um pouquinho longa.

Em uma das pontas da cidade está a Estação Científica Charles Darwin, cerca de 20 minutos do porto. Entrada é franca. Ali você encontrará pequeno museu sobre a biodiversidade da ilha e tudo sobre o trabalho da Fundação Charles Darwin. No mesmo complexo há espaços de preservação e reprodução das tartarugas gigantes, Centro de Crianza Fausto Lorena, e você poderá ver o famoso Solitário George, empalhado e acomodado numa estação climatizada. George morreu em 2012 e era uma tartaruga-das-galápagos-de-Pintauma subespécie de tartaruga terrestre endêmica da ilha de Pinta, em Galápagos. Ele foi o último indivíduo desta espécie, que agora está extinta.  Não deixe também de visitar a bela praia da Estação com suas iguanas e água azul.

Do porto está na hora de tomar um táxi-barco e atravessar para Las Grietas (US$ 0,60). Do desembarque do barco até a Las Grietas há que caminhar cerca de 20 minutos por trilhas. No caminho há a praia bem tranquila de Los Alemanes e algumas logoas de coloração rosa. Las Grietas é de um azul incrível. Sua água é mistura da água do mar, que entra por baixo dos Cânions e água doce que chega por infiltrações. Leve snorkel e cuidado com as crianças, pois as pedras são bem escorregadias. Mais cuidado ainda com os pernilongos, que atrapalham muito o passeio.

Partindo a pé também do centro está Tortuga Bay. A caminhada é longa por uma trilha bem preservada entre subidas e descidas. Prepare o pé e muita água, pois são cerca de 1 km até chegar a Praia Brava, mais de 30 minutos. Todo esforço recompensa, pois é o lugar mais lindo da ilha.

Em 2017, Tortuga Bay foi escolhida como a décima praia mais bonita do mundo pelos usuários do TripAdvisor. Os salva-vidas não aconselham mergulhos na praia brava, mas pela manhã é possível se refrescar ainda mais depois da longa caminhada. Após curtir esta maravilha é hora de andar mais 700 metros até uma das pontas da praia para encontrar a Praia Mansa, com sua coloração esverdeada devido ao manguezal. Entre as duas praias há muitos rochedos, local ótimo para snorkel e famoso entre as iguanas marinhas. Relaxe na Praia Mansa o dia todo. Não esqueça de levar comida e, depois, é claro levar todo o seu lixo embora. A Tortuga Bay fecha às 17h. Na hora de voltar para Puerto Ayora você pode caminhar ou pegar lanchas por US$ 10 até o Porto.

É hora de conhecer o interior da ilha e subir o morro. Faça uma rápida parada em Los Gimelos, duas grandes crateras formadas por erupções vulcânicas. Depois siga até El Chato, uma reserva de tartarugas gigantes (US$ 5). Crianças até 3 anos não pagam. Também há na reserva túneis formados a partir da lava dos vulcões. Vale muito a visita. As tartarugas aqui são maiores do que as encontradas em San Cristóbal. Para fazer estes passeios o melhor é pegar um táxi, o preço tabelado é US$ 50.

A partir do porto de Puerto também há vários passeios: Ilha de Bartolome US$ 170 (1 dia); Floreana US$ 130 (1 dia); Islas Plaza US$ 165 (1 dia); Santa Fe US$ 150 (1 dia). Aqui as crianças até 3 anos não pagam.

Época para viajar ao Equador

A melhor época do ano para conhecer a parte andina do Equador é entre Junho e Setembro a temporada seca. A mais chuvosa é de Janeiro a Maio.

Em Galápagos, o clima é tropical o ano todo e sempre é fácil apreciar a vida selvagem. As marés ficam mais agitadas entre julho e outubro.

Vale destacar que o Equador recebe muitos turistas europeus e norte-americanos e a alta temporada coincide com as férias nestas regiões.

E você? Já esteve no Equador? Conte como foi sua viagem nos comentários e participe!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *