Como é voar na US Airways – classe econômica

Por
28 · jan · 2014       10:21

Há cerca de um ano, a US Airways e a American Airlines surpreenderam o mundo com o anúncio de uma fusão entre as duas para a criação da maior companhia aérea do mundo. Neste início do ano, o processo entrou em fase final, com integração dos códigos de voo e programas de milhas. Ao que tudo indica, muito em breve a US Airways deixará de voar e seus jatos passarão a exibir o logotipo da American Airlines. Enquanto isso não ocorre, vamos registrar nesta semana aqui no Melhores Destinos um pouco da experiência de voar com a companhia, que a maioria dos leitores não terá devido á fusão. Hoje trazemos como é o serviço de São Paulo a Charlotte na classe econômica, avaliada pelo leitor Moacyr Lopes dos Santos. Ainda nesta semana publicaremos um relato da primeira classe da companhia. Não perca!

US-Airways-avaliacao

As passagens

Estávamos planejando uma viagem ao exterior em família e, de comum acordo, escolhemos ir para os Estados Unidos. Porém, uma de minhas filhas queria conhecer Nova Iorque; a outra queira conhecer a Disney. Decidimos conhecer as duas. 

Nosso planejamento consistia em sair do Brasil e ir direto a NY, depois Orlando e finalmente o regresso até o Brasil. Pesquisei várias saídas diferentes (Belo Horizonte, Brasília, São Paulo e Rio). Em todas, a saída por Guarulhos era a mais barata. Pesquisei em várias companhias a compra de multi trechos, sendo os trechos SP-NY, onde ficaríamos três dias, depois NY-Orlando, mais cinco dias, e, finalmente, Orlando-SP.

Consegui o mais barato três meses antes da viagem, justamente o prazo em que o MD recomenda como ser o ideal para adquirir passagens para o exterior. Paguei R$ 12.400,00 por 4 passagens multi trechos na US Airways, classe econômica, parcelados em 6 x. Dois dias após, o valor subiu para R$ 16 mil.

Comprei online no site da companhia. Porém, tive um problema com o pagamento: meu cartão foi recusado. Liguei na operadora e me disseram que havia suspeita de fraude, devido ao valor. Informei que era realmente eu que estava fazendo a operação e liguei na US Airways no 0800 para confirmar a compra. O atendimento via telefone foi rápido e eficaz e forneci meus dados do cartão novamente e a operação foi confirmada. Neste ponto, nota 10 para a companhia. Aproveitei a ligação e já marquei todas as poltronas. Recebi a confirmação e e-tickets três dias depois via e-mail.

Os trechos adquiridos foram:

17/7/2013 – 08:25 Guarulhos – Charlotte – Newark 21:48

20/7/2013 – 17:35 Newark – Charlotte – Orlando 21:37

25/7/2013 – Orlando – Charlotte – Guarulhos 04:30

Todos os voos faziam escala em Charlotte. Para quem mora em Uberaba, Minas Gerais, como eu, que para ir a qualquer lugar tem de fazer conexão, estas paradas não foram problema.

Check-in

O check-in online da US Airways só abre 24 horas antes da viagem. Um dia antes, entrei no site e fiz o check-in de nós quatro sem problemas. Foi rápido e acessível, mesmo para um analfabeto na língua inglesa como eu. Ainda bem que minhas filhas foram como interpretes.

Fomos para São Paulo via Ribeirão Preto (TAM) um dia antes à noite, visto que nosso voo era no outro dia cedo, às 8h25 e, segundo a recomendação, deveríamos comparecer 3 horas antes do embarque. Dormimos no Slaviero dentro do aeroporto de Guarulhos, o que facilitou o nosso deslocamento.

Às 5h10 estávamos no terminal 2 Check-inn D, guichê da US Airways. Já havia fila (cerca de 40 pessoas) e os atendentes já haviam iniciado a operação. Como tinha feito o check-in pela internet, fui diretamente para o guichê de despacho de bagagens e, em 10 minutos (haviam três passageiros na nossa frente) e com novos cartões de embarque impressos pela companhia, já estávamos liberados. Novamente, nota 10 pelo atendimento e rapidez.

O embarque e a aeronave

O embarque começou às 7h45 e, em 20 minutos, todos os passageiros haviam embarcados. Havia cinco comissários a bordo e um deles falava português. Todos os avisos eram em inglês primeiramente e depois em português, o que foi útil. O voo estava praticamente cheio, com raros lugares vazios. Creio em mais de 90% de ocupação. O avião era um Boeing 767-200, prefixo N246AY, na configuração tradicional 2-3-2. Ocupamos as poltronas 26/27 A e B. Depois, ao chegar ao Brasil, fui pesquisar: essa aeronave foi fabricada em 1987. Ou seja, está com 26 anos de uso. Medo!

Aeronave N246AY - voo da ida em Guarulhos

Aeronave N246AY – voo da ida em Guarulhos

A Viagem de ida

Estava indo tudo muito bem para ser verdade. O voo atrasou sua saída. Uma passageira sentiu-se mal e vomitou na poltrona em que estava (fileira  22). O pessoal de terra veio limpar e interditaram a fileira, deslocando os passageiros para outras poltronas. Com isso, decolamos às 09h16, 51 minutos após o horário previsto. Até ai, tudo era justificável.

Nas poltronas, um cobertor mais fino que um lenço de papel e um travesseiro para todos. Perdi o travesseiro durante o voo de tão bom que ele era. E podiam ser levados como lembrança.

Cobertor e travesseiro disponíveis

Cobertor e travesseiro disponíveis

O entretenimento é o padrão do Boeing 767-200: telas coletivas, com headphones distribuídos gratuitamente e filmes já batidos. Um deles, “Eu, Robô”, com Will Smith. Para aliviar, bastava acessar o canal 8 que o áudio era em português. Nota 5 para este item.

A TV vista da minha poltrona

A TV vista da minha poltrona

A aeronave estava muito limpa e, considerando a idade, as poltronas de couro ainda estavam com bom acabamento. Não parecia ter tanto tempo de uso. O espaço das poltronas na classe econômica é bem tranquilo, melhor que o padrão da GOL e TAM e semelhante ao da Azul. Não consegui medir. Mas tenho 120 kg e 1,71 m de altura e fiquei bem confortável, melhor que no Airbus A-320 que nos levaram de Ribeirão a São Paulo. Nota 6 pelas acomodações.

Como disse, as comunicações eram primeiramente sempre em língua inglesa. Mas havia um comissário que, na sequência, fazia os comunicados em português. Também foi ponto positivo a cordialidade dos comissários (3 mulheres e 2 homens). Sempre li, aqui mesmo no MD, que os comissários americanos eram pouco cordiais com os brasileiros. Mas pude observar que eles atenderam a todos com extrema generosidade.

Serviço de bordo

Este é o ponto fraco da US Airways. No voo de ida, tivemos duas refeições: um café da manhã, servido uma hora após a decolagem, constituído por um sanduíche de presunto e queijo, gelado e com o pão esfarinhando, um queijo petit suisse (danoninho) e uma salada de frutas. Para acompanhar, café, chá, leite e sucos.

Café da manhã voo de ida

Café da manhã voo de ida

O almoço começou a ser servido às 15 horas, 5 horas após o café da manhã, e havia duas opções de pratos. Até chegarem à minha poltrona, já era 15h54. Na minha opinião, poderia ser mais cedo. Pedi a opção 1: um frango com molho e arroz, acompanhado por salada e um pão francês. Como sobremesa, um pedaço de bolo de chocolate. Estava bom. Porém, minha esposa pediu a outra opção, macarrão à bolonhesa, que estava meio cru e sem sal, também acompanhado por salada e um pão francês e o bolo na sobremesa.

Refeição do voo de ida - opção 1

Refeição do voo de ida – opção 1

Para acompanhar, vinho tinto e branco secos, refrigerantes e sucos. Entre o café da manhã e o almoço, foi servido por duas vezes sucos e mini pretzels. Haviam bebidas à parte: cervejas ($ 7,00 a lata) e bebidas destiladas.

Lanche entre as refeições

Lanche entre as refeições

A chegada e a imigração

Resolvi falar deste item, pois havia lido em alguns sites que, na imigração em Charlotte, havia uma brasileira para auxiliar. Realmente, ela estava lá. Conferia o formulário de cada passageiro ou família e corrigia se fosse necessário. Na entrevista, nenhuma pergunta. Somente “Welcome”. O aeroporto de Charlotte é um caso à parte, com seus cinco terminais de embarque, todos interligados por esteiras, e quatro pistas de pouso / decolagem. Cronometrei e ocorre um pouso a cada dois minutos, 90% deles da US Airways, visto que lá é HUB da empresa. E está sendo ampliado, com a construção de um novo terminal e um ramal de trens.

 

O voo de volta

Sem muitas diferenças, foi no mesmo tipo de avião, este prefixo N245AY, também com 26 anos de uso. Check-in online feito, em cinco minutos liberado após o despacho de malas.

avaliacao-us-airways

Diferenças: um comissário brasileiro, o avião saiu com 54 minutos de atraso devido ao tráfego aéreo. Atrás de nossa aeronave, haviam 15 outras em fila aguardando a decolagem. Pude contar, pois eles estavam na pista paralela à de decolagem.

Nunca vi isto em nenhum aeroporto. A comida continuou ruim, com um arroz com tiras de frango que estavam meio cruas e um ensopado de legumes misturados a isto. Muitos passageiros não comeram. E foi servida às 20 horas, uma hora após a decolagem.

Jantar da volta

Jantar da volta

 

Às 3 da manhã, foi servido um café da manhã, no mesmo padrão do voo da ida. Apesar do atraso, o voo chegou no horário, explicado pelo fato de, na ida, ele ter voado a 34.000 pés e, na volta, a 39.000 pés e velocidades próximas a 1000 km/h (dados do FlightAware).

Café da manhã da volta

Café da manhã da volta

Conclusão

Apesar dos problemas com a comida e de ser uma aeronave com 26 anos de uso, voltaria a voar com a US Airways em uma promoção, pois fomos bem e rapidamente atendidos pelos funcionários da empresa. Só levaria um misto-quente na mala para uma emergência. No geral, nota 7 para o voo.

Agradecemos ao Moacyr pelo seu ótimo relato sobre a US Airways. E você? Já voou com a companhia? Deixe sua opinião nos comentários! Como dissemos, ainda nesta semana vamos publicar a segunda avaliação da US, dessa vez na primeira classe. Você pode ver todas as avaliações publicadas pelo MD até hoje neste post e no Guia de Companhias Aéreas