logo Melhores Destinos

O que é preciso para ser comissário de bordo, como é a carreira e quanto ganham? Confira nesse post!

Daniel Gadelha
Daniel Gadelha
04/08/2020 às 5:03

O que é preciso para ser comissário de bordo, como é a carreira e quanto ganham? Confira nesse post!

A aviação é uma área que mexe com os sonhos de muitas pessoas. Quem nunca viu uma tripulação embarcando ou desembarcando no aeroporto e pensou como deve ser maravilhoso ter um emprego que permite viajar pelo mundo e conhecer novas pessoas todos os dias? O que nem todo mundo sabe é que não é fácil entrar na profissão e que o trabalho dos comissários de bordo vai muito além de receber os passageiros e oferecer o serviço de bordo. Neste post vamos conhecer um pouco sobre a profissão.

Quais são as funções do comissário de bordo?

Muitos pensam que os comissários de bordo estão no voo apenas para servir o lanche com cafezinho (isso nas companhias que ainda oferecem essa amenidade, né?). No entanto, a função vai muito além disso. O comissário de bordo, antes de qualquer coisa, é um agente de segurança responsável por garantir a segurança, o bem-estar, o conforto e a ordem entre os passageiros.

Ser comissário de bordo é estar sempre preparado para o inesperado. Felizmente, muitos profissionais se aposentam sem nunca terem passado por uma situação de emergência. No entanto, no caso de uma despressurização ou um pouso de emergência, todos estão aptos a executar as medidas necessárias para garantir a segurança dos passageiros.

Serviço de bordo da Etihad na classe econômica

O que é necessário para ser comissário de bordo?

O primeiro requisito para a profissão é realizar o curso de comissário de voo em uma escola certificada pela Anac. O curso exige que o aluno tenha concluído o ensino médio e tenha completado 18 anos. Atualmente existem diversas escolas em todo o Brasil que oferecem o curso nas modalidades presencial e semi-presencial.

O investimento no curso teórico varia entre R$ 800 e R$ 1.300 e dura de três a seis meses. O curso é dividido em quatro módulos:

  • Conhecimento Gerais de Aeronaves;
  • Regulamentação da Profissão de Aeronauta;
  • Primeiros Socorros e Saúde;
  • Emergência, Sobrevivência e Segurança.

Ao longo da formação, o aluno precisará passar por exames médicos que comprovem sua capacidade física e psicológica para exercer a profissão. O documento que atesta essa capacidade é o Certificado Médico Aeronáutico (CMA). O custo para realização dos exames é de aproximadamente R$ 500, mas varia de acordo com a cidade.

Após a conclusão do curso teórico e com o CMA em mãos, é hora de fazer o treinamento na selva. Os aspirantes a comissários são submetidos a situações similares às de um pouso de emergência na mata e no mar. Serão colocadas em prática as técnicas de sobrevivência aprendidas no curso teórico como primeiros socorros, busca por água e alimento, montar abrigo, acender fogueira e identificar animais peçonhentos e plantas venenosas. Técnicas para extinção de fogo também serão praticadas.

O treinamento pode durar entre 24 e 48 horas dependendo da escola e exige bastante resistência física e também emocional. Esta etapa geralmente não está inclusa no valor do curso teórico e custa entre R$ 300 e R$ 500.

Concluída a experiência na selva e aprovado na prova teórica da escola, você estará pronto para enviar seu currículo… Calma, ainda não! Ainda é preciso ser aprovado na chamada “banca da Anac” que nada mais é do que uma prova teórica dos assuntos estudados durante o curso de comissário. O exame é composto por 20 questões de cada matéria, totalizando 80 perguntas, todas de múltipla escolha. Para ser aprovado, é necessário acertar pelo menos 70% das questões de cada módulo.

Sendo aprovado você receberá o Certificado de Conhecimento Teórico (CCT) que, finalmente, lhe tornar apto a se candidatar a vaga de comissário de bordo nas companhias aéreas nacionais. Ufa, que luta, hein? Ah, vale lembrar que a banca da Anac custa em torno de R$ 280. Caso o candidato não seja aprovado em uma ou duas matérias, poderá refazer novamente as provas da matéria em que foi reprovado. Quem for aprovado em somente uma, terá que refazer as quatro provas. Não há limite de tentativas, mas a taxa da prova será cobrada em todas elas. Então a dica é estudar bastante e passar de primeira, o seu bolso agradece!

comissário de bordo

Como funcionam os processos seletivos?

Na era digital, ainda existem candidatos que enviam currículo pelos Correios, mas as empresas preferem que os candidatos cadastrem-se em seus respectivos sites. Algumas afirmam que o site é o único canal por onde receberão candidaturas e que currículos físicos serão descartados.

Em alguns sites é possível cadastrar-se somente caso a vaga desejada esteja aberta para candidatura, outros permitem que você faça seu cadastro para o banco de reserva. De toda forma, é importante manter seus dados atualizados incluindo todas as suas experiências profissionais, principalmente as relacionadas com atendimento ao cliente.

Devido à grande quantidade de candidatos, é comum que as empresas apliquem provas online de português, raciocínio lógico e língua estrangeira antes da etapa presencial. Algumas empresas solicitam ainda a gravação de um vídeo respondendo perguntas selecionadas aleatoriamente.

Caso você seja aprovado nos testes online, a próxima etapa será presencial e, muito provavelmente, em São Paulo ou Brasília. Os convites para esta etapa não são enviados com muita antecedência, então é importante ter uma reserva financeira (ou em milhas) que permita comprar uma passagem aérea de última hora.

A etapa presencial geralmente conta com provas de português, geografia, raciocínio lógico e assuntos teóricos do curso de comissário. Acontece também prova oral de idioma, dinâmicas de grupo e simulações de situações abordo. Os participantes são informados a cada etapa se foram aprovados ou não para as demais etapas.

Serviço de bordo da Azul em voos nacionais

Os candidatos que forem aprovados na seleção deverão ainda ser submetidos a um exame toxicológico que busca traços de substâncias ilícitas e psicoativas no organismo. Após receber o “sinal verde” do exame, o candidato receberá uma lista com os documentos necessários para formalizar a contratação. É importante, mesmo antes de ser chamado para uma seleção, ter seus documentos em ordem como RG, CPF e estar quitado com suas obrigações eleitorais.

Já os candidatos que forem eliminados em qualquer fase do processo deverão respeitar um prazo de carência que varia entre 6 meses e 2 anos para se candidatarem novamente naquela empresa. No entanto, estarão aptos a participar de processos seletivos em outras companhias.

Como é o treinamento após a contratação?

Depois de contratado, fica a cargo da empresa treinar o comissário para exercer suas funções em um determinado modelo de avião. As companhias dispõe de verdadeiras universidades com equipamentos exclusivos para treinar os funcionários.

Geralmente esse treinamento leva entre 40 e 60 dias e os tripulantes passam pelo “check” que é uma prova prática das funções da aeronave que ficam a cargo dos comissários. Sendo aprovado, o comissário recebe o seu CHT – Certificado de Habilitação Técnica e estará pronto para voar. O documento é emitido pela Anac e tem validade de cinco anos. O tripulante não terá nenhum custo no treinamento ou na emissão da CHT.

Comissária da Azul em voo internacional

Qual a expectativa de crescimento na profissão?

Cada empresa oferece um plano de carreira diferente. O que todas têm em comum é a valorização da senioridade, ou seja, o tempo em que o funcionário está na empresa é sempre levado em consideração. Quem for mais antigo pode receber mais benefícios como preferência para agendar férias, folgar em feriados e mais poder de escolha nas rotas em que irá trabalhar.

Em linhas gerais, os recém-contratados iniciam suas carreiras tripulando voos domésticos em equipamentos como Airbus A320 e A319, Boeing 737 e Embraer 195. Com o passar do tempo e adquirindo experiência, os comissários podem ser promovidos à chefes de cabine e até serem chamados para operar voos de longo curso em aeronaves wide-body (de dois corredores) como Airbus A330 e A350 e Boeing B777 e B767.

O intervalo de tempo entre a contratação e a “promoção” para tripular voos para a América do Norte e Europa varia muito de acordo com a empresa. Tenho amigos que começaram a voar para Nova York com menos de dois anos de empresa e outros que estão há mais de dez anos trabalhando na mesma companhia e que tripulam apenas voos dentro do Mercosul.

Um fato interessante é que nem todos almejam esses voos mais “glamourosos”. Voos mais longos são mais cansativos e, principalmente os para a Europa, causam jetlag devido à diferença de fuso-horário com relação ao Brasil. Muitos tripulantes são casados, têm filhos e preferem tripular voos domésticos para terem mais tempo em casa com a família.

Quanto ganha um comissário de bordo?

O salário de um comissário de bordo pode variar bastante. A remuneração é composta por diversos fatores como a empresa aérea, tempo de empresa, quantidade de horas voadas durante o mês, adicional noturno e a função exercida (comissário auxiliar ou comissário chefe de cabine). De acordo com o portal Glassdoor, a remuneração média mensal de um comissário de bordo da Latam, Gol e Azul é, respectivamente, de R$ 6.349, R$ 4.967 e R$ 4.244.

Mercado brasileiro para comissários

O crescimento no número de escolas no Brasil fez aumentar o número de profissionais disponíveis no mercado em busca de uma vaga na profissão. Infelizmente, a demanda por comissários não cresceu no mesmo ritmo, tornando os processos seletivos mais rigorosos, concorridos e com mais etapas. Isso não torna o sonho de ser comissário algo impossível de ser conquistado, porém mais desafiador e que vai requerer mais esforço e preparo. Sempre haverá vagas para os candidatos que se destacarem dentre os demais.

Mercado internacional para comissários

Aqueles que desejarem exercer a profissão fora do país, as companhias Emirates, Etihad e Qatar Airways frequentemente fazem seleções no Brasil. Os eventos, chamados de “open day“, acontecem uma ou duas vezes por ano e atraem centenas de pessoas de todo o país. A seleção costuma ser bem mais rigorosa e a fluência em outro idioma é mais que obrigatória. Por outro lado, as companhias estrangeiras não exigem que o candidato tenha feito o curso de comissário e tenha sido aprovado na banca da Anac.

comissário de bordo

Centro de treinamento da Emirates em Dubai

Pontos positivos e negativos da profissão

A profissão de comissário oferece muitos benefícios. Alguns deles são: a realização do sonho do profissional em exercer a profissão, a oportunidade de conhecer diferentes lugares e pessoas em um curto espaço de tempo e o benefício viagem que permite que o funcionário, parentes de primeiro grau e, em alguns casos, amigos possam viajar pagando tarifas super atrativas ou apenas as taxas de embarque. Além disso, as empresas contratam conforme a CLT com todos os direitos trabalhistas oferecidos nas demais profissões como INSS e FGTS.

Por outro lado, a profissão também traz alguns desafios. É bem comum que o tripulante fique até uma semana fora de casa, tornando mais difícil estar sempre em família, principalmente durante datas comemorativas como aniversários, feriados e festas de final de ano. Outro ponto de atenção são as escalas de trabalho que incluem voos em qualquer horário e demandam uma fácil adaptação a trocar o dia pela noite, se necessário.

Minha experiência

Eu fiz o curso de comissário de bordo em 2016 em uma escola de São Paulo na modalidade semi-presencial. Durante aproximadamente quatro meses eu assisti a aulas online e, no final do ano, fui a São Paulo fazer a prova teórica final e o treinamento na selva.

A prova teórica não é difícil. Quando estudamos um assunto que temos muito interesse, tudo fica muito fácil. Já o treinamento na selva, confesso, é bem puxado. O aprendizado vai além das habilidades técnicas em um momento de emergência, mas principalmente nos ensina a fortalecer a mente para enfrentar situações de grande estresse.

comissário de bordo

Serviço de bordo da Norwegian na classe econômica

Concluído o curso, fiz a banca da Anac em janeiro de 2017, passei e me tornei apto a me inscrever e participar das seleções de comissário de bordo. No dois anos seguintes, me candidatei em diversos processos seletivos em todas as companhias nacionais e, por três vezes, tive a oportunidade de chegar até a etapa presencial: duas da Latam e uma da extinta Avianca Brasil.

Felizmente ou infelizmente, não fui aprovado em nenhuma delas e um novo caminho se abriu quando fui convidado a fazer parte da equipe do Melhores Destinos. Dessa forma, minha busca pela profissão de comissário cessou. Não me arrependo de ter feito o curso e de ter investido tempo, dinheiro e esforços em algo que eu queria muito na época. Acredito que essa tenha sido uma experiência que eu precisava ter vivido para ser a pessoa que sou hoje.

Dicas para quem quer ser comissário de bordo

Embora não tenha exercido a profissão, compartilho algumas dicas que aprendi ao longo do curso e durante a minha participação nas seleções que acredito serem interessantes para quem tem vontade de se tornar comissário de bordo.

Conheça as empresas aéreas

É importante que você conheça as companhias aéreas que operam no Brasil, principalmente quando você for fazer uma seleção para uma delas. Nome do presidente, destinos atendidos, equipamentos operados, missão, visão e valores da empresa são apenas alguns dos dados que você precisa saber. A aviação muda a todo tempo, por isso é importante se manter informado. Aqui no Melhores Destinos, postamos, além de promoções, informações relevantes sobre a aviação no Brasil e no mundo. Baixe o aplicativo do Melhores Destinos e não perca nenhuma notícia.

Aprenda um segundo idioma

É praticamente obrigatório ter um nível de fluência aceitável em outro idioma. Algumas companhias permitem que o candidato escolha entre ser avaliado em inglês ou em espanhol. Já outras avaliam somente o inglês. O exame do segundo idioma varia de acordo com a empresa, podendo ser apenas uma conversa informal ou um teste ICAO (o mesmo aplicado a pilotos comerciais). No segundo caso, é preciso atingir uma pontuação mínima para ser aprovado. Se você não puder investir em um curso de idiomas, verifique os muitos aplicativos e canais no YouTube gratuitos que permitem estudar pelo celular de qualquer lugar. Muitas pessoas aprendem outro idioma utilizando apenas ferramentas gratuitas.

Leia mais: 7 países realmente baratos para aprender inglês

Dedique-se

Independente de você fazer um curso presencial ou semi-presencial ou de se matricular na melhor escola do Brasil ou na mais simples, você é o único responsável por aproveitar o seu curso ao máximo. A internet está cheia de material de estudo completamente grátis. Não veja o curso como sendo algo necessário apenas para passar na prova da Anac, mas sim uma ferramenta que vai construir a sua formação na profissão. Mesmo depois de aprovado, é essencial permanecer sempre estudando.

comissário de bordo

Comissário de bordo da Air Namíbia

Nunca é tarde demais

Não existe idade máxima para ser contratado. Mesmo que você esteja na casa dos 40 ou 50 anos, ainda é tempo de fazer o curso e se candidatar. Nas últimas turmas de comissários formadas, é possível identificar vários profissionais mais maduros. A ideia de que a profissão é somente para pessoas jovens é mito e não se aplica mais à aviação atual. As empresas estão valorizando cada vez mais pessoas com mais experiência para equilibrar suas equipes.

Faça amizades

Muito se fala hoje em dia sobre networking e a aviação não é exceção. Permita-se conhecer novas pessoas, conversar e trocar experiências. A pessoa que está sentada ao seu lado hoje durante o curso pode ser seu colega de profissão amanhã. Existem diversos grupos no Facebook e no Whatsapp de alunos, candidatos e profissionais que relatam suas dificuldades e experiências visando ajudar os demais.

Aproveite as oportunidades

Participe de seleções para outras vagas além da de comissário. Uma vaga como agente de check-in, por exemplo, é um excelente caminho para entrar em uma companhia aérea e, posteriormente, participar de uma seleção interna. Vale lembrar também que uma das habilidades necessárias para ser comissário de bordo é saber lidar com o público. Procure vagas que lhe ajudem a desenvolver essa habilidade.

comissário de bordo

Comissárias da TAP Portugal

Desenvolva os atributos que as companhias buscam

Além de habilidade de trabalhar com o público, as companhias procuram candidatos que sejam comunicativos, pacientes, simpáticos, que se adaptem facilmente a diferentes situações e consigam demonstrar autoridade no momento certo. Busque desenvolver essas competências para estar preparado quando a sua oportunidade chegar.


E você, curte a profissão? Algum leitor tem vontade de fazer ou já fez o curso de comissário? Compartilhe sua experiência nos comentários.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *