Como é voar na Tame

Denis Carvalho 16 · outubro · 2012

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Pouco conhecida por nós brasileiros, a Tame Línea Aérea del Ecuador é a companhia aérea estatal do Equador, que neste ano completa 50 anos de fundação. A companhia aérea transporta cerca de 3 mil passageiros por dia em suas rotas nacionais e internacionais, operando uma frota de 13 aeronaves bem diversificada, incluindo ATRs, Airbus e Embraer. O jornalista Rafael Carvalho, um dos autores do ótimo blog Esse Mundo é Nosso, viajou com a companhia em sua viagem ao Equador e escreveu uma avaliação para o Melhores Destinos. Veja seu relato e saiba um pouco mais sobre mais esta companhia sul americana.

A Tame Linha Aérea do Equador é uma das principais empresas aéreas do país, ao lado da LAN e da AeroGal. Dessa forma, embora não costume aparecer nos sistemas de busca de passagens, é uma boa alternativa de baixos preços para quem quer se locomover dentro do país, principalmente em rotas regionais. Muitas vezes, os valores dos voos compensam as longas horas nos não muito confortáveis ônibus equatorianos. 

Fundada em 1962 como Transportes Aéreos Militares Equatorianos, a Tame tem como hub principal o Aeroporto Internacional Mariscal Sucre, em Quito. Além de 16 destinos no Equador, oferece voos para Cali e Bogotá (na Colômbia), Cidade do Panamá e Caracas (Venezuela). A frota é composta por 11 aeronaves, sendo quatro jatos da brasileira Embraer, quatro Airbus e três ATR, que são aviões menores e de hélices.

Compra
Confesso que ficamos com receio de comprar as passagens pelo site, já que só aceitavam cartão de crédito Diners e não apareciam em buscadores como Decolar ou Submarino Viagens. Mas arriscamos e recebemos os vouchers normalmente em nossos e-mails. O ponto negativo fica justamento pelo fato de só aceitarem um único cartão.

Voo

Aeroporto de Cuenca

Testamos a TAME num ATR 42-500 e em uma rota regional, entre Guayaquil e a cidade histórica de Cuenca. O check-in foi tranquilo, sem filas e o embarque foi pontual. Os ATR são bem novos, divididos em duas fileiras com duas poltronas cada. Mas elas não inclinam. Nada! Nem existe o botãozinho.

A simpática tripulação ofereceu jornais para os passageiros. A única opção de entretenimento a bordo são os jornais distribuídos ou a revista Abordo, que até tem um conteúdo interessante, parecido com das revistas de companhias aéreas brasileiras.

Por falar nisso, é fácil perceber que o voo é totalmente regional, ou seja, difícil encontrar algum estrangeiro no avião. Mesmo com um voo tão curto, foi servido um suquinho aos passageiros.


O voo sobre os Andes no pequeno ATR foi um pouco turbulento, mas a chegada foi tranquila e pontual.

Dicas
Nos aeroportos em que estivemos, vimos também os jatos da Embraer da Tame, que são bem modernos. Eles e os Airbus são usados principalmente em voos para Quito e para o exterior. Mas existe um horário na rota que fizemos, entre Guayaquil e Cuenca, que também utiliza a aeronave brasileira. Pena não termos experimentado.

Conclusão
Você paga pelo serviço que a companhia te oferece. Sentimos segurança mesmo numa aeronave tão pequena e voltaríamos sim a voar novamente. Principalmente porque o percurso que fizemos entre Guayaquil e Cuenca, de apenas cerca de 300Km, levaria entre 5h e 6h se feito de ônibus. Gastamos apenas 30 minutos pagando US$51 cada passagem.

Agradecemos ao Rafael por esta ótima avaliação, que certamente ajudará muitos leitores que poderão optar pela Tame em suas viagens ao Equador. E você? Já voou pela companhia? Deixe suas impressões nos comentários!  Se você fez ou vai fazer uma viagem com alguma empresa aérea que ainda não foi avaliada aqui no Melhores Destinos ficaremos felizes em publicar sua avaliação: entre em contato pelo e-mail dicas@melhoresdestinos.com.br Você pode conferir todas as avaliações publicadas pelo MD neste post.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe