Como é voar da Europa para o Brasil no novo Airbus A320neo da Azul!

Marcel Bruzadin 18 · dezembro · 2017

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

No último dia 25 o Melhores Destinos foi convidado pela companhia aérea Azul para conhecer a fábrica e a linha de montagem da Airbus em Toulouse, na França, e, de quebra, ainda ter a oportunidade de participar do voo da novíssima aeronave A320neo (matrícula PR-YRK) para o Brasil. É um procedimento também conhecido como ferry flight.

E como de costume, vamos descrever toda a nossa experiência pra vocês!

A encomenda de aeronaves modelo Airbus A320neo faz parte da estratégia da companhia aérea em reduzir seus gastos operacionais nos voos domésticos, uma vez que essa nova geração neo (New Engine Option) oferece uma grande redução no gasto de combustível, um dos principais custos das companhias aéreas.

De Campinas a Toulouse

Bem, para chegarmos até Toulouse, na região sul da França, embarcamos com a Azul de Viracopos (VCP) até Lisboa (LIS). Depois de uma rápida conexão na capital portuguesa, voamos com a TAP, num brasileiríssimo Embraer 195, até Toulouse (TLS).

O embarque em Viracopos é bastante simples e rápido, e para os clientes que estão voando de Azul Xtra Business Class, clientes TudoAzul Itaucard Platinum e/ou categoria TudoAzul Diamante, o acesso ao Lounge Azul é gratuito.

O foco desse post não é falar do Lounge, mas o espaço é, sem dúvida, uma excelente opção para os viajantes que partem de Viracopos para os voos internacionais.

O voo até Lisboa foi bastante tranquilo e a Xtra Business Class mostra que a Azul está muito bem quando comparamos o serviço com as classes executivas de outras companhias aéreas.

Visita à fábrica da Airbus

Como falamos anteriormente, logo que chegamos a Toulouse, tivemos a oportunidade de conhecer diversos departamentos da imensa fábrica da Airbus, desde seus escritórios, bate-papo com alguns engenheiros e até mesmo a linha de montagem dos A320, A350 e o majestoso A380, o maior avião de passageiros do mundo.

Para quem não acompanha a aviação de perto, a Airbus divide o mercado de aeronaves de grande porte com a empresa norte-americana Boeing, que produz atualmente as aeronaves 737, 747, 767, 777 e 787, cada uma com um propósito de uso, assim como são os modelos da Airbus.

Infelizmente a visita à fábrica da Airbus é completamente restrita e não nos permitiu fazer fotos internas da linha de montagem, somente essa imagem acima, mas quem segue o Melhores Destinos no Instagram, pôde acompanhar alguns detalhes da nossa visita e algumas curiosidades sobre a Airbus.

 

 

Apenas uma curiosidade em relação ao tamanho e a força da aviação comercial no mundo: uma aeronave da Airbus pousa ou decola de algum aeroporto a cada 2 segundos. Se considerarmos alguns números e incluirmos a Boeing e as demais fabricantes, o volume de aeronaves em operação em todo o mundo é impressionante.

Depois de visitarmos a fábrica durante um dia inteiro e conhecermos a região de Toulouse e Bordeaux, chegamos ao tão esperado dia de trazer para Brasil o A320neo novo em folha.

Volta para o Brasil com o A320neo

O processo de entrega de uma aeronave é completamente diferente de um voo comercial tradicional. Nesse caso, fomos até o Delivery Centre da Airbus, localizado no Aeroporto de Toulouse-Blagnac, onde são “entregues” as aeronaves para o seu primeiro voo, em direção ao país comprador.

É aqui no Delivery Centre que todos os passageiros e tripulação fazem o check-in, despacham suas bagagens, fazem os procedimentos de segurança e aguardam para o embarque. O voo em questão foi o AD 9840.

O Airbus A320neo, embora seja otimizado para consumir combustível de forma mais eficiente que as versões anteriores, não possui autonomia para voar da França ao Brasil.

Sendo assim, para esse voo estava planejado um pouso de abastecimento na Ilha do Sal (SID), em Cabo Verde e de lá seguiríamos até o Aeroporto de Confins (CNF), em Minas Gerais com o tanque cheio. O pouso deveria ser feito em Confins pois a equipe de manutenção da Azul faria uma nova checagem do equipamento antes de colocá-lo para voar no Brasil.

O procedimento de check-in no Delivery Centre é bastante simples e rápido, mesmo porque se trata de um voo restrito e com poucos passageiros. Na ocasião estávamos nós do Melhores Destinos e alguns funcionários da Azul, totalizando aproximadamente de 50 pessoas, além da tripulação.

 

 

Logo que subimos até o “salão de embarque”, embora estivesse chovendo, já podíamos ver a aeronave pronta e os técnicos fazendo as últimas checagens antes do embarque.

Durante esse processo, tive a oportunidade de conversar bastante com um dos técnicos da Azul que fez a checagem da aeronave junto com a equipe da Airbus.

Segundo ele, antes do equipamento ser liberado para o ferry flight a aeronave passa por dezenas de testes em solo e no ar, para garantir que tudo esteja de acordo para ser entregue à companhia aérea.

Durante esses testes são realizadas decolagens e algumas manobras controladas para certificar a boa performance da aeronave. Embora muitas pessoas desconheçam, na aviação há centenas (ou talvez milhares) de procedimentos de segurança, que tornam a viagem de avião um dos meios de transportes mais seguros do mundo.

Por se tratar de uma ocasião especial e durante a madrugada, o “salão de embarque” estava preparado com um café-da-manhã bastante completo, incluindo os famosos macarons e croissants franceses.

Em seguida seria necessário passar pelo raio-x e fazer o controle de passaporte, mas nada que tenha durado mais que 5 minutos. Então, logo já estávamos prontos para embarcar no A320neo rumo ao Brasil.

Ao entrar na aeronave, tive a grata possibilidade de escolher qualquer poltrona praticamente, afinal o voo estava relativamente vazio e teria 3 poltronas livres para me sentar/deitar.

Por se tratar de uma aeronave para voos domésticos, a sua configuração era apenas de poltronas com Espaço Azul nas 7 primeiras fileiras, e poltronas tradicionais.

Por se tratar de uma aeronave completamente nova, ainda havia película de proteção nos monitores individuais. Infelizmente o sistema de entretenimento não estava disponível pois seria instalado assim que chegasse ao Aeroporto de Confins, já no Brasil.

Para se ter uma ideia do tamanho dos espaços entre as poltronas na Azul, veja abaixo a diferença da poltrona tradicional para a poltrona com Espaço Azul (tenho 1,88m de altura). Importante dizer que essa aeronave conta com entradas USB para carregamento de aparelhos e tomadas individuais em todas as poltronas, excelente para quem sempre viaja precisando carregar celulares ou notebooks.

A decolagem, que estava prevista para as 7 horas, aconteceu exatamente às 7h19. Por se tratar de um voo atípico onde vários itens precisam ser checados antes da decolagem, esse atraso nem deve ser considerado.

Um outro fato curioso é que antes da decolagem, o comandante no informou que na aviação há um procedimento “padrão” assim que uma aeronave deixa a sua fábrica. Logo após a decolagem, o piloto faz um aceno com as asas, como se fosse um tchau ao seu aeroporto de origem.

Como nosso embarque foi durante a madrugada e todos estavam com muito sono, logo após a decolagem as luzes se apagaram e os passageiros também.

Aproximadamente 5 horas depois da decolagem os passageiros começaram a despertar, estávamos perto de pousarmos na Ilha do Sal, em Cabo Verde.

Como é possível ver na foto acima, a Ilha do Sal parece um grande deserto no meio do Oceano Atlântico e no extremo oeste da África. Depois de alguns minutos sobrevoando a ilha, pousamos tranquilamente às 12h33 (horário da França) no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral em Espargos.

Nesta parada nenhum dos passageiros pôde descer da aeronave. Estavam autorizados somente os que possuíam visto para Cabo Verde. No entanto foi possível tirar algumas fotos e conversar com alguns funcionários locais, que falavam português (idioma oficial do país).

O reabastecimento da aeronave, que de acordo com o co-piloto foi de aproximadamente 23.000 litros, durou cerca de 45 minutos e logo em seguida já partimos novamente rumo ao Brasil.

Nesse momento, todos os passageiros já estavam descansados e foi então que a tripulação (composta de 2 funcionários) iniciou o serviço de bordo.

Por se tratar de um voo especial, havia dezenas de opções de comidas para os passageiros e tripulação, desde chocolates à vontade, até um almoço com lagostim, quiche, queijos, frutas e vegetais.

Durante a refeição a tripulação aproveitou a ocasião especial para abrir uma champagne e brindar com todos os funcionários Azul e convidados.

Ainda no percurso até chegar ao Brasil fomos servidos de várias opções de snacks, como bolachas e mais chocolates, tudo à vontade para os passageiros.

Aproximadamente 8 horas depois da nossa decolagem em Cabo Verde, pousamos com segurança no Aeroporto de Confins, às 16h29 (horário de Brasília).

Aproveitamos esse post para fazer um agradecimento especial a toda a equipe da Azul, especialmente à tripulação, que nos recebeu extremamente bem nessa experiência única.

Como um entusiasta e amante da aviação, posso dizer que essa foi uma das experiências mais incríveis que já tive e que jamais vou me esquecer. Um dia poderei dizer para os meus filhos que eu estava no primeiro voo do novo A320neo PR-YRK para o Brasil!

Autor

Marcel Bruzadin - Marcel