logo Melhores Destinos

Turbulência em voos pode causar acidentes? Confira 10 mitos e verdades

Leonardo Cassol
17/03/2021 às 9:46

Turbulência em voos pode causar acidentes? Confira 10 mitos e verdades

A turbulência ocorre quando o avião balança de forma repentina ou contínua por conta da movimentação do ar no exterior da cabine. É mais comum quando a aeronave atravessa nuvens, mas pode acontecer de maneira repentina, com céu claro, por vários fatores associados a temperatura, velocidade ou pressão do ar. Mas por mais assustador que esse fenômeno seja para muitos passageiros, ele é um evento corriqueiro e completamente normal para a aviação. E o risco que ele oferece é bem diferente do que você deve imaginar. Neste post você confere alguns mitos e verdades sobre turbulências e algumas dicas para que no seu próximo voo você não sinta mais medo em vão!

1) Turbulência faz o avião cair?

Mito! Acidentes com queda de aeronaves motivados por turbulências são raros. Talvez o medo de que a turbulência provoque a queda de um avião venha do cinema. Nos filmes é comum esse fenômeno ser utilizado como um recurso dramático que antecede uma tragédia, como a queda de uma aeronave. De fato, nas telas isso provoca cenas bem dramáticas, mas no mundo real podemos dizer que uma turbulência dificilmente derrubará avião. Isso porque a própria composição e aerodinâmica das aeronaves é feita para suportar movimentos EXTREMAMENTE vigorosos, muito mais fortes do que costumamos sentir geralmente nos voos, mesmo aqueles com muita turbulência. Além disso, as tripulações são treinadas e instruídas a evitar zonas de risco.

2) É possível prever uma turbulência?

Verdade! Na maioria dos casos é possível prever a turbulência e até mesmo evitá-la. Os radares dos aviões e do controle de tráfego aéreo são capazes de detectar mudanças na densidade do ar, permitindo aos pilotos desviar e/ou ajustar a rota, altitude e a velocidade para minimizar a turbulência nos voos. No entanto, algumas vezes, há nuvens ou fenômenos atmosféricos de baixo impacto próximos ao aeroporto, o que acaba levando o voo em direção a uma zona de turbulência por restrições do tráfego aéreo. A decisão é sempre dos pilotos, que ponderam os riscos antes de atravessar uma área potencialmente problemática. Nessas ocasiões geralmente o piloto automático é desligado e a velocidade do avião é reduzida, já que quanto mais rápido a aeronave estiver maior tende a ser a turbulência.

No entanto, também existem turbulências de céu claro, que acabam não sendo detectadas pelos radares e acabam balançando o avião repentinamente, mesmo quando o aviso de atar os cintos não está ligado. Por este motivo, é importante sempre que tiver sentado manter o cinto de segurança afivelado, mesmo se você for dormir no avião.

Recentemente foi até lançado um novo site permite consultar possibilidade de turbulência de seu próximo voo.

3) Existe algum lugar no avião onde posso sentir menos turbulência?

Verdade! De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), sentar próximo das asas do avião pode atenuar o efeito da turbulência, por conta do centro de gravidade da aeronave. Outra dica é ficar nas primeiras fileiras e evitar o fundo do avião, onde tende a balançar mais. Confira aqui como escolher os melhores lugares no avião.

4) Viajar de noite aumenta a chance de turbulência?

Mito! Tudo vai depender das condições climáticas e atmosféricas da rota em questão, no dia da viagem. Além disso, a noite os ventos tem velocidade menor se comparado com o período do dia, o que pode reduzir as chances de turbulência. Mas, na prática, as chances de encontrar turbulência são bem aleatórias, dependendo de fatores que não podemos controlar.

5) Viajar em dias frios aumenta a chance de turbulência?

Mito! Na verdade, é ao contrário. Em dias com temperaturas mais baixas e céu limpo a chance de haver turbulência é menor do que em mais dias quentes. Isso acontece porque o calor favorece a formação de nuvens de chuva que causam turbulência.

6) Viajar em dias nublados e chuvosos aumenta a chance de turbulência?

Verdade! A turbulência mais comum é a causada por nuvens de chuva, especialmente quando o avião está em processo se subida ou descida para decolagem ou pouso. Mas isso não impacta a segurança do voo. Apenas pode ser uma viagem mais desconfortável para quem sente medo quando o avião balança.

7) As turbulências são mais frequentes momentos próximos a decolagens e pousos?

Verdade! É no momento que o avião está subindo ou descendo e variando rapidamente a sua altitude que ele acaba passando por nuvens ou por regiões com diferentes velocidades ou até direções no vento, o que acaba gerando mais eventos de turbulência. Além disso, existem algumas regiões do planeta onde é comum haver encontro de diferentes correntes de ar, como a linha do Equador, por exemplo.

8) Turbulências fortes podem arremessar um passageiro contra o teto do avião?

Verdade! Isso parece assustador… E é mesmo. Mas é raro acontecer e dificilmente provoca ferimentos muito graves. Caso um passageiro não esteja com o cinto de segurança numa situação crítica de turbulência, é possível que ele seja arremessado da poltrona. Outro risco são bagagens ou itens do serviço de bordo voarem para o alto e caírem sobre a cabeça das pessoas. Eu mesmo tive um colega de trabalho que quebrou o nariz e teve a filha com um braço quebrado quando voltava de Miami para São Paulo. Ela estava dormindo no colo dele e ambos estavam sem cinto, quando ocorreu uma turbulência repentina que arremessou ela para o alto. Ao cair ela atingiu o nariz dele. Ao todo 15 pessoas ficaram feridas.

Em 2013, num voo de Singapura para Londres, ocorreu uma turbulência severa enquanto as comissárias serviam o café da manhã. O resultado foi comida e bandejas espalhados por todos os lados, além de 12 passageiros levemente feridos. Por isso, a recomendação é sempre utilizar o cinto de segurança, mesmo quando o aviso luminoso estiver desligado. Não custa nada!

Incidente causado por turbulência num voo da Singapore Airlines em 2013 (Imagens: CNN Travel)

9) Quanto maior a aeronave menor a nossa percepção da turbulência?

Verdade! Bom, quanto maior o peso da aeronave, menor será a sensação de turbulência. Então, você vai sentir mais efeitos num avião pequeno do que num avião enorme. Além disso, alguns modelos como o Boeing 787 Dreamliner foram desenvolvidos especialmente para reduzir os efeitos das turbulências na cabine de passageiros. Mas é importante lembrar que tudo vai depender das condições enfrentadas pelas aeronaves. Por exemplo, eu já vi turbulências fortes em aviões grandes e já viajei em aviões pequenos sem intercorrências. O tamanho da aeronave não é algo que será determinante neste caso, só vai amenizar ou potencializar efeitos e sensação provocados pela turbulência.

Boeing 787 Dreamliner (Divulgação – Latam)

10) Existem diferentes tipos de turbulência?

 Verdade! A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) classifica as turbulências em três graus de intensidade: leve (pequenos tremores); moderada (líquidos caem dos copos e passageiros sentem que são segurados pelo cinto de segurança); e severa (objetos caem ou são arremessados e os passageiros são fortemente segurados pelos cintos).

Quanto às causas da turbulência, podem existir diferentes motivos. De acordo com a ABEAR, a turbulência térmica é a mais comum e ocorre especialmente em dias de calor, por conta da formação de nuvens de tempestade. A turbulência mecânica pode ocorrer em áreas montanhosas (por conta do relevo) ou urbanas (por conta de edificações). Já a esteira de turbulência é menos comum e acontece quando o avião passa em uma região após outro avião (geralmente maior que ele), o que causa uma perturbação na atmosfera e mudança nos ventos (os efeitos podem permanecer no ar até três minutos após a passagem de uma aeronave). Esse fenômeno pode causar acidentes, por isso existe um distanciamento mínimo que deve ser respeitado entre as aeronaves.

As correntes de jato ou turbulência de céu claro, ocorrem em atitudes elevadas e não são identificadas pelos radares dos aviões. São mais comuns no inverno e sobre os continentes, em corredores de ventos com velocidade acima de 100 km/h. São elas que geralmente provocam incidentes de menor gravidade com passageiros que não utilizam o cinto.

Por fim, temos as tesouras de vento, associada a frentes frias ou quentes, trovoadas, brisa marítima ou inversão de temperatura. Há uma mudança na direção em curtas distâncias. Causa risco para o voo quando ocorre próximo ao pouso, quando a aeronave está com baixa velocidade.

Dicas para não entrar em pânico durante uma turbulência

Apesar de eu ter zero medo de avião ou de turbulências, eu conheço de perto seus perversos efeitos sobre a emoção humana. Tenho dois familiares que têm pavor quando o avião balança. Ficam em pânico, com as mãos geladas, bastante assustados. Aprendi que não é algo que vem de uma motivação puramente racional, mas de uma sensibilidade emocional que potencializa o medo. Como viajamos muitas vezes juntos, venho trabalhado isso há alguns anos e percebi uma evolução enorme, seguindo dicas simples:

  1. Entenda porque aquilo acontece: parabéns! Se está lendo esse post e chegou até aqui é porque se importou em conhecer mais sobre o assunto. Espero que tenha percebido que é algo que faz parte da aviação e que dificilmente causa problemas sérios.
  2. Observe as outras pessoas: olhando à sua volta você vai perceber que é uma das poucas pessoas que está de fato preocupada com o balanço do avião (claro, se for uma turbulência muito grande outras pessoas podem ficar assustadas, mas na maioria das vezes é assim que acontece).
  3. Tire o foco do avião: ficar reparando em tudo o que acontece com o avião vai te deixar mais ansioso e preocupado. Tente fazer alguma coisa que mantenha ocupado, como ouvir música ou assistir a um filme. Com a mente e os ouvidos ocupados a percepção da turbulência será bem mais suave.
  4. Converse com alguém: se estiver acompanhado, conversar é um ótimo antídoto para o pânico. Mesmo que seja para falar do medo que você está sentindo. Se estiver viajando sozinho, antes do voo gentilmente fale com quem estiver ao seu lado que você tem medo de avião e pergunte se, em caso de turbulência, ela se importa de conversar um pouco com você. É um ótimo quebra-gelo que vai te deixar mais confortável. Eu até já segurei a mão de desconhecidos que estavam viajando ao meu lado e ficaram apavorados com uma turbulência.
  5. Procure ajuda: existem terapias comportamentais e medicamentosas que podem ajudar a reduzir o medo, estresse e ansiedade causados pelo medo de avião e de turbulência. Não tinha vergonha de procurar ajuda caso voar seja um enorme sofrimento para você. Quem curte meditação vai encontrar exercícios específicos que podem ser feitos durante o voo.

E você, ficou com alguma dúvida? Tem medo ou sente um grande desconforto durante uma turbulência? Tem alguma outra dica? Comente e participe!

Não perca nenhuma oportunidade!

ícone newsletter E-mail diário com promoções Receba as ofertas mais quentes no seu e-mail
Baixe grátis o nosso app Seja notificado sempre que surgir uma promoção