logo Melhores Destinos

Medo de avião? Conheça os sintomas e veja como enfrentar o medo de voar

Rafael Castilho
Rafael Castilho
01/04/2020 às 5:06

Medo de avião? Conheça os sintomas e veja como enfrentar o medo de voar

“Foi por medo de avião que eu segurei pela primeira vez a tua mão” já cantarolava Belchior no final da década de 70. Apesar do romantismo da canção, o medo de voar atinge grande parcela da população mundial e pode acarretar prejuízos financeiros, de saúde e sociais. Decolagem, aterrisagem, turbulências ou mesmo a simples ideia de sair do chão são causa de arrepios para muitos.

A estimativa é de que o medo de voar atinja cerca de 40% da população brasileira. E de cada 5 passageiros, um precisou de alguma ajuda para conseguir acalmar e embarcar no voo.

“Imagine um executivo que não pode fazer viagens de negócios, um pesquisador que não voa até congressos, um artista que não voa para fazer shows e exposições, uma pessoa que não vai aos encontros de família, entre outros casos”, destaca a doutora em Psicologia e professora da UFMG, Viviane Verdu. Estes são bons exemplos de pessoas que estão tendo prejuízos, deixando de subir na carreira, perdendo propostas de trabalho, prejudicando a vida familiar e social. Às vezes este medo é tão sério que pode chegar a graves problemas de saúde.

Indentificando o medo de avião

O medo é uma emoção importante para nossa sobrevivência, nos permitindo evitar perigos iminentes ou fugir de perigos presentes em um determinado momento. Quem nunca sentiu medo de alguma coisa? Tem gente que tem medo de andar na rua e outras de subir num avião. Apesar das minha frequentes viagens ainda sinto um pouco de desconforto com as turbulências. Uma vez enfrentei uma bem forte durante o dia num céu limpo sobre o México. Difícil de esquecer.

Normalmente a aerofobia, o medo de voar, pode estar conectado a outras fobias como medo de altura, medo de ficar em locais fechados, medo de socializar, etc. A doutora Viviane Verdu destaca: “a pessoa pode ter medo de voar por certos medos inatos, como altura e lugar apertado, mas também pode sentir medo devido a experiências ruins em voos anteriores. Alguém também pode sentir medo de avião sem nunca ter voado, porque alguém da família tem muito medo ou porque algum conhecido sofreu um acidente ou teve péssima experiência aérea.”

Esses pânicos geralmente surgem entre 17 e 34 anos, na época de uma mudança significativa na vida, como nascimentos, mortes, casamentos, divórcios ou graduações. É por isso que as pessoas com um medo de avião súbito costumam se perguntar: por que uma vez consegui voar tão confortavelmente e agora não consigo mais?

Sintomas da aerofobia

O primeiro parâmetro da fobia é a ansiedade. É muito comum nós ficarmos nervosos, ansiosos com mão suando quando iremos enfrentar situações inertes aos nossos medos e vontades. O ex-comandante da Varig, Luiz Bassani, com cerca de 30 anos de experiência pilotando, percebeu que o medo de voar estava se tornando cada vez mais corriqueiro e resolveu fazer uma pesquisa informal. “Foram cerca de 5 anos conversando com os passageiros e o principal ponto encontrado entre os que tinham medo foi a falta de informação e desconhecimento do funcionamento e operação de uma aeronave,”destaca.

Como forma de tratamento, Bassani acredita que a informação é tudo. “Se for uma pessoa cujo o medo não está fora de controle, que o tratamento com especialista deve ser avaliado, o aprendizado sobre o mundo aéreo e sobre o que acontece durante o voo irá ajudar a pessoa a perder o medo.”

Em mais de uma década de atendimentos, Bassani afirma que homens e mulheres são bem diferentes quando a questão é medo de voar. No relato do ex-comandante chama a atenção que as mulheres são mais sensíveis e os homens mais técnicos. Elas estão preocupadas sobre quem poderá pousar o avião se o piloto morrer ou se a comissária estiver com a fisionomia estranha ou cara de preocupada é porque o voo corre algum risco. Já os homens estão preocupados com capacidade técnica do comandante ou se um parafuso se soltar e prejudicar o funcionamento da aeronave. “Os homens têm mais medo de turbulência do que as mulheres. Mas todos devem ficar tranquilos, a turbulência não derruba um avião. O mais crítico neste momento é se o compartimento de bagagem de mão se abrir e uma mala cair sobre um passageiro. Isto pode ser fatal”, destaca o experiente piloto.

Os medos não são exclusivos dos passageiros. Os tripulantes também têm medo, principalmente os de cabine. “O medo mais comum é com problemas de emergência e de clima nos pousos e decolagens. Mas geralmente conseguem administrar suas ansiedades”, afirma Bassani.

Tipos de medo de avião

Especialistas dividem o medo de voar em três grupos principais:

  • Aqueles que nunca voam ou não voam há mais de cinco anos, apesar da oportunidade de fazê-lo;
  • Aqueles que voam apenas quando absolutamente necessário com extremo terror;
  • Aqueles que voam quando necessário, mas com ansiedade

Primeiramente deve ser identificado o grau de fobia de cada indivíduo. É ansiedade? É apenas durante uma turbulência? A pessoa não consegue nem ir até o aeroporto? É leve, média ou grave? Para cada tipo há um tratamento.

Antes de qualquer coisa é bom identificar o grau e tentar descobrir a origem. Em alguns casos a fobia pode envolver outras questões psicológicas que vão muito além das apontadas anteriormente, como traumas físicos e emocionais. “Para estes casos, não basta a medicação e o uso de técnicas para lidar com o medo e a ansiedade. É necessária a psicoterapia. Apenas a avaliação profissional pode indicar qual o melhor tratamento para cada caso”, ressalta Viviane.

Medo de avião tem tratamento

Além do conhecimento aéreo, para a doutora quando há algum prejuízo à vida normal e social é hora do tratamento. “O mais indicado é quando há a combinação de medicação, indicada por psiquiatra e terapia. Como um dos componentes da fobia é a ansiedade antes da situação acontecer, o tratamento pode envolver uso de medicação para ansiedade e o desenvolvimento de habilidades de autocontrole, como técnicas de respiração e relaxamento, estratégias de mudança de foco dos pensamentos, entre outros”, afirma Viviane. Na verdade a ideia é administrar o medo e deixá-lo mais controlável, já que o medo faz parte das nossas emoções.

Outra forma de tratamento e enfrentamento à fobia é a exposição gradual ao estímulo fóbico. “Ao sermos rotineiramente expostos a estímulos que geram medo e ansiedade, estas reações tendem a diminuir com o tempo, um processo fisiológico chamado de Habituação”, conclui a doutora.

A tecnologia também pode ser uma aliada ao tratamento da aerofobia. Antigamente os profissionais tinham que levar seus pacientes para voos, entrar em aeroportos ou até combinar com as companhias aéreas visitações em aviões. Mas hoje com a tecnologia da realidade virtual é possível simular situações análogas dentro de consultórios, facilitando muito o tratamento.

Dicas para lidar com o medo de avião

Seguem algumas dicas da Associação Americana de Ansiedade e Depressão para minimizar os problemas:

1. Descubra e obstrua os gatilhos que desencadeiam o medo
Descubra o que o assusta e examine como sua reação de ansiedade é desencadeada. Seu objetivo é identificar seus gatilhos específicos, para que você possa gerenciar seu medo e até controlá-lo. Aprender o que o desencadeia facilita a desativação.

2. Conhecimento
A ansiedade prospera com a ignorância e se alimenta de pensamentos catastróficos. Leia e se informe sobre o mundo da aviação. Veja vídeos na internet e documentários sobre segurança dos voos. Familiarize-se com os fatos, pois ajudarão você gerenciar sua ansiedade. As turbulências são tidas como o maior medo dos passageiros. Ainda que seja severa, apesar do desconforto ela irá terminar e você sempre estará seguro. Não esqueça, é claro, de sempre utilizar o cinto de segurança e seguir as orientações da tripulação.

3. Antecipe sua ansiedade
Tente se antecipar ao seu medo. A ansiedade pode ser muito maior que o medo e muito maior do sentimento que você terá durante o voo. Se você conseguir antecipá-la, você se sentirá melhor durante a viagem.

4. Separe o medo do perigo
Muitas vezes é difícil separar a ansiedade do perigo, porque seu corpo reage exatamente da mesma maneira para ambos. Tente intitular o seu medo de ansiedade ao dizer para si mesmo que aquilo é passageiro e que você não está em perigo, apesar de estar passando por uma crise de ansiedade intensa.

5. Viagem confortável
Use roupas confortáveis ​​para minimizar sua sensação de desconforto corporal, leve qualquer medicamento que você precise e mantenha-se hidratado enquanto estiver no avião.

6. Eduque seus companheiros de viagem como ajudá-lo
Outros passageiros precisam saber o que lhe assusta e o que lhe ajuda para lidar com a ansiedade e o medo durante o voo. Como tarefa você deve avisá-los e explicar claramente o que você achar mais útil para aliviar os seus anseios.

A doutora acrescenta: “se distraia com atividades de interesse: você pode baixar um filme no celular para assistir durante o voo ou instalar jogos no aparelho, pode levar um livro interessante para ler. Controle a respiração em momentos em que a ansiedade aumenta, como uma turbulência. A ansiedade implica em aumento dos batimentos cardíacos e velocidade da respiração. Ao respirarmos mais lenta e profundamente, reduzimos os batimentos cardíacos e nos acalmamos.”

Sabemos que a fobia de cada indivíduo é diferente, mas a busca por ajuda deve auxiliar no retorno ao assento de uma aeronave. O avião é o segundo meio de transporte mais seguro do mundo, só perde para o elevador. Voar é seguro, apesar do desconforto da turbulência, mas ela sempre será passageira. Boa viagem!

Você tem medo de avião? Tem algum caso curioso de trauma em viajar de avião? Como você resolveu? Conte para gente nos comentários!