Embarcamos no primeiro voo do Boeing 787 Dreamliner da Ethiopian para o Brasil. Confira como foi!

Denis Carvalho 2 · julho · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Ele chegou. Após meses de espera o Brasil finalmente está no grupo de países com rotas operadas com o Boeing 787-800 Dreamliner, considerado o avião comercial mais avançado do mundo. O jato da Ethiopian Airlines chegou ontem pela primeira vez ao Rio de Janeiro de onde seguiu para São Paulo e retornou a Addis Abeba após passar por Lomé, no Togo. A companhia acredita que a nova rota vai mudar drasticamente o fluxo de passageiros entre Brasil e países da África Ocidental. E mais: aposta que os brasileiros a utilizarão em voos para demais países africanos, Oriente Médio e Ásia. (Saiba mais aqui) A convite da Ethiopian e da Aviareps, parceira comercial  da companhia no Brasil, o Melhores Destinos acompanhou ontem a chegada do 787 ao Aeroporto do Galeão e fez o trecho inaugural do Rio a São Paulo no mais novo avião da Boeing.

voo-dreamliner

O 787 foi lançado em 2004 e começou a voar comercialmente em 2011, operado pela All Nippon Airways. No início deste ano, uma série de incidentes com o modelo fizeram com que suas operações fossem suspensas no mundo todo por três meses até que a Boeing resolvesse um problema em suas baterias. De volta aos ares, o Dreamliner voltou a brilhar, com encomendas de inúmeras companhias aéreas do mundo todo.

O título de avião mais moderno do mundo se deve a  uma série de fatores, como o uso de materiais mais eficientes (compósitos) na construção e o consumo de combustível 20% menor que os concorrentes. O jato se destaca ainda pelas novas tecnologias adotadas, design e motor. Assim, mesmo consumindo mesmo, ele alcança a velocidade Mach 0,85, uma das mais altas da atualidade. E isso ficou claro na chuvosa noite de ontem, quando o Dreamliner  da Ethiopian surpreendeu a todos ao aterrissar no Galeão quase duas horas antes do previsto.

Boeing 787 Dreamliner no aeroporto Galeão
Boeing 787 Dreamliner no aeroporto Galeão

Por fora o 787 enche os olhos. Suas linhas são arrojadas, mas com harmonia e elegância. A pintura original da Boeing em tons de azul ressalta essas linhas, mas mesmo o branco da Ethiopian vestiu bem a aeronave. O formato do bico e as janelas frontais são bem característicos do modelo e tornam seu design marcante.  O mais impressionante, porém, é o formato inovador das asas. Vistas da janela, são diferentes de qualquer outro modelo.

 

Por dentro do 787

O Dreamliner não é um gigante dos ares, mas tem porte médio, com capacidade para até 250 passageiros e alcance de até 15.200 quilômetros. Ao entrar na aeronave, a comparação com o Boeing 777, seu irmão maior e mais velho é inevitável. As primeiras diferenças, contudo, são logo notadas. As janelas são maiores ( 25 cm de largura e 45 cm de altura) e contam com um sistema inovador de cromatismo que substitui as persianas. Por meio de um botão é possível deixá-las totalmente transparentes ou opacas, com interessantes níveis intermediários muito úteis em voos diurnos. O vidro escurece com rapidez, mas clareia gradualmente.

Boieng-787-cabine

Outra novidade do 787-800 são os bagageiros, com volume 30% maior que o convencional. De fato o compartimento é bem grande, sendo até difícil seu fechamento. Quando está aberto, o passageiro precisa abaixar a cabeça para entrar na fileira. Outra novidade muito aguardadas, mas que não pode ser vista, é o novo sistema de circulação de ar externo e umidificação da cabine, que promete reduzir consideravelmente o cansaço durante voos longos. A iluminação Sky interior funciona muito bem, deixando o ambiente do jato agradável.

Boieng-787-Detalhes2

Poltrona e conforto

A Ethiopian configurou seus 787 com duas classes: executiva e econômica. A classe executiva conta fileiras de seis poltronas  2 – 2 – 2, enquanto na econômica há nove assentos por fileiras, configurados no padrão 3 – 3 – 3. Todas as poltronas oferecem sistema de entretenimento individual com programação on demand, sendo que as telas da executiva, como de costume, são bem maiores. A poltrona da classe superior oferece controle para ajuste de posição, mas na posição de cama o passageiro não chega ficar totalmente na horizontal.

Boieng-787-executiva

Na econômica, a novidade é um pequeno centro de controle no braço da poltrona, com comandos para o sistema de entretenimento, luz de leitura e até para chamar a comissária de bordo. A localização é prática para quem reclina a poltrona, mas pode ser inconveniente em alguns casos, pois basta apoiar no braço para que sua luz acenda sem querer. As telas também são touch, permitindo acessar a programação das duas formas. O sistema de entretenimento em si não é dos melhores, pelo menos para nós brasileiros. Há poucas opções de filmes, e a maioria são africanos ou asiáticos. O mesmo ocorre com as opções musicais.

Boieng-787-economica

O espaço oferecido pela Ethiopian é razoável e a inclinação da poltrona também. Pode não ser a melhor poltrona de econômica do mundo, mas é o suficiente para um mínimo de conforto enquanto se cruza o Oceano Atlântico rumo à África. Os tecidos e cores foram bem escolhidos, mas o fato do avião ser novo ajuda bastante na boa impressão inicial.

Decolando

Voltando ao voo, a Ethiopian preparou um coquetel para convidados e passageiros no Galeão, com direito a sambistas e mulatas. Só não contava com a chuva, que além de estragar o “batismo” da aeronave causou um atraso de quase 2 horas e meia na decolagem, após um avião da TAM ter escorregado na pista. Previsto para às 21h45 , o Dreamliner só alinhou na pista na madrugada de terça, à 0h10.

Boieng-787-Detalhes

Logo ao pegar velocidade,  chama a atenção o baixo nível de ruído. Mesmo nas últimas fileiras da classe econômica, há muito menos ruído do que outros modelos como 777 ou 737. Além de bonito,  formato das asas e do corpo dão ao 787 uma ótima estabilidade. Enquanto no voo de São Paulo ao Rio o 737-800 da GOL sacolejou com gosto levando os jornalistas, a viagem com o Dreamliner foi suave e tranquila. Mesmo com o porte diferente das aeronaves e condições climáticas terem mudado um pouco nas horas que passamos no Galeão, a diferença foi enorme.

 

 

1994

O sistema de iluminação também funcionou perfeitamente, sobretudo nas transições que foram mais suaves que a habituais. Como o voo era curto, de apenas 50 minutos, não foi possível conferir todas as possibilidades do Sky Interior no B787, mas a pequena mostra deixou claro que em m voo noturno o sistema faz bastante diferença.

1908

Com relação à Ethiopian, as comissárias tiveram pouco trabalho nesse trecho final de voo, mas foram simpáticas o tempo todo – mesmo com o comportamento pouco convencional de alguns fotógrafos convidados para a demonstração. Sim, para os aficionados por aviação o primeiro voo pra valer do Boeing 787 em terras brasileiras foi uma ocasião única, cujo brilho nem mesmo os contratempos e atrasos puderam tirar!

2011

 

 

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe