GOL vai voltar a oferecer comida de graça em seus voos a partir deste mês!

Denis Carvalho 3 · julho · 2015

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A Revista Época informou que a Gol voltará a oferecer alimentos de graça em todos os seus voos domésticos a partir deste mês. Segundo a revista, a companhia oferecerá um “snack orgânico”, que usa farinha e grãos integrais, tem sabor de “azeite e ervas” e é feito pela Mãe Terra, uma marca de alimentos saudáveis.

Em 2009, a Gol havia parado de dar barrinhas de cereal ou saquinhos de amendoim grátis aos passageiros em praticamente todas as rotas nacionais, deixando só a opção de cardápio pago, o que desagradou a parte de seus clientes.

Novo snack da GOL
Novo snack da GOL

A Gol calcula que vai distribuir cerca de 2,5 milhões de pacotinhos do novo “snack” por mês. De acordo com a Época, a empresa chegou a negociar com a Nestlé e outras fornecedoras de lanches que pudessem ser chamados de saudáveis. Mas optar pela Mãe Terra teve uma vantagem: por ser uma empresa média, ter a marca exposta nos voos foi visto como uma oportunidade de marketing. Por isso, a negociação ficou mais favorável à companhia aérea. “É um custo que vai caber no orçamento já previsto para o ano”, diz Paulo Miranda, diretor de produtos da Gol. Assim, segundo o executivo, o gasto não terá impacto perceptível nos próximos balanços.

Nos últimos anos, companhias aéreas do mundo todo passaram a cobrar por “serviços extras” – não apenas comida a bordo, mas espaço um pouco maior nas poltronas, permissão para levar bagagem extra e até o conforto de não pegar fila para embarcar.  Na Gol, essas “receitas auxiliares” têm crescido em importância. No primeiro trimestre, elas geraram R$ 277,8 milhões, ou 11% das receitas totais, alta de 32,8% em relação ao mesmo período do ano passado. A conta inclui desde os transportes de carga pela Gollog até a venda de malas pela companhia – e, claro, a comida paga.

A reportagem avalia que nos últimos anos a Gol deixou de ser percebida como a opção “low cost” e que o preço de suas passagens se tornou parecido com o da concorrência. Para especialistas no setor, fica difícil oferecer um serviço muito low cost – a ponto de não ter nem a barrinha – quando não se é, de fato, tão low cost. A empresa detectava, em pesquisas internas, a insatisfação de parte dos clientes. Principalmente aqueles que voam pela primeira vez, um passageiro comum na companhia. “Para esses, uma experiência bacana a bordo é ainda mais importante”, afirma Miranda.

Outra questão é que o cardápio pago – que segue existindo – nunca rendeu margens relevantes para a empresa. “Podemos dizer que ele se paga. Mas não produz um lucro que possa ser sentido no balanço”, afirma Miranda. Dessa forma, a vantagem de ter apenas a opção cobrada, do ponto de vista do negócio todo, parecia não cobrir as desvantagens“.

Leia a matéria completa no site da Época.

Agradecemos a dica do leitor Sérgio Sant’Anna

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe