Ethiopian voará com o Boeing 787 Dreamliner para o Brasil em julho

Denis Carvalho 20 · maio · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

O Boeing 787 Dreamliner, considerado o avião mais moderno do mundo, está muito perto de voar para o Brasil. A Ethiopian confirmou hoje que pretende utilizar o novo jato da Boeing em sua rota de São Paulo a Addis Abeba, com escalas no Rio de Janeiro e Lomé, com início marcado para o dia 1º de julho. A companhia já está vendendo passagens para o novo voo que vem fazendo sucesso graças aos preços baixos para destinos na África e conexões como Dubai, Cairo e Tel Aviv. Com o 787 além do preço a rota terá um grande diferencial com o conforto oferecido pela aeronave.

Ethiopian-787-dreamliner1

“Acabamos de ter a confirmação que o Dreamliner virá para a rota do Brasil, agora está 100% confirmado e informado no nosso sistema. Fomos a primeira companhia a retomar os voos com o 787. Temos cinco no total: dois já em operação, o terceiro irá começar a voar logo e os outros dois estão finalizando os procedimentos necessários para começar a voar. Nossa previsão é ter as cinco aeronaves voando até julho e que uma delas venha para o Brasil, estamos trabalhando para isso”, informou ao Melhores Destinos o coordenador de marketing e Relações Públicas da Aviareps Brasil, que representa a Ethiopian no país, Marcos Teodoro.

Segundo ele, além do avião os novos voos terão outros diferenciais, como uma ligação mais rápida para as regiões da África e uma nova opção para Oriente Médio e Ásia. “Além disso a Ethiopian vem com tarifas competitivas para todos os destinos. Seremos uma das melhores opções em termos de voos, conexões além de contar com a importante parceria como a Star Alliance”, explicou.

Ethiopian_Boeing_787-8

Como a nova rota vai ligar o Rio e São Paulo a Lomé e Adis Abeba, além de vários destinos na África, a expectativa da companhia é que cresça o número de brasileiros visitando o continente e conhecendo os atrativos dos países africanos. “Nosso objetivo é oferecer o melhor produto para promover os destinos de lazer na Etiópia, como Simien Mountain National Park, Axum, as igrejas monolíticas esculpidas nas pedras de Lalibela,os castelos de Gondar e muito mais. Também vamos divulgar Seychelles e Zanzibar como destinos de praia, Nairobi, Kilemajaro & Dar es Salaam como safári e grandes países com grande diversidade cultural como China, Índia, Egito, Israel e Líbano. O principal foco da Ethiopian será África, Oriente Médio e Ásia, com preços bem competitivos”.

Novidades

Entre as novidades do Boeing 787  estão a aerodinâmica, que permite reduzir o impacto em caso de turbulências. Além disso, a pressurização da cabine a uma menor altitude (6.000 pés ao invés de 8.000), traz mais conforto aos passageiros. A maior novidade, contudo, é o inovador sistema eletrônico de escurecimento das janelas (que são 40% maiores do que de outros modelos) e de iluminação dinâmica, que promete melhorar a ambientação na cabine. Desta forma, o sistema prepara o passageiro para as distintas etapas durante o voo (dia e noite) e para o horário em que estará pousando.

Ethiopian_Airlines_Boeing_787_KvW-1

A cabine incorpora novas técnicas de umidificação do ar, diminuindo consideravelmente a fadiga e a secura, associadas a longas viagens. Segundo a Boeing, o passageiro terá uma viagem ainda mais prazerosa, graças à tecnologia dos motores da aeronave, que produzem menos ruídos. Além disso, os espaços para bagagem de mão foram ampliados em 30%.

Tantas inovações tiveram seu preço e graças a uma incrível série de incidentes no início do ano, a Federal Aviation Administration dos Estados Unidos (FAA) suspendeu em janeiro todos os voos com o Dreamliner, decisão seguidas por todas as companhias que possuem o modelo. Apenas neste mês, a Boeing conseguiu solucionar o problemas com as baterias do jato e obter a liberação das aeronaves.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe