Avaliação da Aigle Azur

Leonardo Cassol 17 · dezembro · 2018
Econômica
VCP - ORY
ZI 036
Airbus A330
11/11/2018

Embarque

Previsto: 19:15h
Efetivo: 20:10h

Partida

Previsto: 20:15h
Efetivo: 20:56h

Chegada

Previsto: 10:45h
Efetivo: 11:02h

A Aigle Azur é uma companhia aérea francesa, fundada em 1946, e que opera no Brasil em parceria com a Azul. Atualmente voa para 26 destinos e possui 11 aeronaves, sendo duas delas do modelo Airbus A330, que operam entre Campinas e Paris. Em novembro de 2017, parte da empresa foi adquirida pelo empresário David Neeleman, fundador da Azul.

Voamos na classe econômica da Aigle Azur de Campinas até Paris, no voo compartilhado com a Azul, e contamos para você como foi a nossa experiência.

Resumo do review

Aeronave: Airbus A330

Trecho: Campinas (VCP) x Paris (ORY)

Duração da viagem: 11h30

Destaque positivo: atendimento da tripulação

Ponto a melhorar: conservação das poltronas e ausência de internet wi-fi

Check-in

6,5

Eu não comprei a passagem. Recebi o bilhete da agência, e já estava com um assento previamente marcado, na poltrona 17K. Logo entrei no site da Aigle Azur para inserir meus dados pessoais na reserva. Eu sempre recomendo isso, pois assim você acaba conferindo se está tudo certo e consegue ser avisado de qualquer eventual mudança no voo.

Check-in

Quando deu 24 horas antes do voo eu tentei fazer o check-in online pelo aplicativo da Aigle Azur. No final do processo apareceu uma mensagem de que não era possível concluir o check-in. Depois, olhando com calma no site deles, descobri que partindo de São Paulo o check-in pela internet não está disponível 🙁  Fiquei um pouco apreensivo, pois eu vinha do Rio de Janeiro num voo da GOL, com bilhetes separados, e não tinha uma grande margem de segurança em caso de atraso. Eu evito ao máximo esse tipo de situação, mas dessa vez não teve jeito.

Felizmente, o voo interno saiu no horário, permitindo que eu chegasse no Aeroporto de Viracopos exatamente 18:35 (entenderam meu desespero agora? Não façam isso, é muito perigo! hehehe). Corri pro check-in e tinha uma fila pequena. Mas, como eram poucos atendentes, não foi tão rápido. Eu aproveitei meu status Diamante no TudoAzul (que eu consegui fazendo o Desafio TudoAzul, com equivalência de status para o Smiles Diamante), aproveitei a fila especial que tinha apenas duas pessoas na minha frente. Levei uns 8 minutos até ser atendido.

Eu não tinha bagagens para despachar. Precisava apenas do cartão de embarque. Então, foi bem rápido. O funcionário foi bem gentil e me alertou que eu poderia usar a sala VIP. Conferi se o assento era o mesmo da reserva (outra coisa que recomendo sempre), e sai correndo (literalmente) para o embarque, pois ainda queria passar na sala VIP, só pra fazer fotos mesmo, já que não ia dar tempo de ficar muito tempo lá.

Sala VIP Azul Campinas

Clientes TudoAzul Diamante podem usar a sala VIP da Azul em Viracopos com um acompanhante, quando estiverem voando com a Aigle Azur, já que o voo é compartilhado com a Azul. A sala fica logo após o controle de passaportes, antes do Duty Free.

Cheguei na sala VIP e estava bem cheia. O espaço é não é grande. Foi difícil tirar fotos sem incomodar ou mostrar ninguém.

O lounge estava um pouco desabastecido no momento da minha rápida visita, faltando a maioria dos salgados quentes que são oferecidos… Talvez fosse pela lotação, mas fiquei com a impressão que o bufê era de fim de festa. Dada a situação do lounge e ao fato de eu querer ser um dos primeiros a embarcar para fazer as fotos para o review, nem sentei. Fui ao banheiro, peguei duas garrafas de água, mais alguns biscoitos e parti para o embarque.

Já tive a oportunidade de visitar a sala outras vezes, então deixo aqui algumas imagens que fiz em outras oportunidades, com a sala mais vazia.

Embarque

Depois da minha passagem relâmpago pelo lounge da Azul, cheguei ao portão de embarque 19:05, dez minutos antes do horário previsto para o embarque. O avião já estava sendo carregado e a tripulação estava nas proximidades, aguardando para entrar no avião. Fiquei logo na fila que seria para os clientes TudoAzul Safira e Diamante, quando veio um anúncio: “Senhores passageiros, informamos que por motivos operacionais o embarque do voo para Paris sofrerá atraso e deverá ser iniciado 20:10 (a previsão original era 19:10), podendo sofrer alterações. Pedimos que fiquem atentos ao sistema de som e próximos ao portão de embarque…”

Ainda fiquei me perguntando: o que fez esse voo a atrasar?… “motivos operacionais” é algo muito vago! Parecia tudo certo… Mas desisti e passei a pensar no que fazer. Voltar para a sala VIP? Poderia estar mais vazia, devido ao horário do embarque. Ficar em pé por uma hora plantado na fila, para garantir embarcar cedo? Seria útil caso o atraso fosse menor que o informado… Ir para a lanchonete do embarque e fazer um lanche? Vai que o voo atrasa mais e eu fico morrendo de fome… Resolvi seguir meu estômago, relaxar e comer.

Aproveitei para responder comentários do site, responder e-mails e ler notícias para passar o tempo, até que deu 20:00 e eu fui novamente para o portão de embarque. Já estava aquele reboliço. Alguns passageiros começavam a reclamar, mas os funcionários do embarque mantiveram a calma e a simpatia o tempo todo. Até que 20:15 começaram a embarcar as prioridades legais, seguido das prioridades comerciais (passageiros voando em classe executiva e TudoAzul Diamante e Safira). Ufa! Consegui ser um dos primeiros a embarcar. No avião, enquanto eu corria para tirar fotos, tocava Garota de Ipanema, na versão em inglês.

Cabine

7,5

A cabine da classe econômica da Aigle Azur (Airbus A330)

A cabine segue a configuração 2 x 4 x 2, com oito assentos por fileira, semelhante a utilizada pela Azul em suas aeronaves. Ao todo, os aviões da Aigle Azur possuem 268 poltronas em classe econômica e 19 em classe executiva.

Eu gosto do modelo 2 x 4 x 2, pois favorece casais e quem viaja na janela (a configuração 3 x 4 x 3 dos aviões maiores é mais incômoda, na minha opinião).

As seis primeiras fileiras da classe econômica (fileiras 14 a 19) são de assentos com mais espaço entre as poltronas e com maior reclinação. Ao todo, são 46 assentos da categoria “conforto”, como eles chamam. A Azul chama de Economy-Xtra, mas não é a mesma coisa. Da mesma maneira que a Azul, eles cobram uma taxa para os clientes viajarem nesses assentos. Mas a Aigle Azur não oferece o kit de amenidades que a Azul entrega para clientes da Economy Xtra, nem o SkySofa. No meu voo, isso gerou desconforto para os passageiros que estavam nas poltronas D, E, F e G da fileira 15. Eles disseram ter sido contatados pelo call center da Azul para um upgrade de classe e que entenderam terem pago pelo Sky Sofa. Não sei dizer se foi um erro do atendimento ou não, mas um dos agentes de solo da Azul se desculpou e disse que eles iriam analisar o caso e reembolsar os clientes. Portanto, se você vai viajar com a Azul/Aigle Azur para Paris fique ciente que a Economy-Xtra nessa rota é um assento com mais de espaço e reclinação e ponto!

As aeronaves Airbus A330 utilizadas pela Aigle Azur, prefixos F-HTIC (meu voo de ida) e F-HTAC (meu voo de volta), foram entregues em 2002 e pertenceram à Air Berlin, que encerrou suas operações em 2017. A cabine foi renovada, mas o acabamento em tecido das poltronas da classe econômica já mostra alguns sinais de desgaste, como vocês podem ver nas imagens. Não vi nada rasgado, mas alguns assentos tinham o tecido manchado. É diferente da classe executiva da Aigle Azur do mesmo avião, onde o acabamento das poltronas parece novo.

As fotos com maior claridade foram tiradas no voo de volta, que é diurno, o que rendeu imagens melhores das poltronas. As mais escuras foram no voo de ida.

Abaixo um comparativo das duas poltronas: do lado esquerdo, as poltronas “conforto”, entre as fileiras 14 e 19, com um espaço e reclinação maiores, ideal para quem é mais alto ou gosta de ter mais espaço para esticar as pernas. Do lado direito, o assento comum.

Eu vim sentado na poltrona 17K, com mais espaço, e me senti bem, para os padrões de uma classe econômica.

O encosto para a cabeça tem acabamento em couro e aquele ajuste para segurar o pescoço, bastante útil na hora de dormir.

As poltronas da saída de emergência também oferecem maior espaço para as pernas:

A iluminação em LED, nas cores azul e branco, deu um tom legal para a cabine.

É uma cabine dentro da média, com o detalhe do acabamento do assento, que poderia ter um aspecto visual melhor.

Entretenimento

8,0

Sistema de entretenimento

A Aigle Azur oferece diversos filmes, séries, documentários, músicas e jogos no seu sistema de entretenimento, com telas individuais, sensíveis ao toque. Parte do conteúdo tinha áudio em mais de um idioma, ou legendas em português, mas não tudo. É possível pesquisar o acervo disponível por gênero, como comédia, ação, drama, etc.

Na minha poltrona, a tela nem sempre respondia bem aos meus comandos. Tinha que apertar algumas (ou várias) vezes até selecionar um filme ou voltar para o menu principal. Senti falta de um controle remoto, pois tive receio de incomodar o passageiro da frente apertando a tela com muita força.

Eles entregam também um fone de ouvido descartável para cada passageiro. No bolsão, o folheto de segurança e a revista de bordo da Aigle Azur.

O conteúdo era ok, mas acabei não assistindo nada na primeira fase do voo. Enquanto eu esperava o jantar, o passageiro que estava ao meu lado, na poltrona 17H, puxou conversa comigo. Era um marroquino de 28 anos (cujo nome confesso que não entendi) que morava em Paris há nove anos e era apaixonado pelo Brasil. Para um estrangeiro, falava bem português (algumas vezes a conversa ia para o inglês). Disse ter aprendido por ter morado com brasileiros na França. Foi engraçado, ele tinha uma lista de coisas para comer no Brasil, do básico, como coxinha, brigadeiro, açaí, guaraná e churrasco, até coisas mais exóticas, como tacacá. E ele disse que tinha conseguido provar quase tudo, mas que voltaria para procurar o restante e conhecer mais cidades brasileiras. O que, segundo ele, iria acontecer em breve, tão logo ele conseguisse novas férias do trabalho e encontrasse outra tarifa legal (ele disse que pagou 380 euros na passagem, logo que a Aigle Azur anunciou os voos entre Paris e Campinas).

Eu confesso que não costumo puxar conversa com meus vizinhos durante os voos. Geralmente estou concentrado em fazer o review, ou planejando trabalhar, dormir, assistir algum filme ou série etc. Também rola aquele medo de pegar alguém mala, mas não foi o caso! Conversamos até o fim do jantar, sobre como era a vida na França, no Brasil, no Marrocos e por aí vai… Foi agradável!

Serviço de bordo

8,5

Amenidades

Recebemos um travesseiro e uma manta higienizados cada um. Estavam nas poltronas, logo que embarcamos. São simples, dentro do padrão que costuma ser oferecido na classe econômica de grande parte das companhias aéreas.

Depois do embarque, um dos comissários passou distribuindo os fones de ouvido descartáveis.

 

Jantar

Cerca de uma hora depois da decolagem, os comissários iniciaram o serviço de bordo com o jantar. Havia duas opções disponíveis: “massa ou carne” (hehehe). Eu perguntei o que acompanhava a carne, e era vagem e polenta. Foi a minha opção! Como acompanhamento dos pratos, salada de alface, pepino e beterraba, além de pão com polenguinho.

De sobremesa, pudim de leite condensado com uvas passas. Sim, as polêmicas uvas passas, para mim, desnecessárias no pudim, mas aceitáveis no arroz durante as festas natalinas e de fim de ano….

O jantar estava bom. A carne desfiada estava deliciosa, bem temperada e bem quente. Achei a polenta com pouco sal, mas deixei ao meu gosto salgando à parte. A saladinha e a vagem estavam boas também. O pão era frio, mas estava ok! O pudim estava bom! Tirei as passas, claro! 🙂

Entre as bebidas, refrigerantes, sucos, chás, vinho branco e vinho tinto servidos em copos com as garrafinhas. Fui de guaraná!

Depois de servido o jantar, os comissários voltaram oferecendo mais alguma bebida, além de água, café e chá.

Assim que terminei de comer, pedi licença ao vizinho, arrumei a bandeja de comida e fui ao banheiro logo, para evitar filas. Escovei os dentes e fui descansar. Apesar do voo decolar relativamente cedo, consegui dormir bastante, cerca de 7 horas, até o momento de servirem o café da manhã. Acordei umas duas vezes durante a madrugada, mas logo voltei a dormir.

Eu tenho facilidade para desligar em aviões, mesmo em classe econômica. Algo que me ajuda muito é sentar numa janela e achar uma posição onde eu encoste a cabeça e mantenha os pés levemente erguidos do chão. Para isso, uso a mochila para apoiar os pés e o travesseiro para manter a cabeça encostada na parede da aeronave, de preferência naquela dobra entre as janelas. Quase sempre funciona! De noite a gente acorda com tudo meio dormente, mas aí, é só se mexer um pouco, esticar as pernas, mudar de posição, e voltar a dormir.

Lembrando que, dependendo da idade e o histórico familiar, é importante tentar se movimentar durante o voo, para evitar o risco de trombose.

Café da manhã

Cerca de 2 horas antes do pouso foi servido o café da manhã. Havia uma única opção: omelete com queijo, bacon e tomate, acompanhado de salada de frutas (mamão, melão e uva), Danoninho, um pão e um croissant, manteiga e geléia. De bebida, sucos, refrigerantes, café, chá e leite. Optei pelo suco de laranja.

A omelete chegou quente e estava boa. Achei um pouco seca, provavelmente devido ao processo de resfriamento necessário para as refeições servidas nos aviões, mas o tomate ajudava a equilibrar o sabor e a umedecer o prato.

De uma maneira geral, achei as refeições da Aigle Azur boas para os padrões esperados de uma classe econômica. Infelizmente, não consegui nenhuma foto do prato de massa, pois o marroquino que estava ao meu lado me copiou e também optou pela carne.

Comissários e equipe de solo

10

Comissários e equipe de solo

O check-in e o embarque em Viracopos foram feitos por funcionários da Azul. Fui bem atendido, com cortesia e simpatia.

Durante o voo, a equipe da Aigle Azur trabalha sempre com duas comissárias da companhia aérea brasileira na equipe, por conta do acordo de compartilhamento do voo. No entanto, quem atendeu minha fileira foram comissários da Aigle Azur, que falavam apenas inglês e francês. Foram muito simpáticos e prestativos durante todo o voo, deixando os passageiros bem à vontade. Eu gostei muito.

Programa de fidelidade

8,0

Acúmulo de pontos

O programa de fidelidade da Aigle Azur é o Azur Plus. No entanto, por ser um voo compartilhado com a Azul, é possível acumular os pontos do voo também no TudoAzul, o que parece fazer mais sentido para os brasileiros que não moram e não viajam com frequência para Paris.

O acúmulo no TudoAzul é em função do valor pago na passagem, sendo 1 ponto a cada real gasto. Clientes TudoAzul Topázio, Safira e Diamante acumulam, respectivamente, 1,5, 2 e 3 pontos a cada real gasto.

Também é possível resgatar voos da Aigle Azur para Paris com pontos do programa TudoAzul, pelo site ou App da Azul.

Nota final

8,0

Chegada em Paris

Chegamos em Paris cerca de 20 minutos depois do previsto. O tempo estava bem nublado, mas com visibilidade para o pouso. Apesar do tempo ruim, foi um voo tranquilo, sem muita turbulência. E um pouso suave. Uma pena que não deu pra ver muito da cidade pela janela, em função das nuvens espessas.

O avião estacionou numa posição sem ponte de embarque do aeroporto de Orly, em Paris. Alguns ônibus já aguardavam para levar os passageiros para o terminal de desembarque e imigração, o que aconteceu rapidamente. Deu pra sentir um pouco do friozinho de 10 graus do local.

A surpresa ficou por conta da fila de imigração para passaportes estrangeiros, enorme! Enquanto quem tinha passaporte europeu não pegava fila nenhuma. Levei quase uma hora para passar pelo controle de passaportes. Não sei dizer se foi o atraso do nosso voo, ou se é sempre assim, mas o fato é que pelo menos a fila andava relativamente rápido.

Na esteira de bagagens, tudo bem tranquilo. Como eu não tinha despachado bagagem, pude sair rapidamente.

O Aeroporto de Orly tem a vantagem de ser mais próximo da cidade do que o Charle de Gaulle. É possível se deslocar para a cidade de ônibus comum, ônibus especial, trem ou táxi/Uber.

O serviço da Aigle Azur na classe econômica atendeu às minhas expectativas. É mais uma opção para quem vai à Paris, com a conveniência de chegar pelo aeroporto de Orly.

E você, ficou com alguma dúvida? Teve uma experiência igual ou diferente da minha na Aigle Azur? Comente e participe!

Veja também como foi o voo de volta, na classe executiva da Aigle Azur, de Paris para Campinas. Ou como é voar dentro da Europa com a Aigle Azur.

Autor

Leonardo Cassol - Editor Economista, apaixonado por viagens, aviação e milhas! Especialista em programas de fidelidade do Melhores Destinos