URGENTE: Juiz concede liminar e suspende a cobrança pela bagagem em voos no Brasil

João Goldmeier
João Goldmeier
13/03/2017 às 16:14

URGENTE: Juiz concede liminar e suspende a cobrança pela bagagem em voos no Brasil

Acaba de sair uma decisão judicial liminar suspendendo a vigência das novas regras para despacho de bagagem contidas na Resolução 400 da Anac.

Na Ação Civil Púbica o Ministério Público Federal destaca que a cobrança fere os direitos do consumidor e levará à piora dos serviços mais baratos prestados pelas empresas.

Após ouvir os argumentos da Anac, o juiz da da 22a. Vara Cível de São Paulo, José Henrique Prescendo, concedeu liminar para sustar aplicação das novas regras que começariam a ser aplicadas a partir de amanhã.

É bom salientar que o Juiz suspendeu apenas as regras relativas às bagagens despachadas. As demais mudanças como reembolso em até sete dias úteis, correção de nomes, dentre outras, entram em vigor amanhã normalmente (leia mais sobre elas clicando aqui).

Na decisão o magistrado pontua que o ato da Anac “impõe aos passageiros um ônus financeiro adicional nas viagens, consistente em pagar uma taxa extra pela bagagem despachada, sem direito a qualquer franquia, exceto para bagagem de mão, promovendo com essa medida não os interesses dos consumidores e sim das empresas de transporte aéreo de passageiros”.

Prescendo considerou ainda que as mudanças “deixam o consumidor inteiramente ao arbítrio e ao eventual abuso econômico por parte daquelas empresas, vez que permite a elas cobrarem quanto querem pela passagem aérea e, agora, também pela bagagem despachada, no quanto eliminou totalmente a franquia que existia”.

O juiz destacou ainda que não existem evidências de que os preços das passagens aéreas serão reduzidos caso a nova norma entre em vigor: “Há apenas uma suposição da Anac de que isto venha a ocorrer. Todavia, na prática será muito difícil constatar isso, uma vez que o preço das passagens varia muito conforme a companhia aérea, o dia da semana, a proximidade do voo, o fato de ser realizado em feriado prolongado, o trajeto ou o horário”.

A Anac lembrou que as novas normas receberam decisões favoráveis em outras ações: “Na sexta-feira a Justiça Federal do Ceará confirmou em sentença as regras da ANAC que entram em vigor amanhã. A desregulamentação da bagagem e as demais medidas obtiveram vitória sobre o Procon de Fortaleza na Justiça do Ceará. O juiz Alcides Saldanha Lima julgou improcedente o pedido de suspensão da norma por entender que a resolução beneficia os consumidores, não fere o Código Civil, o Código de Defesa do Consumidor e nem a Constituição Federal”.

Estamos buscando mais informações e complementaremos este post o mais breve possível.

ícone passagens aéreasPassagens aéreas - X

Voltar voltar
Permanência de a dias
carregando...

220 Comentários

  • Rodrigo Aguiar says:

    Certíssimo!!!! Sabia que isso ia acontecer… Brasil..

    • Rodrigo Gomes da Silva says:

      Vai suspender o desconto, já q todas CIAs tão colocando q o preço não ta mudando e sim criando nova faixa sem bagagem

      • Lucas R. Martins says:

        Eu acho tolice acreditar que o preço não iria aumentar. Primeiro elas criam uma faixa com valor mais baixo sem a bagagem, depois essa faixa passa pro valor atual e a outra sobe.

        • Rodrigo Gomes da Silva says:

          Pera ai, q vc acha q o preço agora vai ficar o sem aumento, o “anterior”? Oq vai fazer eles voltarem o preço, cujo não é tabelado? Oq agora q vao ser obrigado a dar franquia pra todo mundo vai fazer eles simplesmente não matenterem o maior???

          Eu não vejo logica… simplesmente vão usar o mais alto, ou acha q vai baixar e ficar o sem bagagem pra todo mundo?

          • Despetizador says:

            Exatamente! Se divirtam pagando o preço da bagagem EMBUTIDO no preço da passagem. E sem transparência alguma. Se a aérea está cobrando 50 ou 200 pela bagagem, nunca saberemos.

          • Frederico Campos says:

            E precisa de regra da ANAC para que as empresas, por exemplo, passem a dar desconto para os passageiros que não despacharem bagagens? Este pessoal da ANAC e as empresas aéreas precisam parar de subestimar a nossa inteligência. Ainda bem que temos uma das leis consumeristas das mais avançadas do mundo, justamente, para impedir este tipo de abuso! Parabéns ao Juiz José Henrique Prescendo pela sua lucidez.

          • Guto lopes says:

            A questão discutida pelo Lucas R. Martins não se refere à ausência de benefícios em criar uma categoria de menor valor, mas sim à ilusão que é acreditar nesses benefícios a longo prazo, dado o caráter escancaradamente oportunista e de má fé característico de muitas empresas aéreas brasileiras. Fica difícil crer nessas “mudanças” como medidas permanentes com esse histórico de mancadas com as quais já nos habituamos. :/

          • Despetizador says:

            A aérea já te cobra a bagagem. Está embutida no preço da passagem. Você apenas não se deu conta disso ainda.

          • Gabriel Previato says:

            E agora ela te cobraria duas vezes. Espertinho

          • steang says:

            O maior problema, em se tratando de empresas no Brasil, é que não existe concorrência.

  • Tiago Costa Do Vale says:

    ??????????

  • Eduardo Scoz says:

    aos 45 min do 2o tempo!

  • Aléssio Santos says:

    Booooooooooooa!

  • Valter Barbosa says:

    Sabemos todos que as empresas apenas irão aumentar os preços das passagens com bagagem despachada e as sem bagagem serão o que já pagamos hoje.

    • Gabriel Previato says:

      Claro, isso é tão óbvio. Não entendo como tem gente burra que ainda acredita que essa medida iria baratear as passagens. O governo tá é querendo favorecer empresários das cias aéreas gerando esse lobby pra eles.

      • Despetizador says:

        O que impede as aéreas de aumentar as tarifas, com ou sem cobrança de bagagem?

        • Gabriel Previato says:

          E o que faria as cias aéreas baratearem as tarifas só por estarem cobrando bagagem a mais???

          • AAraujo says:

            Gabriel, independente da sua opinião, sugiro que você respeite quem pensa diferente…

          • Gabriel Previato says:

            Tudo bem, tem razão, troquei o burra por ingênua. Cobre isso também de quem ofenda quem seja a favor dessa liminar, ok?

          • Rodrigo Gomes da Silva says:

            O que o colega quiz dizer é que quem não ta pensando em um detalhe é vc… se elas querem aumentar a tarifa com bagagem, podem aumentar hoje já que preços de aereas não são controlados… pq dependeriam de ter 2 tarifas, pra manter a atual e aumentar a outra sendo q podem aumentar hoje já a com bagagem?

            Ninguem nesse tópico soube responder isso claramente, pq precisaria dessa norma pra aumentar a atual, e não aumentam simplesmente hoje… ou todo mundo eh ingenuo, ou tem um monte de louco q fala as coisas sem ter a minina ideia do pq esta afirmando isso.

          • Jessica Correa says:

            E porque as empresas negaram publicamente que iriam baratear os preços com a medida? Porque não foi feita uma pesquisa consistente dos impactos? Os proprios politicos que votaram nao sabiam justificar se seria benefica mesmo e queriam ver em pratica. Serio que voce ainda acredita em papai noel e acha que a sua pergunta ta abafando?! Pronto, respondi com questionamentos. Vamos ver se assim voce consegue associar a logica. Fora, que não temos tantas empresas assim para ter o tipo de concorrencia que outros paises conseguem com low cost.

          • steang says:

            A palavra é sutileza. Se apenas aumentarem, o povo consegue ver que está sendo de certa forma lesado. Agora, com a regra, ela tem margem pra não baixar o valor do ticket e ainda criar um valor novo para arrecadar em cima das bagagens.

      • Sandra Ferreira says:

        O próprio presidente da Gol disse que o valor das passagem não iriam abaixar, esse foi sincero. Iriamos continuar pagando caro pelas passagens e ainda pagar para transportar a bagagem (mais um vez). No Brasil as ânsia da grandes empresas de ganhar dinheiro se sobrepõe ao justo para o consumidor.

  • Robson Santos says:

    Concordo com a liminar, até porque tudo indica que o preço das passagens não irão baixar… Teve uma CIA Aérea que divulgou um desconto de 30 reais, DEVIAM TER VERGONHA de chamar isso de desconto!!! É impressão minha ou as passagens para os EUA estão todas por +2000 sem as taxas, que reajuste descarado foi esse!!!!

    • RGleyson says:

      As CIAS vacilaram nesse meio tempo, realmente esses $30 informados pela Azul foi um tiro no pé!

    • Alexandre luis oestreich says:

      Também notei essa alta.
      Aumentaram os preços uma semana antes pra depois darem “desconto” e ainda por cima cobrar a bagagem.
      Infelizmente, Brasil sendo Brasil.
      Não deve estar fácil de vender as passagens e ainda por cima fazem esse tipo de jogo sujo.

    • Júlio César Battisti says:

      Se achar passagem perto de 2mil eh pq está muito barato! Estou tentando comprar para mia/mco em outubro e tudo em torno de 3mil (3100 pela azul). Absurdo o preço. Cadê as promoções?!?!

      • PauloHCM says:

        Promoção é na data que te oferecem, não na data que vc quer

      • Paulo Fillipe says:

        Fera, eu também estava pesquisando para MIA em outubro e só encontrava nessa faixa de preço. Aí encontrei pela AA passagem para Cidade do México ou Cancún por R$ 2.200,00 com taxas. Como a época não é propícia para CUN, preferi Cidade do México e farei um stoopover em MIA de graça. Fico 5 dias em Cidade do México (dava para ficar menos dias) e 10 em MIA. É uma saída. Ahh, isso é saindo de BSB (faço BSB – MIA – MEX, depois MEX – MIA, depois MIA – BSB).

      • Fabiana says:

        É mesmo. Tá muito caro!

    • Rodrigo Gomes da Silva says:

      Se vc acha esse desconto de R$30 baixo, paga o preço de hoje sem desconto.. provavelmente todo mundo iria fazer isso, pagar o preço sem desconto e ficariamos na mesma de hoje, e as CIA tb não teriam lucro pq ninguem estaria indo sem bagagem… ta achando ruim pq?

      Pelo menos com essa possibilidade abre caminho pra outras cias de low cost, que tem aviões mais economicos que tem menos espaco pra bagagem que ai sim iriamos ver vantagens singificativas.

    • Ola Vo says:

      Vcs acham que a diferença na Europa entre uma tarifa que permite bagagem de uma outra que não permite é quanto?! Menos até.

  • Rodrigo Aguiar says:

    Não seria mais sábio as empresas aéreas manterem o que já tem hoje em dia Eeeeeeee Criarem uma tarifa maaaais barata pra quem não tem bagagem ? Onde a ANAC viu que ia baratear com a cobranca de 50 reais ou mais por malas ?

  • Lulu Luluzinha says:

    Muito bem ! Se o serviço prestado já é uma M. Imagine

  • Felipe says:

    Por que é que no Brasil as coisas só acontecemos aos 49 minutos do segundo tempo hein?!!!?

  • Lucas Henrique says:

    Eita!

  • Diego F. Duarte says:

    Aguardando os spambots e advogados/mkt das aereas invadirem aki dizendo q e errado a justica impedir as aereas de extorquirem e cobrarem mais caro dos usuarios, por algo q ja era deles lol.

    Afinal, o capitalismo brasileiro informalmente diz q e crime tratar o cliente como cliente, então…

  • Wili says:

    Apenas funcionaria se realmene fosss para baixar os valores praticados pelas 4 aereas. O que a Anac deveria fazer era abrir as portas para novas aereas entram no mercado brasileiro, assim aumentaria a concorrecia e finalmente os preços poderia cair, assim com a franquia de bagagem tambem seria melhor aceita pelos passageiros. Mas depois de tudo que tenho lido. Esta nova regra apenas bemeficia as aereas, passageiro como sempre e o menos importante.

    • Guilherme Appolinario says:

      Mas a não obrigação do despacho grátis abre sim portas a novas empresas. Uma cia como a Ryanair (ou se quer exemplo mais próximo, VivaColombia), nunca operaria no Brasil tendo estas políticas como obrigatórias.

      • Rodrigo Aguiar says:

        Nao esquecer que AZUL e GOL iniciaram-se no Brasil com a politica de LOWCOST.. Alem da WEBJET que foi éngloida”pela Gol posteriormente…

        • Guilherme Appolinario says:

          Praticamente toda aérea tende a ser lowcost, mas realmente no cenário brasileiro oferecer lowfares é complicado.
          Apesar de tudo, mesmo tendo Azul e Gol deixado de se vender como low-qualquer-coisa, parece que todo mundo acha que as passagens de uma maneira geral estão cada vez mais caras quando, na verdade, é o exato oposto.

        • Maria Emilia Araujo says:

          Low cost pra elas, mas não low price pro passageiro

      • Wili says:

        Guilherme, eu conheco a ryanair, easyjet. Mas nao referia a estas aereas. Eu vivo na Europa, a Iberia, Tap, BA, lufthansa, entre outras aereas de bandeira, cobram pela bagagem, pelo assento, a Tap por exemplo um voo de berlin para lisboa, custava a media de 150€, depois que passou a cobrar a bagagem e assento, os valores cairam e possivel encontrar voos apartir de 38€, ja os assentos custa 10€, bagagem acho eu 20€. Tanto a ryanair com easyjet tb mantem valores semelhantes a bagagem. Entende agora que nao estava eu a referir a low cost, sim a novas cias de bandeira, ja que azul, gol, avianca e latam agora nenhuma delas e de origem brasileira, sim de outros paises.

        • PauloBR says:

          A TAP cobra por bagagem despachada e por marcação de lugares apenas na classe de tarifa Discount, que é a mais baixa de todas. Nas demais classes de tarifa, nada mudou.

        • Guilherme Appolinario says:

          Tá, mas então não entendi. Na Europa desregulamentou e diminuiu o preço, mas no Brasil só ia beneficiar as aéreas? Acho que a tendência natural é aqui ficar como na Europa, na medida do possível.

        • cpaixao says:

          Sua conta nao fecha. 150 – 20 – 10 = 120 euros. Vc deveria informar o preço do ticket médio cobrado, e nao do menor preço, no caso, 38EUR. Acredito que o TM nao deve ser menor que 70EUR.

      • Lucas R. Martins says:

        Nunca existiu despacho grátis… Tem que comprar o tacho, a galinha e a farofa…

    • Alexandre Martins says:

      O Guilherme escreveu antes o que ia escrever: Ser atrativo pra outras empresas aéreas e permitir levar mais de 60 kg de bagagem não cabem na mesma frase.

  • Luiz Fernando ARRUDA says:

    tava na cara que iria ocorrer na vespera…..vamos as cenas do próximo capitulo…

  • Italo Silveira says:

    Infelizmente essa decisão será derrubada! Não moramos em um país sério. O nosso judiciário está tão falido como a nossa política.

  • Bruno Santos says:

    ????????????

  • Biasutti says:

    Há umas 2h tinha passagem promocional nas milhas da GOL, só pras vocês terem ideia tinha trecho ida e volta pra Fernando de Noronha por 6.000 milhas + 41 reais! Tinha pra várias datas até dezembro, pra todos os destinos do Brasil (eu simulei todas as capitais pra dezembro).. Não sei se foi algum bug mas eu aproveitei alguns trechos!

  • Tiago Souza Cândido says:

    Se suspendeu a permissão da cobrança pela bagagem despachada, então terão que dar desconto já que não poderiam cobrar a franquia de bagagem que já vem inclusa no preço da passagem?

    • Rodrigo Gomes da Silva says:

      Suspendeu a cobrança diferenciada… como os preços não são tabelados podem colocar o preço da franquia de bagagem como normais de volta pra todo mundo… não sei da onde tão achando q tem possibilidade de fizer mais barato… com a franquia é certeza ficar mais caro, sem possiblidade de desconto sem bagagem.

      • Tiago Souza Cândido says:

        Pois é, imaginei isso, as pessoas preferem continuar pagando franquia de bagagem, mesmo quem não leva ou leva pouca bagagem.

        • Bruno Bastos says:

          Mesmo com a nova regra, o preço das passagens não ia baixar. Seria pagar bagagem sem direito à bagagem. Queimar dinheiro, como as empresas gostam

          • azi says:

            Segundo teu raciocínio, pq não obrigamos as cias aéreas a dar franquia de 2 malas, se o preço seria o mesmo?

            Com menos malas elas poderiam ter maior renda com transporte de encomendas e pacotes, aumentando a eficiência e eventualmente repassando esta diferença ao consumidor.

          • Bruno Bastos says:

            Talvez num filme da Disney seja assim, mas no mundo real as empresas embolsariam o ganho e não diminuiriam nada pro cliente. A insistência de vcs em defender esses abutres é difícil de entender

  • Despetizador says:

    E lá vamos nós, Brasil de sempre, o Estado se metendo onde não lhe compete, piorando as coisas pra população, e esta aplaudindo de pé e pedindo mais!

    A cobrança de bagagem é realidade na maior parte do mundo, mesmo em países em desenvolvimento. Cobrar pela bagagem não significa necessariamente cobrar um extra, significa na verdade TRANSPARÊNCIA. Ou vocês são tão inocentes a ponto de achar que a companhia aérea não embute o preço da bagagem hoje no valor da passagem aérea? Bagagem pesa, e se pesa consome combustível, que representa 70% do valor de uma passagem aérea. Em um voo viajam pessoas que despacham bagagem e outras que levam apenas bagagem de mão. Como a companhia aérea não podia cobrar separado, fazia uma média e COBRAVA DE TODO MUNDO. Aqueles que viajavam com uma mala de 23 quilos saiam lucrando, e quem carregava bagagem de mão apenas pagava por aqueles. Com a cobrança destacada seria possível cobrar de forma justa sobre o que cada um carregasse. Até que o juiz militante do MP, que odeia a iniciativa privada e abomina o lucro, resolveu se meter, mantendo tudo nebuloso como estava.

    Aí o camarada vai dizer: “e tu é inocente pra achar que as companhias aéreas não vão lucrar em cima da gente?”. É ÓBVIO que em um primeiro momento as companhias aéreas podem até sair ganhando. Mas então o que nós, consumidores, faríamos? Buscaríamos a companhia com a relação passagem+taxa de bagagem mais atraente para viajar. Se uma companhia cobrasse um valor menor na passagem e maior na bagagem, poderia ser mais vantajoso voar na companhia com valor um pouco maior na passagem e valor menor na bagagem. Em muito pouco tempo apareceriam as promoções “despache sua bagagem de graça”, “desconto na passagem para quem não despachar bagagem”, tudo para atrair os consumidores, gerando uma competição saudável que somente iria nos beneficiar. Mas como os brasileiros tem PREGUIÇA de pesquisar, preferem que a inJustiça acabe com a transparência, nos mantendo no atraso. Divirtam-se pagando o valor da bagagem embutido em suas passagens!

    • Barnabe Redimido says:

      PERFEITO. Mania do povo de bater no judas errado o tempo todo…

    • Robson Santos says:

      Estamos falando de Brasil, não esqueça deste detalhe, terra de imposto alto, empresários engessados e margem de lucros exorbitantes… Sou a favor do Estado Minimo, contra também qualquer intervenção mas aqui parece que é terra de ninguém, cobram o valor que querem pq o povo vai lá e paga, a ideia era baratear os preços porém percebi uma alta em todo tipo de rota, com certeza já visando essa nova medida!!!

      • Despetizador says:

        Em um primeiro momento é óbvio que sobe, mas em seguida iriam cair por conta da competição. Essa curva era prevista. A cobrança de bagagem destacada também abriria possibilidades para empresas de fora atuarem. Agora não mais. E com o povo aplaudindo. Eita Brasil!

      • Rodrigo Valdez says:

        Você é bipolar?

        Tem que escolher, ou defende uma coisa ou outra.

      • azi says:

        Se o preço é o mesmo, pq o governo não obriga as aéreas a dar 2 ou 3 malas “gratuitas” então?

    • cpaixao says:

      A teoria é linda, amigo, mas na pratica Só no seu mundo de OZ, País das Maravilhas, Fantástico mundo de Bob que as aéreas nao iriam fazer um cartel. Aqui é Brasil.

      • Despetizador says:

        Claro, bom mesmo é viver na ilusão de que você está despachando a bagagem de graca. SQN! Você está pagando por isso porque as cias podem flutuar com seus preços como quiserem. Os 30 ou 50 da bagagem está ali no meio dos 500 reais da passagem.

      • Robson Santos says:

        Pois eh, parece que nunca aprendemos, porrada o tempo todo e sempre achando que será diferente… A ideia é excelente, porém as empresas viram uma nova forma de lucrar e acreditar que lá na frente iria melhorar é loteria, só sei que a primeira impressão foi péssima, subiu tudo e muito … Triste Brasil, como sempre perdendo oportunidades !!! EUA +2000 sem as taxas, é uma prova disso, mês passado estava 1300, nada justifica esse aumento, nada!!!

      • Este país não é para é amadores.

      • azi says:

        Pq o governo não obriga as aéreas a dar 2 ou 3 malas “gratuitas” então? Se o preço é o mesmo e isto é bom para o consumidor?

    • Victor Martinez says:

      Exatamente isso, impressionante como a maioria das pessoas não consegue enxergar o óbvio, se hoje a passagem custa R$100 com bagagem, estão sugerindo que com a nova medida as cias cobrariam R$100+R$30 de bagagem por exemplo, ficando mais caro do que pagam, mas me diz então o que impede da cia já cobrar os R$130 no sistema atual??? Justamente a livre concorrência, pois tem outro cobrando R$100. Toda interferência é prejudicial a todos…. É muita inocência dos que comemoram essa interferência do juiz, que ou é muito ignorante, ou ta querendo aparecer.

      • Gabriel Previato says:

        Se a passagem já custa 100 reais onde tá o ganho nisso????

        • Victor Martinez says:

          Amigo, hoje podem cobrar 100 ou 130 ou o valor que quiserem, não existe regulação em preço de passagem, não muda nada nesse sentido, o que não podem (e isso que a resolução iria possibilitar) é cobrar 70 de quem não leva bagagem e 100 de quem leva, só isso, impressionante como brasileiro gosta de ser enrolado. É +- como a falácia da meia entrada, que o governo obriga as empresas a fornecerem pra estudante e outros, no final todo mundo paga dobrado pra compensar, entenda, tudo que é de graça custa mais caro.

    • Rafael Pereira Ferreira says:

      Parabéns pelo post! E… me parece pela maioria que o brasil tem o governo que merece. Pessoas achando que o governo tem que regulamentar cada ação das empresas e que isso será melhor para a maioria.

    • GuiCastro says:

      Excelente, você me poupou de digitar tudo isso aí. Penso exatamente igual. Nosso país é atrasado assim, pois o povo não consegue enxergar um palmo na frente do nariz.

  • PauloBR says:

    Atenção: esta liminar suspende apenas a eficácia do Artigo 13 da Resoluçao 400/2016 da ANAC, cujo texto está abaixo:

    Art. 13. O transporte de bagagem despachada configurará contrato acessório oferecido pelo
    transportador.
    § 1º A bagagem despachada poderá sofrer restrições, nos termos desta Resolução e de outras
    normas atinentes à segurança da aviação civil.
    § 2º As regras referentes ao transporte de bagagem despachada, ainda que realizado por mais de
    um transportador, deverão ser uniformes para cada trecho contratado.

    A liminar NÃO suspende a vigência dos demais artigos da Resolução 400/2016 !

  • Gabriel Ferro says:

    Se a moda pega, logo vão cobrar também bagagem nas passagens de ônibus e metro.

    • Fábio Wagner says:

      Fiz uma viagem de ônibus de Sarajevo (Bósnia) para Dubrovnik (Croácia) e era cobrado 1 euro por bagagem que ia no compartimento inferior do ônibus.

  • herlangemarques says:

    MUITO BOM
    SERIA INJUSTO COM OS CLIENTES.

    • Rodrigo Gomes da Silva says:

      Injusto quem não levar bagagem pagar mais barato de quem levar?

      • RGleyson says:

        Injusto a CIA igualar todos com o mesmo valor de passagem, o que as impede de diferenciar tarifa independente da ANAC?

        • Rodrigo Gomes da Silva says:

          Apartir do ponto que tem a norma que a franquia é obrigatória, eles não podem fazer preço diferente pra quem não leva franquia sobre risco de isso ser questionado na justiça e eles terem q dar preço de sem bagagem para quem levar bagagem.

      • Gabriel Previato says:

        Daqui a pouco se uma pessoa estiver com casaco e a outra sem vai ter que cobrar passagem mais cara pra quem estiver de casaco. Aliás, os mais gordos tem que pagar passagem mais cara do que os mais magros também.

  • Remora says:

    É, Anac… Esse engodo (ainda) não colou. Ainda bem que existe bom senso no Judiciário. Triste ficar a mercê de uma Agência Reguladora que deveria estar mais preocupada em defender a livre concorrência do que em defender o interesse de uma meia dúzia (nem chega a isso) de companhias. A Anatel foi mais digna quando ela mesma voltou atrás na tarifação por megabytes. Espero que as próximas decisões mantenham tudo como está até que as circunstâncias desse que parece ser um reajuste geral dissimulado sejam muito bem esclarecidas.

  • Zé Emilio says:

    E a Franquia internacional?? alguem sabe?

  • Rodrigo Rodrigues says:

    De acordo, isso eh desculpas das empresas aereas porque eles podem muito bem dá bonus ou desconto quem não despachar mala

  • NYC_Man says:

    Tomara que seja mantido

  • Guilherme says:

    Isso vai cair tão rápido quanto chegou.

  • Lyis says:

    Não adianta de fazer nada se não tiver mais concorrência! O preço nunca vai baixar o preço se alguma rota operando por poucas cias.

  • Alexandre says:

    Eu e minha esposa viajamos com uma mala pequena na cabine e uma média sempre com menos de 20kg. Uma mala média de 18kg pra 2 pessoas!
    Estou me sentindo muito protegido pela Justiça brasileira com a garantia que vou pagar o mesmo valor que um casal que leva 4 malas de 32kg.
    Não havia garantia que ia melhorar o preço no curto prazo, mas esse tipo de insegurança jurídica, de mudança de regra no último dia garante que nada vai melhorar também no médio e longo prazo.

    • RGleyson says:

      Esta errado isso aí heim… se tu falasse 2 malas de 23kg ou 2 de 32kg (devido Status de categoria) estaria correto, não é?

      • Alexandre says:

        Não entendi sua postagem. Eu disse que eu e minha esposa, 2 pessoas, viajamos com 1 mala despachada, sempre com menos de 20kg. Só que a gente paga o mesmo preço de bagagem que um casal que viaja com 2 malas cada, 4 no total, de 32kg.
        E é isso que o excelentíssimo Sr. Juiz achou por bem manter à força, porque a interferência do Estado em minúcias e detalhes do que deveria ser livre mercado sempre resulta em coisa boa pro consumidor, como podemos ver.
        Bom saber que aquele casal de muambeiro vai poder continuar voltando depois de 5 dias nos EUA com um carrinho lotado de malas, mais malas do que eles conseguiriam carregar sozinhos.

        • Mayara ximenes says:

          Exatamente. Quem mora em cidade litorânea sabe, levam até Camarões em isopores

        • Danielly Amarante says:

          Acho certo você querer reivindicar seus direitos e querer pagar menos porque não despacha mala. Errado é criticar quem despacha as duas malas de 32kg as quais tem direito. Cada um faz o que quer, se é permitido despachar as duas malas de 32kg, não tem porquê criticar.

    • Lucas R. Martins says:

      Pelo que me parece você iria continuar pegando a mesma coisa que pagou e o casal ia pagar ainda mais caro

      • Alexandre says:

        No curto prazo, provavelmente. Mas abriria espaço pra concorrência em mais um quesito, algo que hoje simplesmente não é possível. No médio e longo prazo teríamos também a possibilidade de mais cias. se estabelecerem aqui, algo que é difícil num mercado altamente regulado e controlado pelos humores dos nossos governantes e juízes.

  • kje@hwui.com says:

    É PRA APLAUDIR DE PÉÉÉÉ!

  • Mayara ximenes says:

    As pessoas que montam conjuntinhos de roupa em cima da cama antes de viajar venceram.

    • Alexandre Martins says:

      kkkkk. Eu não creio muito que as passagens terão considerável baixa de preço após a aprovação dessa nova norma, mas não consigo entender porque as pessoas precisam levar 64 kg pra uma ou duas semanas de viagem. Ainda tem gente que leva esse peso todo pra um fim de semana. Secador, ferro de passar, 8 pentes e escovas, 4 pares de tênis, pé de pato, um mundo na mala…

  • Daniel Ferraz says:

    eu acho que por enquanto a ação é válida, para implantar um patamar de “lowcost” no Brasil deveriam ter mais oferta que demanda, que no caso de hoje é ao contrário.

    Comparar o Brasil que tem uma taxa alta de impostos e ao mesmo tempo um salário minimo baixíssimo, com outros países do mundo é bem gritante a diferença de cenários. A cultura do nosso país é esta, os grandes comandam.

    • Mayara ximenes says:

      A abertura do capital a empresas estrangeiras ajudaria. Mas nada no Brasil passa. Somos um mercado fechado. Infelizmente.

    • Hugo Leonardo says:

      mas existem outros países com carga de impostos altíssimas, e salários baixíssimos … olhando friamente, é ruim ter que pagar pela bagagem, mas observando melhor a dinâmica das empresas, elas ganham mais se a aeronave está mais cheia, se ela faz mais voos, tudo gira em torno de quanto mais passageiros, mais ela ganha com o avião, então, por isso que as passagens possuem preços baratos e caros, uma leva paga menos e outra paga mais, então, um passageiro já paga mais caro do que outro, tirando a bagagem, aquela pessoa que não pode pagar mais caro, mas abre mão de levar mais coisas, poderia comprar uma passagem mais barata que antes não poderia, e quem pode levar mais coisas, pagaria mais caro.

      A diferença é que a empresa pode colocar o preço que ela quiser na passagem, pois o preço é livre, então, não faz sentido elas cobrarem mais caro das mesmas pessoas que levarem bagagem e não haver diminuição, pois ela já pode fazer isso já que o preço da bagagem já é um custo fixo e incluído, ou seja, ela não tem liberdade de cobrar menos de quem não leva bagagem, mas pode pôr o preço que quiser na passagem, pois o preço é livre. A discussão é justamente poder cobrar diferente de quem leva e não leva, não o preço da passagem, pois o preço já é livre.

      É complicado, mas se não se cria condições das empresas ganharem em serviços extras, nunca teremos uma low-fare no Brasil, ela não vai vir para cá para algum dia a regra beneficiar, ela só vai vir se as regras já permitirem.

      • Daniel Ferraz says:

        Desculpe Hugo, mas achei muito confuso seu post.

        Hoje a cia já cobra o preço que quer, quem garante que ela irá cobrar menos com a não obrigatoriedade de limite de bagagem? Pois se for na presunção, da lógica de que o custo seria menor de quem não despechar acho que os grandes executivos não terão esta “compaixão” ou “sensibilização”. Eu sou contador e fiz um trabalho de análise das demonstrações contábeis das duas lideres no Brasil LATAM e GOL de 2011 a 2013 (que somava 65% do mercado), os custos impactantes são combustivel, taxas de juros e risco de cambio. Vou descrever um pedaço:

        “Partindo das notas explicativas da administração, a GOL reduziu sua oferta no mercado doméstico e expandiu o foco no cliente corporativo, preservando as tarifas de lazer. Manteve a liderança de pontualidade no mercado brasileiro, resultado obtido pela implantação de métodos que reduzem tempo de embarque. Já a TAM investiu na expansão de suas operações internacionais, se tornando a maior companhia aérea da América Latina após a fusão com a empresa chilena LAN.
        Vale ressaltar, que esta atividade de negócio possui diversos riscos, dentre eles: risco do preço do combustível (diretamente relacionado com a variação do petróleo no mercado); risco de taxas de juros (operações de arrendamentos mercantis); risco de taxa de câmbio (variação do dólar americano). “

  • Ricardo says:

    Juiz no Brasil parece que não tem o que fazer! Suspende Whatsapp, se mete com bagagem…

  • thalesac says:

    Desta forma o Marketing destas empresas deveriam dar um voucher de desconto para o próximo voo ao clientes que não despacharem. Algo como R$ 100, R$ 200 de desconto. etc.

  • Adriano Dom says:

    ANAC TRABALHANDO EM PROL DAS COMPANHIAS, NÃO DA POPULAÇÃO !

  • Maria Emilia Araujo says:

    Muito antes dessa Portaria o presidente da Jet Blue disse que não vai operar no Brasil por conta da corrupção no mercado aéreo. Não confunda as coisas

  • Gabriel Previato says:

    Boa notícia. XUPA TEMER!

  • ph says:

    Ou seja: quem viaja leve vai continuar subsidiando quem viaja com muita bagagem.

    Não existe almoço grátis

    • Ricardo says:

      Não só isso, mas a medida desse juizinho que quer aparecer poderia afugentar qualquer low cost que queira se instalar no Brasil. O bom é que logo essa liminar vai cair…Mas realmente moramos em um país atrasado!

    • Gabriel Previato says:

      O que uma coisa tem a ver com a outra??

        • Gabriel Previato says:

          Não pagamos passagem aérea pela bagagem. Pagamos por nós mesmos. Já existe um limite pra bagagem gratuita, o que restringir isso ainda mais nos daria de vantagem????

          • ph says:

            Redução de preço. Quem leva pouca bagagem hoje ou subsidia quem leva muita bagagem. Ou você acredita que a franquia é “grátis”?

            A margem de lucro (ROE/ROI) em aviação é reduzida, a franquia nunca foi nem nunca será gratuita.

          • Gabriel Previato says:

            Ok, mas isso não fará as cias aéreas baixarem o preço das tarifas. Apenas deixarão de cobrar o excesso de bagagem daqueles que não as estiverem levando e vão cobrar mais caro de quem hoje não precisa pagar excesso de bagagem criando uma falsa impressão de que quem não leva bagagem tá ganhando desconto. E as cias aéreas vão acabar saindo no lucro em mais um lobby que o governo maravilhoso do senhor Temer está criando. E os ingênuos ainda acham que tá certo pagar mais por acreditar que as cias aéreas vão baixar seus preços só por isso. Ê Brasil de tolos mesmo!

    • Marcelo says:

      Eu só queria saber – de alguém que realmente entende da área – o quão impactante é a bagagem de cada passageiro no custo final de um voo.

  • Daniel Correia says:

    Isso aí! Precisamos de mais estado e menos mercado! Só assim seguiremos a passos firmes para um total controle do governo sobre tudo, nos moldes da belíssima Venezuela.
    Vai Brasil!

    • Ricardo says:

      Deveríamos instalar um Comitê Central de Estratégias Para Bagagem no Transporte Aéreo (CCEBTA), criando uma nova estatal, com escritórios em cada estado do Brasil, para controlar essa pouca vergonha das empresas aéreas, que acham que o Brasil é como o resto do mundo! Viva a República Bolivariana Brasileira!!

    • Gabriel Previato says:

      Não, imagina, o que nós precisamos é pagar mais grana pras cias aéreas. Fala sério!

  • Leandro says:

    João e tem alguma novidade sobre a volta das taxas de combustível ? to na dúvida se emito hoje ou não passagens pela TAP.

  • Luiz Fernando ARRUDA says:

    E dentre vários detalhes e questões que envolvem a Resolução 400 da ANAC, para o momento e atualização de todos, segue decisão liminar que o Mistério Público Federal conseguiu agora há pouco:

    “…qualquer alteração desta realidade fática deve ser amplamente discutida na sociedade através de novas audiências públicas, com a participação dos interessados (empresas aéreas, ANAC, instituições de defesa do consumidor e o MPF), possibilitando, eventualmente, um termo de ajustamento de conduta que seja satisfatório para todos. Nesse sentido, vejo como questão passível de acordo, os limites atuais de franquia. Isto posto, concedo a liminar, suspendendo a vigência dos artigos 13 e 14 2º da Resolução 400/2016, até ulterior decisão judicial, ficando mantida, por ora, as franquias em vigor, ou seja, 23 (vinte e três) quilos para voos domésticos e duas malas de até 32( trinta e dois) quilos, para os voos internacionais. Intime-se, com urgência, a ANAC para o fiel cumprimento desta decisão, tornando-a pública para as empresas de transportes aéreos de passageiros, inclusive através de mídia eletrônica. Publique-se. Intime-se. Cite-se.São Paulo, JOSÉ HENRIQUE PRESCENDO Juiz Federal”

    Processo n.º 0002138-55.2017.4.03.610 da 22.ª Vara Cível Federal de SP

    A ANAC será citada formalmente ainda hoje…

    http://blog.panrotas.com.br/prevenindo/index.php/2017/03/13/liminar-sobre-a-questao-das-bagagens/

  • José Oliveira says:

    Por gentileza, alguém poderia me explicar como isso irá incidir no valor das passagens. Irá ficar mais barato? O que está havendo? Eu li mas não entendi direito qual serão as mudanças.

  • Bruno Bastos says:

    A justiça no Brasil é podre e vendida, logo logo cassam a liminar…

  • Bruno Bastos says:

    Fanático do livre mercado tendo alucinações ?

    • Anderson Cunha says:

      Sim. O deus livre mercado. Conta pra ele como o segmento de cartões de crédito no Brasil, o que se refere ao acúmulo de pontos, que não tem a tal da interferência estatal, “melhorou” pra baixo nos últimos anos. Ou os tais clubes de programas de fidelidade de companhias aéreas. Como a concorrência é eficiente na redução dos preços.

  • AAraujo says:

    Sem entrar no mérito de ser contra ou a favor, é triste viver num País movido a liminar…
    Segurança jurídica zero… por essas e outras que as aéreas estão indo embora do País !!!

    • PauloBR says:

      Quem está indo embora? Pelo contrário, cada vez aumenta mais a participação de empresas aéreas estrangeiras no capital das nacionais. Todas elas, sem exceção, atualmente tem uma parcela significativa de capital estrangeiro, que só tende a aumentar.

      • AAraujo says:

        Etihad, Korean, JAL, Singapore, Air France reduzindo voos, AA idem, Copa idem, Iberia idem, Lufthansa idem…

        • PauloBR says:

          Todas essas aí saíram ou reduziram voos para o Brasil devido à atual crise econômica brasileiro. Não tem nada a ver com ANAC ou governo. Todas essas adoram voar para o Brasil porque ganham muuuito mais dinheiro aqui. Todas as estrangeiras cobram preços muito caros por aqui, em comparação ao que cobram nos voos dos seus países de origens para outros continentes.

        • Maria Emilia Araujo says:

          Tudo isso por causa da bagagem??? Pensei que fosse pelas escorchantes tarifas aeroportuárias, pela corrupção no setor (lembra do que disse o Presidente da Jet Blue?), pela recessão… Vivendo e aprendendo…

    • Gabriel Previato says:

      Ah tá bom que as aéreas vão embora de um país cheio de gente viajando só por causa dessa liminar…

  • brunofinotti says:

    A questão não é ser ingênuo de pensar que os preços baixariam como tem gente dizendo. A questão real é que isso já acontece na maioria dos países, e essa liminar acaba com as possibilidades de alguma companhia aérea começar com as categorias de Low coast por aqui. ou vocês acham que viajando pelas Low Coast da Europa vão poder levar duas malas de 23kg cada um? rs

  • Bruno Bastos says:

    Acho que esse fanatismo religioso do livre mercado tá afetando a cognição das pessoas. Se a empresa passa a ter o direito a cobrar bagagem despachada sem uma contrapartida legalmente estabelecida (por exemplo: tarifa sem bagagem tem que custar no máximo 85% da tarifa com bagagem) ela obviamente vai enganar os bestas por dois meses com descontos esdrúxulos de dez reais e depois vai reajustar tudo. Consumidor no Brasil é que nem cana, as empresas espremem até a última gota de caldo e depois jogam o bagaço fora.

    Quem quiser levar dedada da mão invisível do mercado que leve, mas eu acho que a gente tem que proteger o nosso.

  • demoraesale says:

    Que várzea! Falta agora o juiz publicar uma tabela com os preços que podem ser praticados pelas companhias porque estes preços aí não estão beneficiando os consumidores. Quando é que vão entender que é a liberdade de competição que beneficia o consumidor e não a regulação excessiva! Este é o país da meia entrada mesmo!

    • PauloBR says:

      Melhor… Este é um país onde os juízes, desde a 1a instância, têm poderes absurdamente maiores que os seus colegas do primeiro mundo! Herança da ditadura…

  • Ricardo Scholz says:

    Não vejo problema em cobrar pela bagagem, desde que o valor por Kg seja estabelecido no ato da compra da passagem, e as regras para bagagem de mão sejam estabelecidas previamente e objetivamente (para evitar que as companhias comecem a barrar bagagens de mão na tentativa de aumentar os lucros). Algumas exceções seriam interessantes, como a obrigatoriedade de transportar gratuitamente carrinhos de bebê ou cadeiras de roda (não sei se a regra proposta prevê isso). Assim, o consumidor tem como prever quanto será o custo total do seu deslocamento.

    Se o valor das passagens vai baixar ou não, é questão de mercado. Se existe um cartel atualmente, com ou sem a medida, o cartel continuará existindo. Cabe à ANAC combater as práticas abusivas, sejam quais forem, e a nós cobrar esse combate. No tocante à cobrança de bagagem separadamente, isso só amplia as possibilidades de pacotes (com/sem franquia de bagagem, franquias de X, Y, Z Kg, etc), e quem viaja sem bagagem ou com menos bagagem, ou consegue prever a quantidade de bagagem ao comprar a passagem, tende a pagar menos do que quem viaja com muita bagagem, ou não consegue prever sua bagagem com antecedência, o que me parece justo.

  • Itamar Gama says:

    Tenho uma duvida quanto a essa cobrança…
    Quanto aos itens que não podemos levar na bagagem de mão, como desodorante aerosol, os líquidos com mais de 100ml, e os cortantes…Onde iriam esses itens? Não seriamos obrigados a despachar a mala de qualquer maneira, nem que fosse para poder levar esses itens…

  • Gabriel Previato says:

    Acho que, segundo a opinião de algumas pessoas aqui, se o passageiro é mais gordo tem que pagar tarifa mais cara que o mais magro. Ou se ele tá usando casaco tem que pagar mais caro do que o que está de camiseta. Daqui a pouco vamos ter que pagar mais caro pra viajar sentado também.

  • Cicero Silva says:

    É sabido que os custos tem grande impacto pelo peso, por quilo a ser transportado. Defendo que deveria existir uma balança do check-in e o sujeito pagasse conforme o seu peso.

    Ou seja, dar total liberdade às empresas e deixar o mercado resolver.

  • Vada Barreto says:

    Segundo o representante da delegacia co consumidor já aconteceram outras concessões e as passagens nunca baixaram, Precisamos entender que no Brasil as empresas querem apenas cobrar os serviços e não cumprem as promessas sejam elas quais forem. Logo, é melhor ficar como estava.

    • Hermes Hs says:

      Vada Barreto, Eu não acredito que o preço das passagens ficaria menor, realmente! Mas dizer que já aconteceram outras concessões e os preços não baixaram não é verdade! Na época em que o salário mínimo girava em torno de 100 a 300 reais, o menor valor que se pagava por um trecho SP – RIO era de R$ 600!!! Digo isso por experiência própria, além de todos os dados existentes sobre a queda dos preços! Até ponte aérea antigamente era coisa só para quem tinha maior poder aquisitivo! Hoje não é assim!

      http://blogdobg.com.br/preco-medio-das-passagens-aereas-registra-queda-nos-ultimos-anos-no-brasil-e-chega-a-r-283/

      ************************************************
      https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/11/11/preco-de-passagem-aerea-cai-43-em-12-anos-no-brasil-aponta-estudo.htm

    • ph says:

      Nesse caso o representante da delegacia do consumidor está mal informado. Procure, no MD mesmo, sobre o que aconteceu após a liberdade tarifária, em 2002.

    • EuMesmo says:

      Discordo, pois antes de 2002 quando os preços das passagens eram regulamentados, as passagens eram bem mais caras e só “endinheirados” viajavam de avião. Quando houve a desregulamentação, as passagens caíram pelo menos pela metade! Estava lendo por curiosidade um guia turístico do Brasil em inglês e lá dizia que as passagens aéreas aqui do Brasil não chegam a ser baratas (como as das low cost europeias), mas que há muitas promoções, o que não deixa de ser verdade! Essa semana, por exemplo, tivemos promoções espetaculares! Se fosse feito um estudo para verificar o impacto da cobrança da bagagem na redução do custo de operação das cias aéreas e assim essa proporção fosse garantida como desconto aos passageiros, daria certo! Do jeito que foi feito atualmente, foi deixado nas mãos das empresas decidirem o quanto e de que forma irão cobrar, aí concordo com o veto, mas espero que seja reavaliada essa ideia, todos tem a ganhar! Como eu disse acima: Aviões mais leves, mais economia de combustível, passagens mais baratas, mais passageiros e por aí vai…

      • Vada Barreto says:

        O problema é que se as passagens ficassem caras como eram antes as empresas não se sustentariam. Infelizmente a nossa mentalidade ainda é rudimentar, achamos que é glamour viajar de avião. Para muitos viajar de avião é uma festa enquanto que é uma coisa normal. Não sei onde vc voi isto por que estou pesquisando passagens nos sites das empresas e não vejo essa queda nos preços. Só na semana passada a Latam fez uma promoção excelente. Acho que você não mora no Brasil há muitos anos e por esta razão acha que os preços ficarão mais baixos com a cobrança no despacho das bagagens. Se morasse aqui e soubesse como as coisas funcionam teria outra opinião. As passagens não ficarão mais baratas, o gerente da Gol em entrevista na Uol no dia 1/03/2017 disse que as passagens ficariam mais barada, no dia 2/03/2017 no folha disse que as passagens não ficariam mais baratas e na Abril disse que haveria desconto. Então?

  • Julio Fernandes Mercier says:

    Acho que o mundo não está perdido!

  • John Halat says:

    O mercado sempre tende a um equilíbrio. Assistencialismo e protecionismo não funcionam bem em lugar nenhum. Se a passagem para Miami está mais cara é porque o dólar não é mais 1,60; nossa inflação foi de 11% em 2016 e a crise diminuiu em muito o número de voos para esse destino. Ninguém trabalha para perder. Empresas são positivas, geram emprego e renda. É o bom número delas em um sistema saudável que permitem o enriquecimento de todos. E, no fim das contas, por que tenho eu que pagar pelo teu? Quem quer carregar a casa e poluir queimando vários litros desnecessários de combustível a mais, que pague por isso.

  • Alessandra França says:

    Que ótimo!
    Parabéns para o Juiz, foi super sensato!????

  • Rodrigo Gomes da Silva says:

    Para passagens no exterior com ou sem liminar, ainda se tem a franquia de bagagem… isso ai só mudou pras viagens nacionais

  • Rodrigo Gomes da Silva says:

    Nos outros paises é cobrado por bagagem, ou se tem desconto sem e ta muito melhor que aqui.

  • Josué Caritá says:

    Não existe bagagem grátis. O rateio no preço é feito entre todos os usuarios. A diferença é que quem não usa o bagageiro pagaria menos, e, de modo geral, as passagens tenderiam a ficar mais baratas, pela economia de combustível. As empresas são livres para cobrar o preço que querem hoje, e seriam livres depois da mudança também.

    • Marcelo says:

      Também pensava assim, mas sabemos que no Brasil não funciona direito.
      E se, ao seguir esta lógica, começarem cobrar para ir no banheiro, liberar entretenimento, iluminação individual, deitar banco e etc?
      Sim, são coisas básicas de um voo, assim como a bagagem também é.

      • Gabriel Previato says:

        Daqui a pouco vão exigir que o mais gordo pague passagem mais cara que o mais magro, vão cobrar a passagem pelo peso do passageiro

  • Leandro says:

    João , como fica quem adquirir passagens enquanto a liminar está valendo , por exemplo quem comprar hoje terá direito a despachar bagagem sem taxas ? to vendo que isso vai dar uma baita confusão .

  • Juliana says:

    Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Quem é mais forte? As cias aéreas! Lógico que elas sempre sairão ganhando. Quando vi esta história da liminar, pensei, pronto, uma passagem que já está caríssima agora vai ficar mais cara ainda. E não deu outra! Estou acompanhando os preços desde janeiro um trecho GRU-Paris Londres-GRU, que só foi aumentando mas até ontem estava R$ 5.000,00 sem taxas. Hoje, depois da liminar, R$ 6.200,00 sem taxas pela Latam. O que não podia ficar pior, ficou. Ou seja, aumentaram muito antes, pra poderem dizer que abaixou depois do dia 14. Mas com essa liminar, só piorou a situação.

    • Ronaldinho Gaúcho says:

      é feriado nesta data que tu quer ou vai ficar menos de 3 dias no destino? Ou é executiva? Caso contrário tem alguma coisa errada na tua busca, pq se acha fácil por menos de 4 mil reais.

  • Cidadão says:

    O que deixa as passagens caras no Brasil é o ICMS dos combustíveis. Não sei porque esse briga toda por causa de outros detalhes enquanto no verdadeiro culpado ninguém mexe.

  • Vivi Gouvea says:

    Cara de pau da Anac e dessas empresas escrotas.

  • Igor says:

    Eles esquecem de uma regra básica da vida: Não existe almoço de graça.

  • Jorge Soirefmann says:

    Um ponto muito importante, pelo menos nunca li nada neste sentido, é saber qual o percentual de passageiros que despacha bagagem. Acredito que deve variar entre vôos nacionais e vôos internacionais. Nos vôos nacionais, o percentual de quem não despacha bagagem, em especial de segunda a sexta-feira até pode ser representativo, já que muita gente viaja a trabalho, viagens curtas. Já em vôos internacionais, é certamente outro público, preponderantemente turistas. Ora, pelo menos no último caso, parece-me óbvio, as empresas aéreas estariam realmente querendo é fazer uma cobrança extra. A não ser o caso de um ou outro executivo ou mochileiro, todo o turista viaja com bagagem. Para quem toma banho todos os dias e costuma mudar de roupa, não tem tempo de lavar a mesma, eu não sei como viajar sem bagagem. Alguns poucos, ou por inocência de acreditar nas boas intenções da ANAC ou por realmente acreditar que seriam beneficiados defendem a medida da ANAC. Aliás, quem acredita que essas agências: ANAC, ANATEL, e outras realmente defendem o interesse do povo, ou pelo menos servem de mediadores e controladores entre o interesse das empresas e do consumidor.

    • EuMesmo says:

      Mas as regras de cobrança de bagagem seriam apenas para voos nacionais mesmo, nos voos internacionais a franquia seria reduzida para duas peças de 23kg cada, exatamente como na maioria dos países!

  • Victor Martinez says:

    Nem perca seu tempo amigo, a grande maioria não consegue entender isso, ainda aplaudem como salvador da pátria o juiz, é triste, mas brasileiro veio ao mundo pra ser enrolado mesmo. A mídia tem grande parcela de culpa, pois claramente manipula como se essa liminar fosse uma coisa boa.

  • Alexandre says:

    O problema é falta de concorrência, você só vê companhia low cost onde existe um mercado bem maduro. EUA e Europa tem milhares de companhias operando um mesmo trajeto num mesmo horário, aqui mal há boas opções de horário, se você parar pra olhar fora do sudeste a situação piora.

    Acho que uma medida dessa só seria válido se abrisse de vez o mercado, aí sim uma liberdade dessas seria bem vinda, atualmente temos 4 empresas, duas grandes e nenhuma outra crescendo significativamente, situação muito confortável para qualquer uma das empresas…

  • Alexandre Martins says:

    Capaz das cias aumentarem os preços só de retaliação…

  • Maria Emilia Araujo says:

    Liminar mantida

  • Jessica Correa says:

    É ser ingenuo demais em achar que aqui vai ter low cost igual Europa e defender a mudança pagando pra ver e sem pesquisa de mercado nenhuma , cara; As proprias empresas já negaram essa opção publicamente. Não temos o mesmo nivel de concorrencia/numero de empresas aqui e como um colega falou a opção pra trechos fora do sudeste piora ainda mais(e vem sendo cortados trechos diretos e opções de horarios e sendo colocados mais escalas pra diminuir custos). Não é questão de ser vira-lata, é pensamento lógico ao invés de ingenuidade. Empresa não ta visando melhoria de mercado mas ism aumento de lucro. A propria dilma admitiu recentemente que fez burrada em conceder isenções fiscais achando que melhoraria mercado/economia e só fez foi ajudar a aumentar a margem de lucro das empresas.

    • Rodrigo Gomes da Silva says:

      Pensamento lógico é que vc não ta tendo… isso é diferente de isenção fiscal, pq isenção não tem 2 preços, e o produto não fica diferente (ou capado) por ter a isenção. Se o produto ta vendendo hoje o fabricante pode manter oq preço que ta hoje e continuar com a demanda, com isso embolsar a isenção melhorando o lucro.

      Se pensar logicamente um pouco mais do q a emoção ou odio ao mercado, vc ve o seguinte… com a liberação em 2 preços, podem ou manter o de bagagem e colocar descontos (significativos ou figurativos) pra quem não levar bagagem, ou aumentar o com bagagem e deixar o preço atual para sem bagagem. Pela sua lógica, q se resume ao argumento q as empresas querem aumentar margem de lucro, seria o 2o.

      Mas veja só, se as empresas atualmente acham que precisam aumentar o preço por algum motivo e acham que vai ter gente pagando por eles podem aumentar hoje, não tem nada que limite. Se não aumentam ou é por causa da concorrencia, ou demanda fraca aonde é melhor ter margem menor do q ir o avião mais vazio, etc.

      Agora se eles usarem o 2o, de deixar o preço normal o sem bagagem e aumentar o preço com bagagem, vai dar o mesmo efeito de q aumentasse o preço de hoje, pois a maioria das pessoas ainda precisam pegar a versão “com bagagem”… logo, logicamente, não tem vantagem de usar um preço maior só por causa da liberação de cobrar bagagem, pois hoje o preço já esta dimencionado com oq podem (por causa da demanda) colocar pra quem leva bagagem.

      E a não ser q eles coloquem DESCONTOS (e não tou sendo ingenuo, pense por vc) significativos para quem não levar bagagem, essa modalidade não vai ser praticamente usada… e não adianta pensar em conspiração doida, imaginando q podem colocar um preço absurdo de bagagem para forçar os usuarios a irem sem bagagem, pois a efetividade disso é pequena pq muitos precisam ainda da bagagem e desistiriam de viajar e eles ficariam com assentos vagos q forçaria a ter q baixar o preço denovo, como fazem hoje qnd tentam colocar preço mais caro pra aumentar a margem.

      Bem, se estou sendo muito inocente e como vc disse é um pensamento lógico, então oq vc disse é facil de explicar em como vc chega na conclusão que vai ser ruim e ao mesmo tempo q é facil de apontar aonde tem tem falha de lógica no que falei.

  • Mauro Luna says:

    Uma dúvida: quem comprar passagem durante a vigência da liminar para uma data futura continuará beneficiado pela franquia gratuita de bagagem mesmo que a liminar seja posteriormente cassada? Na minha opinião sim, mas gostaria de ter meu ponto de vista ratificado.

  • steang says:

    Inocente e simplista ou parte interessada.

  • Renan Huguenin says:

    Comprei minha passagem durante a liminar para ser mais exato dia 17/03. No entanto a liminar caiu em Abril e minha viagem e agora em Maio. O q está valendo para bagagem internacional ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *