logo Melhores Destinos

Veja como está o Hopi Hari em 2019: vale a pena visitar?

Thayana Alvarenga
04/04/2019 às 4:59

Veja como está o Hopi Hari em 2019: vale a pena visitar?

O Hopi Hari completa 20 anos em 2019. Um dos parques de diversões mais importantes do país, ele não enfrentou uma trajetória fácil nessas duas décadas, com um histórico de crises e acidentes que o levaram a fechar as portas por um período. Sob nova direção desde 2017, o complexo reabriu em uma nova fase e tem conseguido boas avaliações dos visitantes. Estive no parque no fim de janeiro com a missão de relatar como está o Hopi Hari atualmente e responder uma dúvida comum dos leitores: será que ainda vale a pena ir? Passe a catraca e embarque comigo nesta aventura!

Como está o Hopi Hari em 2019

Os termômetros marcavam algo em torno de 35ºC. Eu já tinha ouvido falar que aquela região era quente, mas não imaginava que fosse tanto! Cheguei com uma corta vento que rapidinho foi amarrada na cintura. O dia estava lindo e combinava com a proposta do Hopi Hari: ser o “lugar mais feliz do mundo”! Fico muito feliz em poder afirmar que sim, o Hopi Hari agora vale a pena!

Localizado na cidade de Vinhedo, interior do Estado de São Paulo, o Hopi Hari fica literalmente na beira da estrada. Quando cheguei, lembro de ter passado por um cenário com várias palmeiras, enquanto chutava alguns pedregulhos pelo chão. Um pouco mais adiante, já dava para escutar o barulho de pessoas conversando em voz alta. Quando virei, lá estava ele: o Imigradero di Hopi Hari, como a entrada do parque é conhecida. Foi aí que tive contato com minhas primeiras palavras em “hopês”: a língua oficial do Hopi Hari!

A história conta que este idioma é uma mistura de todas as línguas trazidas pelos primeiros habitantes do local. Com influência de português, francês, italiano, espanhol, entre outros, ele é falado em todo o parque. É importante entender um pouquinho do assunto porque você verá tudo em hopês durante a visita.

Antes de mais nada, você precisa saber que o Hopi Hari é dividido por regiões: Kaminda Mundi, Infantasia, Mistieri, Liga da Justiça e Wild West. O parque foi idealizado para ser um país próprio, como se as regiões fossem “estados” – há até hino, bandeira, povo e presidente. Saiba mais:

  • Kaminda Mundi: é a área de entrada do parque. Sua arquitetura pretende levar um pouco mais de cultura aos visitantes, com traços da França, Alemanha, Holanda, Portugal
  • Infantasia: é a área temática dos Looney Tunes voltada para os pequenos. Toda a decoração e atrações são do Pernalonga e sua turma!
  • Mistieri: se emoção forte é o que você procura, Mistieri será sua região preferida. Há diversas atrações radicais com emoção e adrenalina.
  • Liga da Justiça: aqui está a área temática dos heróis da Liga da Justiça. Flash, Batman, Superman, Mulher Maravilha e outros personagens podem ser vistos na decoração.
  • Wild West: nesta área você vai se deparar com toda uma temática de velho oeste, com direito até a cowboys pelas ruas.

Visitando o Hopi Hari

O Imigradero di Hopi Hari é a porta para a diversão! Faltava alguns segundos para as 11h, horário em que o parque abre, quando os visitantes começaram uma contagem regressiva – e na sequência as portas foram abertas.

São várias filas. Em um primeiro momento checam a sua bolsa para ver se está tudo dentro dos conformes e você segue para uma segunda etapa. É agora que seu Passaporti é apresentado. Eu, como havia comprado antecipadamente pela internet, apenas mostrei o voucher no celular. Um rapaz gentilmente sorriu enquanto conferiu o meu ingresso. Passei uma catraca, e já na sequência me entregaram a pulseira. Pronto, já estava dentro!

O clima é de muita alegria! Crianças correndo para todos os lados, famílias reunidas, adolescentes em grupo fazendo suas selfies, e diversos funcionários do parque nos recepcionando com muita animação. Há um DJ e a música está super alta: todo mundo dançando, empolgado pelo que estava por vir.

Bem ao lado também está a La Tour Eiffel, famosa atração fechada desde o trágico acidente em 2012. Para quem gosta de adrenalina, saiba que o brinquedo vai voltar a funcionar até o fim do ano. A proposta é fazer os participantes caírem de um elevador em queda livre a uma altura de quase 70 metros (o equivalente a um prédio de 23 andares), com uma velocidade de aproximadamente 95 km/h. Você teria coragem?

Logo à minha frente está a Giranda Mundi, famosa roda gigante do Hopi Hari! Cenário de muitas fotos, ela é muito bonita e uma atração bem procurada. Fica na região de Kaminda Mundi, onde muita gente para por estar bem na entrada. Nesta área é possível observar uma arquitetura completamente europeia. Várias casinhas que são uma graça!

Caminhando um pouco mais me deparei com a área Infantasia, que possui temática dos Looney Toones. O espaço é voltado para as crianças e oferece diversas atrações para os pequenos. Há duas mini-torres de queda livre, brinquedo de xícaras giratórias, carrossel, piscina de bolinhas, labirintos, túneis, escorregadores, entre outros.

O que achei mais interessante foi o Klapi Klapi Show, um teatro com capacidade para 400 pessoas. Assisti ao espetáculo em que os personagens de Looney Tunes estão em um set de filmagem, gravando um programa de televisão, e achei muito divertido. Recomendo chegar com uns 15 minutos de antecedência para garantir um bom lugar. Geralmente os personagens interagem com as crianças da primeira fileira!

Mistieri

Você percebe que está em outra área não somente pela arquitetura como, também, pelo som. Ao entrar no espaço Mistieri, se passa uma ponte e lá está o Katakumb, um brinquedo bastante procurado pelos visitantes que gostam de atrações de medo. Fiquei bastante na dúvida se iria ou não. Só pensava que estava sozinha e não teria em quem agarrar caso sentisse medo, haha. A atração é um labirinto em que você vai caminhando em diversos ambientes e alguns monstros aparecem para te assustar. Dura uns 6 minutos lá dentro. Eu, particularmente, não achei que dá tanto medo assim, mas é legal! rs.

Na área está também a atração Ekatomb, que gira os visitantes de diversas maneiras no alto; o Vulaviking, um barco que balança a 90º em relação ao chão; e as duas montanhas russas: Montezum, que é a maior de madeira da América Latina com 1.030 metros de extensão e velocidade de mais de 100 km/h, e a Vurang, que fica dentro de uma pirâmide, no escuro, onde os vagões giram em torno do próprio eixo. Nesta última pode ir sem medo! Há também o Simulákron, um simulador de movimento.

Um ponto negativo até então foi notar que nem todas as atrações começam a funcionar quando o parque abre. Algumas somente iniciam seu funcionamento no período da tarde, outras começam ainda pela manhã, porém quase uma hora após a abertura do parque. Neste caso, para não perder nada, sugiro você anotar nem que seja no celular o nome do brinquedo, a referência de localização dentro do parque para você não se perder depois e horário para não esquecer de voltar mais tarde. Na correria e com tantas opções é comum acabar esquecendo e alguma atração passar batido, portanto anote.

Liga da Justiça no Hopi Hari

Alguns metros e rapidamente vemos a região da Liga da Justiça. Novamente a música muda, desta vez para aquela clássica do Superman. Não é para menos: estamos em frente à Katapul, montanha-russa conhecida por impulsionar o visitante a um looping, chegando a 85 km/h – o carrinho volta de costas. O brinquedo simula uma batalha na Central de Energia de Superman contra Lex Luthor e Brainiac. Bem em frente está o Dismonti, carrinho de bate-bate para quem não abre mão da tradição, simulando uma oficina de carros do Coringa.

Outra atração muito divertida é o Trukes di Pinguim, um chapéu-mexicano onde as pessoas giram em cadeirinhas. A atração simula a luta entre Batman e Robin contra o Pinguim. Eu fui e achei bem tranquilo. Embora as cadeiras atinjam uma altura boa, não dá tanto medo assim. Falando em Batman, é possível tirar foto com o personagem em um determinado horário! Fique atento aos avisos. No dia de minha visita, anunciaram horário e local e eu fui.

Charada: até mesmo as lixeiras são personalizadas

Wild West e Rio Bravo

Ao pisar em Wild West, você já percebe o cenário de velho oeste americano. A região foi revitalizada há pouco tempo e tenta oferecer ao visitante um outro tipo de experiência. São diversas atrações envolvendo o tema country, como show com música ao vivo, dançarinas de can-can e duelos entre mocinhos e bandidos, em que há interação com o público. O West River também é bastante famoso: um hotel mal-assombrado com hóspedes sobrenaturais. O brinquedo é um passeio feito em um vagão de madeira, que percorre diversos cenários. Pode ficar tranquilo que nem dá medo.

Entre as atrações da região de Wild West está o Rio Bravo, que é na minha opinião uma das mais divertidas do parque. O brinquedo simula um rafting em um rio de aproximadamente 600 metros de extensão, com cachoeiras e corredeiras. O percurso é feito em botes circulares com capacidade para nove pessoas. Achei muito legal. Um aviso importante: há momentos em que o brinquedo molha mesmo! Portanto se você estiver com bolsa ou objetos de valor, é bom ficar atento com suas coisas.

 

 

 

 

Outro brinquedo que molha é o Spleshi, com seus botes em forma de tronco que transportam até 4 pessoas. Eles circulam, sobem a uma certa altura, e depois passam por uma queda íngreme, caindo novamente na água. O impacto dos botes com a água faz com que as pessoas realmente fiquem molhadas, portanto não esqueça de proteger seus pertences.

Eu estava de mochila e o funcionário me disse que o melhor lugar era na frente, no primeiro assento, possibilitando esconder minha bolsa no “buraco” onde vão os pés. Fiz isso e adiantou um pouco, porém mesmo assim a parte de baixo molhou. Cuidado! Há também o Evolution, atração com dez gôndolas presas sustentadas por um braço mecânico que gira, fazendo com que as pessoas fiquem de cabeça para baixo. Esse sim é tenso, rs.

 

> Leia também:
– Saiba como tirar o visto do Japão clicando aqui
– Como tirar o visto Americano (Atualizado 2019)

Almoço no Hopi Hari

Na hora do almoço vale muito a pena você investir R$ 39,90 para comer no Saloon Show. É um bar / restaurante estilo faroeste americano tematizado como um saloon do velho oeste com apresentações durante o dia. Eu assisti “O Forasteiro”, um teatro misturado com musical que acontece durante o almoço. Achei muito bacana mesmo! Sobre a refeição, você escolhe seu prato feito e paga ainda do lado de fora, então entra com sua comanda e aguarda o pedido.

Considerando os 35 graus do lado de fora, ao entrar você sente a amostra grátis do céu: para a alegria de todos o ar condicionado estava fresquinho. Em poucos minutos meu prato já estava pronto. Não existe serviço de garçom, então você terá de levantar e retirar sua bandeja no balcão. A parte ruim é que não há muitas opções no menu. Eu escolhi um contrafilé ancho, que veio acompanhado de arroz e fritas. A carne estava bem gostosa. Havia também frango com acompanhamentos, ou somente salada. Refrigerante lata custa R$ 6.

Como eu disse no início deste post, a região é quente, então uma notícia boa é que os visitantes podem aproveitar os bebedouros gratuitos de água perto dos banheiros. Ainda assim, se você quiser comprar a sua garrafinha, vai pagar R$4,90 em uma ou pode aproveitar a promoção de R$9,90 em três unidades. Há diversos funcionários espalhados pelo parque com carrinhos de água.

Em geral, todas as áreas do Hopi Hari são verdes e bem cuidadas. Há diversas lixeiras espalhadas e o fato de oferecer bebedouro de água gratuito é ótimo. Todos os funcionários, sem exceção, foram extremamente prestativos e gentis, o que torna a experiência ainda mais agradável. Além disso, como fui durante a semana, o parque estava com filas curtas, sem a necessidade de compra do VIP Pass. O serviço é na verdade aquela famosa pulseira que permite o visitante “furar a fila” em atrações específicas. Só dá para comprar no dia. Neste caso, sugiro que você verifique a lotação e avalie a necessidade da pulseira.

Enquanto caminhava de uma região a outra, percebi em diversos momentos alguns funcionários do parque que carregavam algumas pranchetas e abordavam visitantes. Eles perguntavam se a pessoa gostaria de participar de uma rápida pesquisa de satisfação, com críticas e dicas do que pode melhorar. Achei interessante o parque pedir este feedback ao visitante ali mesmo, na hora, quando a pessoa está com a cabeça fresca para relatar e fazer apontamentos.

Outro ponto positivo é que nota-se que a estrutura do parque foi muito bem pensada. Sempre há um banheiro perto, sem a necessidade de caminhar muito. Na fila dos brinquedos, para refrescar do calor, diversos borrifadores de água podem ser vistos “jogando” água nos visitantes. Pode parecer que não, mas isso ajuda muito quando se está esperando em pé na fila no calor escaldante.

Guarda-volumes

Uma dica para quem vai ao parque com bolsas ou mochilas e não quer ficar carregando nada é contratar o serviço do Guardadero, o guarda-volumes do parque. Custa R$ 25 e você pode se divertir sem se preocupar com seus pertences. Ele está localizado na entrada do parque, bem após as catracas, na região de Kaminda Mundi. Para as mamães e papais de plantão que querem curtir o Hopi Hari com mais comodidade, é possível alugar carrinho de bebê.

Guardadero: local onde você pode guardar seus pertences

Tudo muito organizado, limpo, com pontualidade e funcionários dispostos a tornar a experiência única. Diante de tantos pontos positivos, fica difícil não querer voltar. O Hopi Hari está valendo muito a pena! Parece que a administração entendeu a necessidade de um parque deste tamanho ter um serviço à altura. Os preços para alimentação poderiam ser um pouco mais atrativos, porém ainda assim não é nada tão fora do normal considerando que é uma atração turística. Em geral, vá sem medo. O parque está restaurado e pronto para tornar seu dia incrível. Divirta-se!

Onde fica o Hopi Hari?

O parque está no quilômetro 72 da Rodovia dos Bandeirantes. O trecho é entre as cidades de Itupeva e Vinhedo, mas oficialmente o Hopi Hari fica nesta última. Em caso de chuva os brinquedos são operados normalmente, mas atrações que ofereçam perigo são interrompidas. Geralmente funciona de quinta a domingo e feriados, das 11h as 19h. No site você encontra somente o calendário do mês atual e dos dois próximos meses, impossibilitando um planejamento com mais antecedência.

Ingresso para o Hopi Hari

Você até pode comprar seu Passaporti para o parque diretamente na bilheteria, no dia da sua visita, porém eu sinceramente não vejo muita vantagem. O valor é um pouco mais caro, geralmente há filas, e você ainda corre o risco de ficar sem entrar. Isso por que o parque possui uma capacidade máxima diária limitada a 10 mil visitantes. Em dias como finais de semana e feriados, além de férias escolares, este número pode ser atingido facilmente. Então a melhor coisa é comprar antecipado pela internet e garantir seu acesso.

Eu fiz exatamente isso e achei excelente. Acessei o site oficial do Hopi Hari, escolhi a data que eu iria e fiz o agendamento, então fui redirecionada para outra tela e realizei o pagamento online. Por e-mail recebi meu voucher de acesso, que não é necessário imprimir. Você pode mostrar o QRCODE no celular diretamente na catraca de acesso. Melhor ainda, né?! Dá para ganhar o tempo da impressão e, de quebra, salvar algumas árvores. Prático e fácil. 🙂

O valor médio do ingresso é R$109,90 para uma pessoa, porém o site vive fazendo promoções. Por exemplo, no momento está em vigor uma oferta em que se três amigos comprarem o combo ele sai por R$ 279,90 e cada Passaporti sai por R$ 93,30. Ja dá para economizar uma graninha!

Como chegar ao Hopi Hari

O parque fica literalmente no meio da estrada. Ao lado está o Wet’n Wild, parque aquático também bastante famoso. O acesso ao Hopi Hari é um pouco complicado, mas se você for habilidoso com o GPS não terá problemas. Saindo de São Paulo, há também a opção de ir de ônibus. Uma sugestão é pegar no Terminal Rodoviário Tietê o Lira Bus com destino à cidade de Vinhedo. A viagem leva em torno de 1h30 e custa R$25, também podendo reservar seu assento online no site da empresa. Ao chegar na rodoviária, você pode chamar um Uber para o parque. Está segunda viagem vai durar uns 20 minutos e o valor médio cobrado é R$22. Acho que compensa, considerando que você pode ir a hora que quiser e com melhor comodidade.

Quero aproveitar para alertar os leitores sobre o uso de Uber em Vinhedo, já que tive dois problemas quando estive na cidade. Na primeira vez, eu chamei o motorista para me levar do parque para o hotel e ele fez um caminho muito mais longo, o que resultou em uma corrida de R$95 – o valor estimado era R$15. Quando eu pensava que seria um caso isolado, tive outra experiência ruim. No dia seguinte outro Uber me pegou no hotel para novamente ir ao parque. Ao encerrar a corrida, fui conferir o recibo e uma viagem de R$18 havia se transformado em R$50. Entrei em contato com a Uber nos dois casos e fui reembolsada.

Imagem do Google Street View mostra o parque bem na beira da estrada

Se você precisar de Uber, fique sempre atento à rota realizada pelo motorista. Conversei com alguns funcionários do Hopi Hari sobre isso e todos me disseram a mesma coisa: que alguns motoristas são “espertinhos” e fazem isso para ganhar dinheiro em cima dos turistas que não conhecem a cidade. Portanto fique sempre de olho para não ser enganado!

Caso você venha de outras regiões do Brasil, o avião não seria má ideia para te fazer ganhar tempo. Perto do Hopi Hari está o Aeroporto de Viracopos, na cidade vizinha de Campinas. O trajeto vai durar mais ou menos 25 km – ou cerca de meia hora de estrada. Pode valer a pena!

O que comer no Hopi Hari

Conforme se anda pelo parque dá para encontrar opções para se alimentar. Para quem prefere economizar tenho uma ótima notícia: o Hopi Hari permite a entrada de visitantes portando alimentos e bebidas não alcoólicas nas dependências do parque. Ou seja, dá para você levar aquele lanchinho e disfarçar a fome para aproveitar ainda mais o lugar. Se você quiser efetivamente comer comida há a opção do Saloon que citei anteriormente. Se você se contenta com sanduíches há lanchonetes com hot dog, hamburguer, pizza e outras comidas rápidas. Sorvetes e outras sobremesas também são facilmente vistas.

Estacionamento

O estacionamento do Hopi Hari tem capacidade para 3,5 mil carros e custa R$ 40 para carros e R$ 30 para motos. Como não fui dirigindo não pude testar o serviço, porém aparentemente funciona bem. O acesso é bem na entrada principal do parque e as vagas são descobertas. Quem chega de Uber desce em outra entrada, que também fica pertinho.

Hotel perto do Hopi Hari

Eu fiquei hospedada no Intercity Vinhedo. O hotel fica a mais ou menos 20 minutos do parque (de carro) e achei uma ótima opção. Tem café da manhã incluso e a diária custa em torno de R$180. A estrutura é básica, porém boa: cama confortável, quarto com TV de tela plana, room service, check-in e check-out ágeis. Só o chuveiro que não era dos melhores.

Há também uma piscina na parte externa, que não é muito grande, mas ajuda bastante quem quer se refrescar. A parte negativa deste hotel é a localização. Ele está em uma área industrial, então se você quiser ter por perto comércios e coisas do tipo com fácil acesso por meio de uma breve caminhada pode esquecer. Por outro lado se você, assim como eu, se hospedar apenas para ir ao Hopi Hari pode ser uma ótima escolha, já que o deslocamento é rápido e tranquilo.

Agora, caso você esteja disposto a desembolsar uma grana, eu sugiro o Quality Resort & Convention Center, que fica em frente ao parque. As diárias custam em torno de R$ 500, porém você tem à disposição toda uma estrutura de lazer de um resort, com quadras, piscinas, restaurantes, entre outros. Pode valer a pena para quem vai ficar na região mais dias.

E você, já esteve no Hopi Hari? O que achou? Comente e participe!

Não perca nenhuma oportunidade!

ícone newsletter E-mail diário com promoções Receba as ofertas mais quentes no seu e-mail
Baixe grátis o nosso app Seja notificado sempre que surgir uma promoção