GOL é obrigada a retirar de serviço 11 aeronaves da Boeing! Medida deve impactar voos até dezembro

Leonardo Cassol
10/10/2019  ·  10:4710 · out · 2019  ·  10:47

GOL é obrigada a retirar de serviço 11 aeronaves da Boeing! Medida deve impactar voos até dezembro

A frota da Boeing está impondo um enorme desafio para a GOL em 2019. Depois dos acidentes com o Boeing 737 MAX, que obrigaram a empresa a manter 7 novas aeronaves em solo desde maio, agora é a vez de 11 exemplares do modelo 737-700 e 737-800 NG terem que ser retirados de operação para atender a uma diretriz do FAA (Departamento Federal de Aviação dos Estados Unidos) e da fabricante. Segundo a empresa 3% dos clientes devem ser afetados, com cancelamentos e remanejamentos de voos.

O que aconteceu?

Em setembro a Boeing identificou pequenas fissuras na estrutura das asas de um avião 737 NG com cerca de 30 mil ciclos (cada ciclo corresponde a uma decolagem mais um pouso). Esse tipo de anomalia só deveria ocorrer em aviões com mais de 90 mil ciclos. Imediatamente foi emitido um alerta para que fosse feita uma inspeção em todos os equipamentos com essas características para verificar a eventual presença de fissuras.

Acontece que se é encontrado algum problema, a aeronave fica imediatamente impedida de voar até o devido reparo, que pode levar até 8 semanas, já que requer peças de reposição.

A GOL informou que já conclui a inspeção na frota com as caraterísticas mencionadas na diretriz do FAA e da Anac e precisou retirar 11 delas de operação. Somado aos 7 Boeing 737 MAX que estão impedidos de voar, são 18 aeronaves, uma quantidade que a companhia não consegue administrar operacionalmente, sendo obrigada a cancelar centenas de voos. Segundo a GOL, o problema deve afetar 3 a cada 100 passageiros da empresa, até o mês de dezembro.

É seguro voar nas demais aeronaves da GOL?

Sim. Segundo a empresa, a inspeção nas aeronaves com as caraterísticas estabelecidas na diretriz de segurança já foi concluída e o restante da frota apresenta perfeitas condições de operação. Ao todo a GOL possui 91 aeronaves dos modelos 737-800 e 24 aeronaves 737-700, além de 7 Boeing 737-MAX.

Como saber se meu voo será afetado?

A empresa informou que está contatando os clientes impactados e acomodando em outros voos da própria GOL ou das empresas congêneres.

Caso tenha um voo nas próximas semanas, confira a reserva no site da empresa agora e alguns dias antes da viagem, evitando maiores problemas.

O que diz a GOL?

A GOL informa que concluiu hoje (09/10) a inspeção em sua frota, conforme aplicabilidade definida pela Diretriz de Aeronavegabilidade emitida pela Federal Aviation Administration (FAA), autoridade de aviação americana responsável pela certificação primária das aeronaves modelo Boeing 737 NG, garantindo os mais elevados padrões de Segurança – valor número um da empresa e que direciona absolutamente todas as suas atividades.

Como resultante desse processo, a Companhia retirou de operação as aeronaves nas quais foram encontrados indícios da necessidade de substituição de um componente específico, cujas características se apresentaram fora dos padrões estabelecidos pelo fabricante, reportando essas ocorrências à FAA e à Boeing, de forma coordenada com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Essas aeronaves permanecerão inoperantes até o cumprimento da manutenção.

Consequentemente, fez-se necessário um remanejamento de parte de sua malha aérea, afetando aproximadamente 3% do total de Clientes a serem transportados de hoje até o próximo dia 15 de dezembro.

A empresa esclarece que os Clientes impactados estão sendo informados previamente por SMS, por e-mail e pelas agências de viagem, e acomodados em outros voos da própria GOL ou das empresas congêneres.

A GOL lamenta pelos eventuais transtornos causados e reforça que tem trabalhado intensamente para minimizar os potenciais efeitos aos seus Clientes, aos quais desde já agradece pela compreensão.

——

Enquanto isso, o retorno do Boeing 737 MAX deve ocorrer somente em 2020. Mas que problemão a Boeing está dando para a GOL…

Com informações do Portal Aeroflap e da GOL