Companhias aéreas querem cobrar tarifa integral de bebês que viajam no colo

Denis Carvalho 5 · janeiro · 2015

As companhias aéreas brasileiras solicitaram à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) o fim da limitação de cobrança das passagens dos bebês de até dois anos de idade. A proposta será avaliada neste ano e se for aprovada as famílias que levarem crianças no colo estarão sujeitas a pagar uma passagem a mais, mesmo não ocupando espaço no voo. Hoje, o limite é de 10% do valor da passagem integral, mas nenhuma companhia cobra.

A medida é uma das 67 discutidas entre as companhias e a Anac e que receberam aval para serem submetidas a audiências públicas. A previsão é que a audiência pública ocorra em junho, quando será apresentada a proposta, em forma de uma resolução da Anac. Antes da aprovação também está prevista uma consulta pública a partir de novembro.

Segundo a Anac, a proposta foi apresentada pelas companhias e está sendo estudada pela área técnica. A posição oficial da agência só deve ser conhecida com a minuta da resolução. A justificativa das empresas aéreas é que não há sentido em regulamentar o preço das passagens dos bebês se as dos adultos são liberadas. Além disso, segundo elas, a medida aumentaria a concorrência, já que o passageiro poderia optar pela companhia que cobrasse menos dos bebês.

Outras alterações

A proposta, contudo, traz outras alterações, algumas positivas para os passageiros. Uma delas é a obrigação de que as companhias aéreas ofereçam assistência a passageiros que tenham que esperar várias horas dentro do avião. A lei hoje prevê obrigações caso haja atrasos nos aeroportos, mas se omite caso o atraso ocorra com os passageiros embarcados, como no mês passado em que passageiros tiveram de esperar seis horas dentro do avião que seguiria do Rio de Janeiro a Nova York até que a aeronave fosse consertada.

Outra novidade pode ser a regulamentação do limite da multa por remarcação de passagens. A ideia, contudo, seria a criação de uma tarifa com multa máxima de 5%e não criar um teto máximo para todas as tarifas.

Com informações da Folha de S. Paulo, O Globo e G1

Publicado por

Denis Carvalho

Editor chefe

  • Fernanda

    A criação de um limite percentual vai ser positivo. Já que, quando compramos passagens promocionais, geralmente sai mais caro trocar do que o valor já pago.

    Vamos aguardar!

  • Ricardo

    Pagar uma passagem a mais para crianças abaixo de 02 anos e não ter direito a outra poltrona? Não tem lógica.

    • Eduardo

      Eles que coloquem “cadeirinhas” como se fosse de carro para as crianças… daí acho justo.

      • Priscila Machado

        Concordo plenamente. Já entrei na Justiça contra a TAM uma vez porque a comissária se recusou a dar um lanche para a minha filha porque ela não pagava passagem, tinha menos de 2 anos. E agora? E agora eles vão oferecer leite também?? kkk….piada!!!

        • Baran

          E ganhou, Priscila?

          • Ranny

            Fiquei curiosa sobre o resultado da audiência também .

          • Luciana

            Deve ter sido por causa disso que “agora” eles oferecem leite, papinha e até a mamadeira para as crianças. O exemplo valeu. Parabéns, Priscila!

        • Alana

          Quem tem um filho tem obrigação de levar alimentação para o mesmo!!!!

      • Karina

        Sem duvida! Se vou pagar quero ter condições de usar o assento

    • ricardogobbo

      Também pensei a mesma coisa! Será interessante comprar a passagem normal para ter direito a uma poltrona “extra” pra ter um pouco mais de espaço nessas lotações com asas do Brasil.

      • gusb

        Para o responsável, viajar com o bebê no colo não é nada confortável e é muito penoso durante todo o trecho. Não há lógica nisso. Com “cadeirinha” extra, aí sim é um argumento válido. De qualquer forma, não vejo com bons olhos esta mudança, principalmente com argumento de melhores práticas de concorrência.

    • Marcos Reis

      A questão não é a poltrona… E sim a máscara de oxigênio que é disponibilizada para o passageiro, sem contar na indenização no caso de um acidente por exemplo, a justiça leva em consideração a estimativa de vida de um bebê em relação a uma pessoa com 70 anos… O assunto é bem amplo!

      • Carol

        concordo. Além do que viajar com bebes devia ser proibido. Só os pais deviam ser obrigados a ouvir berro de bebe o voo inteiro e não os demais passageiros.

        • Luana

          Tao simples… ja inventaram o fone de ouvidos…ja viajei com meus filhos dentro do Brasil e fora e me programei pra q ficassem entretidos e aborrecessem o menos possivel. Seria melhor vc mudar de opiniao e aprender a conviver pq amanha vc pode estar na mesma situacao.

          • Acho que não precisa ser extremista como ela foi, mas essa resposta sua é sacanagem.

            E se eu não quiser ouvir música ou estiver com uma enxaqueca terrível (que dói mais com muito barulho)? Devo achar divertido uma horda de crianças gritando e pais sem controle apenas assistindo, como parece ter virado regra?

            Não devo. Já passei por isso e felizmente a comissária era razoável o suficiente para entender e me trocar de assento (inclusive de classe). Sem conflitos com os pais, que eram uns incapazes de resolver a situação.

        • Carlos

          comentário ridículo.. compra um jatinho e vai sozinha!

          • Luiz

            Fora que ela mesma já deve ter viajado de avião quando bebê…

        • Tullio

          Tomara que um filho, nunca precise viajar para ter uma segunda opnião médica em outra cidade! comentário infeliz!

        • Guga

          O comentário da Carol foi extremista, discordo de que deveria ser proibido, mas vale o ponto da gritaria, o que é para crianças com um pouco mais de 2 anos, vai lá, até uns 7. O problema não são os momentos de decolagem e pouso, em que a pressão desencadeia dor nos moleques, mas o resto do vôo, em que os pais, que hoje parecem não saber que são pais e não colegas dos filhos, permitem que ele façam do ambiente coletivo um verdadeiro caos, como se estivessem em casa, sem limite e muito menos consideração com os outros passageiros. O comentário da Luana, sobre fones de ouvido, não resolve isso. É necessário algo mais: educação. Esse assunto não tem muito a ver com o tópico do MD, a respeito do qual espero que a ANAC não facilite para as cias aéreas, mas fica a dica e o apelo de um viajante para que os demais, sendo pais, tenham um mínimo de cuidado para que sua viagem não interfira negativamente na dos outros.

        • Joca

          E os que esqueceram que já foram crianças façam um favor a humanidade: não reproduzam.

        • Adriana

          Quero ver qdo vc tiver um bebê, querida. E se não tiver, não saberá o que está perdendo. É um amor incomparável e é muito bom senti-lo. É só um testemunho, se lhe servir para alguma coisa. Abraços.

        • Luiz

          Comentário muito infeliz o seu. Sendo assim, vamos proibir de viajar quem ronca, quem está gripado, quem fala alto, quem tem que ir no wc com frequência, etc. Todos esses me incomodam durante o voo. Vc se encaixa em algum destes casos ou similar? Em caso afirmativo, por favor, nunca mais viaje de avião. Obrigado.

        • Raphael

          Você deve ser uma daquelas pessoas, que consegue com muito esforço comprar uma passagem para a classe econômica e se acha chique por estar viajando de avião. Pois é, nunca tive problemas com o meu filho na executiva, principalmente na American Airlines no trecho Miami – Rio de Janeiro que é o que eu costuma a fazer a trabalho, os comissários da executiva são todos brasileiros e gostam de famílias, inclusive passando para a executiva (quando há vagas) famílias com crianças pequenas para que eles possam dormir melhor. Reveja seus conceitos, quem sabe assim, você não consegue viajar de executiva um dia !!!!!

        • Junior

          Carol deve ser uma daquelas mulheres mal amadas e solteironas. Com certeza essa mulher não tem filho e não tem a menor intenção de ter um. Proibir crianças de viajar… é cada uma viu?

        • Creuza da classe C

          Gente…. e essa pessoa q ja nasceu grande.. bem adulta. ..pelo comentário… vai lá Benjamin Button. .. . Se fosse ryca ia First Class, mas além de pobre (de espirito) e arrogante. Adoro aviões cheios de crianca. …

        • Claudio

          Concordo contigo Carol.

        • Alana

          Compra um jatinho !!!! Eu heim!!!

        • Joyce

          Se eu viajasse com alguém como, tu sairia no minimo com os dentes quebrados do avião

      • Bruno

        O problema é que, a cobrança da passagem do bebê não significa a garantia de um assento, logo, se o bebê for no colo, a ele não será disponibilizada uma máscara de oxigênio. Quanto ao segundo argumento, creio que a cobrança atual do 10% já sirva para cobrir o seguro, pois evidentemente o preço integral da passagem não é voltada ao pagamento de possivel indenização. De fato! O tema é muito amplo!

        • Luciano

          Excelente comentário!
          O tema é amplo mas dá para resumir: enriquecimento ilícito.

        • Paula

          Nesse ponto você está errado Bruno, já que sempre existe, no mínimo,uma máscara a mais do que no número de assentos (juntos) da fileira. Por exemplo, se são 2 assentos, são 3 ou 4 máscaras. Não estou dizendo que concordo com a cobrança, mas só esclarecendo o fato.

          • Bruno

            Agradeço o esclarecimento.

      • Bruno

        Creio que haja máscaras de oxigênio extras para os bebês sim, dependendo da posição da poltrona. Quando fui para Bogotá (LAN) com a minha filha de 1 ano no colo, trocaram o meu lugar logo antes do embarque, alegando que não havia máscara extra nos assentos das janelas.

      • Nathalie

        Marcos, mas já existem máscaras extras por fileiras de poltronaa para os colo e para as pessoas que por acaso estuverem transitando no momento da despressurizacao. Viajar com bebe no colo é muito desconfortável sim, mas atualmente é a única forma segura pra ele. Inclusive nos voos internacionais onde é oferecido o bercinho, na decolagem e pouso o bebe tem que estar no colo protejido pelo corpo do adulto. Agora, se implantarem cadeirinhas especiais aí a conversa muda.

      • Raphael

        Marcos, é exatamente a questão da máscara de oxigênio, agora no ano novo, o vôo interno e o que partiu aqui do Brasil, eles tiveram que disponibilizar uma poltrona para o meu bebê por conta da disponibilidade da máscara de oxigênio. Não sei se é por conta de regulação. Os demais vôos internacionais foram normais com o bebê no colo. Algum tempo atrás eu tive problemas com a executiva da Lan, onde eles queria cobrar a passagem inteira do meu filho afirmando que ele iria ocupar uma poltrona, tive que comprar a passagem do mesmo vôo pela Tam, que cobrou apenas os 10%

      • Mae2Blog

        sim, mas devem disponibilizar o assento, já que vão cobrar a tarifa integral. se eu for obrigada a pagar por mais um espaço, tudo bem, mas não dá pra pagar integral só por causa dos outros custos.

  • Natalia Costa

    Eu tenho um bebê, já viajei de avião e não é nada fácil… Confesso que não gosto dessa história não, poxa, já tá no colo! Aliás, se é pra pagar valor integral, então que tenha direito a um assento (vai de bebê conforto, que nem no carro). Não sei, pra mim não faz sentido…

    • Debora

      Se for obrigado a pagar passagem pra bebê, eu compro uma poltrona normal pra ele, porque não vou pagar o mesmo valor pra levar no colo, não tem sentido.

      • Paula

        Mas você não poderia comprar poltrona normal para o seu bebê(de ate 2 anos) pois não é seguro pra ele, já que, por ser pequeno, o cinto de segurança não adiantaria nada para ele e poderia ser arremessado em caso de uma turbulência ou uma rejeição de decolagem, por exemplo. Se você tivesse, ou a empresa aérea fornecesse, uma cadeirinha ( como as de carro) que seja adaptada para aviões, ai sim você teria razão.

    • Fernando

      Eu não tenho bebê, mas viajo com frequencia e em todos os vôos me deparo com a mesma cena. O o que ocorre é que geralmente os pais espertos, pegam os assentos da ponta, para que quando o embarque é feito, as pessoas que sentam no meio sejam obrigadas a procurar outros lugares no voo porque ninguém quer vooar 9, 12 horas com um bebe ao seu lado.

      Acho muito indesejável para quem senta ao lado de alguém que esteja com o bebe e também para o bebe, mas se a familia realmente precisa levar a criança junto na viagem, que tenha um banco exclusivo para isso, com carrinho de bebe adaptado em cima do banco, pois é inviável pensar em colocar uma criança em uma poltrona sem qualquer adaptador. A criança viaja de forma mais confortável, e possivelmente desta forma os pais espertos não utilizarão mais esta técnica da malandragem.

      • Alana Santos

        Acredito que pegam a poltrona do corredor para ser mais fácil a saída, já que para eles a demanda é maior, principalmente em caso de voos longos. Mas também deve haver gente que siga este seu pensamento. Em todo caso concordo com o comentário da Débora, se for assim, melhor comprar passagem normal para ter direito a poltrona.

      • Lynx

        Qual o problema com bebê? Ele não é uma pessoa? O problema é que brasileiro não respeita os bebês e os acham um tormento. Já que viaja tanto assim, deveria pegar mais voôs sem brasileiros e para outros lugares, não voôs para eua cheio de turista brasileiro. Verá a diferença no tratamento com pessoas com bebes de colo. As pessoas entendem as necessidades nesses casos e ajudam. Brasileiro utiliza essas artimanhas porque tem muito sem noção que em vez de ajudar fica reclamando como se bebes não pudessem viajar.

        • Edna

          Concordo Fernando, o problema dos brasileiros e achar que bebes e criancas estao sempre atrapalhando…nos paises da Europa as pessoas transportam os bebes nos onibus em carrinhos enormes e todos esperam por longos minutos ate a mae acomodar a crianca sem reclamar,e assim em todos os meios de transportes …isso se chama educacao e respeito!!

          • Carolina

            Edna, vc esta desinformada. Na Europa, pessoas com bebes sao vistas como pessoas “normais”. isto é, não recebem compaixão pra furar a fila ou poder se sentar só porque tem bebes. Quis fazer filho? Otimo. Mas isso nao quer dizer condições especiais. No Brasil sim. Na Europa não. Idoso, gente com criança, é tudo igual.

          • Emy

            Não é mesmo. Vc esta muito enganada. Estive em Paris, Londres e em Lisboa com meu bebê. Em todos os lugares as pessoas me davam preferência. Imigração, metrô de Paris, estação do Eurostar em Londres. Sempre entrei mas filas normais e TODOS me chamavam antes…. fale apenas do que conhece.

      • Suzy

        Tomara que você nunca tenha filhos, porque pelo visto você não vai querer viajar ao lado deles.

      • henrique

        Uso muito está técnica e sempre funcionou, meu bebê sempre viajou de graça e deitado em dois bancos.

      • Samuca

        Incrivel como sempre tem ao menos um comentário estupido! Esse Fernando já deve ter nascido com mais de 18 anos. Aee compra um jatinho pra vc poder fazer suas viagens.

  • João Henrique

    Ótima notícia sobre desregular a cobrança de bebês.
    Péssima notícia sobre regular valor das multas. Típica intererência desnecessária.

    A ANAC deveria concentrar esforços para aumentar a concorrência.

  • Tito Bosco

    Hue, limitação baixa pra multa? Faça-me rir!

  • Nataly

    grande palhaçada cobrar pelos bebês. Já viajei com minha filha que ainda amamentava e pesava menos que uma mala de mão, ou seja, não deu despesa nenhuma pra companhia aérea. Quando estava com 9 meses viajamos pros EUA e graças a Deus ela dormiu o vôo inteiro pois ninguém havia informado que para a refeição dela deveria ter feito o pedido com SETENTA E DUAS HORAS DE ANTECEDÊNCIA! Fui avisada no check IN (pq perguntei, senão nem isso) e tive que ir comprar papinha nestle pra dar no voo.

  • Werlesson

    Isso é uma piada?
    Além disso, segundo elas, a medida aumentaria a concorrência, já que o passageiro poderia optar pela companhia que não cobrasse ou cobrasse menos dos bebês.

  • Hugo Llorens

    Hoje, o limite é de 10% do valor da passagem integral, mas nenhuma companhia cobra.
    É cobrado sim ! estou simulando uma viagem pela gol GUARULHOS – SANTO DOMINGO e me cobram 10% por viajar com BEBE.

    • Thiago

      Ninguém cobra em voos nacionais. Internacionais, que eu saiba, sempre cobram os 10%.

    • Lynx

      Nesses casos, corra das companhias brasileiras.

  • Alexandre

    Nenhuma companhia cobra? me diz qual é esse que não cobra ai?

  • Rodrigo

    O conteúdo do texto é interessante, mas está bem mal escrito. Vários erros de concordância e de digitação que comprometem a leitura. Sempre acompanho o site e gosto muito, mas realmente faltou uma revisão na hora de redigir o texto, principalmente o segundo e terceiro parágrafos. Perdão pela chatice.

    • Amom

      Rodrigo, boa noite!
      Seria interessante você apontar quais foram os erros.
      Observação: a sua última frase é exclamativa. Abraço!

      • Rodrigo

        Oi Amom, eles arrumaram o texto. Realmente quando o li pela manhã, havia vários erros. A leitura estava muito comprometida. A versão atual está bem melhor que a anterior. Eu gosto do site, sempre leio os posts e só fiz a observação porque entendi que a correção se fazia necessária para uma melhor compreensão do seu conteúdo. A intenção não era tecer qualquer ironia ou algo do tipo.

        • Amom

          Ah, compreendi, Rodrigo! Desculpe-me! De qualquer sorte, a
          correção ortográfica do texto e a manutenção do seu comentário demonstram a seriedade dos administradores desta página. Você tem razão: textos inteligíveis, com boa ortografia e conteúdos interessantes dão um aspecto profissional ao transmissor da notícia, denotando em credibilidade, atraindo mais leitores e bons patrocinadores. O ideal seria contratar um revisor. Parabéns ao site Melhores Destinos! Abraço, Rodrigo!

  • luiz

    se é pra pagar integral, que dêem a eles um assento e alimentação… Porque cobrar se ele não ocupa assento extra???

  • luiz

    As companhias querem cobrar pelo bebe SEM dar assento. Que vantagem você ganha com isso, Fernando?

    • Fernando

      Sou favorável a cobrança com o direito ao assento, creio que você não tenha lido o comentário na íntegra.

  • daniela

    pais espertos? fala sério, que comentário deselegante…

    • Fernando

      Daniela, você viaja com frequencia ao EUA? Estou falando a realidade baseada em fatos. Já viajei de American, Tam, Copa, Avianca. Se tratando de voos que saem ou chegam no Brasil, o cenário sempre é muito parecido. Infelizmente tenho vários exemplos de brasileiros que querem sair na vantagem, desde chegar no avião com uma mala que deveria ser despachada, bem como pegar uma fileira de 4 assentos em 2 pessoas, uma sentada em cada ponta, com filho de colo, para tentar pegar os dois bancos do meio com a desistência de alguma pessoa que pede para os comissários mudar seu assento após o fechamento da aeronave. Fato!

      Ano passado, ouvi relatos de brasileiros indignados que a Tam não estava mais disponibilizando poltronas com espaço+ gratuítos como forma de upgrade para mães com bebê de colo. Sim, eu ouvi isso de uma família indignada no balcão de checkin, indicando que foi feito o upgrade gratuíto na ida, e exigiam que fosse feito na volta também, sem querer pagar por isso.

      Deselegante sim, e digo mais, existe muita má fé de viajantes brasileiros querendo driblar as regras das cias amplamente divulgadas, como limite de bagem de mão.

      Como forma de desculpa, comumente respondem “pelo preço absurdo que se paga para despachar uma terceira mala, somos forçados a dar o nosso jeitinho”. Ou “moça, qual o problema de vocês me colocarem na poltrona espaço+ se ninguém vai utilizar ela”?

      • Luciano

        Na sua próxima viagem, faz assim: se você tiver 4 assentos vazios ao seu lado, recline a sua poltrona pra trás, e não estique o esqueleto nas poltronas ao lado, ok?

      • Luis

        Espertos? Então eles são obrigados a sentar um ao lado do outro porque você não quer viajar ao lado de um bebê? Sinto muito mas sentar ao lado de uma pessoa estúpida como você deve ser muito desconfortável também…

        • Você que não é esperto, Luis. Um CASAL, viajando com os próprios filhos cria uma lacuna entre eles pra ganhar dois assentos e você acha isso ok?
          Isso pra mim é falta de ética, no mínimo.

      • Phellipe Chiesi

        Você ainda não tem bebe pelo jeito! Nao existe esperteza nisso! Já imaginou o que é viajar com um ser miniatura que pode se machucar só com a freada do avião! Não deve ser nada confortável!
        Dentro do seu avião todo mundo é inimigo pelo jeito e todos que fazem algo diferente são considerados espertinhos.. eu sou o passageiro que espero o ultimo segundo para entrar e as vezes viajo sozinho no banco com 4 lugares! Dormindo bem gostoso!! Espero que vc não me encontre porque pelo jeito serei seu inimigo numero 1!!
        Um abraço e mais paciência com os pais eles é quem precisam cuidar do bebe!

      • Observador.

        Caro amigo poltrona mais espeço geralmente são as de porta de emergência e inicio tripulação, estes lugares não podem viajar nenhuma pessoa com criança de colo e nem menor de idade e gestantes.

      • Admilson

        Faz assim: pare de viajar pros EUA com frequência e já fica de uma vez por lá. Com certeza os pais “espertos” vão ficar muito satisfeitos de não terem mais que viajar ao seu lado por 9 horas seguidas. Fala dos brasileiros como se não fosse um deles.

    • Eduardo

      Ridículo

  • Andrade

    Na boa, que fique cada dia mais caro, viajar com bebes é horrível. Alias bebes e crianças…
    Uma vez viajei para o Perú com 3 bebes chorando de São Paulo até Lima… afff, insuportável. Rezo sempre para entrar no voo e não ter bebe ou criança em um raio de 360º. São incomodas, demandam mais cuidado, ficam levantando da cadeira, batendo na cadeira da frente…A maioria os pais não dão limite e não as controlam, muitas sem educação.
    Uma vez viajei em um trecho doméstico de 3 horas com uma criança de colo que não era lactante que foi batendo o pé em mim durante as 3 horas e eu estava muito cansado do trabalho.

    • Luciano

      Entendo que crianças podem incomodar. Alguns fatores podem ser controlados pelos pais, como por exemplo bater os pés na poltrona da frente. Nisso você está coberto de razão. Porém, os choros e uma certa medida de inquietação muitas vezes são incontroláveis. Reze, prezado Andrade, para não ter filhos (caso ainda não os tenha ou não os crie), porque no dia em que os tiver, com certeza engolirá cada letra de cada palavra que escreveu aqui.

    • JOHN

      Andrade: Concordo, é um sofrimento, tanto para os pais quanto para os outros passageiros.O fato é que “bebés no colo” viraram mais um “grupo de interesse especial” na sociedade do mundo inteiro que exige tratamento diferenciado dos meros mortais. Um assento pago (com cadeirinha especial) é a solução mais sensata e segura, com direito a oxigeno.

      • Dico

        Seu comentário foi angustiante, tantas frases sem sentido em tão poucas linhas. No pouco que entendi, discordo.

      • leticia

        Todos as fileiras tem um oxigênio a mais para o caso de bebê de colo. Todos! Eles não coroam o risco de alguém morrer e serem processados! Exatamente por isso, em vôos domésticos daqueles de 3 assentos em cada lado, eles do deixam um bebê por lado. Nao pode ter dois bebê e três passageiros pq assim faltaria uma máscara.

    • Marcos

      Vc esqueceu que um dia foi criança e deve ter dado muito trabalho aos seus pais. Ser pai e mãe é a maior experiência que o ser humano pode ter na vida. Realmente não é fácil viajar com crianças, mas guarde seu mau humor pra vc e se um dia vc for pai gostaria de vê-lo viajando com o seu filho.

    • Mãe de dois

      Conheco bem a sensação estar super cansada de tanto trabalhar e ser incomodada pelos passageiros descontrolados do banco de trás. Isso aconteceu comigo recentemente no trecho Frankfurt-Sao Paulo, 11 horas sem conseguir dormir pela falta de educação alheia. So que não foi um bebe. Nem uma criança. Mas dois adultos bêbados falando e rindo alto, flertando e se agarrando durante o voo.
      Então amigo, o problema aqui não é a idade do passageiro, mas a atitude de cada um. Tem criança muito mais civilizada que muito adulto por aí.

  • Cae Vecchi

    Aqui então ferro:

    Clientes da Etihad ficam 28 horas dentro de avião por atraso

    http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/clientes-da-etihad-ficam-28-horas-dentro-de-aviao-por-atraso

  • Lynx

    Simples, é só procurar companhias internacionais, além de não cobrar, ainda te garantem o assento conforto e disponibilizam uma espécie de moizes para o bebe ir dormindo deitado e confortável.

  • Claudio Castro

    Incorreta a informação contida no texto, qual seja: ‘nenhuma cia aérea cobra’….eu viajei com a TAM e com a SWISS e paguei nas duas a tarifa de 10%.
    Claudio

  • Adailton Rodrigues

    É mais um roubo das companhias, então significa que nós vamos pagar uma tarifa e levar os nossos filhos no colo?? que maravilha hein..viva o brazillllll

  • Zeh_BSB

    Compra um jatinho particular que os seus problemas serão resolvidos…Cada um que me aparece!

    • “Compra um jatinho” pai folgado. tem preguiça de educar os filhos e acha que o mundo inteiro em volta tem que sofrer as consequências por isso.
      Pediu minha opinião antes de fazer a criança? Então porque sou eu que tenho que sofrer com as consequências?

  • Cleber

    Andrade, entendo o seu descontentamento. Inclusive, antes de ter filho pensava exatamente como vc. Porém, depois que vc tem filhos vc passa a ver o outro lado, do prazer e das dificuldades em viajar com eles. Sinceramente nem me importo mais. E continuo viajando sempre. Não se importe, vc já foi bebe também.

  • Renato

    Se tenho que pagar por 1 assento a mais, então quero 1 assento mais disponível para mim! Então que as cias aéreas forneçam assentos com bebê conforto regulamentado pela ANAC, FAA e EASA!

  • Caroline

    Gente, uma dúvida…não seria mais seguro os bebes pagarem passagem e ter direito a assento, sempre penso o que aconteceria em caso de despressurização, “cairia” uma máscara de oxigênio e os pais teriam que escolher se salvam o filho ou a si mesmo?

  • Patrick

    Coitadinhas das cias aéreas brasileiras. Precisando cobrar até de quem não ocupa assento pra melhorar seus resultados financeiros… Ter que fazer esse tipo de cobrança é mais um passo pra trás num quesito tão carente no Brasil: qualidade.

  • Liz Busch

    Já viajei com a minha bebê das duas formas: no colo e no assento usando o bebê conforto. A viagem com bebê conforto é bem mais tranquila e segura, principalmente em caso de turbulência. Nos vôos internacionais essa tarifa de 10% é cobrada sim para bebês que viajam sem assento. Não tem sentido cobrar se não for oferecer o assento. de qualquer forma, se tiver condições, é sempre melhor comprar um assento para o bebê.

  • Valdir Freitas

    Olá Denis! Comprei a minha passagem, da minha esposa e da nossa filha que terá apenas 8 meses no dia do embarque, compra realizada em dezembro de 2014 e viagem em maio de 2015, utilizei milhas e a TAM cobrou os 10%, ou seja, paguei 7.000 milhas o trecho para mim e 700 milhas o trecho para nossa filha. Fortaleza – Buenos Aires EZE.

  • Lívia

    Já viajei duas vezes com meu filho, uma pela Copa e outra pela Aeromexico, em ambas as viagens pagamos apenas a taxa de embarque.

  • Karina

    Como assim nenhuma companhia cobra 10%? Viajei pela Tam com minha filha de 1 ano e 5 meses no ano passado e paguei 10% da passagem

  • Lucio

    Bem,se vão cobrar, que os bebês tenham os mesmos direitos dos pagantes, como as duas malas e mais a bagagem de mão….

  • Patricia

    Viajo com minha filha desde os 3 meses de idade e ela já foi dormindo do embarque até o desembarque, bem como chorando desconfortável durante todo o vôo. Garanto que é muito desconfortável viajar com ela no colo, e mais, sinto medo de que em uma turbulência ela se machuque. Aqui no Brasil sequer fornecem aqueles cintos que prendem o bebê a você. Os bebês conforto e cadeirinhas regulamentadas para uso em aviões não são sequer vendidas no Brasil. Mesmo que você tenha a chance de comprar fora, para usar tem que comprar um assento extra. Nós brasileiros não somos um exemplo de empatia, e já aconteceu várias vezes de a meia dela cair no chão e os demais passageiros fingirem que não viram ou ainda me avisarem que a meia está no chão da aeronave, e eu com a bebê no colo sem poder me mexer. Mas já aconteceu de o jovem rapaz lendo na poltrona ao lado gentilmente deixar minha bebê de 4 meses segurar sua mão durante todo o vôo, foi lindo o seu gesto. E finalmente: nos vôos eu não como, não bebo água, não vou ao banheiro quando viajo sozinha com minha bebê. Ter filhos é natural, não sou a favor de fazer da maternidade um troféu, não quero regalias. Mas se tiver que pagar a passagem da minha filha, ela deverá viajar com o mínimo de conforto oferecido aos adultos: um assento adequado e seguro para ela, bem como as refeições em vôos longos incluindo aqui as mamadeiras.

    • Andre Monteiro

      Melhor comentário que li aqui…
      To assustado como tem tanta gente que literalmente acha que lugar de Pai com Bebe é trancado dentro de casa… Jesus…

      Ainda bem que tem gente que tem coragem de ter filhos e continuar uma vida normal senão a humanidade acaba.

  • Beth

    Primeiramente os assentos sao pequenos e bem desconfortaveis para qualquer adulto mediano. Nao concordo com esta solicitação de cobrança de assento para as crianças de menos de 24 meses. Porém Sou a favor dos assentos adaptáveis para as crianças de ate 24 meses, mas com uma taxa justa para todos, pois a tarifa cobrada no Brasil ja e’ alta por si so’. Tenho uma filha de 1 ano 1/2 e acho que o filho tem que ficar com o responsável, porque as crianças são imprevisíveis (Quem pariu Matheus que balança).

  • Adriana

    Qto aos bebês, se cobrarem, têm que dar o assento e com um bebê conforto para coloca-los. Acho absurdo como é feito hj. Se houver acidente, o bebê é o primeiro que morre. Vai ter gente que vai dizer: ” ah, mas não é comum ter acidente aéreo”. Então para que o cinto de segurança nos adultos?

  • Salvatore Carrozzo

    pegando o gancho da coisa: os pais brasileiros bem que poderiam educar melhor seus filhos. Tem criança (não me refiro a bebês, coitados) que eu gostaria de esbofetear. Criança no Brasil é rei, pode correr, gritar, chutar a cadeira. E muitos pais tranquilos, não fazem nada.

    • Dico

      Concordo Salvatore, tem gente que cria marginal, já vi mãe tentando fazer a filha respeitar o pai porque era ele quem pagava tudo. Imagina o que vai ser dessa criança. Mas tem que esbofetar os pais e não as crianças.

  • Dico

    Tem horas que as pessoas acabam deixando escapar o seu caráter ou a falta dele. Uma coisa é se incomodar com crianças e bebês, se isso acontece você deve procurar tratamento de forma urgente ou evitar demonstrar essa deformação. Outra coisa bem diferente é ter que tolerar criança mal educada e pais que deixam elas fazerem tudo em razão da sua total incapacidade. Um bebê passando mal é como um adulto ou um idoso passando mal, merece atenção, cuidado e compreensão e se você não entende isso me perdoe, mas saiba que o mundo estaria bem melhor sem você.

  • Raphael

    Eu não se é nova regulamentação, mas os vôos que eu peguei agora no Reveillon saindo do Brasil, o meu filho (1 ano e 6 meses) teve que ocupar um luga por conta de ter que estar disponível uma máscara de oxigênio caso fosse necessário. Não acredito que seja uma liberalidade da cia aérea (Lan e Gol) por conta que, nos trechos internacionais com a mesma cia (Lan), ele teve que ir no colo. Nesse sentido, entendo ser justa a cobrança, já que as cias teriam que disponibilizar um assento para o bebê de colo, nesse caso, a culpa por essa cobrança seria puramente da Anac e essa regulamentação.

  • David Macedo

    100% injusto se o valor ser integral e não ter direito ao assento…. não tem lógica. Pode até ser cobrado, mas deve ter direito ao assento, só quem carregou sabe do que estou falando …

  • Andre Monteiro

    Caramba… completamente infeliz.
    No dia que proibirem crianças a bordo você será mais feliz, enquanto ainda existir gente de bom senso essa proibição não existirá.
    Felizmente temos que aprender a conviver com diferenças, com crianças, com um monte de situação que alguns não gostam.
    Te garanto que tem “adulto” que incomoda muito mais, do tipo não respeitar o tamanho máximo de bagagem, roncar, usar fone de ouvido alto, etc etc…

    Abre um pouco mais sua mente para o mundo em volta, pensa que teu choro deve ter incomodado um monte de gente fora de avião.

  • Andre Monteiro

    Realmente quem tem Bebe nao Europa nao recebe nada a mais ou a menos, a diferença que vejo em relação ao brasil é que nao existe nenhum preconceito com quem viaja com Criança, porque todo mundo la viaja com as crianças e sem carregar uma Baba vestida de Branco como é comum no Brasil. Vi muito pais com 2… 3 filhos indo para todo lugar, no Brasil ou os pais largam os filhos com os avós ou levam uma baba para cuidar deles durante as férias.

    • Rafael

      A diferença é que lá não precisam ter preferencia, pois as pessoas são educadas, diferente do Brasil, que precisa criar regras de boa convivência social.

  • Andre Monteiro

    Realmente quando leio esse tipo de coisa tenho medo que os nazistas voltem.

  • Claudia Luquez

    En ninguna parte del mundo los bebes pagan pasaje, si una pequeña cantidad que en general esta para pagar seguro. En Argentina se paga una pequeña parte, mínima que varia por compañía, pero tienen seguro aunque sin derecho a equipaje ninguno. Es totalmente ridículo ese argumento!!!!. Lo que esta bueno es lo de la multa por hasta el 5% del pasaje, porque mayormente las multas son mas caras que los pasajes promocionales!!

    Em nenhum lugar do mundo pagãs da passagem bebês, se uma pequena quantidade de um modo geral, é para pagar o seguro. Na Argentina, é pago uma mínima parte, que varia dependendo da empresa, e está a pagar o seguro, mas sem direito a bagagem nenhuma. É totalmente ridículo esse argumento!!!!. O que é bom, é limitada a 5% da passagem para multas, principalmente porque as multas são mais caros do que o bilhete promocional!!

  • Salvatore Carrozzo

    Concordo. Errados são os pais. A permissividade aqui no Brasil eh assombrosa.

  • Se diminuir a quantidade de bebês chorando no avião eu acho uma ótima hehehe

  • Maria Celia

    Alguém já precisou acrescentar um bebê de colo a uma passagem já emitida? Como foi?

    Estou gestante e comprei passagens na promo de hoje da Avianca, mas não pude comprar pra minha bebê porque ela ainda não nasceu (hehe) e, portanto, não tinha como informar a data de nascimento, um dos dados solicitados para emissão da passagem.

    Queria saber se é possível acrescentá-la à minha passagem após o nascimento e, nesse caso, se eu pagaria um percentual da tarifa que paguei na minha passagem ou um percentual do valor que a passagem estiver custando no momento da emissão do bilhete dela (temo que seja esse último, massss… a esperança é a última que morre. rs)

    Obrigada!