Obras em aeroportos serão feitas por concessão a empresas privadas

Denis Carvalho 27 · abril · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Uma luz no fim do túnel para o imbróglio da reforma dos aeroportos foi acesa ontem, quando o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, anunciou que três aeroportos começarão a passar por reformas e que essas obras serão feitas por empresas privadas, em regime de concessão. Serão reformados os aeroportos de Guarulhos, Viracopos em Campinas e Brasília. Palocci informou que o governo ainda estuda promover investimentos nos aeroportos de Confins, em Belo Horizonte, e do Galeão, no Rio de Janeiro. Na sexta-feira uma nova reunião vai debater a situação de outros aeroportos.

A entrada de empresas privadas é imprescindível para dar mais agilidade às obras essenciais na rede aeroportuária. As licitações e obras da Infraero têm sido alvo constante do TCU e da Justiça. Isso tem deixado muitos terminais como Goiânia e Vitória há anos esperando por reformas enquanto os processos se arrastam nos tribunais.

Segundo o governo os primeiros editais devem sair já no mês que vem. As empresas contratadas farão os investimentos necessários para ampliar os terminais e em troca poderão explorar comercialmente os novos espaços, com aluguel de lojas e publicidade. A administração geral continuará com a Infraero, bem como os espaços já existentes.

“Acabamos de constituir a Secretaria de Aviação Civil. Ontem, a presidenta definiu medidas para essa secretaria já definir o critério de concessão de serviços para Guarulhos, Viracopos e Brasília. Teremos obras em regime de concessão nesses três aeroportos”, disse.

De acordo com Palocci, o governo quer começar logo as obras, combinando ações privadas e públicas. “Vamos articular a expansão de aeroportos com recursos públicos e fazer concessões ao setor privado”.

A preocupação com a infraestrutura aeroportuária também foi manifestada pela própria presidenta Dilma Rousseff, que ressaltou que o gargalo existente hoje é um “bom problema” a ser administrado pelo governo. De acordo com a presidenta, os aeroportos lotados são consequência do aumento do poder de consumo da população nos últimos anos, que passou a viajar mais de avião.

“Sabemos que muitos dos problemas que vivemos hoje, e que temos o compromisso de enfrentar e resolver, podem ser chamados de bons problemas. Por exemplo: os aeroportos que temos de expandir estão cheios porque o aumento das viagens aéreas superam, em muito, o crescimento do país. Isso não significa que não temos a consciência e a dedicação necessárias para resolver esse problema”, disse a presidenta.

Fonte: Agência Brasil

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe