Novo free shop de Guarulhos terá iPhone mais barato que nos Estados Unidos

Denis Carvalho 9 · maio · 2014

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

O jornal Folha de S. Paulo traz na edição de hoje boas notícias para os que planejam futuras viagens internacionais por Guarulhos. Segundo a publicação, quem embarcar para fora do Brasil a partir do próximo domingo poderá aproveitar ótimos preços da área de free shop do novo Terminal 3.

Entre os destaques estão a nova loja Fnac, que sem os impostos brasileiros promete vender produtos como o iPhone compreços melhores que nos Estados Unidos, em reais e parcelado no cartão de crédito. 

“O modelo 5S 16GB desbloqueado custa em torno de R$ 2.799 no Brasil e sairá por R$ 1.492,70 (US$ 649) na nova loja da Fnac no Terminal 3 de Guarulhos, que será inaugurado no fim de semana. A Fnac GRU fica na chamada área restrita do embarque, após a inspeção de passaportes”, informa a reportagem.

A Folha destaca que por bem menos do que a diferença de R$ 1.306,30 dos impostos do iPhone, é possível voar para Buenos Aires. A loja vai aceitar real, dólar e euro. O preço em real vai variar conforme o câmbio do dia e será possível parcelar em três vezes no cartão.

O mais bacana é que mesmo quem estiver embarcando em um dos terminais antigos poderá acessar a Fnac e as demais lojas e restaurantes do Terminal 3. “A circulação entre os terminais se faz a pé e haverá esteiras rolantes; Entre as dezenas de lojas da área restrita isentas de impostos do novo T3 estão Victoria’s Secret, Salvatore Ferragamo e GAP.”

Os bens adquiridos nos free shops de partida recebem da Receita Federal o mesmo tratamento que bens adquiridos durante a viagem ao exterior (limite de US$ 500, com isençãopara produtos de uso pessoal, como roupas usadas, um celular, um relógio e uma máquina fotográfica). Não entra, no entanto, na conta dos US$ 500 que o viajante tem direito a gastar nos free shops de chegada.

A abertura de novas áreas de duty free com mais opções e preços melhores era uma das grandes aspirações dos usuários dos aeroportos com o recento processo de concessões à iniciativa privada. Tomara que seja apenas o início de muitas ofertas e oportunidades nos aeroportos para que mais brasileiros se sintam motivados a fazer o óbvio: comprar em seu próprio país!

Leia a matéria completa na Folha de S. Paulo.

Dica dos leitores Thiago Schochat e Thiago Gonzalez

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe