Governo deve liberar capital estrangeiro no setor aéreo e incentivar aviação regional

Leonardo Cassol 13 · janeiro · 2017

O Governo Federal deve publicar em breve uma medida provisória com grande relevância para o setor aéreo. A “MP do Turismo” deve facilitar investimentos de estrangeiros nas companhias aéreas que operam no Brasil e incentivar a aviação regional, segundo apurou o Jornal Valor Econômico junto a três auxiliares próximos ao presidente Michel Temer.

A versão da nova medida provisória a qual o jornal teve acesso retira qualquer restrição ao capital estrangeiro nas companhias aéreas. O limite, que hoje é de 20%, deve chegar a 100%, permitindo que novas empresas aéreas estrangeiras comecem a operar no Brasil ou que grandes grupos globais adquiram o controle das empresas que hoje operam por aqui.

Em relação à aviação regional, deverá ser lançado um programa com incentivos, além de obras em 58 aeroportos, com investimentos de R$ 300 milhões já em 2017. Os subsídios podem chegar a R$ 1,2 milhão por ligação aérea, mediante chamamentos públicos para ver qual empresa está disposta a fazer a operação com menos recursos, e com o limite de uma empresa por voo.

Os subsídios inicialmente serão concentrados na Amazônia Legal, podendo o modelo ser expandido nos próximos anos. Será necessário ligar cidades amazônicas até aeroportos com maior quantidade de voos para outras regiões, como Manaus, Cuiabá e Porto Velho, por exemplo. Haverá ainda um limite de até 60 assentos por voo, o que estimula o uso de aviões de menor capacidade nessas rotas.

A medida deve ser publicada até o fim de janeiro. Será a segunda tentativa desse governo, que viu o limite de capital estrangeiro para as companhias aéreas cair na Câmara em 2016.

Com informações do Valor Econômico

Vamos ver se agora esses projetos saem do papel e se trarão benefícios para os passageiros! E você, o que achou da notícia? Comente e participe!

Publicado por

Leonardo Cassol

Editor

  • Fabio

    Pelo menos vai poder oficializar a Latam como um empresa chilena

  • Bem vindo empresas low cost

    • Valdemir Oliveira

      Deu te ouça !!!!

      • gui vargas

        Amém!

  • CLAUDIO Lemes Louzada

    Existe 580 multinacionais operando normalmente no Brasil e atualmente transporte aéreo é uma atividade econômica global.Parabéns! Quanto a aviação regional na Amazônia me causa muita estranheza o governo nunca incluir a aviação ANFÍBIA no seu planejamento. A região concentra o maior número de rios do planeta e os Anfíbios podem transportar 4, 6, 9, 16, 23, 44 e 73 passageiros, ou seja, há uma aeronave para cada nicho e mercado. Os rios são os aeroportos prontos, cabe apenas construir o porto de atracação e a estação de passageiros para a região ter linhas regionais e também essenciais e sociais. O incentivo pode vir também de facilidades na importação desse modelo de aeronave. Para os outros aeroportos, precisamos da pista mínima regional. A verdadeira pista com infraestrutura mínima do século 21. Comprimento de 1.700 metros por 45m de largura (1.700 x 45m), resistência do piso para 35 toneladas e voo por instrumento GPS. Basta também do asfalto Brasileiro, queremos pistas de cimento Portland com sua eficiência técnica e financeira de longo prazo.
    Aeroporto Regional = 1.700 x 45m + 35t + GPS
    Saudações,

  • Windson Mateus

    Apoio demais.

  • Acho que pela segunda vez vai continuar somente no papel.