Fusão entre American Airlines e US Airways criará a maior companhia aérea do mundo

Denis Carvalho 14 · fevereiro · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Os conselhos de administração da American Airlines (AMR Corp) e da US Airways anunciaram hoje a aprovação da fusão das duas empresas, que criará a maior companhia aérea do mundo em número de passageiros, com um valor de mercado de cerca de 11 bilhões de dólares. A informação foi revelada por fontes próximas e a operação depende ainda de aprovação do governo norte-americano. De acordo com o Wall Street Journal, as companhias estão acertando os últimos detalhes do acordo, que tiraria a American do processo de concordata, que já dura mais de 14 meses.

Se confirmada a fusão, a nova empresa manterá o nome da American Airlines e será sediada em Dallas, no Texas. Ela terá 94 mil empregados, 950 aviões e 6.500 voos diários, além de um total de vendas de quase US$ 39 bilhões. A US Airways deve desaparecer. Como os americanos não perdem tempo na área de marketing, a fusão já ganhou até um site oficial na internet: http://newamericanarriving.com/.

O comunicado oficial, divulgado na página da AA, chama a companhia resultante da fusão é chamada de “nova American Airlines”  e informa que ela vai oferecer mais de 6.700 voos diários para 336 destinos em 56 países. “A companhia combinada deverá manter todos os centros atualmente servidos pela American Airlines e US Airways, resultando em mais opções de viagens para os clientes”. A nova companhia será membro da Oneworld assim como a AA – a US Airways é hoje parte da Star Alliance.

Em 2011, a American ocupava o terceiro lugar no ranking mundial das aéreas pelo critério de passageiros transportados, atrás das também americanas Delta Airlines e Southwest, de acordo com o último ranking da Iata, a associação internacional do setor. A US Airways estava em oitavo. Pelo andamento das negociações, os credores da American, que pediram concordata em novembro de 2011, ficariam com 72% da nova companhia, e os 28% restantes ficariam nas mãos da US Airways.

A princípio,  uma fusão não é benéfica para o passageiro, já que quanto menos competição menos promoções e preços mais altos. Contudo, esse movimento tem sido observado no mundo todo e essa fusão dá forças para a American Airlines competir com United e Delta, outras duas gigantes que também receberam o título de maior empresa aérea do mundo quando passaram pelo mesmo processo.

É interessante observar que o Estados Unidos passa a contar com três empresas aéreas gigantes, cada uma em uma aliança mundial: Delta na Sky Team, United na Star Alliance e American Airlines na OneWord. No Brasil essas gigantes americanas devem se posicionar assim: Delta parceira da GOL, American Airlines da TAM e United da Avianca. Falar em parceria da United com a Avianca ainda é cedo, mas é questão de tempo para a Avianca Brasil entrar na Star Alliance.

Em relação aos impactos dessa fusão nos voos Brasil – Estados Unidos, nenhuma rota da US Airways se sobrepõe às várias da AA, já que a US Airways só voa do Rio de Janeiro para Charlotte. A American Airlines tem voos saindo de Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, e ainda em 2013 terá voos saindo de Curitiba e Porto Alegre.

Video sobre a nova American Airlines


Atualizado às 12h55.

Com informações do Wall Street Journal, TerraO Globo e G1

Dica dos leitores Fabio Júnior, Thiago Ambrósio, Georges Seigneur e Ramon Andrade.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe