Roteiro de 3 dias em Frankfurt: passeios, museus e principais atrações da cidade

Gisela Cabral 15 · agosto · 2016

Guia de Frankfurt do MD já foi lançado há um tempinho. Um material completo sobre a cidade alemã que atrai visitantes não somente pelo fato de ser um excelente hub na Europa – do Brasil partem alguns voos diretos  – mas também por oferecer várias opções de O que Fazer, Pontos Turísticos e Bairros imperdíveis, Tavernas que servem o melhor da gastronomia local, o famoso Apfelwein, Vida Noturna pulsante, além de áreas de Compras e muito mais.

Durante os ensolarados dias em que estive neste que é um dos centros financeiros e comerciais mais importantes da Europa, tive a absoluta certeza de que o destino é muito mais do que um simples ponto de chegadas e partidas do Velho Continente. Pensando nisso, elaborei um roteiro de até três dias com o intuito de ajudar aqueles que desejam explorar os principais pontos, porém em um curto espaço de tempo.

Prédio da Prefeitura de Frankfurt
Prédio da Prefeitura de Frankfurt – Romerberg

Mas antes de apresentar o roteiro a vocês, preciso lembrar aos futuros viajantes que Frankfurt tem a vantagem de reunir boa parte das principais atrações numa só região (confira o nosso mapa). Isso quer dizer que, seguindo a minha proposta, você, provavelmente, fará pouco ou nenhum uso do eficiente transporte público. Caso precise, no entanto, você não vai se decepcionar com as opções disponíveis, confira todas elas aqui.

Mapa de Frankfurt com os principais pontos da cidade - fonte: Google Maps
Nosso mapa de Frankfurt com as principais atrações – fonte: Google Maps

No Guia você ainda encontrará dicas gerais sobre segurança, tours pagos e gratuitos, pontos de informação ao turista, entre outras informações. Mas, na minha opinião, a dica mais importante de todas é calçar um par de sapatos confortáveis, preparar a câmera fotográfica e aproveitar cada segundo na cidade que é a maior do estado do Hesse!

Dia 1 – Principais Pontos Turísticos

Frankfurt foi bastante destruída durante a Segunda Guerra Mundial e isso explica o fato de, hoje em dia, a cidade abrigar tantos arranha-céus imponentes e ultra modernos. No entanto, muita coisa foi reconstruída no pós-guerra seguindo o modelo original, sendo que vários desses monumentos/construções estão situados na Altstadt ou centro antigo, na tradução para o português.

A Torre da Kaiserdom e o Rio Meno
A Torre da Kaiserdom e o Rio Meno

Römerberg é um dos pontos turísticos que mais simbolizam o destino e que mais chamam a atenção pelas construções no estilo antigo, construções como a igreja Alte Nikolaikirche e o Romer, que abriga a prefeitura. A poucos passos de lá, inclusive, você vai encontrar a bela Catedral Gótica de S. Bartolomeu (Kaiserdom), cuja entrada é gratuita – e bem ao lado da igreja um dos meus restaurantes/tavernas favoritos na cidade, o Paulaner am Dom

Nas redondezas o visitante também vai poder visitar a casa onde morou o filho mais famoso de Frankfurt, Johann Wolfgang von Goethe. Uma construção antiga e luxuosa, cheia de memórias incríveis do escritor e maior figura literária alemã da era moderna.

Escultura do jardim da Casa de Goethe
Bela escultura do jardim da Casa de Goethe

Viajantes que não perdem a chance de fazer umas comprinhas, não devem deixar de passar pela rua de pedestres Zeil, cheia de lojas e um shopping chamado MyZeil, uma verdadeira obra da arquitetura moderna. Já a dica para a hora que bater aquela fome é o Klosterhof, que fica nas proximidades e serve cervejas maravilhosas, um schnitzel muito crocante e tradicionais salsichas alemãs com batatas. Reservas são altamente indicadas.

Jazzkeller - uma das casas noturnas mais famosas da Europa
Jazzkeller, uma das casas noturnas mais famosas da Europa

E se depois desta movimentada programação diurna sobrar algum fôlego para curtir a noite, a minha dica é o Jazzkeller, uma das casas noturnas de maior sucesso na Alemanha. No local, que parece uma espécie de porão,  já passaram nomes como Louis Armstrong e Frank Sinatra. Na noite em que estive por lá, por exemplo, não houve apresentação ao vivo, porém um DJ tratou de colocar todo mundo para dançar ao som de vários clássicos.  

Dia 2 – História e Cultura em Frankfurt

O segundo dia em Frankfurt será quase todo dedicado aos museus. Mas antes de aproveitar o lado cultural da cidade, não deixe de conhecer a Eiserner Steg – ou Ponte de Ferro – um dos cartões-postais mais marcantes da capital do estado do Hesse.

É bem provável que você passe pela estrutura que atravessa o Rio Meno várias e várias vezes durante a sua estada, lembrando que assistir ao pôr do sol do alto da ponte decorada com “cadeados do amor” é, também, algo muito especial!

A ponte está cheia de cadeados do amor em toda a sua extensão
A Ponte de Ferro está cheia de cadeados do amor em toda a sua extensão

Bem próximo à bela ponte – ainda do lado da Old Town – encontra-se a minha primeira indicação de museu: o Historisches Museum. Uma visita altamente indicada para os que desejam saber mais sobre a história dos habitantes de Frankfurt, desde o século 15 até os dias atuais.

Aliás, não posso deixar de mencionar que ali já começa a região conhecida como Museumsufer, que concentra os principais museus da cidade. O Stadel é outro deles, um prédio onde estão reunidos 700 anos de arte europeia com trabalhos de Sandro Botticelli, Rembrandt, Jan Vermeer, Claude Monet, Pablo Picasso, entre outros. Um deleite para os apaixonados por arte!

Visitante observa um belíssimo quadro do pintor Rembrandt, no Stadel
Visitante observa um belíssimo quadro do pintor Rembrandt, no Stadel

Outra opção de museu das redondezas que me encantou bastante foi o Deutsches Filmmuseum, todo dedicado à sétima arte. O local é pequeno – a visita não deve durar muito mais de uma hora – mas o acervo é interessante e exposto em salas escuras que mais se parecem salas de cinema. Ah, lá o visitante vai interagir com objetos expostos e também vai ver de perto uma estatueta do Oscar originalíssima!

Passeio

O outro lado bom da região dos museus é a localização: às margens do Rio Meno. Conhecida como Mainkai, a área tranquila e arborizada costuma atrair vários praticantes de corrida e famílias passeando com animais de estimação, além de alguns cafés e banquinhos próprios para sentar-se e admirar a bela vista.

Vista da margem do Rio Meno - Frankfurt Mainkai
Vista da margem do Rio Meno – Frankfurt Mainkai

Depois de visitar o museu – ou museus escolhidos – aproveite para dar uma voltinha pelo distrito de Sachsenhausen, um dos mais charmosos de Frankfurt. O bairro é ideal para quem deseja tomar o apfelwein ou ebbelwoi – o vinho de maçã amado e odiado por muitos – e comer algo gostoso como a Frankfurter Würstchen, uma salsicha de porco, bem fininha, servida com pão ou salada de batatas.

Minhas sugestão no distrito é a tradicional taverna Apfelwein Adolf Wagner, que serve a bebida desde 1931 em um ambiente descontraído, com mesas enormes de madeira (exatamente para serem compartilhadas) e um cardápio repleto de pratos deliciosos, à preços que super cabem no bolso.

A famosa sidra de Frankfurt - alguns amam a bebida, outros a odeiam
A famosa sidra de Frankfurt servida nas tavernas de Frankfurt

Mas se a intenção, além de tomar um bom vinho, é curtir uma noite mais animada, com performance local e brindes coletivos, a dica é o Ebbelwoi Unser. Ambiente informal, assim como o do Apfelwein Wagner, e cardápio sazonal de deixar qualquer um com água na boca. Na noite em que eu estive lá, provei um schnitzel que estava simplesmente divino!

Dia 3 – Ficar ou sair de Frankfurt?

Acredito que o terceiro dia possa ser usado para explorar outros monumentos, museus e restaurantes de Frankfurt – tudo isso vai depender do tempo que o viajante tem disponível. Outra sugestão bastante viável, no entanto, é fazer um day trip para alguma cidade vizinha.

Heidelberg – às margens do Rio Neckar – é uma delas. A cidade universitária, e histórica, fica a mais ou menos 100 quilômetros ao sul de Frankfurt e pode ser facilmente acessada de trem, numa viagem de aproximadamente uma hora. Lá você não pode deixar de explorar o Centro Antigo (Altstadt), começando pela Bismarckplatz e a Hauptstrasse, uma rua de pedestres que reúne uma série de lojinhas.

Heidelberg - crédito: Achim Mende/Heidelberg Marketing
A bela Heidelberg – crédito: Heidelberg Marketing

Outras sugestões na área são o Kornmarkt – praça de onde sai o funicular Bergbahn para o castelo – e a Alte Brücke, a bela ponte erguida no século 18 (foto). Porém, nenhuma ida a Heidelberg fica completa sem uma visita ao imponente castelo, uma obra arquitetônica que domina o horizonte da cidade. A subida até o local pode ser feita à pé – no verão, não esqueça de hidratar-se durante a caminhada – ou com o auxílio do já citado Bergbahn.

O Castelo de Heidelberg - créditos: Achim Mende/Heidelberg Marketing
O Castelo de Heidelberg – créditos: Achim Mende/Heidelberg Marketing

O escritório de turismo de Heidelberg promove tours em inglês e alemão pelos principais pontos do centro antigo. O passeio tem duração de duas horas e custa €8 (inteira) e €6 a meia. Na página oficial da cidade você confere os dias, horários e pode fazer a reserva do tour com antecedência, pois, de acordo com o local, os passeios costumam lotar em determinadas épocas do ano.

E você, leitor do MD, já esteve em Frankfurt antes? Deixe a sua avaliação sobre a cidade em nosso Guia.

Publicado por

Gisela Cabral

Editora de Destinos

  • Pedro Ventura

    Boa dica para quebrar certos esteriotipos sobre Frankfurt. Sempre pensei que fosse apenas uma cidade de negócios. Tenho dúvida , por que não temos voos diretos para Berlim? Parece que a Lufthansa escolheu ter voos diretos (partindo do Brasil) só pra Munique e Frankfurt, e a Condor segue o mesmo padrão.

    • Marcos

      O voo para Munique está com os dias contados, ficará apenas o de Frankfurt.

    • James Richard

      Pelo mesmo motivo que as empresas aéreas voam para São Paulo (GRU) e não para Brasília (BSB)! $$$$$$

    • Jonatas Elias

      Na Alemanha, em que pese Berlim ser a capital, cidade mais populosa e altamente turística, Frankfurt é a principal cidade do país e figura entre as mais importantes do mundo. Ser capital não implica ser a cidade mais importante de um país.
      Isso acontece na maioria dos países do mundo: Brasil por exemplo (São Paulo versus Brasília), America (New York versus Whasington, DC), Australia (Sydnei versus Camberra), New Zealand (Auckland versus Wellington) e por aí vai.
      Como as cias aéreas se mantêm graças aos passageiros de negócios, os voos diretos tendem justamente a atender esse público.

  • Philipp Deutscher

    Outra cidade maravilhosa é Munique que oference o mesmo charme de Frankfurt como também culinária Bavara e passeios belicimos.

  • Pedro Ventura

    Boa explicação. Sempre achei curioso a falta de voos diretos para lá. Mas esse Brandenburg nunca sai. Dizem que há diversas denúncias de desvio de verba na construção. Berlim merecia um aeroporto melhor.