logo Melhores Destinos

Buenos Aires aprova nova lei contra o Uber: veja o que muda

Leila Aisen
Leila Aisen
15/11/2018 às 10:21

Buenos Aires aprova nova lei contra o Uber: veja o que muda

Andar de Uber em Buenos Aires é uma forma rápida, fácil e barata de se deslocar durante uma visita à cidade. O aplicativo é o mesmo do Brasil: basta selecionar o endereço e aguardar o motorista. Esta comodidade, porém, pode ficar um pouco mais complicada. Isso porque na semana passada o parlamento argentino aprovou a reforma do Código de Trânsito local, que aumenta as penas para o transporte de passageiros que funcionem de maneira irregular, como é o caso do Uber, que nunca foi regulamentado por lá.

Desde que o Uber chegou a Buenos Aires, os taxistas se manifestaram contrários, acusando o aplicativo de competição desleal e de operar de maneira ilegal. Antes da nova lei, Horário Rodríguez, Chefe do Governo de Buenos Aires, já havia conseguido bloquear os cartões de crédito argentinos utilizados para pagar o serviço, pelo que o Uber começou a aceitar pagamento em dinheiro. Os cartões de outros países, como o Brasil, continuam funcionando normalmente.

Com a nova lei as penas ficaram mais duras: quem for pego dirigindo Uber irá perder a carteira de motorista e receber uma multa de 200 mil pesos argentinos (algo em torno de R$ 21 mil no câmbio de hoje). A aprovação da lei foi comemorada pelos taxistas, como era de se esperar.

Uber em Buenos Aires

Desde que chegou à Argentina o Uber e seus condutores foram perseguidos pelos taxistas que chegaram a armar emboscadas para danificar os veículos fazendo transporte pelo Uber. Por esse motivo é comum que o motorista do aplicativo peça para que os passageiros se sentem no banco dianteiro, evitando aparentar que é um transporte pago.

Como fica o Uber em Buenos Aires?

O Uber vai continuar funcionando de maneira ilegal, mas é provável que a quantidade de condutores baixe, assim como de passageiros. O pagamento com cartão de crédito da Argentina seguirá inabilitado e os passageiros continuaram tendo que sentar à frente.

Com menos carros, é possível que haja demora na espera por um motorista, especialmente aos fins de semana e horário de rush. Uma dica: se tiver pesos, opte por pagar a corrida em dinheiro, pois além de evitar o IOF adicional de 6,38% os motoristas argentinos preferem receber em “efectivo”, o que reduz o índice de cancelamentos.

Quais a opções ao Uber em Buenos Aires?

Além de usar o ônibus, metrô, trem, táxi, bicicletas e ônibus turístico em Buenos Aires há ainda uma outra alternativa para quem busca um transporte cômodo e privado: o Cabify. Ao contrário do Uber, o aplicativo está legalizado e funciona com “remises”.

Os “remises” são automóveis para transporte privado de passageiros, similares aos táxis mas com algumas diferenças importantes:

– Não param na rua, é preciso chamá-los por telefone  ou aplicativo;

– Não seguem taxímetro, o preço é determinado pelos quilômetros percorridos;

– Não seguem um padrão de pintura como os táxis;

– É possível agendar previamente;

– São mais econômicos que os táxis.

O Cabify também funciona com o mesmo aplicativo em algumas cidades do Brasil e opera em Buenos Aires, Mendoza e Rosario, e você pode baixar para Android ou iOS.

Quer pegar um táxi usando aplicativo? Também é possível! O Easy funciona muito bem por aqui. Há também um aplicativo da Prefeitura chamado BA Taxi. A vantagem desses aplicativos é poder selecionar o trajeto e saber o preço, além de poder pagar com cartão de crédito, evitando golpes.

Qual é mais barato?

Entre táxi, Uber e Cabify de maneira geral pode-se dizer que o Uber sai mais em conta, mas quando a tarifa dinâmica está ativa pode ser que saia mais caro que um táxi. Para não enlouquecer, há um aplicativo chamado Mangotea que compara os preços – você pode baixar aqui para Android ou iOS.

O problema dos aplicativos muitas vezes é a demora para a chegada do motorista – não é legal aguardar mais de 10 minutos muitas vezes vendo passar dezenas de táxis livres à sua frente.

E você? Visitou Buenos Aires recentemente? Que meio de transporte utilizou?O que acha dessa nova medida?  Tem alguma história usando o Uber aqui? Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *