Turismo no Irã: dicas de viagem para um misterioso destino no Oriente Médio

Wendell Oliveira
8/10/2018  ·  17:01Publicado 8 · out · 2018  ·  17:01Atualizado 30 · ago · 2019

Turismo no Irã: dicas de viagem para um misterioso destino no Oriente Médio

Viajar para o Irã? Tem certeza que não é perigoso?“. Essa será a reação dos seus parentes e amigos, afinal poucos países no mundo despertam mais receio do que o Irã. Para ajudar a planejar sua viagem, lançamos o Guia do Irã, com tudo que você precisa saber sobre Teerã, Persépolis, Parságada, e muitas outras atrações no país. No guia você encontra dicas sobre como chegaronde ficar e a melhor época para visitar. 

Do poderoso Império Persa no passado à atual República Islâmica dos aiatolás, o Irã quase sempre é notícia devido às sanções internacionais e sua política externa no Oriente Médio. No entanto, ainda pouco se fala sobre seu potencial turístico, com uma rica história, cultura instigante e paisagens arrebatadoras.

Lar de desertos de dunas itinerantes, montanhas cobertas de neve e praias cristalinas. De mesquitas que são obras-primas da arquitetura mundial; da arte e poesia que mantêm sua essência na intangibilidade da tradução. E também do povo mais hospitaleiro do mundo: prepare-se para ser recebido de braços abertos por mais de 80 milhões de amigos, que consideram os visitantes um presente divino.

O Irã é quase uma icógnita. Até agora.

dicas Irã turismo

Praça de Naqsh-e Jahan, em Isfahan

O que fazer no Irã

O Irã é um país cuja história remonta milênios, com sítios arqueológicos tão antigos quanto o início da civilização. Aprenda mais sobre o passado glorioso do Império Persa visitando suas antigas capitais, Persépolis Pasárgada, atuais Patrimônios Mundiais da UNESCO. Além de andar nos caminhos por onde passaram Ciro, Dario e Xerxes, também é possível dedicar-se à rica história do país através do Museu Nacional do Irã e seu incrível acervo.

Ruínas de Persépolis

De maioria muçulmana, o Irã é lar de majestosas mesquitas que são verdadeiras obras de arte. Todas as cidades do país possuem templos religiosos, embora alguns se destaquem mais, como a Mesquita de Imã Khomeini e seus infinitos mosaicos, ou a surreal Mesquita Nasir-ol-molk, com vitrais coloridos que produzem um espetáculo visual sem comparação.

Mesquita Nasir-ol-molk, em Shiraz. Também conhecida como “Mesquita Rosa”.

Muito além do islamismo, o Irã também foi palco do surgimento de uma das religiões mais antigas do mundo, o Zoroastrismo. Com um sistema complexo de crenças e rituais, a religião é responsável por belas construções como a enigmática Torre do Silêncio, além de possuir sacerdotes responsáveis pela manutenção de uma chama eterna no imperdível Templo do Fogo.

A capital Teerã é uma atração à parte. Uma metrópole com 8 milhões de habitantes, mais de 800 parques de paisagismo impressionante, rodeada de montanhas que servem como estações de esqui no inverno. Muito além das pichações do muro da antiga Embaixada Americana em Teerã, a capital iraniana reserva belas construções como o Palácio de Golestan e a Ponte da Natureza, além da melhor vista da cidade, no Teto de Teerã.

Torre Azadi, Teerã

Mas é no interior do país que a alma e a hospitalidade persa realmente se revelam. Adicione Shiraz ao seu roteiro, a cidade que batizou o tipo de uva utilizado em um dos vinhos mais famosos do mundo e considerada a capital cultural do Irã. Isfahan é outro destino interessante, lar de imponentes pontes, mesquitas e uma jovem população. Conheça também o “meio do Irã”, como se denomina Yazd, conhecida por ser a maior cidade do mundo em um deserto. Por falar nisso, não perca a chance de acampar sobre as dunas no fantástico Deserto de Varzaneh.

Embora não seja uma destino exatamente famoso por suas oportunidades de compra, o Irã pode ser um paraíso do consumo dentro dos seus típicos bazares. Toda cidade possui o seu próprio Grand Bazaar, com uma oferta gigantesca de souvenirs, joias, roupas, temperos e, é claro, os famosos tapetes persas. Só não se esqueça de pechinchar!

Grand Bazaar de Teerã

Segurança no Irã

Viajar para o Irã nem de longe é perigoso. Incidentes de segurança são extremamente raros, o país possui penas severas e rigor no cumprimento das leis. Até mesmo pequenos delitos, como furtos e golpes, são praticamente inexistentes. Apenas mantenha precauções básicas, como em qualquer outro lugar.

O último conflito armado em que o país esteve envolvido foi na década de 80. E apesar dos nomes parecidos, Irã e Iraque são países com realidades completamente distintas. A exemplo de outros destinos polêmicos, como Cuba ou Coreia do Norte, visitar o Irã também não significa legitimar as decisões de seu governo. Você vai logo perceber que há um abismo colossal entre o que pensam os políticos e o povo. Iranianos têm curiosidade sobre o Brasil, assim como pelos Estados Unidos ou Israel, e se esforçam para passar a melhor impressão possível do país.

Como chegar ao Irã

O Irã está localizado no Oriente Médio, banhado pelo mesmo golfo que cerca os Emirados Árabes Unidos e fazendo fronteira ao norte com a Turquia. Para chegar ao país, não há opções de voos direto saindo do Brasil e será necessário fazer ao menos uma escala. O caminho mais rápido é com conexão em Istambul, Dubai ou Doha, de onde há vários voos para a capital Teerã. Também é possível fazer conexão via Europa, com voos saindo de Frankfurt, Paris ou Roma.

Aeroporto Internacional de Teerã – Imã Khomeini

Cidadãos brasileiros precisam de visto para entrar no Irã, que pode ser facilmente obtido na chegada ao aeroporto ao custo de €80. Vestígios de passagem por Israel no passaporte podem impedir a entrada. Saiba mais informações sobre visto, passaportes e imigração no Irã.

Quando ir ao Irã

Se você acha que o Irã é um deserto quente o ano todo, melhor rever seus conceitos. Com um território três vezes maior que o tamanho da França, o país possui grandes variações climáticas e paisagens bem diferentes de acordo com cada região.

A melhor época para visitar o Irã é de março a maio e setembro a outubro – assim você evita o calor sufocante do verão e o inverno rigoroso com estradas bloqueadas por neve.

A capital Teerã é rodeada de montanhas

Por se tratar de um país muçulmano, feriados religiosos e datas comemorativas também devem ser levados em consideração na hora de decidir quando visitá-lo. Saiba mais lendo sobre Quando ir ao Irã.

Transportes no Irã

Visitantes desavisados podem se surpreender ao descobrir como é fácil se locomover pelas principais cidades do Irã. Com uma extensa malha ferroviária e ônibus que cruzam as belas paisagens do deserto, há diversas opções modernas, confortáveis e baratas, muito além do transporte aéreo.

Dinheiro no Irã

Graças a desvalorização da moeda devido ao câmbio extremamente volátil, o Irã vem se tornando um destino cada vez mais acessível, com custos abaixo da média. A moeda oficial é o Rial (﷼), disponível em notas que variam de 2.000 a 1.000.000 (um milhão), frequentemente referidos como “Toman“, uma unidade monetária alternativa, criada para simplificar os muitos zeros causados pela inflação.

Dica: Memorize os números em persa ou leve uma colinha. É mais fácil do que parece!

Devido às sanções internacionais, cartões de crédito de bandeiras famosas como Visa e Mastercard não são aceitos nos caixas eletrônicos do Irã. Levar dinheiro em espécie, especialmente Euro, é a melhor alternativa.

Saiba mais no Guia do Irã, seção Dinheiro.

Comida no Irã

Você corre um grande risco ao visitar o Irã: ganhar peso! Deliciosos doces de pistache em infinitas variações, açafrão no arroz, sopas e até no sorvete.. Além de kebabs de cordeiro e churrascos capazes de surpreender até mesmo os gaúchos mais orgulhosos. No Irã, tudo acaba (e começa) em chá. Leia mais sobre a comida no Irã.

Dizí (دیزی), uma iguaria persa. As refeições fartas no Irã são feitas para serem compartilhadas.

Dicas e costumes do Irã

– As mudanças no vestuário serão o maior choque cultural. Usar o véu cobrindo a cabeça é obrigatório para mulheres, mesmo as estrangeiras. Cobrir os braços e pernas também é necessário, inclusive para homens.

Os olhares austeros dos aiatolás Khomeini e Khamenei, onipresentes no Irã

– Uma viagem pelo Irã deve ter foco na cultura, paisagens e culinária, mas definitivamente não em festas. Bebidas alcoólicas são banidas no Irã. Até mesmo reunir pessoas de ambos os sexos em ambientes descontraídos é feito de maneira praticamente clandestina.

– A internet no Irã costuma ser censurada, com diversos sites e aplicativos bloqueados. FacebookTwitter YouTube são completamente inacessíveis, enquanto aplicativos de mensagens como o WhatsApp sofrem filtragens esporádicas. Saiba como contornar esses problemas e que alternativas usar lendo sobre as dicas e costumes do Irã.

Política e religião se discutem sim, pelo menos no Irã. É natural que muitos iranianos tomem a iniciativa de falar sobre suas insatisfações com o governo e sua própria fé. De todo modo, ouça mais do que fale. Não entre em embates ideológicos – para a sua segurança e a de seu interlocutor.


Deu vontade de viajar? Planeje-se lendo o nosso Guia do Irã e deixe seu comentário!