5 razões que fazem de Sintra um destino imperdível em Portugal

Gisela Cabral
19/10/2018  ·  12:27Publicado 19 · out · 2018  ·  12:27Atualizado 24 · out · 2018

5 razões que fazem de Sintra um destino imperdível em Portugal

Descubra porque Sintra é um dos melhores destinos de Portugal!

Situada em um parque nacional belíssimo e repleto de verde, a vila portuguesa de Sintra mais parece ter saído de um conto de fadas. Afinal de contas, o cenário também composto por palácios e castelos – dois deles no topo da serra – automaticamente transporta o visitante para um passado de muita pompa e fatos que marcaram a história de Portugal.

O melhor mesmo é saber que tudo isso fica bem pertinho de Lisboa, a mais ou menos 30 quilômetros de distância da capital, para ser mais precisa. Por esse motivo, muita gente acaba optando pelo passeio de um dia, partindo da Estação do Rossio. A viagem de trem (que por lá é chamado de comboio) dura em torno de 40 minutos.

Veja também: O que fazer em Lisboa: 45 dicas imperdíveis

Centro histórico de Sintra

No entanto, eu sempre aconselho que o visitante passe pelo menos uma noite na região, caso tenha a oportunidade. Dessa maneira é possível aproveitar com mais calma as atrações como o Palácio Nacional da Pena, o Castelo dos Mouros e a Quinta da Regaleira, ter tempo para fazer uma boa refeição, experimentar os famosos doces locais, como a queijadinha e os travesseiros, além de caminhar pelas ruelas de paralelepípedos, admirando a arquitetura da pitoresca vila, patrimônio da Unesco desde 1995.

Confira, abaixo, cinco razões que fazem de Sintra um destino português imperdível:

1. Tesouro histórico

Acredita-se que o clima altamente propício, a proximidade do mar e do estuário do Tejo tenham sido fatores determinantes para a presença humana na região desde a era do bronze, passando pela época romana e a ocupação muçulmana. Além disso, a vila também foi propriedade de rainhas e residência de reis e da corte. Durante o comando de D. Manuel I (1495-1521), inclusive, teria sido bastante procurada por artistas e humanistas.

2. Castelos e palácios de Sintra

Você pode começar o tour no centro histórico da vila, mais precisamente no Palácio Nacional de Sintra, uma obra erguida ainda no tempo dos mouros, sendo uma das poucas que permaneceram intactas. É possível reconhecê-lo rapidamente ao avistar as chaminés das cozinhas, cada uma com 33 metros de altura, que dominam a fachada. Já o interior também não deixa nada a desejar em termos de beleza, riqueza e luxo, a exemplo da sala dos Brasões, com azulejos do chão ao teto.

A cerca de 700 metros do palácio está a famosa Quinta da Regaleira, um refúgio erguido entre 1904 e 1910 por António Augusto Carvalho Monteiro, um homem culto, místico e de muita visão. Imperdíveis, no local, são o Poço Iniciático – de 30 metros de profundidade – o palácio/residência dos Carvalho Monteiro e os belos jardins. Eu fiz o passeio guiado, em português, e achei que valeu muito a pena pela riqueza de detalhes.

Poço Iniciático

Depois de visitar as duas atrações da vila, você pode dirigir-se até o Palácio da Pena, no topo da serra de Sintra. Um percurso longo e íngreme que muitos optam por fazer a pé, porém a corrida de táxi até o local não costuma sair cara (melhor opção para os que estiverem com pressa). Já o ônibus sai mais barato.

Erguido em um rochedo e rodeado por uma natureza exuberante, o palácio é belíssimo. A atração, expoente máximo do Romantismo do século XIX português, conta com referências arquitetônicas de influência manuelina e mourisca, ou seja, muito luxo e glamour, tanto no interior quanto no exterior.

Saindo do palácio, é possível acessar o Castelo dos Mouros a pé e em um trajeto natural e exuberante, de apenas 850 metros. Lá o visitante vai encontrar um forte erguido no século X, após a conquista muçulmana da Península Ibérica. A dica é explorar os chamados “caminhos de ronda” do castelo e, claro, deliciar-se com as belas paisagens lá de cima, entre elas a da vila, do Paço de Sintra, Palácio da Pena e do oceano Atlântico.

Castelo dos Mouros

3. Doces de Sintra

Travesseiros da Piriquita

Portugal é, inegavelmente, um dos países europeus que mais fazem sucesso quando o assunto é gastronomia. E o meu destaque em Sintra, portanto, vai para a Casa Piriquita, a famosa pastelaria fundada em 1862, onde são fabricados os travesseiros da piriquita – massa folhada crocante, com doce de amêndoas e ovos – e os pastéis de Cruz Alta, uma homenagem ao ponto mais alto da serra da vila. Além disso, na casa que já serviu doces para reis e rainhas, você vai experimentar a tradicional queijadinha recém-saída do forno. Só não se esqueça de pedir um cafézinho para acompanhar todas essas delícias. A pastelaria fica na Rua das Padarias, no centro histórico, basta seguir o aroma…

4. Ruas de paralelepípedo e microclima

“Perder-se” pelas ruelas do centro histórico de Sintra é um dos meus programas favoritos na vila. Charmosas demais, as ruas reúnem lojinhas que vendem de tudo um pouco: souvenir, licores como a Ginginha no copo de chocolate, vinhos, artesanato e muito mais. Não deixe de sentar-se em algum café ou restaurante –  vários deles com mesas nas ruas – para uma boa refeição, enquanto admira a arquitetura local. O meu preferido por lá? Sem dúvida alguma o cheio de história Cantinho do Lord Byron.

A dica é sempre levar um casaquinho dentro da bolsa, pois não é raro encontrar a serra de Sintra encoberta pelo nevoeiro. No ano passado, quando estive em Portugal em pleno verão, senti bem essa diferença climática. Enquanto Lisboa “ardia” de tanto calor, Sintra, apesar do Sol forte e do céu azul, estava com um ventinho frio. 

5. Verde e muita tranquilidade

Se você, como eu, gosta de estar cercado pela natureza, deve incluir o parque da Liberdade de Sintra no seu roteiro. Construído em uma encosta belíssima, o parque é cheio de trilhas muito legais – caso seja bem aventureiro, não esqueça de calçar um par de tênis – subidas e descidas entre bosques densos com cerca de 400 árvores, pertencentes a 60 espécies diferentes.

No local o visitante encontra, ainda, uma cascata que jorra água fria da serra, algumas obras de arte e um playground perfeito para a criançada. Até hoje não me perdoo por não ter feito um piquenique por lá.

Quando ir a Sintra

Portugal tem um dos climas mais quentes do continente europeu e prova disso é que, enquanto alguns países europeus “congelam” no inverno, a terra de Vasco da Gama surpreende o visitante com temperaturas mais amenas. A verdade é que Sintra pode ser visitada ao longo de todo ano, e mesmo que a intenção seja ir no verão, não deixe de levar um casaco. Confira a temperatura de Sintra neste exato momento, clicando aqui.

Onde ficar em Sintra

Aqueles que desejam passar uma ou mais noites em Sintra podem contar com sites como o Booking para encontrar hospedagem. Quanto mais próximo do centro histórico da vila, mais caro, geralmente, é o hotel. Mas como Sintra não é grande e bem fácil de ser percorrida a pé, não pense duas vezes caso encontre alguma boa oferta que fique nos arredores.

A Quinta da Regaleira

Como chegar a Sintra

Aqueles que se sentirem aptos podem alugar um carro e dirigir até a localidade, porém, saiba que o estacionamentos da cidade são pagos, além disso, encontrar uma vaga próxima ao centro histórico não é uma missão fácil. 

A maneira mais prática de acessar a vila é de trem. O transporte parte a cada 15 minutos da estação do Rossio, no centro de Lisboa, numa viagem de cerca de 40 minutos. A passagem custa €2,25.

Não é necessário comprar o bilhete com antecedência, portanto, ao chegar à estação dirija-se a uma das máquinas de vendas de passagens – com instruções em português, de fácil entendimento – ou ao balcão de atendimento, onde será atendido por um funcionário. Lembrando que antes de entrar na área das plataformas, e no trem, você deve validar o bilhete. Confira aqui os horários de partidas dos trens.

O Castelo dos Mouros, no topo

Ingressos

Os ingressos que dão direito à entrada nas principais atrações da cidade podem ser adquiridos no momento da visita, porém, dependendo da época, é possível que hajam filas. Pretende visitar todas as atrações mencionadas neste post? Então, economize adquirindo o bilhete combinado; para comprá-los com antecedência, clique aqui.

fonte: www.parquesdesintra.pt

Como se locomover por lá

Eu diria que a melhor forma é a pé, tanto na vila como no castelo e no palácio que ficam no topo. Aqueles que preferem o conforto de um bom transporte, no entanto, têm táxis e autocarros (ônibus para nós, brasileiros) que fazem o transporte dentro da vila. O ônibus 434 faz o Circuito da Pena, passando pelo Castelo dos Mouros, Palácio da Pena, Palácio da Vila e o Parque da Liberdade. O bilhete de ida e volta custa € 6,90, porém portadores do cartão Viva Viagem pagam € 6,40. Saiba mais sobre outros percursos aqui.

E você, leitor do Melhores Destinos, já esteve em Sintra? Deixe aí o seu comentário!