logo Melhores Destinos

Europa fecha acordo sobre seu passaporte de Covid que deve começar em julho: veja os detalhes

Rafael Castilho
Rafael Castilho
21/05/2021 às 8:31

Europa fecha acordo sobre seu passaporte de Covid que deve começar em julho: veja os detalhes

A União Europeia deu um passo importante para implementação do certificado de vacinação. Ontem o Conselho Europeu, que representa os 27 países do Bloco e hoje é presidido por Portugal, e o Parlamento Europeu finalmente chegaram a um acordo depois de semanas de debates.

Ficou definido que o documento será gratuito e pode ser pedido apenas por quem mora na Europa e foi vacinado, tem um teste negativo ou esteve recentemente doente e desenvolveu anticorpos à covid-19. O certificado terá a versão impressa e digital. Por meio de um QR Code as autoridades terão acesso às informações de saúde relacionadas à covid do passageiro.

O principal objetivo é facilitar as deslocações dentro do Bloco e retomada do turismo, principalmente agora com a chegada do verão. Pelo acordo, os passageiros portadores do Certificado Digital Covid da UE não precisarão cumprir quarentena e nem realizar testes adicionais ao desembarcarem em algum dos 27 países da União Europeia. Entretanto, as nações são independentes para adotarem medidas adicionais caso seja registrada a piora na situação epidemiológica de alguma região.

Os países também terão independência para decidir se aceitam os passageiros vacinados com outras vacinas não aprovadas no Bloco. Atualmente apenas quatro foram chanceladas pela UE, são elas: Pfizer, AstraZeneca, Janssen e Moderna. Sendo assim, os países terão que decidir, principalmente, sobre a entrada e viagens feitas por passageiros imunizados com a vacinas chinesas e russas.

Independentemente desta decisão, ficou acordado que o Certificado Digital Covid da UE – novo nome para antigo Certificado Verde Digital –  não é pré-condição nem será obrigatório para quem viaja. E da mesma forma também não garante, por si só, a entrada num determinado país.

Exames PCR grátis

Sobre a gratuidade dos exames de Covid, pedido feito pelos deputados do Parlamento Europeu, a Comissão Europeia comprometeu-se a mobilizar “100 milhões de euros adicionais, no âmbito do Instrumento de Apoio de Emergência para a compra de testes Sars-Cov-2 que se qualifiquem para a emissão de um certificado”, com objetivo de oferece testes mais baratos e acessíveis. Uma pesquisa feita pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) revelou que o alto valor nos testes pode prejudicar seriamente a retomada das viagens.

Agora o acordo sobre Certificado Digital Covid da UE deverá ser aprovado em definitivo pelo Conselho e Parlamento Europeu no início de junho. A previsão é que o documento já possa ser utilizado a partir de 1º de julho.