logo Melhores Destinos

O que fazer em Assunção: roteiro de 3 dias na capital do Paraguai

Redação
Redação
01/09/2018 às 20:46

O que fazer em Assunção: roteiro de 3 dias na capital do Paraguai

Tão perto e ainda incompreendido, o Paraguai é um vizinho ainda pouco visitado nos principais roteiros turísticos pela América do Sul. Muito além das compras em Ciudad del Este, a capital Assunção reserva uma rica história, belas paisagens e gastronomia de primeira. Nossa leitora e fã de carteirinha Priscila Somera, do Canal Mundo ao Vivo, aproveitou uma promoção para conhecer a cidade. Ela e o marido registraram a viagem no Instagram @mundoaovivo e compartilharam com a gente todas as suas impressões sobre a capital paraguaia, confira!


1º Dia

Chegamos a Assunção bem cedinho pela manhã e, como quase não dormimos no trajeto até a capital paraguaia, decidimos descansar no hotel e só sair na hora do almoço.

Assim, nosso primeiro dia começou mais tarde e foi dedicado basicamente a conhecer os pontos turísticos mais próximos do hotel.

Almoçamos no Lido Bar, um restaurante estilo boteco bem tradicional de Assunção que tem o seguinte lema: “Quien va a Paris y no ve la Torre Eiffel no conoce Paris. Quien va a Asunción y no conoce Lido Bar, no conoce Asunción” (em uma tradução simples: “Quem vai a Paris e não vê a Torre Eiffel, não conhece Paris. Quem vai a Assunção e não conhece o Lido Bar, não conhece Assunção”).

O bar, aberto desde 1953, é realmente um ponto de encontro dos moradores de Assunção, tanto é que todas as vezes que passamos na frente do local durante nossa estadia na capital paraguaia ele estava cheio (por isso também é bom chegar cedo para o almoço!). A comida, apesar de não ter nada de excepcional, estava bem saborosa. Vale a experiência por ser um lugar que os próprios paraguaios frequentam bastante!

Aliás, vale destacar que os preços das refeições e das bebidas em Assunção são muito semelhantes aos do Brasil, por isso não espere fazer uma grande economia caso pretenda ir a restaurantes!

Na praça em frente ao bar fica o Panteão Nacional dos Heróis (Panteón Nacional de los Heroes), monumento que atualmente é utilizado como um oratório católico. O interessante é o monumento começou a ser construído em 1863, mas somente foi inaugurado em 1936, porque a obra foi completamente interrompida durante a Guerra do Paraguai, em 1865, só sendo a construção retomada 70 anos depois. Infelizmente, quando fomos a Assunção o monumento estava fechado para reformas.

De sobremesa, fomos até a sorveteria Amandau, que tem diversas lojas espalhadas pela cidade. Além dos bons preços, achamos os sorvetes deliciosos, tanto é que repetimos essa sobremesa todos os dias.

A nossa próxima parada foi a Casa da Independência, única residência do período colonial totalmente preservada de Assunção e que hoje abriga um museu dedicado à independência do Paraguai. No local há guias que explicam um pouco da história do Paraguai enquanto andamos pelos cômodos da casa, tudo de graça (mas uma gorjeta ou doação é sempre bem vinda!).

A casa era utilizada para reuniões dos revolucionários e pertenceu a parentes do militar Pedro Juan Caballero, um dos integrantes mais ativos do movimento revolucionário que culminou na independência do Paraguai da Espanha em 15 de maio de 1811. É um ponto turístico imperdível que não pesa nada no bolso!

Depois, seguimos a pé até o Centro Cultural da República, conhecido também como Museu do Cabildo, onde há diversas exposições permanentes e temporárias muito interessantes e, melhor ainda, totalmente gratuitas! O centro cultural fica em um edifício histórico do século XIX que foi a sede do cabildo, órgão administrativo e judiciário do município, e a construção em si já é um espetáculo à parte.

Para encerrar bem o dia, jantamos no restaurante Ña Eustáquia, um lugar muito agradável, com comida gostosa e preços atrativos. Pedimos uma cervejinha acompanhada de uma porção de “milanesas” (petiscos empanados e fritos… super saudável…) e estava tudo delicioso.

Ao redor do centro também há inúmeros bares onde é possível estender a noite, mas, como bons jovens com almas velhas que somos, fomos para o hotel descansar para aproveitar bastante o próximo dia!

2º Dia

O segundo dia do roteiro foi dedicado a conhecer mais o centro histórico da cidade, o qual concentra a maior parte das atrações de Assunção e também pode ser facilmente percorrido à pé em apenas um dia.

Iniciamos o nosso passeio pelo Palácio del Gobierno, mais conhecido como Palácio de los López. O edifício de estilo neoclássico começou a ser construído em 1857 a mando do então presidente Francisco Solano López e sedia até hoje o gabinete da Presidência da República do Paraguai. A sede do governo paraguaio é uma das construções mais interessantes e emblemáticas de Assunção, mas infelizmente não é permitida a visita em seu interior.

A partir da Praça dos Desaparecidos, ao lado do Palacio del Gobierno, tem-se uma bela visão da Baía de Assunção e da avenida La Costanera, na qual há também um pista de caminhada que acompanha a orla da baía do Rio Paraguai. Aliás, esse é um passeio muito agradável para se fazer em um fim de tarde, seja à pé mesmo ou alugando uma bicicleta no local!

Logo em frente ao Palacio del Gobierno temos o Centro Cultural de la Ciudad, mais conhecido como Manzana de la Rivera, formado por nove casas históricas de estilo colonial que faziam parte de uma vila espanhola do século XVIII e que hoje abrigam exposições temporárias e permanentes, um café e uma biblioteca, além de áreas para eventos.

A uma curta caminhada do centro cultural, atravessando a Plaza de Armas e a Plaza del Congresso, está a Catedral Metropolitana de Asunción (que também tem o nome de Catedral de Nuestra Señora de la Asunción), um dos templos católicos mais belos da cidade. A atual construção teve origem no ano de 1842, mas desde 1539 havia um templo católico no local, sendo que a primeira igreja lá construída foi feita de folhas de palmeira e adobe (tijolos de argila). O templo possui uma fachada neoclássica muito bonita e no interior da catedral funciona um museu com objetos litúrgicos e arte sacra. Se tiver sorte, dá para entrar na Catedral Metropolitana durante uma missa.

Almoçamos no Restaurante Bolsi, lugar muito agradável com uma comida deliciosa e preço justo! No restaurante há diversas opções de comida internacional, mas também pratos tipicamente paraguaios, como as milanesas e empanadas.

Depois, fomos andando até a Plaza de la Democracia e a Plaza de la Liberdad, em frente às quais fica o belo edifício do Banco Nacional de Fomento e onde há também uma feirinha de rua que funciona de segunda a sábado. Na feirinha é possível encontrar não apenas roupas, artesanatos típicos e lembrancinhas com excelente custo-benefício, mas também cuias, bombas e garrafas térmicas super trabalhadas para tomar tereré (erva mate com água gelada), uma bebida tipicamente paraguaia que também é muito apreciada em diversas regiões do Brasil (inclusive nosso lindo Mato Grosso do Sul).

Para a noite, a dica é consultar antecipadamente a programação do Teatro Municipal Ignacio A. Pane pelo seu site oficial. Quando estivemos na capital paraguaia, assistimos a um concerto da orquestra sinfônica de Assunção em comemoração ao mês da Itália no Paraguai, com a participação de uma solista italiana. A entrada foi gratuita e o espetáculo foi magnífico!

Encerrando a noite, jantamos no Bar San Roque, um dos mais tradicionais da cidade. Pedimos uma milanesa e um macarrão a carbonara e os pratos foram muito bem servidos, com preços bem parecidos com os do Brasil.

3º Dia

Para começar bem o dia, nada como dar uma volta pela Plaza Uruguaya, que foi recentemente revitalizada e serve ponto de encontro para a prática de esportes e confraternizações. A praça funcionou originalmente como um curral de animais, posteriormente convertido em um quartel do exército. Com o fim da Guerra da Tríplice Aliança (mais conhecida pelos brasileiros como “Guerra do Paraguai”), o terreno foi vendido e convertido em uma praça, que em 1885 passou a se chamar “Plaza República del Uruguay” em homenagem ao governo daquele país, pelo perdão das dívidas paraguaias decorrentes da guerra.

Em frente à praça está o Museu Histórico Ferroviário de Assunção (Museo de la Estación Central del Ferrocarril), que funciona dentro de uma estação de trem que foi inaugurada no ano de 1864. No local, podemos ver equipamentos, documentos e fotos da época em que a linha ferroviária de passageiros de Assunção ainda estava ativa. Além disso, há no local uma Maria-fumaça muito bem conservada e podemos inclusive entrar em um vagão de passageiros do século  XIX. A entrada do museu custa apenas 10.000 PYG (cerca de R$ 6,00) e vale o investimento não apenas para conhecermos um pouco mais da história, mas também para ajudar a preservar este lugar que já teve tantos dias de glória.

Como já tínhamos conhecido a maior parte dos monumentos e edifícios existentes no centro histórico, decidimos dar uma passada pela Igreja da Encarnação, um templo católico situado em uma das colinas de Assunção. A construção da igreja se iniciou em 1893, mas até hoje ela está inacabada, tanto é que não é aberta para visitação, mas como não sabíamos deste fato, acabamos subindo a colina e, já sem fôlego lá no topo, alguns trabalhadores da igreja sentiram compaixão por nós e nos deixaram entrar no templo. A igreja possui uma fachada em estilo romanocoríntio e sua decoração interna é bem simples, mas não deixa de ter sua beleza.

A gente também investiu um bom tempo apenas apreciando os grafites e murais espalhados por Assunção. São tantas intervenções artísticas na arquitetura urbana que o centro histórico parece até um museu a céu aberto!

Hora de entrar em um táxi ou pegar um ônibus e ir até o Museu Nacional de Belas Artes de Assunção. Fundado em 1909 pelo colecionador Silvano Godoy, diretor geral de museus e Arquivos do Paraguai, o local exibe mais de 84 peças e arte e diversos móveis de época que pertenceram ao seu criador. Mais um museu totalmente gratuito e com um acervo encantador!

Para terminar o dia e o roteiro em grande estilo, é só ir até o Shopping Paseo La Galeria, repleto de lojas, restaurantes e bares bem legais.


Agradecemos à Priscila pelo relato! E você, quer compartilhar seu roteiro de viagem com a gente? Envie seus textos e fotos para convidado@melhoresdestinos.com.br, o próximo a ser publicado pode ser o seu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *