logo Melhores Destinos

Viaje sozinha! Conheça os destinos preferidos das editoras do MD para experiências inesquecíveis

Bruna Scirea
08/03/2021 às 9:07

Viaje sozinha! Conheça os destinos preferidos das editoras do MD para experiências inesquecíveis

Reunimos neste post os destinos para os quais nós, editoras do Melhores Destinos, mais gostamos de viajar sozinhas. A nossa equipe de viagens, aliás, é 100% composta por mulheres – e a gente vai para onde bem entender! Afinal, mulher viaja para onde quiser, não é?

Os relatos a seguir são de acordo com nossas próprias experiências de viagens: destinos em que já estivemos, nos sentimos seguras e pudemos aproveitar com máxima liberdade a nossa própria companhia. Tem opção para quem curte natureza e talvez tenha como objetivo se conectar consigo mesma e também sugestões de cidades cheias de atividades, em que o tédio não tem vez e as oportunidades de fazer novos amigos são grandes.

Confira a seguir os lugares onde tivemos algumas das nossas melhores experiências sozinhas E não deixe de ler nosso post com dicas para mulheres que viajam sozinhas. Avante, garotas!

Ah, e você é do time que ainda não se sente com coragem para se aventurar por aí, tudo bem. Só pedimos que você leia de qualquer maneira – temos certeza que terminará a leitura bem inspirada 🙂

Lisboa: boa comida, ruas lindas para bater perna e atrações sem fim!


Bruna Scirea
Editora de Promoções

Já viajei para alguns lugares sozinha, mas o destino em que mais me senti à vontade para caminhar, desbravar, almoçar e visitar atrações na minha própria companhia foi Lisboa. A capital de Portugal é bastante segura e um deleite para os olhos, barriga e mente – e eu não preciso mais do que isso. As ruelas estreitas e coloridas, os mirantes espalhados pelas colinas da cidade, os restaurantes com mesinhas na rua e as atrações despretensiosas, que contam a história do país e também tem um pézinho no futuro, como as da região do Parques das Nações, são perfeitas para preencher os dias de férias. Veja dicas do que fazer em cada bairro de Lisboa.

Minha sugestão é passar pelo menos cinco dias na cidade, podendo fazer incríveis bate-voltas até Sintra e Cascais – tudo de trem, sem a necessidade de alugar um carro sozinha. Em Lisboa, o grande atrativo para mim é sem dúvida bater perna pelos bairros, reservar um pôr do sol para tomar uma cervejinha em algum mirante, entrar nas lojas do Chiado e bairro Alto (se o bolso ajudar, claro), beliscar os queijos e embutidos no Mercado da Baixa, comer pratos de chefs famosos e com bons preços no Mercado da Ribeira (TimeOut Market) e, à noite, ir à Tasca do Chico no Bairro Alto para curtir um bom fado – e de repente até conhecer gente nova.

Para as mulheres que gostam de vinho, super recomendo uma passada descompromissada no Black Sheep, um barzinho minúsculo, de uma só porta, onde há uma boa seleção de vinhos naturais portugueses. Saí de lá sabendo muito mais sobre a nova tendência do mundo dos vinhos – e estiquei a noite com um grupo de australianos que conheci na calçada. Às vezes sou dessas.

Gosto de viajar sozinha para lugares em que não falta o que fazer. No Brasil, portanto, um dos meus destinos preferidos para voos solos é São Paulo. Um bate-perna pelas diferentes regiões pela manhã, almocinhos deliciosos ao meio-dia (oi, Bairro da Liberdade!), de repente um show ou teatro à noite… e assim vai, um dia após o outro! Não tem tédio, só oportunidades para ter experiências diferentes e puxar conversas que provavelmente não teríamos se viajando acompanhadas. Sem contar que quase todos temos conhecidos e amigos em São Paulo… o que rende também encontros bacanas! Veja dicas do que fazer de graça em São Paulo.

Viajar sozinha, mas para perto de amigos é ainda melhor. Esta é a Mari, uma amigona que mora em Lisboa <3


Nova York: um lugar perfeito para visitar e não se sentir só


Camille Panzera
Editora de Destinos

Ao longo dos anos fazendo parte da equipe do Melhores Destinos tive a oportunidade de conhecer muitos destinos mundo afora, vários deles viajando sozinha. Embora muita gente tenha um certo receio de viagens solo, pode ser também uma maneira de fazer uma programação em seu próprio ritmo, sem amarras, e se ver lugares por um novo prisma.

Minha sugestão para uma viagem sozinha é Nova York. A cidade é um destino cheio de possibilidades, que sempre tem novas atrações, algum novo evento ou alguma coisa nova para ver e fazer. Com tantas alternativas e boas condições de segurança, é um lugar perfeito para visitar e não se sentir só.

Poder andar pelas ruas da cidade, das mais movimentadas às mais pacatas, descobrir pequenos restaurantes, lojas e admirar cenários por novos ângulos é um prazer simples e libertador. Nova York é convidativa aos passeios a pé e também a fazer novas amizades, se esse for o seu desejo.

Vale a pena reservar entre 5 e 7 dias inteiros para curtir a cidade até mais dias, se você tiver tempo disponível. Hospede-se em Manhattan, que é mais central, e não deixe de fazer um passeio no Central Park, pelo High Line e de curtir um dos edifícios com vista panorâmica da selva de pedra. Um fim de tarde no Brooklyn também cai muito bem, assim como um happy hour em um rooftop. Há tanto o que fazer em Nova York que as férias por lá serão muito bem aproveitadas e cheias de novos aprendizados. Confira 75 dicas para uma viagem a Nova York.


Nova Zelândia: “uma das melhores experiências da minha vida”


Monique Renne
Editora de Destino

Nessa rotina de viajante, já tive a oportunidade de visitar centenas de destinos sozinha. Poucas vezes me senti insegura, mas sei dizer com exatidão os lugares onde fui mais bem acolhida como mulher viajando sozinha. Sem dúvida, uma das melhores experiências da minha vida, foi viajar pela Nova Zelândia. E nem digo isso com base no fato do país figurar em diversas listas de melhores destinos do mundo para mulheres que viajam sozinha, mas sim pela real experiência de segurança e conforto que senti nos 21 dias que estive viajando sozinha, de campervan, entre a Ilha Norte e a Ilha Sul.

Na Nova Zelândia também tive a oportunidade de saltar de parapente

No meu roteiro pela Nova Zelândia, dormi em diversos campings, fiz trilhas maravilhosos, passeios incríveis, dirigi em estradas desafiadoras e em momento algum tive problemas por ser mulher e estar viajando sozinha. E é tão nítida a diferença para outros destinos, que é impossível não de apaixonar pela Nova Zelândia e querer voltar muitas vezes mais!

Já por aqui, me senti acolhida em diversos destinos do Brasil. Ainda que muitos sejam sim convidativos a viagem solo, acho que muitas vezes as mulheres se sentem mais confortáveis viajando sozinhas por roteiros que incluem atrações e passeios em grupo. Seguindo essa linha, considero os Lençóis Maranhenses um lugar incrível para uma viagem pelo Brasil. Os passeios são sempre em grupo e será fácil fazer amigos, encontrar companhia, bater um papo e também curtir um pouquinho momentos solo, já que a imensidão daquela paisagem nos faz sentir únicos no mundo!

Felizona após ter vencido a trilha do Vale do Pati, na Chapada Diamantina

Na mesma linha, outras boas pedidas são o Jalapão, Alter do Chão e a Chapada Diamantina. Cada um com encantos únicos, mas sempre com pessoas queridas e grupos incríveis para compartilhar a viagem.


Amsterdã: charmosa, segura e animada


Thayana Alvarenga
Editora de Conteúdo

Em um mundo onde ser mulher requer o triplo de cuidados, viajar sozinha é um tanto desafiador, então é sempre importante escolher com muita atenção o destino. Se você quer ir para a Europa, uma boa pode ser visitar Amsterdã, na Holanda, com seus charmosos canais, arquitetura de encher os olhos, bares que prometem não decepcionar se o assunto é animação e cerveja gelada, além de muito mais em termos de história! A capital é considerada uma das mais seguras do mundo, o que torna a viagem mais tranquila, muito importante quando se está sozinha em outro país.

Meu amigo Bob Marley e eu: uma grande dupla no museu de cera Madame Tussauds

Essa sensação de segurança se confirma na prática, pois já fui a Amsterdã algumas vezes e sempre tive a mesma impressão. Os holandeses me pareceram muito receptivos, até mesmo para dar uma simples informação. Sem contar que a energia da cidade é realmente diferenciada, você não se sente em perigo em momento algum andando pelas ruas, inclusive à noite, quando estive no famoso Red Light para conhecer o lado B da capital holandesa.

Claro que estas regiões menos iluminadas são um prato cheio para os batedores de carteiras, portanto é importante reforçar a atenção e ter mais cautela com os pertences. Tem muita coisa interessante para desbravar na cidade e a programação é para todos os gostos, mas o mais importante é não deixar de explorar o mundão por medo de estar sozinha!

Em tempos de euro nas alturas, uma opção para as mulheres que vão viajar sozinhas para Amsterdã e querem economizar na hospedagem é ficar em hostel. Essa dica é ótima, já que é possível reservar quartos para dividir exclusivamente com outras mulheres, aumentando a segurança de quem dorme ali no mesmo ambiente que você. Confira os locais disponíveis com hostel em Amsterdã, além do nosso guia completo com todas as informações para a sua viagem!


Arraial do Cabo: um paraíso para curtir sua própria companhia


Géssyca Medeiros
Analista administrativo

A experiência de viajar com amigos foi algo surreal pra mim, incrível e mágico. Uma viagem que sempre lembro foi quando segui com um grupo de amigos para o Rio de Janeiro. Na época eu não sabia nadar, durante a viagem usei uma boia linda rosa pink que uma amiga levou, que me deu segurança e isso só tornou tudo ainda mais divertido. Foi tudo tão sensacional que eu voltei da viagem tão apaixonada pelo mar que já fui logo atrás de aulas de natação e aprendi. Voltei de lá mais forte, renovada e confiante.

Essa experiência me despertou a curiosidade de viajar sozinha. Assim, anos depois criei coragem e fiz as malas. E para onde eu fui? Para o mesmo destino de quando fui com meus amigos: Arraial do Cabo, Rio de Janeiro.

E o dia chegou! Eu que sempre tive medo de viajar sozinha, pela primeira vez estava em uma praia sozinha e jamais esquecerei essa sensação que pra mim foi uma mistura de medo, ansiedade, insegurança, curiosidade, surpresa, vontade de compartilhar algo – “comigo apenas”, felicidade, várias lembranças da vida e por fim o autoconhecimento. Sinceramente, foi o conjunto de sensações mais louco que pude sentir na vida.

Em pouco tempo aquele medo de viajar sozinha foi passando e eu estava ali já mentalizando novas viagens. Tive experiências incríveis, me conheci, fiz meu roteiro, meus horários, novos amigos e me diverti muito e apesar de ser um destino que tinha ido outras vezes, foi uma experiência completamente diferente. Jamais imaginei o quão legal pudesse ser uma viagem sozinha e o quanto isso significaria pra mim.

O mais legal disso tudo? As duas experiências contribuíram de forma importantíssima na minha vida. Nas duas perdi medos que carregava ao longo de anos. Eu diria que foi superação mesmo. É o ir além, de buscar o novo e não ter medo de arriscar, tomar os cuidados devidos, seguir e ir por você. Claro que o o destino escolhido ajudou muito. Achei Arraial do Cabo muito tranquilo, seguro e com várias opções tanto pra quem viaja sozinho quanto acompanhado.

Agora quando penso em uma viagem não sinto mais aquele friozinho na barriga por ir sozinha. Fico ainda mais curiosa pra saber o que de novo vou aprender, o que vou conhecer e a cada viagem me sinto mais segura para ir mais longe.
Próximo destino? Já tenho algo em mente. Algo que provavelmente nunca pensei que teria coragem. Medos? Tenho também. Mas agora entendo que posso superar isso e ter experiências incríveis também viajando sozinha.


Lençóis maranhenses: eu, a natureza e Deus


Mari Kateivas
Redatora

Demorei para pegar estrada comigo mesma. A primeira vez que viajei sozinha já tinha meus 28 anos e algumas viagens nas costas. Ou seja, mesmo com certa experiência em viajar, ainda não tinha encarado um rolê só com a minha companhia e meus pensamentos. E sabe de uma coisa? Não sei o motivo de ter demorado tanto! Antes da partida, tive muitos anseios, é verdade. Mas quando cheguei ao destino, lá estava eu, me ouvindo com a calma que, talvez, eu nunca tive antes – e isso foi maravilhoso!

Meu destino preferido para essa experiência é o Maranhão, especificamente os Lençóis Maranhenses. Além da tranquilidade da cidade base de Barreirinhas, que oferece segurança e muita paz, o povo acolhedor e a natureza te abraçam, afastando a temida solidão. Lembro como se fosse hoje… enquanto olhava o mar de areia, pensava que não havia nada melhor do que estar lá: eu, as dunas e Deus.

Essa viagem foi uma grande vivência de autoconhecimento e conexão comigo mesma, espiritualmente e emocionalmente. Foi libertadora e recomendo muito para outras mulheres.

Justamente por viajar sozinha, estava aberta para conhecer outras pessoas e conversei com muita gente. Inclusive, com um grupo de três senhoras, que viajavam felizes da vida sem os maridos, haha. Outro ponto interessante do destino é que os passeios costumam ser feitos em grupo, então, no fim, sempre terá com quem dividir a experiência e se sentir mais confortável por não ficar totalmente sozinha em um lugar que possa precisar de alguma ajuda (já que fica afastado de tudo). Garanto que a viagem é maravilhosa, só vá!


Visconde de Mauá: vista a roupa colorida, calce o velho tênis e siga o caminho pro interior

Duda Machado
Redatora

Se tem uma coisa que me faz suspirar e agradecer é me lembrar que o destino das minhas viagens de infância acabou se tornando um dos meus favoritos da vida adulta! Não é atoa que quando ouço uma das minhas músicas favoritas: “Caminho pro Interior”,  da cantora paulista Bruna Caram, me lembro de muito do que vivi por lá. Afinal, lugares e canções têm muito em comum, são fiozinhos que puxam memórias amadas da nossa existência…

Fotinho de 2013 com a ponte da Alameda Gastronômica ao fundo 🙂

É claro, as brincadeiras de roda com as netas da dona Fátima – proprietária da nossa pousada favorita – e os afetos trocados com meus pais fizeram esse cantinho ter um lugar especial no meu coração, mas se ele não reservasse tantos encantos naturais e gente acolhedora, tenho certeza de que eu não continuaria voltando pra lá para aproveitar sozinha e com as amigas.

Este povoado fica a 200 km da capital fluminense, o que equivale a cerca de 2h50 de carro.  Localizado na divisa de Minas Gerais (Bocaina de Minas) e Rio de Janeiro (Resende), Visconde de Mauá é um pequeno vilarejo de duas ruas – uma que vai e outra que volta. Todo o seu chame está concentrado nas pequenas lojas de artesanatos, restaurantes fofos e de arquitetura simples, típicos da Serra da Mantiqueira.

Avançando mais alguns quilômetros estão outras duas vilas: Maringá e Maromba. A primeira abriga “a noite” do destino. Sua alameda gastronômica – cortada por um rio que a divide entre os estados do RJ e MG – oferece uma culinária de encher a boca d’água. Já a vila de Maromba era o lugar mais frequentado por uma comunidade hippie local e até hoje tem esse clima. As três vilas são cercadas por uma beleza verde de tirar o fôlego e banhadas por cachoeiras incríveis. 

Mauá, como nós íntimos chamamos, te faz sentir segura e abraçada – com vontade de largar tudo e viver da sua própria arte, rs. Brincadeiras à parte, seja sozinha, com as amigas ou com seu bichinho, esse é um destino perfeito para se reconectar consigo mesma, se conhecer mais, descansar e comer bem. Afinal, nada melhor do que estar pertinho da natureza, conhecendo paisagens e cachoeiras belas e aproveitando o friozinho da serra. Vista o velho tênis, a roupa colorida e só vai! Será lindo!


E você? Já viajou sozinha? Para que destinos? Se ainda não tem coragem ou vontade de descobrir o mundo com a sua própria companhia, o que te prende? Participe nos comentários!

Não perca nenhuma oportunidade!
ícone newsletter E-mail diário com promoções Receba as ofertas mais quentes no seu e-mail
tela do app do melhores destinos
Baixe grátis o nosso app Seja notificado sempre que surgir uma promoção