Atenção! Latam Pass vai taxar passagens emitidas com pontos a menos de 90 dias do voo a partir de 1° de julho

Daniel Gadelha
Daniel Gadelha
29/06/2020  ·  13:1029 · jun · 2020  ·  13:10

Atenção! Latam Pass vai taxar passagens emitidas com pontos a menos de 90 dias do voo a partir de 1° de julho

Atenção pessoal! Essa semana vai entrar em vigor no Latam Pass a cobrança de uma taxa para o resgate de passagens com pontos para viajar com menos de 90 dias de antecedência para destinos nacionais, ou menos de 120 dias para viagens internacionais. Essa nova taxa foi anunciada em fevereiro e começa a ser cobrada a partir de 1° de julho.

Quanto custa a nova taxa de resgate de passagens do Latam Pass?

Para voos nacionais, o valor é de R$ 17 por trecho. Já para viagens internacionais, a tarifa é cobrada em dólares, sendo US$ 9 por trecho para viagens na América do Sul ou entre América do Sul e Caribe e US$ 21 por trecho para os demais destinos internacionais.

Taxa de resgate Latam Pass

A nova cobrança encarece os resgates. Considerando US$ 1 = R$ 5,50, uma viagem de ida e volta para os Estados Unidos irá custar R$ 231 a mais por pessoa caso seja emitida com menos de 120 dias de antecedência do voo. Para uma família de quatro pessoas, o custo adicional será de R$ 924, ouch.

A taxa não será reembolsada caso o usuário solicite o cancelamento da reserva. A única exceção é para casos em que o voo tenha sido alterado ou cancelado pela companhia e o cliente solicite o cancelamento da viagem.

Como não pagar a taxa de resgate do Latam Pass?

A primeira opção é resgatando sua passagem até terça-feira, 30 de junho. Após essa data, é possível evitar a taxa emitindo os voos com pontos com 90 dias de antecedência para viagens nacionais ou com 120 dias de antecedência para viagens internacionais.

Infelizmente, o programa não vai oferecer nenhum canal por onde a cobrança não seja feita. Até mesmo clientes Latam Pass Platinum, Black e Black Signature, que são isentos da cobrança da taxa de cancelamento de bilhetes emitidos com pontos, também serão cobrados pela taxa de resgate.

Outra opção é resgatar pontos Latam Pass para voar em companhias parceiras. Mesmo tendo deixado a aliança Oneworld, a Latam manteve parceria com quase todas as empresas membro e, para este tipo de emissão, a taxa de resgate não irá incidir. O desafio é conseguir achar disponibilidade… Além disso, o resgate de viagens contendo apenas voos de parceiros segue uma precificação fixa de acordo com origem, destino e cabine, confira as tabelas de resgate Latam Pass em companhias parceiras.

Vale lembrar que o resgate de pontos para voar em empresas parceiras é mediante disponibilidade das classes tarifárias negociadas entre as companhias.

Latam Pass não é pioneiro na cobrança da taxa de resgate

O Latam Pass não é o primeiro programa de fidelidade a cobrar uma taxa para que os usuários resgatem seus pontos. A tarifa já é praticada por programas estrangeiros como LifeMiles, da Avianca Internacional, TAP Miles&GO e MileagePlus, da United Airlines. No entanto, a grande maioria dos programas não cobra nenhuma taxa. O AAdvantage, da American Airlines, deixou de cobrar a taxa de US$ 75 para emissão de bilhetes com menos de 21 dias de antecedência do viagem em janeiro deste ano.

No Brasil, o TudoAzul cobra uma “taxa de conveniência”, que custa a partir de R$ 39,90 para voos domésticos e R$ 100 para voos internacionais para emissões feitas pelo site e call center. Mas, nesse caso, é possível evitar esse custo ao emitir a passagem pelo app do programa no celular, independente da antecedência da viagem. Já a Smiles não demonstrou, pelo menos até o momento, intenção em praticar uma taxa desse tipo. Esperamos que assim permaneça! E, caso implemente, que faça como o TudoAzul que oferece uma opção para realizar o resgate sem a cobrança. Outra opção seria isentar os clientes elite independente do canal onde é feito a emissão.

Vale a pena utilizar o Latam Pass e pagar pela taxa de resgate?

Apesar de estar muito insatisfeito com essa nova taxa, a Latam é a empresa que atende mais destinos internacionais para onde costumo voar e o valor dos resgates costuma ser mais baixo do que em outros programas – embora não seja regra. Eu já emiti passagem de Fortaleza para Miami por 14 mil pontos, de Fortaleza para Nova York por 24 mil pontos e de Paris para São Paulo por 35 mil pontos – valores por trecho em classe econômica. Por isso, não posso simplesmente fazer o que tenho vontade, que seria abandonar o programa!

Além disso, o resgate de passagens com parceiros segue uma tabela fixa, algo muito valorizado pelos viajantes milheiros e que não existe mais na Smiles e no TudoAzul. As tabelas oferecem sweetspots, mas o desafio para encontrar disponibilidade e emitir a passagem pode ser enorme. Muitas vezes o site mostra os voos mas apresenta erro e o usuário não consegue finalizar a compra. Além disso, não existe disponibilidade em alguns parceiros, como Qatar e Cathay Pacific, mesmo através da central de atendimento.

Como saber se pagar a taxa de resgate vale a pena? Quando a taxa começar a ser cobrada, irei considerá-la um custo adicional ao preço do resgate fazendo a seguinte conta:

Por exemplo: Em uma viagem de São Paulo para Miami que custe 60 mil pontos ida e volta, a taxa de resgate será de R$ 231 (US$ 42 x R$ 5,50). Sabemos que frequentemente o Latam Pass vende pontos com 60% de desconto e que, aproveitando essa oferta, cada ponto custa R$ 0,028. Considerando esse valor, R$ 231 seria o equivalente a 8.250 pontos a mais necessários para o resgate.

Dessa forma, vou considerar que a passagem não custa 60 mil pontos, mas sim 68.250 pontos. Sendo assim, esse será o custo que terei em mente antes de resgatar bilhetes no Latam Pass e será o valor que irei me basear ao comparar o mesmo resgate em outros programas.


E você, vai continuar utilizando o Latam Pass com a mesma frequência após a cobrança da taxa de resgate?

Veja também: