logo Melhores Destinos

Quando brasileiros poderão viajar novamente para a Europa sem restrições?

Leonardo Cassol
Leonardo Cassol
31/03/2021 às 8:15

Quando brasileiros poderão viajar novamente para a Europa sem restrições?

Todos os dias recebemos mensagens perguntando qual é a previsão de retomada de viagens de brasileiros para a Europa, sem as restrições impostas pelos países da União Europeia. Afinal, ao invés de reduzirem as barreiras, alguns países bloco, como Portugal, foram na direção contrária e decidiram banir temporariamente os voos para o Brasil, com receio da mutação P1, nova variante que foi encontrada pela primeira vez em Manaus e que se espalhou por todo o Brasil.

Apesar de não existir uma data ou previsão oficial, é possível ter uma ideia mais clara de quando isso deve ocorrer, com o avanço das campanhas de vacinação e com as medidas definidas até aqui pela Comissão Europeia.

Qual a previsão do fim das restrições de viagens dos brasileiros para a União Europeia?

Infelizmente, o cenário mais provável é que as restrições para países de fora do bloco, como o Brasil, sejam mantidas pelo menos até o final do verão europeu, em setembro de 2021. E não está descartado que isso ocorra somente em 2022. Para uma flexibilização, é necessário que a vacinação atinja pelo menos 70% da população adulta na Europa, não sendo impossível que os governos esperem até que toda a população adulta seja imunizada.

Os países do bloco enfrentaram problemas com o fornecimento dos imunizantes, o que deixou a vacinação mais lenta do que o esperado. Mas, recentemente, o chefe da força-tarefa da União Europeia sobre vacinas, Thierry Breton, afirmou que o bloco trabalha com a possibilidade de atingir a imunidade de rebanho da Covid-19 a partir da metade do mês de julho. E disse também que a temporada de férias de verão seria “igual a do ano passado”, por conta das campanhas de vacinação nos países-membros do bloco. Se isso acontecer, poderá abrir espaço para medidas de flexibilização, mas que devem começar com o turismo interno.

Por isso, é bom ter cautela! Como a pandemia se agravou muito aqui no Brasil, nada impede que a Comissão Europeia libere apenas o turismo dentro do bloco, ou de viajantes dos Estados Unidos e de outros países que conseguiram controlar a pandemia e não tenham problemas com novas variantes, mantendo as restrições que atingem os brasileiros.

Por exemplo, a Grécia anunciou neste mês que planeja reabrir para estrangeiros em maio e ainda arcar com gastos médicos dos turistas. Mas tudo indica que essa reabertura será para turistas de dentro da comunidade europeia, e não de fora…

Zakynthos Navagio Beach

A famosa Navagio Beach na Grécia

Vacina

Olhando para o futuro, um fator que poderia levar a União Europeia a manter as restrições para o Brasil mesmo após o fim do verão seria se uma das vacinas utilizadas no bloco se mostrasse ineficaz contra a mutação P1 (a variante de Manaus), que se disseminou rapidamente e hoje está presente em quase todos as cidades brasileiras. Mas, felizmente, os estudos divulgados até agora mostraram que as vacinas desenvolvidas pela Oxford/AstraZeneca e pela Pfizer–BioNTech são eficazes contra esta variante. Ainda existem testes em andamento, mas os resultados até agora foram animadores.

Outro risco a se monitorar seria o surgimento no Brasil de uma nova mutação dominante do coronavírus até setembro, algo possível de acontecer por conta do agravamento da pandemia por aqui. Neste caso, seria necessário realizar novos testes com as vacinas, o que levaria alguns meses. Como já temos problemas demais, só nos resta fazer a nossa parte e torcer para isso não acontecer!

Já Reino Unido, que não faz mais parte do bloco, está avançando com mais velocidade na vacinação. O governo britânico comemorou a vacinação de mais de metade da população, com 33 milhões de imunizados até março de 2021. E já começa a planejar uma terceira dose de reforço da vacina contra a covid-19 a partir de setembro, para reforçar a imunidade contra novas variantes do coronavírus. Lá também foram utilizados os imunizantes da Oxford/AstraZeneca e da Pfizer-Biontech. Mas o governo informou que espera que até oito vacinas estejam aprovadas até o outono europeu.

Por que a União Europeia não libera logo a entrada de brasileiros que foram vacinados?

Porque, infelizmente, nenhuma vacina garante que os imunizados não vão transmitir o vírus. As vacinas asseguram que você não vai desenvolver a doença, ou uma forma grave dela. Mas, ainda assim, os vacinados podem contrair e espalhar o vírus. Por esse motivo, apenas a vacinação da própria população daria  segurança ao governo de não ter uma nova onda de pandemia.

Por que Portugal, Reino Unido e outros países da Europa proibiram os voos para o Brasil?

Por conta da mutação P1 (a variante de Manaus), que se disseminou rapidamente e hoje está presente em quase todos as cidades brasileiras. Os governos querem evitar que viajantes vindos do Brasil disseminem essa mutação em território europeu, provocando uma nova onda de contágio (como aconteceu lá com a variante do Reino Unido).

Os cientistas descobriram que determinados exames RT-PCR podem não detectar com precisão novas variantes do coronavírus, o que alertou as autoridades sanitárias. Além disso, há o risco das novas variantes reduzirem a eficácia das vacinas que estão sendo aplicadas no continente. Então, até ficar mais claro que testes são ou não eficazes para identificar as novas mutações, e que as vacinas são de fato seguras, os voos podem continuar suspensos. Portugal e o Reino Unido, por exemplo, prorrogaram novamente a proibição dos voos para o Brasil, pelo menos até 15 de abril.

Quais as restrições atuais para a entrada de brasileiros nos países da União Europeia?

Atualmente, apenas brasileiros com residência na Europa, passaporte europeu, ou com parentesco de primeiro grau com cidadãos do continente estão sendo admitidos de acordo com a política de cada membro do bloco.

A Comissão Europeia atualiza frequentemente a lista de nacionalidades com entrada liberada no bloco, que atualmente é válida para os seguintes países: Austrália, Nova Zelândia, Ruanda, Coreia do Sul, Tailândia e Singapura. E a China (incluindo Hong Kong e Macau), desde de que adotem a reciprocidade. Cidadãos do Reino Unido e dos Estados-cidades ou enclaves europeus de Andorra, Mônaco, Vaticano e San Marino serão considerados residentes.

As restrições estão sendo atualizadas com grande frequência. Alguns países, por exemplo, permitem conexões de brasileiros para outras regiões. Outros não! Então é bom consultar com cautela antes de planejar uma viagem que tenha parada na União Europeia ou no Reino Unido.

A União Europeia mantém um portal online para facilitar e informar os turistas que pretendem viajar para os países do Bloco. Veja aqui os detalhes de como está a situação em cada país, disponível em português.

Devo remarcar minha viagem programada para a Europa?

Para quem já tem passagem comprada até setembro de 2021 e não tem cidadania europeia, vale a pena aguardar o desdobramento dos cenários (a esperança é a última que morre e nós adoraríamos sermos surpreendidos com um desbloqueio antes do esperado!), mas já prevendo o cancelamento ou adiamento da viagem. O ideal é esperar a companhia aérea cancelar o voo ou atualizar a política de remarcação sem custo para o período da sua viagem. Assim você terá mais opções para remarcar ou gerar o crédito sem precisar gastar mais dinheiro.

Quem tem planos de viajar, mas ainda não comprou a passagem, o ideal é aguardar novas atualizações da Comissão Europeia. Se for reservar, fazer para a data mais a frente possível (de preferência para o segundo semestre de 2021), sempre consultando a política de flexibilidade oferecida pela companhia aérea, no caso de no futuro você precisar remarcar a viagem. A maioria das empresas segue oferecendo remarcação de voos sem multa, pagando somente uma eventual diferença de tarifa.

É importante destacar que o Governo Federal prorrogou até 31 de outubro as regras especiais para o cancelamento de passagens aéreas nacionais e internacionais. Nesse período, as empresas continuarão tendo 12 meses para devolver valores gastos em viagens, podendo aplicar multas nesses casos. Em contrapartida, os clientes poderão ficar isentos das penalidades caso aceitem o crédito para uma utilização futura, dentro de um prazo de 18 meses após a solicitação.

Confira o nosso post “Passagens aéreas na pandemia: guia para remarcar ou cancelar gratuitamente sua viagem”

Naturalmente, vamos acompanhar atentamente essa questão, trazendo informações atualizadas sobre as políticas para turistas brasileiros de cada país, como esse tira-dúvidas de quem pode viajar para Portugal agora.


E você, tem planos de viajar em 2021 para a Europa? Teve alguma viagem afetada pela pandemia? Comente e participe!

Nota: esse post foi originalmente escrito em agosto de 2020 e atualizado em 31 de março de 2021, após o início da vacinação e com os últimos acontecimentos.

Veja também: