logo Melhores Destinos

Será que o coronavírus vai colocar fim aos odiados assentos do meio dos aviões?

Thayana Alvarenga
Thayana Alvarenga
23/04/2020 às 13:16

Será que o coronavírus vai colocar fim aos odiados assentos do meio dos aviões?

À medida em que as restrições de viagem começam a diminuir, as companhias aéreas vão estudando maneiras de praticar um mínimo distanciamento social em voos na era da pandemia. O foco é continuar vendendo passagens e, claro, garantir aos clientes que eles possam viajar com segurança. Essas alterações podem levar a um efeito inusitado: o fim dos odiados assentos do meio nos voos. Várias companhias aéreas estão avaliando a ideia de vender apenas as poltronas da janela e corredor, deixando livre o espaço entre elas a fim de evitar que os passageiros fiquem sentados um ao lado do outro. Algumas até já adotaram o novo modelo.

É o caso das três gigantes americanas American, Delta e United e outras empresas do país, como Alaska e JetBlue. Além de travarem as poltronas, as companhias estão reformulando suas práticas de rotina para oferecer viagens mais seguras.

Os assentos do meio livres também foram adotados ainda que de maneira provisória por outras das poucas aéreas que permanecem em operação mundo afora. Na Europa, a WizzAir e a EasyJet aderiram à mudança, descrita como “algo que os clientes gostariam de ver” pelo diretor Johan Lundgren da Easyjet. Na Austrália, a Qantas e a Virgin também adotaram a restrição.

Os odiados assentos do meio

A maioria dos passageiros não é fã do assento do meio. A classe econômica já costuma ser apertada e voar espremido entre duas pessoas não é muito divertido. Contudo, os principais modelos de jatos de fuselagem estreita, como as famílias Airbus A320 e Boeing 737, usam a configuração 3×3 com duas fileiras de três poltronas. Entre os aviões maiores é comum encontrar disposições de 3x3x3 poltronas ou 3x4x3, nestes casos com duas fileiras.

Assento do meio vazio para a felicidade da passageira

Para quem viaja em família, o assento do meio oferece a oportunidade de se sentarem juntos aproveitando a companhia um do outro. Mas para viajantes individuais costuma ser bastante desconfortável…

“Ideia idiota”

Nem todos são favoráveis ao bloqueio dos assentos do meio. Michael O’Leary, diretor da low cost Ryanair, por exemplo, classificou a ideia como “idiota” e disse que se o governo irlandês impuser a restrição de bloquear a poltrona do meio então deverá ressarcir o prejuízo das companhias: “Ou eles pagam pelo assento ou não voamos”. Ele também acrescentou que “o assento do meio não oferece nenhum distanciamento social, por isso é uma ideia idiota que não ajuda nada de qualquer maneira”, em entrevista ao Financial Times.

Da mesma maneira, Ajay Singh, presidente da indiana SpiceJet, é contra a mudança. “Manter o assento do meio vago não garantirá a segurança. É impossível manter uma distância segura entre o corredor e o assento da janela. Seria mais eficaz se máscaras faciais e luvas fossem obrigatórias para os passageiros”, disse.

Claramente contra, o presidente da IATA Alexandre de Juniac ressaltou que “se o distanciamento social for imposto, as viagens baratas acabarão“.

E no Brasil?

As aeronaves de corredor único que voam no Brasil com a Azul, GOL e Latam são na maioria modelos Airbus A320 e Boeing 737 com configuração 3-3, o que significa ter assento no meio. As exceções são os Embraer 190 e 195 e os turboélices ATR 72 da Azul, que voam no formato 2×2.

O presidente da Latam, Jerome Cadier, comentou que se bloquear o assento do meio os voos não se pagam. “Adotar um espaçamento custa muito, você não paga o voo. É reduzir a capacidade de 180 pra 120 assentos”, disse o executivo em entrevista ao jornal O Globo.

O Melhores Destinos entrou em contato com a Azul e a GOL mas as companhias ainda não se posicionaram sobre o tema.

A nova política pode ser permanente?

Embora a ideia do assento do meio bloqueado possa chegar a mais empresas e permanecer por algum tempo, a probabilidade de isso se tornar permanente é muito baixa. Quando a demanda de viagens aéreas retornar aos níveis anteriores ao COVID-19, as companhias vão procurar vender todos os assentos de uma aeronave, já que poltronas vazias acarretariam um aumento considerável nos custos por passageiro e no valor das passagens aéreas.

Mas, talvez, por algum tempo, voar na classe econômica pode ser um pouco mais confortável do que costumava ser, sem o odiado assento do meio.


E você, o que acha da novidade? O bloqueio dos assentos do meio realmente nos ajudaria a manter um distanciamento social? Comente abaixo e participe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *