Os 10 destinos mais procurados por nômades digitais (e alternativas para fugir deles!)

Wendell Oliveira
Wendell Oliveira
29/03/2020 às 6:57 - atualizado em 9/07/2020

Os 10 destinos mais procurados por nômades digitais (e alternativas para fugir deles!)

Em 2020, aprendemos que trabalhar remotamente é possível. E quando toda essa confusão do Coronavírus acabar, poderemos enfim voltar a pensar em viajar. Mas que tal trabalhar à distância enquanto viaja, sem tempo definido? É basicamente isso que os nômades digitais fazem. O termo já deixou de ser moda para se tornar uma realidade cada vez mais palpável: com acesso à internet, você pode trabalhar de qualquer lugar do mundo!

Acredite, há destinos completamente preparados para esse tipo de profissional. São cidades inteiras que servem como “bases” temporárias, bem conectadas ao restante do mundo, populares por oferecer conexão veloz, espaços de Coworking, acomodações e alimentação a preços atrativos. Em alguns países, os custos podem ser tão baixos que trabalhar e viajar pode ser mais barato do que só ficar em casa.

Nunca foi tão fácil se tornar um nômade digital. Confira os 10 destinos mais procurados por nômades digitais — e se você já os conhece, veja as alternativas!

1. Chiang Mai (Tailândia)

Alternativa: Kuching (Malásia)

Ao Norte da Tailândia, longe das praias e próximo das montanhas, a cidade de Chiang Mai é a preferida dos adeptos do nomadismo digital. A razão é simples: essa provavelmente é a cidade mais conveniente do mundo para se viver!

Em que outro lugar seria possível chegar sem nenhuma reserva, e em poucos minutos encontrar facilmente apartamentos a partir de US$ 100 por mês, internet veloz, lojas de conveniência abertas 24h, restaurantes de comida tailandesa super baratos, além de inúmeras oportunidades de networking graças à grande comunidade de estrangeiros vivendo na região? Chiang Mai é conhecida por ser “A Capital dos Nômades Digitais”, e faz jus ao nome.

Chiang Mai para nômades digitais, Tailândia

Chiang Mai: baixo custo, internet rápida e ritmo de vida tranquilo nas montanhas da Tailândia.

Embora seja uma das maiores cidades da Tailândia, Chiang Mai aparenta ser bem menor, o que dá um clima especial de cidade do interior. Ela costuma ser descrita como “perfeita” por muitos nômades, e de fato por um tempo pode permanecer assim. O que ninguém te conta sobre Chiang Mai é que

  • A cidade já está começando a ficar saturada de nômades digitais;
  • poucas atividades de lazer e vida noturna;
  • De janeiro a março a qualidade de ar pode ficar bastante deteriorada devido às queimadas, tornando Chiang Mai temporariamente a “cidade mais poluída do mundo“.

Que tal então substituir Chiang Mai por…

Kuching (Malásia)

Com seu jeito calmo, baixo custo de vida e paisagens fantásticas entre o mar e a floresta de Bornéu, a cidade de Kuching já vem sendo apontada como “a próxima Chiang Mai”. Longe dos holofotes, a cidade parece ainda manter uma certa pureza que sua concorrente tailandesa já perdeu há algum tempo.

Kuching, Malásia

Kuching, Malásia: a próxima Chiang Mai?

Frequentemente mencionada como uma das cidades mais limpas da Ásia, congestionamentos são inexistentes em Kuching. A poluição do ar é mínima, pratos típicos podem ser encontrados entre US$ 0,50 a US$ 3, e a localização próxima ao mar é um forte diferencial em relação à Chiang Mai.

Brasileiros são isentos de visto por até 90 dias tanto para a Tailândia quanto Malásia, o que permite quase 6 meses para curtir as duas cidades e fazer sua escolha 🙂

2. Bali (Indonésia)

Alternativa: Phuket (Tailândia)

Bali está na moda — talvez nunca tenha saído. Mesmo com destinos emergentes como Maldivas, Filipinas e Camboja atraindo cada vez mais visitantes, a “Ilha dos deuses” ainda é capaz de conquistar legiões de admiradores. Além de surfistas e pessoas interessadas em massagens e tratamentos espirituais, Bali passou recentemente a atrair nômades digitais, especialmente nas regiões de Canggu e Ubud.

Bali para nômades digitais, Indonésia

Bali, Indonésia: escritórios coworking com vistas privilegiadas. (Foto: Hubud)

Escritórios compartilhados surgem a todo instante, com ambientes bem decorados, oferecendo vistas privilegiadas para o mar, campos de arroz e até piscinas infinitas. A ilha mais famosa da Indonésia vem resolvendo os gargalos de internet, facilitando cada vez mais o trabalho remoto. Os bares em frente à praia são uma tentação para a happy hour. Bali possui ainda uma grande comunidade de brasileiros, e não é difícil encontrar açaí e até churrascarias por perto.

O problema de Bali é que

  • O clima quente e a alta umidade podem matar sua produtividade;
  • As praias e bares são uma constante distração;
  • Alugar uma moto é uma necessidade, praticamente não há calçadas.

Que tal então substituir Bali por…

Phuket (Tailândia)

A maior ilha da Tailândia é constantemente criticada pelo excesso de turistas nas suas principais praias. Mas basta sair um pouco das áreas mais visitadas de Phuket para se deparar com paisagens encantadoras e ainda desconhecidas. A estrutura de cidade grande, com mercados, shoppings e ruas largas traz o sentimento de civilização necessário — e que às vezes falta em Bali.

As opções de hospedagem são modernas e não deixam nada a desejar em relação à capital Bangkok. O trânsito também é bem menor e a internet funciona muito bem. Com dezenas de praias ao redor, alugar uma moto se torna uma diversão, não uma necessidade.

Phuket, Tailândia

Phuket, na Tailândia: ilha paradisíaca com infraestrutura de cidade grande.

3. Lisboa (Portugal)

Alternativa: Tallinn (Estônia)

Ah, Lisboa! O destino preferido de muitos brasileiros é cada vez mais bem-visto aos olhos do mundo. Todos querem um pedacinho da capital de Portugal, inclusive os nômades digitais. Um lugar que reúne uma gastronomia de primeira e vistas espetaculares do mar onde que que se vá. Em Lisboa é possível balancear trabalho e descanso, na companhia de um pastel de nata e um bom vinho do Porto. Aproveite as ofertas de passagens aéreas para Lisboa instalando nosso app!

Lisboa, Portugal

Lisboa, Portugal: não foram só os brasileiros que dominaram a cidade.

Lisboa é o lugar ideal para nômades digitais? Muita calma nessa hora

  • Os alugueis estão cada vez mais caros devido à crescente demanda;
  • A cidade é cheia de turistas e às vezes pode perder um pouco da autenticidade;
  • Limitando-se à comunidade lusófona, você não vai praticar inglês.

Que tal então substituir Lisboa por…

Tallin (Estônia)

Já pensou em morar numa start-up? A Estônia, com pouco mais de 1 milhão de habitantes, é apontada como o “primeiro país digital do mundo”. Seus cidadãos podem assinar documentos, registrar negócios, consultar o médico e até votar pela internet! A presença física praticamente só é exigida para casamentos — ou divórcios.

A Estônia é o primeiro país do mundo a criar um visto para nômades digitais, permitindo trabalhar legalmente à distância, abrir uma empresa online, obter identidade, conta bancária e outros serviços que promovam o empreendedorismo dentro do país.

tallinn estonia nomades digitais

Estônia: o primeiro país digital do mundo.

4. Budapeste (Hungria)

Alternativa: Belgrado (Sérvia)

Procurando uma base para trabalhar como nômade digital na Europa? Budapeste pode ser a sua melhor solução. A capital da Hungria é bem conectada a vários outros destinos europeus por trens e companhias aéreas low cost, facilitando a locomoção. Os preços em geral costumam ser bem mais acessíveis do que no restante do continente, sem perder a qualidade dos serviços.

A cultura vibrante, arquitetura clássica e vida noturna agitada contrastam com a atmosfera tranquila da cidade. É fácil focar no trabalho sem as distrações típicas de uma metrópole. A abundância de cafés e pontos de Wi-Fi espalhados nos parques da cidade favorecem ainda um bom equilíbrio na vida profissional.

Budapeste, Hungria

Budapeste, na Hungria: todas as conveniências do Leste Europeu.

Só que Budapeste não é perfeita

  • O frio do inverno europeu pode ser depressivo;
  • A cidade fica lotada durante o verão europeu;
  • Muitos prédios residenciais são antigos e não oferecem o melhor conforto.

Que tal então trocar Budapeste por…

Belgrado (Sérvia)

A Europa é cheia de joias raras e escondidas. A capital da Sérvia é uma delas. Belgrado é relativamente pequena, repleta de parques e facilmente explorada a pé. Os alugueis são baratos e comer fora não pesa no bolso — os custos são inacreditáveis para um país europeu! Atrações culturais, arquitetura e vida noturna existem, mas na proporção certa para aproveitar sem perder o foco no trabalho.

Belgrado, Sérvia

Belgrado, na Sérvia: bonita, barata e praticamente desconhecida.

5. Buenos Aires (Argentina)

Alternativa: Cidade do México (México)

A proximidade faz de Buenos Aires o primeiro destino internacional de muitos brasileiros — e uma alternativa interessante para quem quer viver fora do país, sem ter que ir para muito longe. Os ares cosmopolitas e quase europeus trazem novas sensações para quem procura por um ambiente diferente.

Seu portunhol será entendido, e os acordos do Mercosul e sistema de saúde universal são vantajosos para os brasileiros. Churrascos, vinhos e dulce de leche são tentações que ficaram mais baratas graças à desvalorização da moeda, que favorece nômades que ganham em moeda estrangeira.

Buenos Aires, Argentina

Buenos Aires, na Argentina: que tal comer alfajor todo dia enquanto trabalha?

Mas ser nômade digital em Buenos Aires tem seus prós e contras… 

  • crise econômica vem afetando o humor dos argentinos e a vibe da cidade;
  • Alguns bairros podem ser inseguros e decadentes;
  • Vegetarianos terão dificuldades em manter a dieta.

Que tal então trocar Buenos Aires por…

Cidade do México

Arriba! A terra do Chaves é muito mais do que Cancún! A Cidade do México é uma metrópole gigantesca e diversa, com opções infinitas de culinária, preços baixos e ótimos bairros para alugar um apartamento temporário via AirBnb. A localização também é estratégica, com diversas opções de voos para viajar para os Estados Unidos ou para as praias paradisíacas do Caribe.

Cidade do México

Cidade do México: um destino vibrante e ainda subestimado.

6. Berlim (Alemanha)

Alternativa: Lviv (Ucrânia)

Berlim é multicultural e antiquada. É cinza, mas tem parques verdes. O aluguel é caro, mas a comida é barata. É super alegre no verão e depressiva no inverno. Ame ou odeie, a capital da Alemanha tem seu jeito próprio de ser. Os escritórios compartilhados fazem parte da cultura da cidade, com inúmeras oportunidades de networking, bairros descolados e criatividade no ar. A boa conexão com o restante da Europa também é um ponto positivo, seja por terra ou ar.

Berlim, Alemanha

Berlim, na Alemanha: coworking já virou parte da cultura da cidade.

Mas antes de sair fazendo as malas para ir a Berlim, saiba que…

  • Os alugueis são caros, as opções mais baratas são acomodações compartilhadas;
  • Berlim pode ser bem fria durante o inverno;
  • As coisas podem ser lentas e burocráticas.

Que tal então trocar Berlim por…

Lviv (Ucrânia)

A Ucrânia é um destino surpreendentemente interessante para nômades digitais, ainda mais se considerarmos opções fora da capital Kiev. Próximo à fronteira com a Polônia, a pequena cidade de Lviv esbanja charme, bons restaurantes e transporte de qualidade, aliados à uma boa variedade de hospedagens, internet rápida e uma energia contagiante. Além disso, o país oferece outras paisagens em todas as estações do ano, como as praias de Odessa, as montanhas da região de Cárpatos e até atrações inusitadas como Chernobyl, que valem a visita!

lviv ucrania nomades digitais

Lviv: uma das melhores cidades da Ucrânia para se viver.

7. Goa (Índia)

Alternativa: Kerala (Índia)

Se você prestava atenção nas aulas de Geografia, sabe que Goa foi uma colônia de Portugal no passado e falava português. Para o restante do mundo, no entanto, Goa é conhecida por ser o paraíso dos festivais de música eletrônica na praiaDiversão à parte, Goa também é uma boa opção para quem busca por uma base na Índia, com um dos menores custos de vida do mundo e natureza ao redor.

goa india nomades digitais

Goa, na Índia: praias hippies e sossegadas.

O que ninguém te conta sobre Goa é que… 

  • Algumas praias podem ser bem sujas e menos bonitas do que nas fotos;
  • A influência portuguesa não é tão relevante, tampouco a autenticidade indiana.
  • A infraestrutura ainda é um pouco precária.

Mas se você ainda procura um destino na Índia, talvez a solução seja…

Kerala (Índia)

O estado de Kerala é conhecido pelos indianos como “A Terra do Próprio Deus”. Um das regiões mais limpas e com o maior índice de alfabetização da Índia, Kerala tem paisagens naturais exuberantes, com montanhas repletas de plantações de chá e rios caudalosos em direção ao mar. São várias cidades no estado e é possível encontrar de tudo um pouco: clima ameno em Munnar, cultura e gastronomia em Kochi, ou simplesmente praias paradisíacas na quase impronunciável Thiruvananthapuram.

kerala india nomades digitais

Kerala: a melhor parte da Índia (que você nunca ouviu falar).

8. Tokyo (Japão)

Alternativa: Seul (Coreia do Sul)

Não dá para pensar em Japão sem pensar em tecnologia. A capital Tokyo parece já ter nascido pronta para nômades digitais, com sua farta infraestrutura, Starbucks onipresentes, lojas de conveniência 24h, internet ultraveloz e inúmeras oportunidades de networking e diversão em uma megalópole global com uma cultura única. O Japão não é outro país, é outro mundo! Simplesmente vá.

Tokyo, Japão

Tokyo, Japão: e nós nem mencionamos a comida…

Mas acredite, Tokyo tem uns probleminhas… 

  • As opções de acomodação podem ser caras e claustrofóbicas;
  • Poucas pessoas falam inglês e comunicação pode ser um problema;
  • Fazer amigos é difícil, não é incomum se sentir sozinho na multidão.

Talvez seja interessante trocar Tokyo por…

Seul (Coreia do Sul)

Seul tem a internet mais rápida do mundo. Alguns dos cafés mais estilosos dos mundo estão lá, e o custo de vida é relativamente mais baixo do que na Europa e Estados Unidos. Ao contrário de outras capitais asiáticas, não é tão apinhada de gente, com vários passeios na natureza e templos ao redor da cidade. Um ritmo de vida apressado, mas certamente divertido.

Seul, Coreia do Sul

Seul, Coreia do Sul: ritmo de vida agitado, mas com escapes.

9. San Francisco (Estados Unidos)

Alternativa: San Diego (Estados Unidos)

O Vale do Silício, na Califórnia, abriga muitas start-ups e empresas globais de tecnologia, como Apple, Facebook e Google. Próximo dali, San Francisco é uma cidade com mais de 50% da população formada por estrangeiros, com respeito às diferenças e ao mesmo tempo, sofisticada e casual, liberal e familiar. Um local perfeito para manter sua base e fazer contatos com profissionais da área.

O problema de San Francisco é que… 

  • O custo de vida é alto, o que afeta consideravelmente os alugueis;
  • Algumas partes da cidade podem ser sujas e mal cuidadas;
  • O clima é imprevisível, com constantes nevoeiros.

Que tal então trocar San Francisco por outro santo…

San Diego (EUA)

San Diego tem um custo de vida bem razoável para os padrões americanos, com a cultura da cerveja, surf e comida mexicana. Aliás, a lendária cidade de Tihuana fica a poucos quilômetros de distância, um escape nos finais de semana (mas aprecie com moderação). Ser um nômade digital em San Diego é aproveitar o melhor de uma cidade limpa, com boas praias e um estilo de vida mais relaxado.

San Diego, Califórnia

San Diego, Califórnia: a fronteira com o México fica a poucos minutos de carro.

10. Tel Aviv (Israel)

Alternativa: Istambul (Turquia)

Quem disse que Israel vive do turismo religioso? Tel Aviv é referência em tecnologia e inovação, e uma das cidades mais tolerantes do Oriente Médio, com respeito às liberdades individuais. O ambiente empreendedor e com jovens profissionais é emoldurado com belas praias urbanas e uma culinária invejável.

Tel Aviv, Israel:

Tel Aviv, Israel: a 1h de trem de Jerusalém.

Mas Tel Aviv tem alguns problemas

  • O custo de vida é muito alto: desde alugueis a alimentação, tudo é caro;
  • A cidade é segura, mas os conflitos da região podem causar transtornos de tempos em tempos;
  • O carimbo de Israel pode barrar sua entrada em outros países, como Líbano e Irã.

Uma alternativa à Tel Aviv pode ser…

Istambul (Turquia)

Bonita, barata e com muita história: é difícil alguém não gostar de Istambul. A maior cidade da Turquia fica localizada entre a Europa e Ásia, é um verdadeiro caldeirão cultural com suas mesquitas, bazares e atrações encantadoras. Um nômade digital que decida passar um tempo na cidade terá a oportunidade de conhecer uma das melhores hospitalidades e comidas do mundo, com diversos cafés e espaços públicos com Wi-Fi disponível. Trabalhe e divirta-se!

Istambul, Turquia

Istambul, Turquia: uma cidade, dois continentes.

Outros destinos alternativos para nômades digitais

A lista não acaba por aqui, ainda há várias opções de cidades recomendadas para nômades digitais. Tbilisi, capital da Géorgia, é um paraíso para quem busca tranquilidade e bons preços numa localização estratégica entre a Europa e a Ásia. Da Nang, no Vietnã, vem se tornando a queridinha dos nômades no Sudeste Asiático, com praias urbanas e estrutura de cidade grande.

Ainda há muitos outros destinos a ser explorados no Leste Europeu, Balcãs, Norte da África e América do Sul, atraindo diversos perfis de viajantes profissionais.

E você, recomenda algum destino como base para nômades digitais? Compartilhe com a gente!