logo Melhores Destinos

Volta ao mundo em 20 bebidas típicas (todas alcoólicas, ok?)

Monique Renne
Monique Renne
17/05/2020 às 7:40

Volta ao mundo em 20 bebidas típicas (todas alcoólicas, ok?)

Bebidas típicas de vários países para relembrar ou sonhar com as viagens futuras

Nossos planos de voo estão adiados por algum tempo, mas isso não nos impede de viajar e relembrar alguns dos melhores destinos do mundo com a dose certa ou, para sermos mais claros, um bom drink! Bebidas típicas nos remetem a lugares maravilhosos e momentos especiais que já vivemos durante viagens. São ainda uma ótima porta de entrada para começar a conhecer a cultura de um novo destino ou sonhar com o tão desejado embarque. E se bater aquela dúvida na hora de escolher o rumo da sua viagem etílica, experimente a volta ao mundo! O importante é brindar para esquecer um pouquinho os problemas e relembrar as melhores viagens! Para te ajudar nessa tarefa, preparamos uma lista com 20 drinks para dar a volta ao mundo sem sair de casa! Saúde e bebam com moderação!

1 – Tequila – México 🇲🇽

Para começar a percorrer o mundo, nada como um bom shot de tequila, não é? A tequila nos lembra ótimos momentos, afinal, um shot de tequila com os amigos é sempre cercado de muita felicidade e gargalhadas, no melhor estilo do povo mexicano! A bebida, feita à base de agave-azul (uma espécie de cactos) é a mais tradicional do México e rende drinks maravilhosos, como a clássica Margarita. A tequila é uma bebida forte e deve ser apreciada com moderação (mas não muita). Vale dizer que, assim como a nossa cachaça, a tequila tem denominação de origem controlada e diferentes níveis de qualidade. Uma boa tequila é uma experiência das melhores no universos das bebidas.

Shot de tequila

Shot de tequila

2 – Champagne – França 🇫🇷

Se você faz a linha mais fino e um shotzinho delícia de tequila não é para você, que tal então uma boa e borbulhante champagne? O espumante, apesar de ter cópias no mundo todo, é tradicional da região de Champagne-Ardenne, na França, e somente a bebida produzida por lá pode levar esse nome oficial. O champagne, ou champanhe, nada mais é que um delicioso vinho branco espumante que traz frescor e leveza ao dia de qualquer um. Vale dizer que a descoberta da bebida foi feita por dois monges que insistiam em acertar a receita do vinho, mas sempre erravam na mão. Um dele, o monge beneditino Dom Pérignon, deu nome a um dos mais famosos champanhes da França. O champagne pode ser usado em diversos drinks, mas um dos mais populares é a Mimosa, que rende um bom despertar em dia de sol.

3 – Scotch whisky – Escócia 🇬🇧

A seriedade e sobriedade de um copo de whisky atrai os amantes de bebidas menos festivas, mas ainda assim superfortes, já que o whisky tem, no mínimo, 40% de álcool. Sentar-se para relaxar e apreciar um bom whisky é quase um ritual entre os amantes da bebida. Os tradicionais são os escoceses (e ingleses), que produzem variações da bebida destilada como o blended (mistura de maltes) e single malt (com apenas um tipo de malte). O envelhecimento em barris de madeira ajuda a dar as características especiais de cada bebida, como os bourbons americanos, que precisam ser envelhecidos em barris de carvalho queimado para receberem essa denominação. Vale dizer que a denominação scotch só pode ser usada por uísques produzidos na Escócia, onde nasceu a bebida. Drinks com uísque não são tão comuns entre os brasileiros, mas garantimos que há receitas deliciosas, como a do Manhattan.

4 – Pisco – Peru e Chile 🇵🇪🇨🇱

Essa briga aqui é das melhores! Quem já viajou para o Chile ou para o Peru sabe que a disputa pela maternidade do pisco é acirrada e nunca houve uma conclusão sobre a origem. Na dúvida, consideramos que o pisco tem mesmo duas famílias e cada uma delas é especial! O pisco é uma bebida destilada à base de uva, tão forte e intensa em sabor quanto a nossa cachaça e a tequila mexicana. Pode ser degustada em shots (especialmente os pisco de altíssima qualidade) ou também como ingrediente de excelentes drinks, como o clássico Pisco Sour. Os dois países produzem versões levemente diferentes do pisco e, sem querer botar fogo nessa bebida alcoólica, vale lembrar que o nome pisco é original da cidade de Pisco, localizada atualmente no Peru. E segue a briga, mas sempre com um copo na mão!

5- Sakê – Japão 🇯🇵

Para acalmar os ânimos, vamos a uma bebida que não há dúvida alguma sobre a origem. O sakê é mesmo japonês e ninguém tira esse título dos orientais! Na linha de bebidas de médio teor alcoólico (entorno de 16% a 20% e alta capacidade de embebedamento), o sakê é o queridinho dos japoneses. Produzido à base da fermentação do arroz com água, o sakê existe deste o século III e pode ser consumido em diferentes temperaturas, do quente ao gelado. A escolha varia de acordo com o tipo e qualidade do produto, o que torna a bebida diferente e rende novas experiências.

O sakê costuma ser bebido em pequenas porções, usando copinhos de cerâmica ou pequenas taças, e é muito apreciado como um aperitivo antes da refeição. Diferente da tequila, não é bebido em shots e deve ser apreciado calmamente. Ah, claro, ele também vai bem como ingrediente na culinária e em alguns bons drinks. No Brasil, é comum usar o sakê na preparação de Caipisake (caipirinha de saquê), mas vale também na preparação do Sakê Martini e diversos outros drinks adaptados.

6- Limoncello – Itália 🇮🇹

O limoncello é um delicioso aperitivo italiano, daqueles que bebemos sem susto, sem pressa e até um pouco sem controle. Licor produzido à base de limão, o limoncello pode ser degustado antes das refeições (para abrir o apetite), depois das refeições (como digestivo) ou ainda em deliciosos drinks durante o dia todo. É uma bebida refrescante e servida bem gelada fica absolutamente deliciosa. Depois de abrir a garrafa, deixe-a sempre no freezer para quando bater aquela vontade de se lembrar da Itália, especialmente das regiões produtoras a sudoeste do país, como a Costa Amalfitana, Capri e Sorrento. Para um bom drink refrescante, experiente o Cello Spritz.

7- Rum – Caribe 🇨🇺🇵🇷🇧🇧🇯🇲🇲🇶🇭🇹

Tá aí uma bebida capaz de dar a volta ao mundo em apenas uma garrafa! A história que envolve a criação e disseminação do rum (e bebidas semelhantes com outros nomes) atravessou oceanos (do Chipre às Américas, por mãos de reis e piratas) e é até difícil dizer qual a origem desta iguaria alcoólica. Na dúvida, deixamos o rum para os países que hoje usam a bebida em drinks quentes e receitas capazes de fazer qualquer um dançar. Runs de excelente qualidade são produzidos no Caribe, em lugares como: Cuba, Porto Rico, Jamaica, Martinica, Haiti e Barbados (que reivindica a criação do rum como é feito hoje).

O rum é uma bebida destilada e produzida a partir da cana de açúcar ou do melaço de cana. O rum, assim como a cachaça, tem cor transparente e ganha tons caramelo devido ao envelhecimento em tonéis de madeira. Para degustar o rum em preparos de coquetéis, experimente os clássicos caribenhos Piña Colada, Mojito, Daiquiri e Cuba Libre. Ah! O rum pode chegar a 75% de teor alcoólico. Melhor ter cuidado nos embalos do Caribe.

8- Vodka – Rússia e Polônia 🇷🇺🇵🇱

A vodka ultrapassou fronteiras e há muito tempo não é uma tradição apenas da Rússia e da Polônia, países onde acredita-se que nasceu a bebida e onde ela se popularizou. Hoje, a vodka faz parte do universo de festeiros do mundo todo. Destilada, praticamente sem cheiro e gosto, a vodka pode ter entre 35% e 60% de álcool, o que faz dela a bebida perfeita para compor incontáveis drinks. Ela é produzida a partir de diferentes cereais, a depender da região de origem. Vale arroz, cevada, milho, trigo, centeio, batata e até figo. Vodka vai bem com tudo e em qualquer mistura, tanto que rende os mais variados e deliciosos drinks, como as populares caipiroskas! Aproveite (com moderação)!

9- Gin – Inglaterra 🇬🇧

O Gin se tornou o queridinho dos bartenders e agora figura em todos os cardápios de drinks com as receitas mais variadas. A bebida, que até pouco tempo não era valorizada entre os brasileiros, agora faz parte dos brindes mais chiques, finos e elegantes das baladas locais. A bebida é um destilado à base de cereais (com processo semelhante ao da vodka) e apresenta sabor complexo e bem marcante com a adição de especiarias como, zimbro, coentro, cardamomo, pimenta da jamaica e outros. Cada marca tem a sua receita e segredinho. Apesar de ter nascido como um remédio na Holanda do século XVII, foi mesmo na Inglaterra que o Gin ganhou popularidade, qualidade e status de bebida (atualmente com teor alcoólico entre 35% e 50%). Para degustar o Gin em modo clássico, experimente os drinks Gin Tônica e o elegante Dry Martini.

10- Amarula – África do Sul 🇿🇦

Ufa! Foi muito álcool até agora. Então vamos dar uma aliviada com uma porção doce (mas ainda alcoólica) de felicidade. A Amarula é um delicioso licor da África do Sul produzido à base de leite e dos frutos da marula, uma árvore típica da savana conhecida também como a árvore dos elefantes (como está bem estampado no rótulo da marca original). Cremoso, docinho e muito saboroso, o licor Amarula vai bem em pequenas doses, geladinho e depois ou antes das refeições. É a bebida ideal para quem não tem muita resistência, já que tem apenas 17% de teor de álcool. Se quiser incrementar o consumo, experimente usar a Amarula em sobremesas e drinks mais adocicados.

11- Vinho do Porto – Portugal 🇵🇹

O vinho do Porto se difere, e muito, dos vinhos comumente tomados em todo o mundo. Encorpado, forte e adocicado, o vinho do Porto faz as vias de aperitivo, seja antes ou depois das refeições. Beber um bom vinho do Porto é quase um ritual. Servido em delicadas taças, ele deve ser apreciado em pequenas porções sem intenção alguma de embebedamento. É mesmo um ritual de degustação. Apesar de parecer estanho, o vinho do Porto é produzido com as uvas colhidas na região do Douro, 100 km distante da Cidade do Porto, região que o popularizou por ser o grande polo distribuidor para o mundo. O Vale do Douro é uma das mais belas paisagens de Portugal e merece a visita não só pelos vinhedos, mas por todo o mágico cenário. Vale dizer que a produção do Vinho do Porto é feita e armazenada em cavas na Vila Nova de Gaia, cidade vizinha à Cidade do Porto (mais especificamente do outro lado do Rio Douro).

12- Jägermeister – Alemanha 🇩🇪

Uma dose de Jägermeister é suficiente para qualquer esquenta pré-balada. De composição complexa, sabor agradável e 35% de teor alcoólico, esse destilado original da Alemanha é capaz de deixar alegrinho qualquer festeiro ainda desanimado. Experimente tomar um shot para começar a ver a folia chegar. O Jägermeister não é uma bebida muito antiga e existe oficialmente desde a década de 1930, tendo como referência uma lenda de caçador, o que deu à bebida a fama de ter na composição até mesmo sangue de cervo (tudo inveja dos inimigos).

Composto por 56 ervas, especiarias, frutas e raízes, o Jägermeister tem sabor único e tom esverdeado, por isso vai bem em diversas receitas originais de drinks, sendo a mais famosa delas o basicão com energético, chamado de JägerBomb.  Beba gelado! E como diz a própria marca, o Jägermeister é inalterado na receita e inabalável em popularidade (a bebida está entre os dez destilados mais consumidos no mundo). 

13- Raki – Turquia 🇹🇷

O intenso sabor de anis marca o raki, licor tradicional da Turquia que encontra receitas semelhantes em outros destinos do mundo, como a Grécia (chamado de ouzo) e destinos do Oriente Médio (onde ganha o nome de araki). O raki turco tem entre 40% e 50% de teor alcoólico e é feito à base de uvas e figos, passado por processo de fermentação e também destilação, sendo ainda adicionado de anis ao final. O raki é bebido gelado, como aperitivo, antes ou depois das refeições (especialmente petiscos típicos), e conta com uma característica muito especial: Ao ser adicionado de água e gelo, o raki deixa de ser transparente e vira uma bebida leitosa e aromática, o que deu a ele o título de leite de leão. Já vamos adiantar que o raki tem um sabor marcante e intenso, não agradando a todos os paladares, mas vale você experimentar para dar o seu veredicto.

14- Cerveja – Bélgica 🇧🇪

A incerta origem da cerveja e a grande representatividade em todo o mundo, com diversos estilos bastante específicos e regionais, nos levou a ter que escolher apenas um país para falar sobre ela. E nada melhor que os monges da Bélgica (mais uma vez os maravilhosos monges) para serem os oficiais detentores da representação da cerveja na nossa lista! Produzida à base da fermentação do malte, cevada, lúpulo e outros cereais (a depender da receita e da origem), a cerveja é considerada a bebida alcoólica mais antiga do mundo, com registros sobre a sua existência em 6000 anos a.C.. Só na Idade Média que a cerveja começou a ser produzida em mosteiros (o primeiro foi na Suíça), já sendo acrescentada de especiarias e lúpulo, o que rendeu características muito especiais e aromáticas às cervejas.

A Bélgica hoje é reconhecida como um dos melhores polos produtores de cerveja no mundo, com bebidas de altíssima qualidade, aliadas a receitas tradicionais (ou nem tanto, já que por lá experimentam de tudo na composição da cerveja). Para ir direto a boas cervejas belgas, procure as marcas Chimay, Duvel, Rodenbach, Gulden Draak, Brasserie Dupont e a trapista Westvleteren, cerveja que só pode ser comprada in loco no mosteiro. Enfim… São mais de 1.000 cervejarias na Bélgica. Aproveite cada uma delas.

15- Absinto – Suíça 🇨🇭

O absinto ganhou fama devido ao alto teor alcoólico e facilidade com que alterava o comportamento das pessoas, motivo que levou à proibição da venda da bebida por muitas décadas em diversos países, inclusive o Brasil. O absinto, apesar de ser a cara da Belle Époque Francesa e ter influenciado muitos grandes artistas, tem como local de nascimento a Suíça. Foi lá, no final do século XVIII, que o então remédio ganhou novos ingredientes e se tornou uma bebida alcóolica desejada e produzida em larga escala na Europa.

O famoso destilado de cor esverdeada, apelidado de fada verde, é composto por um mix de ervas (como anis, funcho e absinto) e pode alcançar mais de 70% de teor alcoólico. Um ingrediente em especial ajudou a tornar a bebida famosa: a tujona, princípio ativo alucinógeno da losna (como também é chamada a erva absinto). Hoje, já com a venda liberada, as receitas de absinto têm a quantidade de tujona e álcool controladas, sendo que no Brasil o teor máximo permitido de álcool é de 54%. Já é suficiente, né, coleguinha? Cuidado e pega leve! Você pode usar o absinto também em drinks, pra aliviar o álcool. O clássico é bebê-lo com um cubo de açúcar embebido em absinto e pegando fogo.

16- Sidra de Astúrias – Espanha 🇪🇸

Esqueça tudo o que você conhece sobre a “tradição” da cidra no Brasil. Na Europa ela ganha outros sabores, outros aromas, outra qualidade e outro status. Beber uma sidra de Astúrias geladinha ao entardecer é relaxante, refrescante e casa muito bem com o calor do verão de alguns países europeus, como a Espanha, onde a bebida é superpopular. A história da sidra (como a de muitas outras bebidas do mundo) começa com os egípcios e hebreus, mas hoje o consumo se restringe muito mais à Europa.

Produzida à base da fermentação da maça e com baixo teor alcóolico, a sidra encontra nas Astúrias um ótimo terreno para a alta qualidade que a bebida merece. E lá a produção é tão espetacular que a Sidra de Astúrias tem o selo de Denominação de Origem Controlada. A Sidra também é bastante comum em países como Inglaterra, França, Irlanda e outros destinos europeus, mas também é apreciada no sul da África, Austrália e outros países do mundo. Falta ao Brasil descobrir o valor de uma boa e refrescante sidra bem gelada ao entardecer.

17- Soju – Coreia do Sul 🇰🇷

O soju não é nada comum no Brasil e o mais provável é que os apreciadores da bebida tenham experimentado esse destilado in loco, mais especificamente na Coreia do Sul, ou outros destinos do mundo. Produzido à base de arroz, trigo, cevada ou batata, o soju chega a ter mais de 50% de teor alcoólico, apesar da média ser abaixo de 20%. Mas, afinal, qual a importância do soju na nossa lista? Pode parecer estranho, mas o Jinro, popular marca de soju sul-coreano, é o destilado mais consumido no mundo (considerando marcas). O título não se deve ao fato do soju ser consumido em todo o mundo, mas sim porque é altamente (mesmo) consumido entre os sul-coreanos, um dos países que mais bebe destilados. Favorito entre os festejos no país, o soju tem gosto adocicado, mas nada elaborado (e pode até ser bem ruim). Ele é destinado mesmo para aquele shot de levantar ânimo para a balada, até porque há garrafas bem baratinhas da bebida em qualquer esquina.

18 – Fernet – Argentina 🇦🇷

Muito popular entre os argentinos, o fernet é uma bebida difícil de ser entendida e que foge bastante ao que os brasileiros estão acostumados. Amargo, o fernet é obtido a partir da maceração de cerca de quarenta ervas e raízes, entre elas aloe, absinto, camomila, menta, sálvia, louro e açafrão. Tudo bastante estranho aos paladares brasileiros. O fernet, originalmente, foi criado em meados do século XIX na Itália, mas foi na Argentina que ele ganhou sucesso e o gosto popular. Intenso como o povo Argentino, o fernet é capaz de causar as reações mais passionais, seja de amor ou de ódio. Como quase todas as bebidas amargas à base de ervas, o fernet nasceu como um remédio, mas hoje encanta os hermanos em drinks e também em carreira solo. A maneira mais comum de beber o Fernet Branca (marca mais consumida) é o drink fernet cola, que mistura a bebida à coca-cola. No Brasil, o fernet é consumido também com cachaça, o que nos leva ao próximo tópico!

19 – Cachaça – Brasil 🇧🇷

Chegamos à nossa idolatrada, salve salve, cachaça! Sim! Brasileiríssima e apreciada em todo o país, a cachaça é bebida para todas as horas, todos os humores e todos os amores. A cachaça é uma bebida destilada e fermentada à base da cana de açúcar. As primeiras cachaças foram produzidas no período colonial e hoje tomaram o mundo. A bebida, nos últimos anos, ganhou qualidade, barris para envelhecimento, valor comercial, produções artesanais maravilhosas e se tornou produto com denominação de origem do Brasil. Para ser chamada de cachaça, a bebida segue rígidos padrões de qualidade e teor alcoólico, que deve ficar entre 38% e 48%. Se não alcança o padrão, a bebida pode ser chamada apenas de aguardente, pinga, danada, marvada, mé, caninha, branquinha ou qualquer outro nome carinhoso que existe por aí nesse Brasil. O drink que tornou a cachaça famosa em todo o mundo foi a caipirinha clássica de limão, mas a cachaça vai muito além disso e está nos nossos corações!

20 – Vinho – Todo o mundo 🌎

Nosso título de bebida mundial vai para o vinho! Não conseguimos escolher apenas um destino para representar essa maravilha que nos guia nos melhores e piores dias de viagem e de vida. Vinhos espetaculares são produzidos com diferentes tipos de uvas em diversos países. Uma volta ao mundo para degustar alguns deles é um bom objetivo de vida. Comece pela Itália e siga depois rumo à França, Espanha, Alemanha e Portugal (todo o amor do mundo pelos vinhos maravilhosos e baratinhos do Alentejo), sem esquecer também da Grécia (para degustar um vinho de Santorini produzido em solo vulcânico com vista para a caldeira do vulcão). Depois, desça rumo à África do Sul (onde há vinícolas deliciosas para passar o dia) e siga então para Austrália e Nova Zelândia (saudades do Sauvignon Blanc neozelandês), de onde você já pode partir rumo ao Chile, Argentina (como não se apaixonar pela vista das bodegas de Mendoza?), Estados Unidos e Canadá (ice wine é bem diferentão e vale experimentar). Ufa! Foi uma boa voltinha.

Quando terminar de rodar o mundo com cada um desses sabores, comece outra vez a viagem ou experimente várias outras bebidas que ficaram de fora da lista, afinal, a ideia é mesmo rodar o mundo degustando alguns drinks para relaxar e ser feliz! Conta pra gente qual o seu drink ou bebida favorita no mundo! Quem sabe você não inspira a próxima viagem da gente!