logo Melhores Destinos

Como é voar na nova Classe Executiva da Hong Kong Airlines

Como é voar na nova Classe Executiva da Hong Kong Airlines

LAX Los Angeles
BKK Bangkok
HX 69
Avião Airbus A350-900
Classe Executiva
Poltrona 16D
Data 30/11/2018
Partida 10:44
Chegada 01:56
Duração 15:50
Por
19/03/2019 às 11:44

Fundada em 2006, a Hong Kong Airlines é uma companhia aérea full service que conecta a região chinesa a 47 destinos ao redor do mundo, detendo uma frota de 39 aeronaves. Com quatro estrelas no prestigiado ranking Skytrax, ela concorre diretamente com a Cathay, referência na Ásia. A Hong Kong Airlines recebeu seu primeiro Airbus A350-900 em 2017 e desde então vem utilizando este modelo de aeronave em alguns voos específicos, com uma nova Classe Executiva lançada em setembro de 2018. Embarcamos em uma longa jornada de Los Angeles para Bangkok de Executiva e contamos como foi a experiência, confira!

Resumo do review
Hong Kong Airlines HX 69 / HX 761
Los Angeles (LAX) – Bangkok (BKK)
Aeronave: Airbus A350
Pontos positivos: conforto e entretenimento
Pontos a melhorar: atendimento e amenidades

Como é voar na Classe Executiva da Hong Kong Airlines

Por Wendell Oliveira

Viajar de Classe Executiva é um negócio curioso. No começo parece que é frescura, apenas um gasto desnecessário. Mas se de repente surge uma promoção mais barata do que o normal e você resolve experimentar… pronto! O conforto e a atenção exclusiva viciam. Quando você se dá conta, já está entendendo os valores diferenciados, avaliando salas VIP e até pesquisando sobre como conseguir upgrade para Classe Executiva. Quando você começa a seguir o Passageiro de Primeira, aí não tem mais jeito. Tarde demais.

O fato é que voar de classe executiva está cada vez mais acessível para meros mortais, como eu. Ao ver o anúncio de uma super promoção de Los Angeles para Bangkok por apenas US$ 600 ida e volta, não tive dúvida: garanti minha passagem!

Compra

O valor bem abaixo da média foi aparentemente um bug da Hong Kong Airlines, que soube levar a situação com bom humor — e o melhor, honrar as passagens compradas. Ponto para eles!

É assim que se faz! (Tweet oficial)

Apenas para se ter uma noção de valores, os mesmos trechos na Classe Econômica costumam custar a partir de US$ 700, enquanto na Executiva ultrapassam facilmente os US$ 4.500. A passagem não foi comprada diretamente no site da companhia (que não mostrava os preços promocionais), mas sim através de uma agência online. Embora eu precisasse apenas da ida, o menor preço era para ida e volta. Curiosamente, as datas eram bem espaçadas e havia passagens com até 6 meses de diferença pelo mesmo valor!

Check-in

Check-in online

Finalmente o grande dia chegou! O check-in online dos voos da Hong Kong Airlines podem ser feitos com até 48 horas de antecedência, exceto os voos de/para os Estados Unidos, que devem ser feitos entre 24h a 1h30 antes da partida.

Problema: a tela de check-in do site da companhia não tem um campo específico para o código de reserva, apenas para o número do bilhete eletrônico (e-ticket). Ou seja, quem viaja acompanhado terá que fazer dois check-ins separados, um para cada passageiro. Notei que só haviam dois assentos juntos disponíveis, na fileira 16 (imagem abaixo). Selecionei um deles, finalizei o processo e recomecei, desta vez com os dados da minha esposa. Mas — surpresa! —, na hora de selecionar o assento dela, o site mostrava outros assentos juntos disponíveis! Acessei novamente com meus dados e eles não estavam lá. Estranho. Pode ter sido apenas um erro, mas em tempos de denúncias de companhias aéreas dividindo famílias propositalmente, achei no mínimo suspeito.

O importante é que no final deu tudo certo: 16D e 16G, aí vamos nós!

Um detalhe importante: Ainda durante o check-in online, não há indicações claras para inserir o número do programa de fidelidade, mas sim um ícone minúsculo de um cartão com a sigla FFP ao lado (frequent-flyer program). Caso não seja inserido na hora, não tem como voltar mais. O jeito é informar no balcão da companhia, ou posteriormente, por e-mail.

Bagagem

Chegamos com alguma antecedência ao moderno Terminal TBIT (Tom Bradley International Terminal), um dos nove movimentadíssimos terminais do Aeroporto Internacional de Los Angeles. Por alguma razão não havia nenhuma sinalização da companhia nas telas digitais, então tivemos que andar um pouco até encontrar. Poupe tempo: Os guichês da Hong Kong Airlines são os de número A23 ao A30, no terceiro andar.

Upgrade para a Classe Executiva a partir de U$ 742 o trecho 

A fila da Classe Executiva estava vazia e fomos os primeiros a serem atendidos. A Hong Kong Airlines oferece franquia de duas bagagens de até 32 kg para passageiros de Executiva. O atendimento foi rápido e impessoal, e em poucos minutos tínhamos o cartão de embarque e o “convite” de acesso ao Lounge.

International Lounge

O espaço não é exclusivo da Hong Kong Airlines. É dividido entre outras companhias, como a El Al, Phillipines Airlines, Xiamen Air, Japan Airlines e outras. Localizado no 6º andar do TBIT e com o nada criativo nome de “International Lounge”, o ambiente tem o mínimo de conforto e comodidades necessárias, mas está lounge de ser comparado às pomposas salas VIPs de outras companhias mais consolidadas.

(Sim, o trocadilho foi péssimo, eu sei.)

Surpreendentemente vazio para a quantidade de companhias que o compartilham, o Lounge é aconchegante, organizado e tem uma área interna e externa, esta última com uma vista panorâmica para o saguão. A variedade de drinks é proporcional ao seu tamanho, mas atende bem com vinhos Merlot e Cabernet Sauvignon californianos, além dos tradicionais uísques e licores. (Dica do editor: misture o uísque cremoso irlandês Baileys com o licor mexicano Kahlúa e um pouco de geloDe nada.)

Apaixonados por café estarão bem servidos com uma respeitável máquina automática capaz de preparar a bebida nos mais diversos estilos. Já os lanches deixaram um pouco a desejar: durante nossa estada resumiram-se a nozes, biscoitos, barras de cereal e bolinhos.

O destaque fica por conta da discreta geladeira, praticamente um armário de Nárnia, repleta de frutas, sanduíches de presunto, peru e salmão, além de refrigerantes, cervejas e até espumantes. Pequenos pedaços de queijos importados harmonizam bem com os vinhos.

Passageiros que não estejam acostumados a viajar para a Ásia poderão estranhar a variedade de macarrão instantâneo disponível, e até entender erroneamente como uma falta de capricho ou economia das companhias. Nada disso: na verdade os noodles são consumidos pelos orientais como uma refeição do dia a dia, independente de classe social. Embora seja engraçado para nós brasileiros, é bem comum ver executivos asiáticos engravatados e bem-sucedidos comendo um lanchinho prático feito em 3 minutos. Se não pode contra eles… junte-se a eles.

Vinho, frutas e snacks

Cabine

O embarque preferencial é um dos melhores benefícios de se viajar em Classe Executiva. Aguardei pacientemente o horário e fiquei orgulhoso de ser o primeiro da fila (aliás, que fila?). A ideia era ser o primeiro a entrar na aeronave e garantir fotos sem ninguém. Mas ficou apenas na intenção…

entrada voo lax hong kong airlines

Inexplicavelmente (ao menos para mim) já havia gente no avião. Aos montes. Talvez houvesse outra entrada, realmente não sei o que aconteceu. E pelo visto não fui o único a comprar passagens baratas para voar na executiva da Hong Kong Airlines. Notei que todos os passageiros estavam animados demais, tirando mais selfies do que o habitual.

A primeira impressão da cabine é positiva. Ampla e bem iluminada, embora leve algum tempo para se acostumar com a combinação de cores cinza-gelo e o vermelho vivo escolhidos pela companhia. Organizados na configuração 1-2-1, há no total 33 assentos que viram cama — graças à disposição em “Z” ou “espinha de peixe” das poltronas, semelhante ao Boeing 787 Dreamliner da American Airlines.

assentos a350 executiva hong kong airlines

Primeira impressão da Cabine Executiva da Hong Kong Airlines (A350)

Quem viaja sozinho terá bastante privacidade, graças ao design em ângulo e acesso direto ao corredor para cada passageiro. Não somente nas poltronas dos cantos, sem vizinhos diretos, mas também nas do meio, que contam com uma grande divisória — um incômodo para casais em lua de mel. Os assentos são grandes, confortáveis, feitos com um tecido macio e um encosto em couro, além de reclinarem 180°. O apoio para os pés me pareceu meramente decorativo e só de fato teve serventia quando reclinei completamente o assento.

Uma vez com o assento reclinado, o conforto é absoluto. A abertura lateral pode dar uma pequena sensação de vulnerabilidade, mas para se sentir mais protegido basta regulá-la, subindo ao máximo, para que uma mini-barreira seja criada.

Leito Executiva Hong Kong Airlines

As pouco mais de 15 horas de voo entre Los Angeles e Hong Kong passam surpreendentemente rápido, graças a um voo sem contratempos, com alto nível de conforto e entretenimento. Hora de desembarcar e aproveitar o Club Autus, lounge modelo da Hong Kong Airlines em sua terra natal.

lounge club autus hong kong airlines

Club Autus, lounge da Hong Kong Airlines no 7º andar

Se o International Lounge do Aeroporto de Los Angeles havia ficado abaixo das expectativas, o seu equivalente em Hong Kong foi uma agradável surpresa. O Club Autus é tudo aquilo que se espera de uma boa sala VIP: confortável, moderno, com refeições e bebidas variadas, decoração de bom gosto e funcionários atenciosos. Além da Wi-Fi veloz e espaço com computadores e jornais disponíveis, o ambiente também contava com lugares para repouso e banho.

Tudo no Club Autus parece ser feito com capricho: desde os estofados macios das poltronas, até a imensa variedade de drinks e comidas. Nada de “macarrão instantâneo”: dessa vez havia até pizza e frutos do mar à disposição, bem como uma pequena cozinha onde pratos orientais podiam ser solicitados na hora.

Mas como dizem, “alegria de pobre dura pouco”. Hora de dar adeus ao lounge e seguir para o próximo voo, que manteve exatamente os mesmos padrões do primeiro. A única diferença perceptível foi a mudança de imagem na tela de boas-vindas: sai Hong Kong, entra Bangkok.

Entretenimento

Em matéria de entretenimento, a Hong Kong Airlines realmente se esforça para agradar. Começando pela gigantesca tela touchscreen, que impõe respeito com uma vasta seleção de jogos, músicas, séries e filmes. Evidentemente não há títulos em português, mas a maior parte do acervo possui áudio original ou legendas em inglês — mesmo os de origem chinesa. (Dica do editor: Assista ao romance água com açúcar “Crazy Rich Asians“, uma produção de Singapura feita para apresentar a Ásia moderna ao público ocidental. Recomendadíssimo para quem visita o continente pela primeira vez!).

Embora a tela seja sensível ao toque, há também um controle remoto semelhante a um smartphone que facilita o manuseio do aparelho. Os fones de ouvido na cor rosa são potentes, embora não abafem muito bem os ruídos externos. Além dos tradicionais mapas de voo 3D, há câmeras externas na aeronave, diversão garantida durante o pouso e decolagem.

Além disso, também há revistinhas corporativas e catálogos de duty-free, bem como a distribuição de jornais (em inglês e chinês) ainda durante o embarque. O destaque negativo é a internet wifi a bordo, extremamente lenta, limitada e cobrada à parte — ao meu ver, um erro. A JetBlue oferece Wi-Fi gratuitamente até na Classe Econômica, mesmo sendo uma companhia low cost. Soa esquisito ter que pagar US$ 5 para acessar a rede na Classe Executiva de uma companhia full service. Custava absorver esse custo já no preço da passagem? Ninguém gosta de pagar taxinhas extras.

Serviço de Bordo

Amenidades

Logo após o embarque os comissários já passam servindo drinks. Nada de champagne: apenas água, chá gelado ou suco de laranja.

copo hong kong airlines

Além do cobertor e do travesseiro em cada assento, no primeiro voo também havia um par de sandálias; já no segundo voo elas foram trazidas depois. O kit de amenidades não chega a impressionar. Feito de lona grossa de algodão ao maior estilo ecobag, tem em seu exterior símbolos típicos de Hong Kong, que podem variar entre tigelas de arroz, gaiolas, bules e desenhos dos prédios atuais do país.

Dentro, o de sempre: escova e pasta de dente, meias, plugs de ouvido, hidratante e protetor labial da marca L’Occitane, além de um tapa-olhos que deveria ser mais escuro caso realmente tivesse a pretensão de tapar alguma coisa.

Amenity Kit

Refeições

Logo após o embarque as comissárias passam anotando os pedidos para a janta. O menu é assinado pelo jovem chef Gabriel Choy, nascido em Hong Kong e com carreira feita em Londres, ao lado do famoso chef Gordon Ramsay em restaurantes com Estrela Michelin. Promissor.

As opções principais eram cordeiro grelhado, arroz frito com frutos do mar e raiz de lótus refogada. A entrada impressiona, com uma apresentação impecável de generosas postas de salmão defumado e presunto copa, acompanhados de salada orgânica e sopa de galinha com inhame.

comida hong kong airlines

Já as refeições principais pecam pelo extremo: de um lado, um suculento cordeiro grelhado que desmancha na boca, harmoniosamente combinado com polenta e legumes salteados. Do outro, uma estranha gororoba irreconhecível de gengibre com frutos do mar e arroz frito à la caramba. Impossível não lembrar dos pratos de U$1 vendidos nas barraquinhas de rua de Bangkok. Definitivamente não é uma refeição com aparência de Classe Executiva.

As sobremesas são menos discrepantes: tortinha de maçã e ruibarbo, bem doce mas não enjoativa, com sabor exótico e refinado. Para paladares menos apurados, sorvete Häagen-Dazs nos sabores chocolate e baunilha. Confesso que senti falta do sabor macadâmia. Um pequeno tablete de chocolate meio amargo da marca Godiva acompanha.

Para beber, o público ocidental pode se sentir menos privilegiado. Há apenas três escolhas de sucos (laranja, maçã e tomate), água, refrigerantes e café. Em compensação, há mais de uma dúzia de diferentes opções de chás, desde o tradicional chá com leite de Hong Kong até sabores exóticos e de marcas famosas na Ásia. A carta de bebidas alcoólicas é um alento, com champagne, duas opções de vinhos brancos e tintos de origem australiana e chilena, além de um muito bem-vindo vinho do Porto. Há uma pequena seleção de cervejas internacionais, bem como uísque e gin.

As opções de refeições intermediárias não eram muito criativas e consistiam em frango com risoto ou noodles de frango. Isto é: frango ou frango. Escolhi o primeiro, cujo capricho na apresentação refletia no sabor incrivelmente delicioso. Frutas sazonais e um mousse de chocolate com framboesa davam o toque final. Também estavam disponíveis no menu de lanches um pão ciabatta com queijo e presunto, dim sum (pasteizinhos cozidos chineses) e uma seleção de queijos.

refeicao voo hong kong airlines

Frango com risoto

Devido à curta duração, o segundo voo teve apenas uma refeição principal. As opções eram arroz frito com frango (dica: fuja!) e um apetitoso filé mignon com uma curiosa combinação de abóbora assada e suflê de batata. Aprovadíssimo!

jantar hong kong airlines

Filé mignon com abóbora assada

Comissários e equipe de solo

Não costumo ser crítico demais com o trabalho dos comissários e da equipe de solo. Como já mencionei em outras avaliações, dispenso sorrisos e simpatia e prefiro o bom e velho profissionalismo. Uma operação regular já me agrada. O problema é quando a falta de atenção prejudica o bom andamento das coisas, o que fica é sensação de descaso, dando a impressão de um serviço abaixo da média.

A começar pelo check-in, onde a apatia e o mecanicismo imperaram. Dentro da aeronave, o padrão se manteve, sem toques pessoais ou espaço para criatividade. Dentre muitos pormenores, algo que marcou minha má experiência foi quando solicitei um sanduíche de queijo e presunto e demoraram mais de 45 minutos para trazerem (isso porque precisei lembrá-los). Quando finalmente trouxeram, era um sanduíche vegano! Agradeci polidamente e devolvi, informando sobre o meu pedido original. A resposta foi algo como “desculpa, acabou, fica com esse mesmo”, com uma ríspida virada de costas e desprezo total pelo cliente.

Veganos que me perdoem, mas pedir um ciabatta de queijo e presunto quentinho e receber pão frio com alface é o equivalente a reservar um assento na Executiva e embarcar no porão!

Programa de Fidelidade

A Hong Kong Airlines faz parte do Fortune Wings Club, um programa de milhagem que contempla outras companhias asiáticas como a Hainan Airlines, Tianjin Airlines, Capital Airlines, dentre outras.

Todos os pontos são contados em quilômetros e a tarifa na Classe J rende 130% do total voado. No meu caso, os voos entre Los Angeles a Hong Kong e posteriormente Bangkok, ida e volta, perfizeram ~26.700 km —  ou aproximadamente 34.700 pontos.

Embora as vantagens e descontos do programa possam fazer mais sentido para quem viaja pelo continente asiático, o Fortune Wings Club também conta com parceiros internacionais como a TAP, Alaska Airlines, Etihad e Virgin Australia. Infelizmente a taxa de combustível da TAP pode inviabilizar alguns resgates; utilizar os pontos em voos internos nos EUA com a Alaska Airlines parece ser a opção mais vantajosa.

Um fato interessante é que os pontos do Fortune Wings Club são cambiáveis para outros programas como o JetBlue TrueBlue, Frontier Miles, Melia Rewards e IHG Rewards Club, dentre outros. Nada mal.

Dica: Você pode se cadastrar no programa através de qualquer companhia membro, mas recomendamos fazê-lo no site da Hainan Airlines. Além de ser a principal empresa aérea do programa, eles também oferecem 500 pontos de boas-vindas para novos cadastrados.

Conclusão

Chegada a Bangkok

O segundo voo, com pouco menos de 3h de duração, foi na medida certa para assistir a mais um filme e comer algo antes da tão esperada chegada.

Trabalhe duro, voe de Business Class.” Ou fique de olho nas promoções 🙂

A aterrissagem foi suave e as câmeras no trem de pouso dão um charme especial. É possível sentir toda a emoção das rodas tocando na pista, um colírio para os apaixonados por aviação.

Conclusão

Passageiros acostumados a viajar de Business Class sentirão falta dos mimos e paparicos usuais de companhias mais famosas, como a Qatar e a Emirates, ou até mesmo da própria Cathay. A Hong Kong Airlines preza pela tradição e arte, não pelo luxo. Mas por apenas US$ 600, é algo que posso aceitar sem problemas.

Em termos de conforto, não há absolutamente nada do que reclamar. É possível dormir bem e descansar durante todo o trajeto, minimizando consideravelmente qualquer sintoma de jetlag, comuns em voos de longa duração como esse.

O toque final fica por conta de um pequeno voucher distribuído pela companhia, que permite passar por uma fila exclusiva na Imigração, reservada para passageiros de Classe Executiva. Só quem está acostumado a viajar para o Aeroporto de Bangkok, um dos mais movimentados do mundo e sempre com filas imensas, sabe o valor disso. Já valeu a viagem.

Do lado de fora, finalmente posso cumprir meu ritual. Ajoelho e beijo o chão.

É bom estar em casa.

Aeroporto Suvarnabhumi (BKK), Bangkok

Aeroporto Suvarnabhumi (BKK), Bangkok


Quer ver a sua avaliação publicada no Melhores Destinos? Entre em contato com a gente pelo e-mail avaliacao@melhoresdestinos.com.br

Nota final.

Hong Kong Airlines

Los Angeles - Bangkok

Voo HX 69

8,1
Embarque 7,5
Assento 9
Entretenimento 9
Amenidades 7,5
Equipe 7,5
Fidelidade 8,5