Como é voar com a Etihad Airways na classe econômica do Boeing 787 Dreamliner!

Como é voar com a Etihad Airways na classe econômica do Boeing 787 Dreamliner!

SIN Cingapura
AUH Abu Dhabi
EY 473
Avião Boeing 787
Classe Econômica
Poltrona
Data 21/02/2017
Partida 19:17
Chegada 22:47
Duração
Por Leonardo Cassol
27/03/2017 às 18:05

Esse review é um dos trechos da minha viagem de férias, onde percorri seis países, três continentes, viajando pela primeira vez em cinco companhias aéreas diferentes. Uma delas foi a Etihad.

Sobre a Etihad Airways

A Etihad é uma companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, com sede em Abu Dhabi. Fundada em 2003, voa para mais de 150 destinos e possui mais de 100 aeronaves. É reconhecida com uma das melhores companhias aéreas do mundo, segundo o World Travel Award. Tem crescido muito a cada ano, tendo como referência as concorrentes Qatar e Emirates.

A Etihad operava voos diários saindo de São Paulo para Abu Dhabi, mas encerrou a rota ontem, dia 26 de março, mesma data em que a Emirates começou a operar o Airbus A380, o maior avião de passageiros do mundo, nos voos entre São Paulo e Dubai.

Resumo do review

Duração da viagem: 7h20m

Destaques positivos: aeronave, kit de amenidades e sistema de entretenimento

Pontos a melhorar: espaço entre as poltronas e configuração dos assentos

Check-in

Check-in

A Etihad opera no Terminal 2 de Changi. Cheguei ao aeroporto um pouco antes do check-in abrir. Como a Etihad tem apenas um voo diário saindo de Cingapura, o check-in abre apenas 3 horas antes da partida. Fui o primeiro da fila (eita ansiedade rsrsrs) e despachei a bagagem rapidamente. Eu tinha pré-reservado o assento na janela 27K, que foi confirmado pela atendente.

Embarque

Passei pelo controle de passaporte e fui dar uma volta no belo aeroporto. Aproveitei para jantar num dos muitos restaurantes do Terminal 2. Afinal, nunca se sabe o que nos espera num serviço de bordo e eu não gosto de voar com fome!

No aeroporto de Cingapura o controle de segurança com raios-x ocorre na entrada do portão de embarque, junto com checagem do cartão de embarque. Meu voo decolou do portão E5. Depois do controle, ficamos confortavelmente confinados numa sala ampla e confortável, aguardando a chamada do voo. O embarque foi tranquilo e ocorreu dentro do horário previsto.

Cabine

A aeronave era bem nova e super moderna. Sou fã do Boeing 787 Dreamliner. Já tinha voado nos modelos da United e da Latam Chile antes, e foram experiências muito bacanas. Acho esse modelo de avião silencioso e bem confortável.

A Etihad possui duas configurações em seus Boeing 787 Dreamliner. Uma com primeira classe, classe executiva e econômica, que foi a que eu voei. Eram 8 suítes, 28 assentos com poltrona cama e 195 assentos na cabine principal. Existe outra configuração apenas com classe executiva e econômica, com mais assentos.

A cabine da classe econômica nesse avião tem poltronas no formato 3-3-3. Acho um pouco desconfortável para casais, pois sempre pode ter um estranho sentado ao lado. Mas, por sorte, o voo estava apenas com um pouco mais da metade da ocupação e não veio ninguém na mesma fileira.

Toda a iluminação da cabine é em LED. Os bagageiros são bem espaçosos e as poltronas tem um acabamento na cor bege, com um detalhe que chama atenção: o apoio para a cabeça apenas de um lado. Nunca tinha visto isso antes. Achei estranho, pois não dava para tirar. Demorei para me acostumar, mas até que o apoio me ajudou bastante a dormir durante o voo.

Quem quiser bastante espaço pode pagar pelos assentos nas saídas de emergência. Nesse voo os assentos pagos ficaram vazios.

O espaço entre as poltronas segue o padrão do mercado, um pouco apertado, especialmente quando o assento da frente está reclinado. Nada de cinco estrelas, pelo menos nesse aspecto. A reclinação também é padrão.

Um detalhe polêmico desse modelo de aeronave são as janelas. Elas são 30% maiores e não têm persianas. Apenas um botão que escurece a janela, mas sem bloquear totalmente a visão. Eu curti bastante, mas alguns passageiros se incomodam em voos durante o dia, já que não fica totalmente escuro. Como esse voo foi a noite, não ouvi nenhuma reclamação.

Mas o que chamou mesmo a minha atenção foram os banheiros. Gostei muito! Nunca tinha voado em banheiros tão bacanas. Tudo adesivado, como se o acabamento fosse com pequenos ladrilhos, em diferentes tons de cinza. A iluminação em LED também dá um efeito bem legal. Pra completar, há um dispositivo que deixa o banheiro perfumado, mas sem exagero. Bem legal! E era o banheiro da econômica. Fiquei curioso para saber se o banheiro da primeira classe tinha algum diferencial, mas não tive coragem de ir lá bisbilhotar…

Aproveitei o momento do embarque para fazer uma visita à cozinha do avião, no fundo da aeronave. Vejam como é enorme! Também, para servir centenas de passageiros, tem que ter muito espaço mesmo.

A baixa ocupação do voo me fez lembrar um apelido maldoso que a companhia recebe de suas concorrentes. Emptyhad (“empty” significa vazio em inglês). De um lado, a baixa ocupação pode ser normal em rotas novas ou pouco maduras. Do outro, as concorrentes acusam a Etihad e as demais companhias do Oriente Médio de expandirem suas operações através de combustível subsidiado. Polêmicas à parte, para o conforto do passageiro, não é ruim voar num avião com assentos vazios.

Entretenimento

Cada poltrona conta com um sistema de entretenimento individual de última geração, com tela sensível ao toque e um controle remoto com função de tablet. Bem moderno mesmo!

Além das muitas opções de filmes, séries, jogos e música, a Etihad oferece o Wi-Fly, com a possibilidade de assistir o conteúdo no seu próprio celular, tablet ou notebook. Testei e funcionou direitinho no Iphone. Não vai faltar o que assistir!

Durante o voo estavam disponíveis filmes bem recentes, quase saídos do cinema, bem como filmes menos novos, mas conhecidos. Tinham também séries norte-americanas, quase tudo com áudio e/ou legenda em inglês. No início do voo e durante o jantar eu aproveitei para assistir a um episódio novo da segunda temporada de Mr. Robot e rever outro de The Good Wife, duas séries que curto bastante.

O wi-fi estava disponível ao custo de US$ 5 por 30 minuto de uso. Eu não testei, pois logo depois do jantar e de assistir às séries eu aproveitei para dormir.

Serviço de Bordo

Amenidades

Ao entrar na aeronave cada passageiro encontrou um travesseiro em formato de U e uma manta na poltrona. Além disso, os comissários distribuíram fones e uma necessaire, com meia, tapa olhos, protetor auricular, escova e pasta de dentes. Um diferencial bacana para quem voa em cabine econômica atualmente. Em tempos de empresas aéreas de baixo custo, é cada vez mais raro mimos como esse… Fiquei bem satisfeito!

Serviço de bordo

Serviram jantar e café da manhã nesse voo de pouco mais de 7 horas.

O jantar iniciou cerca de 20 minutos após a decolagem, com a entrega do cardápio em inglês ou árabe, mais um diferencial da classe econômica da Etihad. Bem melhor do que o tradicional “Carne ou frango?” ou “Carne ou massa?”, não acham? O passageiro tem tempo de ler, entender e pensar no que quer comer. Curti! Em seguida, os comissários passaram servindo bebidas e um biscoitinho como aperitivo.

Foram três opções de jantar: peixe com arroz, feijão e cenoura, com molho de pimenta; ou frango do golfo com arroz e cenoura; ou macarrão fusili com molho de tomate e parmesão. Acompanharam o prato principal salada de batata, pão, manteiga, biscoitos e queijo, além da sobremesa, uma mousse de chocolate.

Quase uma hora após a decolagem a comida chegou na mesa. O jantar foi servido numa bandeja com copo e potes de plástico. Já os talheres eram de metal, com o nome e a marca da companhia.

Optei pelo frango à moda do golfo com arroz e cenoura. Esse detalhe “autêntico do golfo” era muito importante, mas eu não dei bola…

Que arrependimento da escolha do prato! Não é que estava ruim. O problema é que o frango era cozido com o couro (acho que isso que significava “autêntico do golfo” mencionado no cardápio). E não dava para tirar o couro, sendo bem desagradável de comer, pelo menos para mim.

A sobremesa também não tinha muito gosto, não parecia uma mousse tradicional. Mas, diferentemente do frango, deu pra comer toda. Ainda bem que eu tinha jantado no aeroporto, então não fiquei com fome!

Para o café da manhã havia apenas uma opção: wrap recheado com frango, além de bebidas. Escolhi café com leite para acompanhar. O wrap estava bom, mas o tempero da comida em geral não combinou com o meu paladar.

Comissários e equipe de solo

Não tenho nenhuma queixa da equipe de solo e dos comissários da Etihad. Todos foram profissionais e prestativos, cumprindo seu papel antes, durante e depois do voo. É verdade que eles não demostraram muita simpatia, mas também não foram rudes. E isso já conta bastante. Além disso, tanto no voo, quanto no aeroporto, os funcionários que tive contato falavam inglês.

Programa de Fidelidade

O programa de fidelidade da companhia é o Etihad Guest. Não tem grande utilidade para nós brasileiros, ou para quem não viaja com frequência com a empresa. A grande vantagem é a parceira da Etihad com a Smiles, o que nos permite acumular milhas no programa brasileiro.

A Etihad possui também outras empresas parceiras, como a Air Berlin, Alitalia, Jet Airways, Air Seychelles, Air Serbia e Niki, que pontuam milhas no seu programa de fidelidade.

Se for pontuar voos da Etihad Airways na Smiles, verifique a tabela de acúmulo. Para utilizar milhas Smiles na emissão de passagens na Etihad, utilize o site da Smiles. O trecho entre Cingapura e Abu Dhabi custou 22.750 milhas + R$ 163 de taxa de embarque, numa oferta que dava 30% de desconto.

Conclusão

Pousamos tranquilamente em Abu Dhabi, 13 minutos antes do horário previsto. Como eu já tinha o visto de turismo para entrar nos Emirados Árabes, solicitado do Brasil por meio de uma agência de turismo, peguei a menor fila da imigração, que levou menos de 3 minutos. Quem tem trechos de ida e volta com a Etihad pode obter o visto com a própria companhia aérea. Infelizmente, não era o meu caso, então tive que pagar.

Aguardei uns 15 minutos na esteira para a chegada das bagagens. Eu sou daqueles que a mala nunca vem logo, nem quando tem etiqueta de prioridade rsrsrs. Mas o importante é que a mala chegou… e intacta!

O aeroporto de Abu Dhabi é relativamente pequeno. No saguão de desembarque é possível comprar chip para celular com pacote de dados e de minutos. Existem balcões de duas grandes empresas com funcionários que falam inglês. Achei o preço um pouco caro, mas valeu a pena!

Valeu muito a pena visitar Abu Dhabi! Acho que vale ficar umas duas noites para explorar a cidade, antes de ir para Dubai. Algumas imagens falam mais do que qualquer coisa que eu escrever aqui… Olha que demais!

Voar pela primeira vez com a Etihad foi uma experiência bem interessante. Cardápio da classe econômica, necessaire e um moderno sistema de entretenimento mostram porque a companhia tem 5 estrelas na avaliação do Skytrax. Infelizmente dei azar com o prato que eu escolhi no jantar, mas nada que comprometa a experiência de voo como um todo.

E você, ficou com alguma dúvida? Já voou ou vai voar com a Etihad? Comente e participe!

Veja também as avaliações dos voos da Korean Air, Qatar, SriLankan e Alitalia, realizadas durante essa viagem!

Leonardo Cassol – é editor do Melhores Destinos e especialista em programas de fidelidade. Acumulou em 2016 um total de 1.168.037 milhas com muitas viagens, cartões de crédito, clubes e promoções. Possui status nos quatro programas de fidelidade nacionais: Black Latam Fidelidade (One World Emerald), Smiles Diamante, Amigo Diamond (Star Alliance Gold) e TudoAzul Diamante. Além disso, possui status Medallion Platinum na Delta Airlines (Sky Team Elite Plus).

Nota final

Etihad

Cingapura - Abu Dhabi

Voo EY 473

8,9
Embarque 9,5
Assento 8,5
Entretenimento 10
Amenidades 8,5
Equipe 9,0
Fidelidade 8,0

15 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *