logo Melhores Destinos

Aurora Boreal na Islândia: dicas para você realizar esse sonho!

Monique Renne
Monique Renne
14/06/2020 às 6:02

Aurora Boreal na Islândia: dicas para você realizar esse sonho!

A Aurora Boreal é um sonho que faz parte da lista de muito viajante. Poder presenciar as luzes do norte dançando no céu em tons de verde, rosa e roxo é certeza de não segurar a emoção. O momento, que sempre é esplendoroso, é emoldurado muitas vezes por paisagens inóspitas, neve intensa e dramáticos cenários naturais. E a Aurora Boreal na Islândia ganha contornos ainda mais magníficos. Em meio ao gelo e fogo que toma conta desta ilha nórdica, as luzes da Aurora Boreal se transformam em um dos mais impressionantes momentos da vida de qualquer turista apaixonado por destinos de natureza. Percorrer a Islândia já é uma experiência espetacular em dias normais, mas viajar e ainda poder caçar a Aurora Boreal é mesmo mágico.

Embarcamos rumo à Islândia para conferir pessoalmente um dos fenômenos naturais mais desejados por turistas de todo o mundo. Podemos garantir que valeu cada minuto da expedição e do intenso frio que pegamos por lá. Neste post, contamos para vocês tudo sobre a nossa experiência caçando a Aurora Boreal na Islândia. Eu, Monique Renne, embarquei para acompanhar um caçador de Aurora Boreal profissional e também em busca de um tour de apenas uma noite. Já a nossa editora do Mejores Destinos Chile, Yenifer Contreras, esteve na Islândia um mês antes, de férias, caçando Aurora Boreal por conta própria em uma campervan.

Confira nossos relatos e todas as dicas que você precisa para também realizar o sonho de ver a Aurora Boreal na Islândia. Ah! Todas as fotos deste post foram registradas durante as nossas viagens, nos meses de setembro e outubro de 2019. São Auroras Boreais que realmente presenciamos! Vamos lá!

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Onde fica e como é a Islândia

A Islândia é um país insular localizado no Atlântico Norte, entre a Europa e a Groenlândia. Essa ilha nórdica, com pouco mais de 102 mil km² de área, desperta cada vez mais a curiosidade entre os viajantes mais aventureiros. Bem pouco conhecida até 2010, quando o seu vulcão Eyjafjallajökull (sim, é impronunciável) entrou em erupção e causou o caos nos espaço aéreo europeu, a Islândia se tornou nos últimos anos queridinha entre os turistas que buscam destinos mais exóticos.

Paisagem do norte da Islândia

Paisagem do norte da Islândia/ Foto: Monique Renne

Lembrada como a terra do fogo e do gelo, a Islândia presenteia os viajantes com enormes geleiras, vulcões ativos, fiordes grandiosos, gêiseres em constante erupção, piscinas aquecidas naturalmente por fontes de atividade geotérmica, praias com visuais incríveis, além de belos rios e cachoeiras. Sem falar que a Islândia está na divisa das placas tectônicas norte-americana e eurasiática e apenas lá será possível tocar as duas com poucos metros de distância!

Ao mesmo tempo que é permeada de intensas paisagens naturais, a Islândia conta com cidades deliciosas. E quando falamos “pequenas”, incluímos até mesmo a charmosa capital Reykjavik, que pode ser conhecida em um ou dois dias. Por lá, a cultura nórdica é lembrada a todo momento, mesmo em meio a alguns modernosos edifícios. Além de Reykjavik, vale passear também pelos arredores de Akureyri, onde o visual fica completo com passeios de barco e visualização de baleias.

Reykjavik

Reykjavik/ Foto: Monique Renne

O pouquinho que contamos até agora já seria o suficiente para ter vontade de conhecer o país, porém a Islandia reserva um detalhe que faz dela o destino dos sonhos: os maravilhosos espetáculos da Aurora Boreal! E foi em busca das luzes no norte que embarcamos rumo à Islândia!

O que é a Aurora Boreal

Para nós, leigos, a Aurora Boreal é um conjunto de luzes intensas, coloridas e que se movimentam no céu. Em resumo, é um grande sonho para muitos viajantes! Claro que, cientificamente falando, a Aurora Boreal pode ser explicada de outra maneira. Segundo o estudioso e caçador de Aurora Boreal Marco Brotto, “a Aurora Boreal é um fenômeno físico-químico resultado do choque do plasma solar com as camadas superiores da atmosfera da Terra. Esse plasma é formado por prótons, elétrons e neutrino. Os prótons causam auroras fracas e difusas, dificilmente visíveis ao olho humano. Já os elétrons, quando chegam à magnetosfera, são energizados em razão da aceleração da atração para o lado escuro da Terra. Os elétrons, acelerados e ionizados, viajam pelo campo magnético da Terra até as regiões polares e então rompem esse campo, onde colidem com átomos e moléculas de oxigênio e nitrogênio na termosfera. Com essa atividade de elétrons, temos as auroras dançantes, coronais e os melhores espetáculos”. 

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Qual a melhor época para ver a Aurora Boreal na Islândia e como é o clima no país

Um ditado islandês diz que se você não gosta do clima da Islândia é só esperar cinco minutos. Sim! As coisas por lá mudam bem rápido e é fácil ter no mesmo dia diversos climas bem distintos, para não dizer imprevisíveis. Apesar de ser um destino fascinante e maravilhoso para observação de Aurora Boreal, quem viaja para a Islândia precisa estar ciente que o clima nem sempre ajuda e que a caçada às luzes do norte pode ser bem difícil.

Se o seu foco é ver a Aurora Boreal, é preciso estar atento ao calendário. Apesar do fenômeno da Aurora Boreal ocorrer durante todo o ano, ele só pode ser observado quando as noites são bem escuras, o que acontece especialmente entre os meses de setembro e abril. Como o inverno na Islândia não é para amadores e o país costuma ter muita neve, frio e ventos fortes, o melhor período para aliar a Aurora Boreal a uma viagem com clima agradável são os meses de setembro e outubro, quando o frio ainda está ameno, as estradas não estão tomadas de neve e a Aurora Boreal já é visível no céu. Outra opção é viajar no final da temporada de frio, entre os meses de abril e maio. Nesse caso, há a possibilidade de pegar estradas com degelo, o que forma o black ice (camada fina de gelo que é muito escorregadia) e também lama.

Paisagem à beira da estrada na Islândia

Paisagem à beira da estrada na Islândia / Foto: Monique Renne

Ficar antenado à previsão do tempo durante a viagem é fundamental, especialmente para observar onde o céu estará limpo e onde o vento estará forte demais (é comum fechamento de estradas devido ao vento). Sites e aplicativos de previsão do tempo são companheiros fieis dos aventureiros que percorrem as estradas da Islândia e não podem ser ignorados. Um bom canal para acompanhar as mudanças climáticas e possíveis consequências é o Vedur. No site, também é possível acompanhar a previsão para visualização da Aurora Boreal.

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

A Islândia tem temperaturas ao longo do ano bem mais amenas que o esperado para um país na mesma região do globo, tudo devido à presença de um ramo da corrente do Golfo que flui ao longo da costa sul e oeste e deixa o clima mais moderado. Isso não significa que a Islândia não seja fria, especialmente para os padrões brasileiro. É bom estar sempre preparado! A temperatura na capital Reykjavik, por exemplo, costuma ficar entre -2 °C e 14 °C e dificilmente é inferior a -8 °C ou superior a 17 °C. Quando estivemos no país, em novembro, pegamos -11 °C no norte e sensação térmica de -16 °C. Foi bem frio, não vamos negar! As regiões sul e oeste da Islândia costumam ser mais chuvosas se comparadas ao norte do país, que habitualmente é mais frio.

Cachoeira Godafoss

Cachoeira Godafoss / Foto: Monique Renne

Durante os meses de verão no hemisfério norte, mesmo com o sol reinando quase 24h no céu, as temperaturas não são elevadas e o padrão é o tempo nublado e cinzento. A vantagem da época é a diminuição dos ventos e chuvas. Já no inverno do hemisfério norte as noites se tornam bem mais longas, os ventos muito fortes, e as chuvas e neve mais frequentes. Céu azul é coisa rara na Islândia, mesmo durante o auge do verão. Não desanime!

A alta temporada do turismo na Islândia é durante o verão do hemisfério norte, especialmente nos meses de julho e agosto. O clima estará mais ameno, a paisagem linda e o país repleto de viajantes em busca de cenários espetaculares. Ainda que o verão seja maravilhoso, não é possível observar a Aurora Boreal neste período. O melhor mês para aliar uma viagem pelas atrações de todo o país às caçadas às luzes do norte é setembro.

Veja aqui detalhes sobre o clima da Islândia.

Blue Lagoon

Blue Lagoon / Foto: Monique Renne

Como chegar à Islândia

Não há voo direto do Brasil para a Islândia e ao menos uma conexão em outro país será necessária para quem parte de cidades brasileiras rumo ao país. A principal porta de entrada para a Islândia é a capital Reykjavik, que conta com o Aeroporto Internacional de Keflavik – KEF (comumente também chamado de Aeroporto Internacional de Reykjavik), distante 50 km do centro da capital. É muito importante salientar, para não haver confusão, que há um segundo aeroporto (Aeroporto de Reykjavik – RKV), que oferece apenas rotas domésticas e não serve para quem está viajando rumo à Islândia a partir de outros países. Fique ligado na hora de buscar as passagens!

Jökulsárlón

Geleira Jökulsárlón/ Foto: Monique Renne

Boas opções de rotas para fazer conexão ou stopover ao comprar uma passagem aérea rumo à Islândia são voos a partir de Oslo, na Noruega; Londres, na Inglaterra; Amsterdam, na Holanda; e até mesmo Nova York, nos Estados Unidos. A principal companhia aérea a voar para a Islândia é a Icelandair, com rotas a partir de diversas capitais da Europa. Ainda que a companhia aérea islandesa ofereça grande parte dos voos rumo a Reykjavik, há rotas operadas também pela Transavia (nós fizemos o trecho Amsterdam – Reykjavik por 130 euros com bagagem despachada), Lufthansa, British Airways, Wizz Air, Wow Air, Easy Jet, Delta, United, American Airlines, Vueling Airlines, Finnair, Norwegian, Eurowings, Scandinavian Airlines SAS e outras. Há passagens com valores por menor de 100 euros.

Para não perder nenhuma promoção de passagem aérea para a Islândia, baixe o aplicativo do Melhores Destinos!

Lagoa Myvatn

Lagoa Myvatn / Foto: Monique Renne

Como sair do Aeroporto Internacional de Keflavik – KEF

O Aeroporto Internacional de Keflavik – KEF está localizado a 50 km do centro da capital Reykjavik. Se você pretende alugar um carro para viajar pelo país, será fácil sair do aeroporto já motorizado. Diversas locadoras de automóveis oferecem posto de atendimento no local. Para quem não vai alugar um carro, as melhores opções para sair do aeroporto rumo a Reykjavik são os serviços de transfer particular ou ônibus público.

Para quem procura economia, a melhor opção é o ônibus comum que parte do aeroporto rumo ao centro da capital Reykjavik. A rota é realizada pela linha 55 e o custo é de 1.920 ISK (equivalente a 4 tíquetes comuns do ônibus ou 13 euros). Ao chegar à cidade, fique atento para descer no ponto mais próximo ao seu hotel. Vale conferir e programar a rota no Straeto, aplicativo e site oficial do transporte público da Islândia.

Se você busca mais praticidade e conforto, há diversas empresas que oferecem o trajeto em transfer particular de van ou ônibus. O serviço pode ser contratado diretamente nos guichês do aeroporto. O custo do ônibus é a partir de 2900 ISK (20 euros) e o trajeto é oferecido por empresas como a Gray Line Airport Express e a Flybus. Já as vans com serviço de porta a porta, como a Airport Direct, têm custo a partir de 6000 ISK (41 euros).

Como viajar e ver Aurora Boreal pela Islândia

A Islândia não é um país com excelente rede de transporte público entre as cidades e para visitar diversas atrações e ainda caçar a Aurora Boreal o mais recomendável é contar com outras alternativas para se locomover. Vale alugar um carro, viajar de campervan ou motorhome, fazer trechos mais longos de avião, contratar tours e até fechar um pacotão completo, com direito a passeios e caçadas à Aurora Boreal por vários dias.

Nossa equipe experimentou uma caçada à Aurora Boreal com nove dias de viagem, tour de um dia e também um roteiro de campervan por todo o país. Todas as experiências são válidas e a escolha vai depender do seu sonho, orçamento, tempo disponível para a viagem e também a época do ano que você embarcará rumo à Islândia. São diversos fatores a considerar na hora de escolher como viajar e se locomover pela Islândia.

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Islândia de carro

O roteiro de carro pela Islândia é indicado especialmente para quem deseja liberdade de horário e roteiro, além de economia com custos de passeios. Viajar de carro permite fazer quase tudo por conta própria e certamente o bolso irá agradecer nesta hora. O aluguel de um carro básico tem custo a partir de 34 euros. Dirigir é recomendado durante os meses com clima mais ameno, especialmente entre maio e setembro, quando o frio não é intenso e as estradas não estarão tomadas pela neve.

É muito importante dizer que, durante os meses de inverno, as estradas ficam perigosas e muitas delas são fechadas. Se o seu foco é viajar de carro e também ver a Aurora Boreal, é muito importante estar atento às condições de clima na hora de garantir as passagens. Para viajar pelo país dirigindo, e ainda ter a chance de caçar auroras, o melhor mês é setembro, quando a neve ainda não chegou à região e as noites já estarão escuras o suficiente para a observação. Vale ainda investir nos meses de outubro (já com maior risco de neve) e também abril e maio (final do inverno, com chances de lama do degelo).

Estrada na Islândia

Estrada na Islândia / Foto: Monique Renne

As rodovias na Islândia, no geral, são de boa qualidade e bem convidativas a um roteiro de carro. O país conta com uma estrada principal que contorna toda a ilha e facilita bastante a vida do turista. Conhecida como Ring Road, a Route 1 tem 1330 km de extensão, passa pelas principais cidades da Islândia e também por muitos pontos turísticos. Ela é a estrada que guia grande parte dos viajantes que se aventuram por conta própria no país. Apesar da Ring Road ser a principal rota dos turistas, elas não é a única e desvios serão necessários para conhecer algumas das mais famosas atrações do país.

Apesar de ter boa infraestrutura, nem todas as estradas da Islândia são acessíveis a carros comuns. Algumas rotas são acessíveis apenas a carros com tração 4 x 4. Fique atento para não sair do rumo! Outro fator que pesa contra dirigir na Islândia é a intensidade dos ventos e clima instável, o que costuma causar acidentes e fechamento das pistas.

Ao dirigir na Islândia, é preciso ficar atento ao serviço meteorológico e de tráfego terrestre. Vale consultar o Safe Travel e o Road.Is para saber se o seu percurso estará em boas condições de dirigibilidade. Nunca se aventure em uma estrada com alerta de segurança. Na Islândia é comum acidentes em dias de tempo e vento ruins. Muitas das estradas islandesas não têm acostamento, o que impede de parar o carro em qualquer local. Procure sempre um recuo seguro na hora de parar o carro e resista à vontade de fazer fotos a cada paisagem.

Estrada na Islândia

Estrada na Islândia / Foto: Monique Renne

O custo do aluguel de um carro na Islândia não difere muito de outros países da Europa, assim como o combustível. Alugar um carro é mais mais econômico que uma campervan, mas será preciso desembolsar um valor mais alto com hospedagem e alimentação. Quem vai alugar um carro precisa ficar atento à documentação. A CNH brasileira é aceita no momento da locação, porém a locadora pode exigir que ela esteja acompanhada de uma tradução oficial. Sabendo disso, é melhor garantir a Permissão Internacional para Dirigir – PID. Assim você não passará aperto.

Caçada à Aurora Boreal de carro

Para caçar as luzes do norte de carro, é preciso ser persistente, acompanhar e entender os aplicativos de Aurora Boreal e previsão do tempo, estar disposto a mudar a rota da viagem e, claro, contar com um bocado de sorte. Dirigir e permanecer acordado durante algumas horas à noite também faz parte do pacote do caçador, já que nem sempre – ou quase nunca – a Aurora aparece onde estamos e na hora que chegamos. Sem falar que o frio será um inimigo constante. É bom estar preparado para uma madrugada gélida em busca das luzes do norte. Cobertores, bebidas quentes e o aquecedor do carro serão fortes aliados na caçada.

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia/ Foto: Monique Renne

Para ter boa visualização da Aurora Boreal é preciso estar com as luzes apagadas e isso inclui também o farol do carro. Estacione o veículo apenas em locais seguros, fora das rodovias e onde seja possível permanecer sem nenhuma fonte de luz próxima. Lembre-se que a Islândia é repleta de cenários com desfiladeiros e montanhas. O melhor, neste caso, é percorrer a região durante o dia para ter uma ideia de onde estacionar à noite. Caso não se sinta seguro em dirigir nas estradas à noite, priorize hospedagens afastadas dos centros urbanos, o que ajudará na visualização da Aurora Boreal.

Islândia com campervan ou motorhome

Optar por viajar em uma campervan ou motorhome vai muito além de uma simples escolha do meio transporte. Quem viaja com “a casa nas costas” está em busca de aventurar-se um pouco mais e viver uma deliciosa e intimista experiência em meio aos cenários de um destino, e, neste caso, um destino repleto de boas surpresas. Para viajar em uma campervan ou motorhome, é preciso desapegar do conforto e comodidade dos hotéis. E podemos garantir que as recompensas serão enormes! Como a Islândia oferece bons campings e estradas, essa opção é uma ótima pedida para quem deseja economizar com hospedagem e alimentação, já que você poderá se hospedar em campings com preços mais acessíveis, além de fazer a comida no seu veículo ou na cozinha coletiva do próprio camping.

Campervan na Islândia

Campervan na Islândia / Foto: Monique Renne

Campervan ou motorhome? Quem nunca viajou nos dois veículos pode ter grandes dúvidas na hora da escolha. Na prática, a experiência da viagem será parecida nos dois, mas os valores e conforto serão bem diferentes. Tudo vai depender do bolso, número de viajantes e o grau de conforto desejado.

Campervans são vans adaptadas para viagem. As campervans podem ser de vários tamanhos e, no geral, oferecem cama e cozinha compacta (com fogão e às vezes microondas). As mais caprichadas têm frigobar, mesa, armários, TV, DVD, caixa de som, aquecedor e água quente na pia. Já as categorias mais caras costumam ter chuveiro e sanitário. As campervans acomodam de uma a três pessoas (quatro será desconfortável).

Os motorhomes, por sua vez, são veículos mais robustos, compridos e maiores, com cabine traseira independente. Os motorhomes são mais bem equipados (têm tudo o que a campervan oferece, porém em maiores proporções), têm mais espaço interno, sanitário, chuveiro e são ideais para famílias ou grupos de duas a seis pessoas. Os custos do motorhome, claro, são bem mais altos que os de uma campervan, porém o conforto e grau de independência dos campings é bem maior.

Motorhome

Motorhome

As regras de segurança que valem para o aluguel de um automóvel valem também para as campervans e motorhomes, mas alguns cuidados extras devem ser tomados. Ao viajar em um motorhome ou camper, tenha em mente que você estará em um veículo bem maior, o que pode aumentar o risco em caso de grandes ventos, pista com gelo ou mau tempo. Estacione apenas em locais seguros e acampe somente onde é permitido. Fique atento também para não deixar o carro aberto. Lembre-se que todos os seus bens estarão dentro dele e é bom ter cuidado em qualquer lugar do mundo.

O aluguel de uma campervan tem custo a partir de USD 50 a diária em baixa temporada. Já um motorhome dificilmente sairá por menos de USD 300. Durante a alta temporada de verão, os preços chegam a dobrar e os veículos são bem mais disputados. Reserve com antecedência, especialmente se você pretende viajar entre junho e agosto. Os preços, condições de reserva e taxas extras variam entre as locadoras. Fique atento na hora de fechar o contrato.

Campervan na Islândia

Campervan na Islândia / Foto: Monique Renne

Caçada à Aurora Boreal com campervan ou motorhome

A independência que você terá com o carro é multiplicada no caso de uma campervan ou motorhome. O leque de opções para passar a noite é bem maior e a localização dos campings, quase sempre mais afastados das cidades, aumenta a sua chance de ver as luzes do norte sem precisar sair da própria hospedagem. Sem contar que ao viajar em uma camper ou motorhome você estará com toda a sua casa junto, o que permite estacionar o veículo, preparar um saboroso jantar, tomar uma bebida quentinha e ainda curtir a Aurora Boreal deitado na sua cama (vale até uma soneca entre uma Aurora Boreal e outra).

Os pontos positivos de se viajar em uma campervan ou motorhome para ver a Aurora Boreal são muitos e, sem dúvida, essa é uma das maneiras mais divertidas de caçar as luzes do norte. E aqui a campervan sai muito na frente do carro! Você terá bem mais liberdade para trocar de cidade no caso de mau tempo e assim ir em busca de um céu limpo para observação da Aurora. Não estar atrelado a uma reserva de hotel facilita muito a vida e barateia a viagem! Assim como a possibilidade de carregar as suas refeições junto com você!

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia/ Foto: Monique Renne

Alguns pontos negativos, entretanto, devem ser levados em consideração. Assim como o que acontece com quem viaja de carro, os aventureiros da camper e motorhome precisam se aprofundar nos conhecimentos sobre as luzes do norte para entender os gráficos e informações disponíveis nos aplicativos específicos de Aurora Boreal e assim aumentar as chances de visualização.

Acompanhar a previsão do tempo também é fundamental, já que dirigir em condições extremas de neve e vento nunca é uma boa ideia, especialmente para quem não é expert em viagens de inverno. Neste caso, prefira embarcar para a Islândia no mês de setembro ou outubro, período que casa bem o tempo menos instável com a chance de ver a Aurora Boreal. 

Aluguel de campervan e motorhome da Islândia

Sites de busca e reserva de campings na Islândia

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia/ Foto: Monique Renne

Aurora Boreal com caçadores profissionais

Não há dúvidas de que a maneira mais segura e garantida de encontrar as luzes do norte na Islândia é viajar sendo guiado por especialistas em caçadas à Aurora Boreal. Profundos conhecedores do fenômeno, esses profissionais são, antes de qualquer coisa, apaixonados pelo que fazem. Tudo o que eles mais querem é encontrar um belo céu repleto de cores. Para isso, eles não medirão esforços! E é neste ponto que os caçadores fazem toda a diferença na hora de realizar um sonho.

Uma viagem à Islândia focada na visualização da Aurora Boreal segue o roteiro mais adequado para a observação do fenômeno. Se for preciso rodar centenas de quilômetros para chegar a um ponto de céu aberto que permita a visualização, é isso que será feito! Dificilmente um turista por conta própria teria experiência e disposição de passar a madrugada na direção em meio às estradas islandesas, mas em uma viagem com caçadores de Aurora Boreal certamente isso será possível.

Claro que a obstinação dos caçadores de Aurora Boreal faz muita diferença, mas o conhecimento técnico para interpretação de gráficos, imagens de satélites, previsões meteorológicas e outros dados importantes é o que conta de verdade. Eles sabem exatamente onde e a que horas ver o fenômeno. A única preocupação do turista será descer do veículo e se emocionar com as luzes brilhando no céu. Sem contar que será possível uma boa soneca entre um trajeto e outro na madrugada.

Em uma viagem focada na Aurora Boreal, os dias de passeio seguem o roteiro mais adequado para ver o fenômeno à noite. Nem sempre é possível prever o que os turistas farão, mas é claro que sempre há passeios entre uma noite e outra de auroras e você acabará conhecendo um bocado do país, ainda que essa não seja a preocupação principal da viagem.

Aurora Boreal na Islândia

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Ao escolher uma empresa ou profissional em caçada de Aurora Boreal, fique atento ao número de dias da viagem. Quanto mais dias de viagem e maior mobilidade no país, maiores as chances de pegar uma tempestade solar e uma noite limpa para observação. O ideal, neste caso, são pacotes com no mínimo sete dias e roteiro que percorra diversas regiões do país. Assim você terá muito mais chances de ver a Aurora Boreal.

Apesar de haver diversos pontos positivos em viajar com um caçador de Aurora Boreal, um grande ponto negativo deve ser levado em consideração: o preço! Esse não é um sonho para todo mundo, já que os custos de uma viagem de uma semana a dez dias com caçador de Aurora Boreal chega fácil a 4 mil euros. Os pacotes podem ter saída do Brasil ou serem contratados na Islândia. Nem sempre as passagens aéreas e refeições estão inclusas, mas o transporte, guia, passeios e hospedagem costumam já fazer parte dos pacotes. Essa é uma viagem para quem está com grana sobrando ou realmente tem o sonho de observar a Aurora Boreal e não quer correr o risco de não ver.

Empresa que realiza caçada à Aurora Boreal na Islândia partindo do Brasil

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Aurora Boreal com tour de um ou mais dias

Nem todo mundo pode pagar pelo sonho de uma viagem exclusivamente dedicada à caçada de Aurora Boreal. Nesse caso, é possível encontrar alternativas para visualizar as luzes do norte na companhia de um profissional sem precisar fazer um tour tão longo ou tão especializado. Nas principais cidades da Islândia, como Reykjavik e Akureyri, há grande oferta de passeios de uma noite ou mais para visualização da Aurora Boreal (alguns deles aliados a visitas diurnas a outras atrações). Os roteiros, veículos, tamanho dos grupos e duração do tour variam muito e é preciso ficar atento para ter a certeza de escolher a melhor opção para o seu desejo.

É muito importante dizer que no caso de previsão negativa para visualização da Aurora Boreal os passeios não operam. Em alguns casos, se o passeio for realizado e não houver visualização, o turista ganha um voucher para retornar outro dia gratuitamente.

Ônibus de turismo na Islândia / Foto: Monique Renne

O passeio mais comum e procurado entre os turistas na Islândia é um basicão de ônibus que parte de Reykjavik e segue em busca da Aurora Boreal em um tour de 4h, com custo de apenas 38 euros. A maior vantagem desse tour é o preço, claro! A grande desvantagem é a impossibilidade de alteração de roteiro para a busca das luzes do norte por mais tempo ou em outras regiões mais distantes onde o céu não esteja nublado. O passeio é indicado para quem está na capital, não quer alugar um carro ou não está disposto a acompanhar os aplicativos de visualização de Aurora Boreal. Você precisará contar com a sorte, mas poderá repetir o mesmo tour por diversos dias até conseguir ver as luzes!

Um tour de uma noite, exclusivamente para observação de Aurora Boreal, pode acontecer também em veículos menores e grupos mais exclusivos. Vale até mesmo fazer um passeio de barco! Há ainda pacotes com mais tempo de duração, fotografias e profissionais que dão aula sobre a Aurora Boreal. Nesses casos, o custo médio do tour será a partir de 100 euros. Os tour de uma noite para observação da Aurora Boreal também podem ser casados com passeios diurnos. Os roteiros mais procurados são para o Golden Circle, Blue Lagoon e a geleira Jokulsarlon. Um tour para observação de Aurora Boreal casado com passeios diurnos tem custo a partir de 90 euros.

Jokulsarlon

Geleira Jokulsarlon/ Foto: Monique Renne

Quem tiver mais tempo disponível na Islândia e quiser fazer passeios diurnos com caçadas à Aurora Boreal poderá investir em excursões de vários dias. Os pacotes variam muito e há tour de dois a 15 dias. Um tour de 8 dias (período mínimo ideal para caçar a Aurora Boreal) tem custo a partir de 1700 euros. Nesses casos, o roteiro é fixo e é preciso dar sorte do tempo estar aberto no local programado para o dia da viagem.

Empresas que fazem passeios de um ou mais dias

Aplicativos, sites e conceitos que podem ajudar na caçada à Aurora Boreal

Entender os gráficos, tabelas e fotos de astronomia que ajudam na previsão da Aurora Boreal não é tarefa fácil. Os aficionados na busca pelas luzes do norte passam anos estudando os dados meteorológicos e astronômicos para chegar o mais próximo possível de uma previsão de como será a Aurora Boreal e em quais lugares ela estará mais forte ou visível. Alguns termos são comuns na busca pelas luzes do norte e nos deparamos com eles a todo momento em uma viagem para caçada. O difícil será interpretá-los. Índice KP, tempestade solar, cobertura de nuvens, campo magnético, buraco coronal e outros são apenas alguns dos conceitos e dados que, conjuntamente, levam à garantia de estar no lugar e hora ideais para a visualização do fenômeno.

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Vamos confessar que estudar esses dados é uma tarefa para profissionais ou turistas muito dispostos a aumentar as chances de ver a Aurora Boreal durante a viagem. Se você está no grupo da maioria e quer um jeitinho mais prático de entender um pouco o que está acontecendo, o ideal é acompanhar alguns sites, aplicativos e perfis em redes sociais especializados na interpretação de dados e previsão de Aurora Boreal. Eles trazem as informações sobre a atividade solar um pouquinho mais mastigadas e ajudam a vida dos caçadores de primeira viagem.

Índice KP – Segundo o site Aurora Forecast, o “KP descreve a perturbação do campo magnético da Terra causada pelo vento solar. Quanto mais rápido o vento solar sopra, maior a turbulência. O índice varia de 0 (para baixa atividade) a 9 (que significa uma intensa tempestade geomagnética em andamento)”. Poucas vezes o índice passa de 3, muito raramente de 5 e quase nunca chega a 8 ou 9.

Comumente ouvimos que quanto maior o índice KP, mais forte será a Aurora Boreal que veremos. Na prática, não é bem assim. O índice KP ajuda a prever o formato, a posição no céu (quanto menor o índice, mais baixa ao norte será a Aurora) e até as cores que possivelmente serão visualizadas. Isso não significa que será possível saber a intensidade com que a luz será observada, já que um alto índice KP pode fazer com que a luz se disperse em uma grande faixa do céu e a intensidade de visualização a olho nu seja menor.

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Tempestade solar (velocidade do vento solar) – Uma linda e intensa Aurora Boreal depende bastante de uma grande tempestade solar. Segundo o caçador de Aurora Boreal Marco Brotto, “o Sol envia para a Terra materiais por meio dos ventos solares. Isso é contínuo, ou seja, ele não deixa de enviar estes materiais em nenhum momento. Mas que materiais são esses? São chamados de ‘plasma solar’ e são formados por prótons, elétrons e neutrinos. É energia pura! Já os ventos ou tempestades que potencializam a Aurora Boreal são frutos de explosões, rompimento de filamentos ou de movimentações da coroa solar devido à rotação do Sol”.

Buraco Coronal – Um grande “buraco” no campo magnético do sol permite a passagem de maiores correntes de vento solar e, consequentemente, Auroras Boreais mais intensas. Os buracos na coroa solar podem ser observados em imagens da NASA. Quanto mais de frente para a Terra e maiores são os buracos coronais, maiores também serão as chances de incríveis Auroras Boreais. Os buracos coronais mudam de uma semana para a outra, por isso é importante não ter apenas um dia para observação das luzes e sim o prazo mínimo de uma semana para ter a chance de uma mudança nos buracos coronais.

Cobertura de nuvens – Este é um dos dados mais importantes na hora de prever a visualização da Aurora Boreal. Quanto menos nuvens no céu, maiores as chances de observar o fenômeno. É preciso consultar sempre o mapa meteorológico para ver onde o céu estará com uma janela sem nuvens. Quando o tempo está nublado, nem a Aurora mais forte pode ser vista. Busque janelas de céu limpo e aumente um bocado as suas chances de visualização.

Poluição da luz – Qualquer fonte de luz pode atrapalhar a visualização da Aurora Boreal e isso inclui até mesmo a luz da tela do celular. Para ter uma boa chance de visualização, o ideal é uma noite bem escura e um local afastado de fontes de luz. A regra, claro, tem exceções. Ainda que pareça estranho, uma das mais belas Auroras Boreais que vimos durante a viagem foi em um pôr do sol, com o céu ainda iluminado. Foi espetacular!

Vedur – Site de previsão meteorológica da Islândia com uma sessão destinada especialmente à visualização da Aurora Boreal. É um ótimo caminho para descobrir as suas chances e também para mudar de lugar caso perceba que você está em uma zona encoberta por nuvens.

Aurora Forecast – Aplicativo que ajuda na previsão de observação da Aurora Boreal. O site também é excelente para amadores e descreve bem os fenômenos envolvidos na visualização da Aurora Boreal e as chances de vê-las.

Live Aurora Network – Aplicativo de monotonamente de Aurora Boreal que toca um despertador quando as luzes do norte estão mais ativas. Com câmeras ao vivo.

Safe Travel e Safe – Os dois sites são fundamentais para quem pretende se aventurar sozinho na  busca pela Aurora Boreal. Eles dão informações atualizadas sobre segurança, tempo, fechamento de estradas e outros fatores que podem influencias na segurança da viagem durante o inverno islandês.

Sun Seeker – Aplicativo recomendados para iniciantes que desejam entender mais sobre a atividade solar e aumentar as chances de estar no lugar certo e na hora certa para ver a Aurora Boreal.

3D Sun Nasa – Aplicativo da NASA que permite ver o sol em versão 3D e envia um alerta quando acontece uma grande explosão solar, o que aumenta muito as chances de ver uma bela Aurora Boreal.

Tempestades Magnéticas (app em português) – Aplicativo que monitora o campo magnético terrestre e a atividade solar.

Marco Brotto Aurora Boreal – O brasileiro Marco Brotto é um apaixonado e estudioso de Aurora Boreal. No blog e redes sociais ele dá dicas sobre o fenômeno e conta detalhes do dia a dia das caçadas que ele organiza para viajantes em diversos países, entre eles a Islândia. Acompanhar o site e o perfil do Marco Brotto no Instagram (@marcobrotto e @auroraborealblog) ajuda a se familiarizar com o fenômeno e a compreender um pouco mais sobre como é uma caçada às luzes do norte. No site também é possível acompanhar a atividade solar.

Como fotografar a Aurora Boreal

Preciso admitir que esta foi uma das tarefas mais difíceis que enfrentei em quase 20 anos como fotojornalista. Sempre tive o sonho de ver a Aurora Boreal. Mais do que ver, eu sonhava em fotografá-la. E foi com essa expectativa que embarquei rumo à Islândia. Eu imaginava alguns percalços no caminho. Sabia que haveria frio intenso, mãos congelando, o escuro total para conseguir encontrar o equipamento e o vento forte que não permitira montar o meu tripé (que não era ideal para a situação). E tudo isso tornava o desafio ainda mais emocionante!

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Aurora Boreal na Islândia / Foto: Monique Renne

Fui para Islândia com uma ótima câmera fotográfica (5D Mark IV), lentes bem claras (usei muito a 16-35mm – 2.8 e a 50 mm – 1.2), incontáveis cartões de memória e baterias especiais para climas muito frio (baterias comuns duram muito pouco tempo em baixas temperaturas). Muitos colegas do grupo estavam apenas com o celular. Comum a todos os viajantes era a ansiedade em ver a olho nu e também registrar aquele momento em fotos. O que ninguém esperava era que a emoção falasse mais alto e que seria bem difícil registrar o primeiro encontro com as luzes do norte.

É importante deixar claro que nem sempre a Aurora Boreal é visível a olho nu. Muitas vezes ela pode ser vista apenas em fotos, onde o registro da luz pode ser captado por mais tempo (com longa exposição) e assim o que os olhos não enxergam é registrado em imagem. É o mesmo princípio daquelas fotos nas quais vemos a Via Láctea perfeitamente. Quanto mais tempo de exposição, mais luzes são captadas.

Fotos: Marco Brotto

Aurora Boreal na Islândia / Fotos do caçador Marco Brotto

É triste pensar em viajar para um destino de Aurora Boreal e imaginar que “veremos” as luzes apenas nas imagens, mas é, de fato, o que acontece com muita gente. Para a nossa sorte, não foi o que aconteceu com o nosso grupo! Durante 7 noites de expedição com o Marco Brotto, vimos a Aurora Boreal a olho nu em cinco noites. Foi uma fartura tão grande que na último noite já estávamos brincando sob as luzes. Eu ganhei até um “parabéns pra você” do grupo na noite do meu aniversário. Ao final, todos já estavam craques em fotografar e também em serem modelos para as fotos.

Para registrar a Aurora Boreal não é preciso ter um equipamento caríssimo. Muitos do grupo fotografaram com o celular e câmeras mais simples. O importante é entender que é preciso um longo tempo de exposição ou uma lente com grande abertura (como uma 1.2) para registrar as luzes. E este ajuste quase sempre é feito manualmente e não no modo automático da câmera. Aprender as funções e ajustes da sua câmera, além de conhecer bem o equipamento, ajudará bastante. Até porque você pode não ter tempo de fazer isso na hora que as luzes estiverem no céu. Há Auroras que dançam apenas por alguns segundos, outras duram a noite toda. É imprevisível, assim como o ajuste da câmera. Cada Aurora é única e a luz de uma delas não servirá pra a outra.

Aurora Boreal na Islândia. Foto: Marco Brotto

Monique Renne durante caçada à Aurora Boreal na Islândia / Foto: Marco Brotto

O ajuste e a relação entre abertura e velocidade da foto vai depende muito de cada aparelho. Quanto mais “clara” for a sua lente, menor será a necessidade de usar um longo tempo de exposição. Se for uma câmera de excelente qualidade, com sensor full frame, também será possível subir o ISO (antiga asa do filme) e assim evitar longo tempo de exposição. Os ajustes também irão variar muito de acordo com a luz da noite e a intensidade da Aurora Boreal. Na prática, será tentativa e erro. Ao acertar a luz é só começar a se divertir.

Controlar a luz manualmente na câmera aumenta as chances de fazer a foto dar certo. O mesmo vale para o celular. Há aplicativos e modelos que permitem controle da luz e abertura da câmera, o que aumenta bastante as chances de um bom registro. Se você não tem habilidade alguma com registros deste tipo, experimente usar o “modo noturno” da sua câmera. Na prática, o que o modo noturno faz é aumentar o tempo de exposição, o ISO e a abertura da lente, premindo assim o registro noturno.

Vejam as fotos abaixo, todas feitas com celular (modelo Iphone 11) pela viajante Ana Melo, que estava no nosso grupo de caçada à Aurora Boreal!

Em todos os casos, seja na câmera ou no celular, o ideal é que o aparelho esteja o mais parado possível para que a imagem não fique tremida. Vale usar um tripé (eu tive muita dificuldade de montar o meu no escuro, vento e frio e acabei desistindo) e até o apoio em um muro, bolsa, no chão (eu usava muito o chão). Vale qualquer coisa que mantenha o seu celular ou câmera o mais estático possível. Para ajudar, use o disparador externo ou timer de alguns segundos, assim o toque do dedo no aparelho não irá causar uma tremida na foto e você terá mais sucesso no registro. Eu não usei o celular para fotografar, apenas a câmera. No entanto, diversos integrantes do grupo conseguiram ótimos registros com o celular.

Vejam as fotos abaixo, todas feitas com celular (modelo Samsung Galaxy Note 10+) pela viajante Eliana Onishi, que estava no nosso grupo de caçada à Aurora Boreal!

Fotos: Eliana Onishi

Fotos da viajante Eliana Onishi, todas com celular.

Aplicativos de celular para foto noturna

Dicas básicas para visualizar a Aurora Boreal

  • Afaste-se das grandes cidades;
  • Fique longe de todas as fontes de luz (inclusive celulares);
  • Procure hospedagens longe de centros urbanos;
  • Vá em busca de climas mais estáveis e noites sem nuvens;
  • Fique ao menos uma semana no país para ter a chance de mudança no quadro de tempestade solar;
  • Olhe em direção ao norte (o nome “northern lights” tem um motivo);
  • Busque ajuda profissional e tente viajar com um caçador de Aurora Boreal experiente;
  • Baixe aplicativos de Aurora Boreal e estude os conceitos e gráficos antes da viagem;
  • Acompanhe a previsão do tempo;
  • Acompanhe os app de observação de Aurora;
  • Não durma! Você pode perder os únicos segundos que ela aparecer;
  • Não faça percursos longos demais;
  • Nunca pare o carro nas estradas. Sempre procure um recuo seguro;
  • Abasteça o carro com frequência;
  • Começa a fazer o cofrinho da viagem. Uma viagem para a Islândia dificilmente será barata.
Aurora Boreal na Islândia. Foto: Marco Brotto

Aurora Boreal na Islândia/ Foto: Marco Brotto

Caçando Aurora Boreal por conta própria: relato de viagem de Yenifer Contreras, nossa editora do MD Chile

Islândia: meu destino favorito no mundo. Eu já disse isso em vários posts aqui (veja o post com roteiro pelos sul da Islândia), e vou repetir incansavelmente. As duas últimas temporadas de férias passei lá. Primeiro no verão islandês e depois no inverno. Suas cachoeiras, a vastidão do planalto, a costa eterna, o pôr do sol do verão que nunca acaba e a rainha da viagem: a aurora boreal no inverno é um espetáculo maravilhoso!

Ambas as vezes eu fiz a viagem por conta própria e em campervan, que alugamos com a mesma empresa, porque é boa, o preço é conveniente e eles entregam o veículo com tarifa final já com seguro, internet e todos os serviços incluídos. Este ano, decidimos que o objetivo era ver o aurora pelo menos uma noite. Devo confessar que minha ansiedade de estar lá me fez chegar mentalmente à Islândia alguns meses antes. Planejei cada lugar que estaríamos. Fiz um mapa no Google My Maps das atrações, cidades e lugares para acampar na Islandia, que pela primeira vez eu libero para você. O objetivo era o oposto de uma estrutura rígida de programação de viagens. E eu precisava de muita informação para poder me mudar para qualquer lugar, dependendo de onde o aurora fosse acontecer.

Quando comecei a planejar, fiquei obcecada com as fotos. Eu tenho uma Nikon D5100 e queria aprender todos os truques. Como não teríamos um guia, provavelmente estaríamos sozinhos curtindo o show, sem a ajuda de alguém que soubesse como fazer uma boa foto. Procurei vídeos, conversei com fotógrafos, mas tive um problema: não tinha aurora no Chile para saber se o que eu estava aprendendo funcionaria. Decidi então que iria curtir o show e as fotos deixaram de ser prioridade. É maravilhoso ter as fotos, mas viver esse momento foi muito mais importante.

Esperar para tirar boas fotos do aurora também exige coragem no frio. E por isso eu também não podia “aclimatar”. Foi assim que nosso tripé amanheceu após uma noite boreal. Foto: Yenifer Contreras

Já na Islândia e acima de nossa campervan, o previsor de meteorologia da Islândia, Aurora Forecast, seria meu melhor aliado. Viajaríamos do sul para o norte, fazendo um círculo completo em todo o país em 10 dias. O que não sabíamos exatamente é quanto avançaríamos diariamente, porque dependeria de onde seria mais provável encontrarmos a aurora. Assim, todas as tardes, depois das 16:00, cruzávamos os dados: o índice KP (que é maior que 2) e onde o céu limpo estaria em torno das 22h ou 23h, o que é mais ou menos quando acontece a Aurora. Com o coração a mil por hora, o aplicativo indicou de 100 a 200 quilômetros à frente da nossa rota.

Hvammstangi Campsite, Islandia. Esperando a noite boreal e cruzando os dedos para o céu limpar. Foto: Yenifer Contreras

Como era o começo do inverno, fazer tudo se encaixar – o kp, céu limpo e chegar lá – era muito difícil. Na terceira noite foram previstos céus claros no norte. Pesquisei o mapa com entusiasmo e, de acordo com o indicador de tempo no acampamento de Hvammstangi (uma pequena cidade localizada entre os fiordes islandeses), teria um espaço de céu claro entre 23h e 2h. Avançamos cerca de duas horas para chegar lá. Com temperatura de 1ºC e uma garrafa térmica com chocolate quente, sentei-me ao lado da campervan. Nossos vizinhos de acampamento tinham uma campervan com teto removível. Assim, eles apenas tiraram suas cabeças e câmeras para fora e o resto do corpo permaneceu protegido dentro do carro.

Aproximadamente 45 minutos se passaram e, de repente, no horizonte entre as colinas do norte, uma luz começou a aparecer como se houvesse uma pessoa do outro lado das montanhas erguendo um grande holofote. Uau. Aí vem! Eu gritei. E todas as pessoas começaram a sair de suas caravanas. Percebi que os campistas se mantinham longe do frio, porque sempre há um novat como eu congelando lá fora, e que ele se exalta gritando quando o aurora chega.

A luz em segundos se tornou uma linha verde curva que avançava de norte a sul. Em um minuto estava sobre a minha cabeça. Eu, com os olhos no céu, gritando com todos os outros viajantes como se tivéssemos vencido a Copa do Mundo (pense em mais emoção porque eu sou chilena). De repente, a linha começou a dançar no céu e as cores não tinham mais apenas uma forma plana. Foi se desdobrado em longas tiras de cores para cima e para baixo. É a dança mais linda que meus olhos já viram.

Thingvellir National Park, Islandia. Aurora Boreal 09/2019. Nikon D5100 / Foto: Yenifer Contreras

Cerca de 30 minutos depois, lembrei-me da câmera. Tiramos algumas fotos, mas sem ambição. Eu só queria olhar para ela com os olhos. Guardei o momento no meu disco rígido mental e nunca apaguei nada.

Por volta das três da manhã, fui para a cama. Quase hipotérmica. Eu tremia sem parar. Aqui está uma recomendação: se o seu carro não tiver um teto móvel, deixe-o com as janelas voltadas para o norte e aguarde no interior. Sempre haverá um novato que avisará quando a Aurora chegar.

Assim, nos cinco dias seguintes, tivemos noites boreais. Em cada acampamento que escolhemos, aproveitamos muito. Tentamos tirar fotos, mas sem a ambição de fazer a imagem perfeita. Sempre era melhor aproveitá-la sem interrupção. Sentir sua energia. Ser capaz de viver o momento um pouco como os islandeses e fazer dela a rotina enquanto o amanhecer dança, isso é um privilégio!

Thingvellir National Park, Islandia. Aurora Boreal 09/2019. Nikon D5100 / Foto: Yenifer Contreras

Lembre-se sempre de que há momentos em que as luzes aparecem apenas por segundos ou minutos. Eu recomendo aproveitar pelo menos os primeiros momentos, porque você não sabe quanto tempo vai durar. Se você estiver por conta própria, a foto é para mais tarde. A Islândia sempre lhe dará a oportunidade de aproveitá-la. E vá em frente, para que seu próximo destino seja o céu boreal do norte, para não se arrepender!

Caçando Aurora Boreal com um caçador profissional: meu relato de viagem

Eu, Monique Renne, embarquei rumo à Islândia para uma viagem de 9 dias a convite do leitor Marco Brotto, brasileiro especialista em caçada de Aurora Boreal que organiza grupos para diversos países com o interesse específico na observação do fenômeno. Além do período oficial da viagem de nove dias, optei por ficar mais 4 dias na capital Reykjavik e assim conhecer um pouco das regiões próximas e, quem sabe, ter a oportunidade de ver a Aurora Boreal mais uma vez por conta própria ou em tours mais econômicos de apenas um dia.

Grupo de viagem do Marco Brotto que fizemos parte

Grupo de viagem do Marco Brotto que fizemos parte/ Foto: Marco Brotto

Durante o período que estivemos na Islândia, contamos com alguns dias espetaculares de céu azul e poucas nuvens, clima que é bastante raro no país e que causou surpresa até entre os moradores. E a nossa sorte não parou por aí! Logo que chegamos à Islândia, quando estávamos com o grupo dedicado à visualização de Aurora Boreal, contamos com um grande buraco coronal virado para a Terra e intensa atividade solar, o que nos permitiu visualizar luzes lindíssimas, a olho nu, por cinco noites seguidas! Foi inacreditável de tão lindo!

No mapa abaixo você pode conferir os principais locais por onde passamos durante os dias de viagem pela Islândia em busca da Aurora Boreal.

 

Primeira noite com Aurora Boreal na Islândia (24/10)

Partimos de Reykjavik rumo a Reykholt, seguindo pela costa oeste em direção ao norte da Islândia. Durante o dia fizemos uma parada para visitar na região de Husafell, onde está a Geleira Langjokull, segunda maior da Islândia. A nevasca que nos pegou por lá alterou um pouco os planos do dia e chegamos a desanimar sobre as condições climáticas, mas a verdade é que o jogo virou e o céu limpou!

Geleira Langjokull

Geleira Langjokull

Saímos à noite para a nossa primeira caçada seguindo as previsões do Marco Brotto, que acompanhava a chegada de uma grande tempestade solar. Ainda na porta do hotel, vimos o céu ganhar emocionantes tons de verde e o coração disparou. Foi o nosso primeiro contato com as luzes do norte! Era hora de buscar por um bom ponto para observação. Em poucos minutos na estrada, soou o “alarme” de Aurora Boreal. Vale dizer que o tal alarme é o próprio Brotto gritando: desçam todos agora! E assim, no desespero do susto e do grito, todos correram para fora do ônibus.

Aurora Boreal na Islândia - 24/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 24/10/2019 / Fotos: Monique Renne

O impacto ao ver a Aurora Boreal dançando no céu é indescritível. Não havia dificuldade em enxergar as luzes a olho nu e todos, extasiados, estavam incrédulos no que que viam. Foi uma Aurora Boreal tão duradoura que pudemos voltar ao ônibus, procurar novos pontos para observação, parar para um chocolate quente e curtir o espetáculo mais vezes ao longo da noite.

O desafio da minha primeira caçada foi conseguir manter a calma e me concentrar em tirar fotos, já que tudo era novidade. O vento forte, frio, escuridão quase total e a emoção atrapalharam um bocado o registro. Fora o fato de ter perdido a luva na confusão da primeira descida e praticamente ter congelado os dedos (depois encontrei a luva no bolso da calça). Meus primeiros cliques foram todos jogados no lixo. Só depois de alguns minutos, consegui acalmar o corpo e a mente para registrar em fotos o momento. E foi lindo! Na volta ao hotel, ainda havia Aurora Boreal no céu e aproveitamos para mais alguns registros.

Aurora Boreal na Islândia - 24/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 24/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Na primeira noite tivemos uma tempestade solar classe G1 (evento que acontece, em média, apenas 40 noites no ano) e vimos a Aurora Boreal em diversas formas, cores e movimentos. Eu achei espetacular, mas o Brotto avaliou a Aurora Boreal que vimos com nota 6 e disse que seria ainda mais bonito nos dias seguintes. E nós acreditamos!

Aurora Boreal na Islândia - 24/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 24/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Segunda noite com Aurora Boreal na Islândia (25/10)

Ainda sob o efeito mágico da primeira noite, continuamos o percurso rumo ao norte em meio a estradas e paisagem cobertas de neve. O visual, incomum para o período, tornava tudo ainda mais mágico. O céu estava nublado, mas com a felicidade de ter visto a Aurora Boreal na noite passada, todos estavam calmos e confiantes que daríamos sorte mais uma vez. Durante o dia, entre um estradão e outro, paramos para observar os campos de lava da Península de Snaefellsnes, com cenários deslumbrantes e direito a uma paradinha para um bom chocolate quente com linda vista. O pôr do sol ao final do dia nos encheu ainda mais de esperança e a previsão era uma boa caçada ao anoitecer.

Hotel Búdir

Parada para um chocolate quente no Hotel Búdir / Fotos: Monique Renne

Nossa melhor Aurora Boreal da noite aconteceu ainda na saída do hotel. Mais uma vez depois de uma previsão certeira do Marco Brotto, que disse para descermos em meia hora porque o campo magnético iria virar e a Aurora Boreal iria aparecer. E assim aconteceu! Vimos belas luzes verdes sob o céu de Stykkishólmur, mesmo com a cidade iluminada atrapalhando um pouco a visualização.

De lá, seguimos rumo a um local mais escuro para melhorar a visualização. Paramos diante de um grande lago e, desta vez com muito mais calma, conseguimos curtir e até se divertir com diversas fotos do grupo. A visualização da Aurora Boreal não estava tão intensa, mas ainda assim era lindo de ver. Foi o dia em que a observação a olho nu foi mais difícil, mas ainda assim era bem fácil ver o espetáculo.

Aurora Boreal na Islândia - 25/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 25/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Terceira (e melhor) noite de Aurora Boreal na Islândia (26/10)

Nossa terceira noite de caçada à Aurora Boreal foi, sem dúvida, a mais emocionante e impressionante de todas. O tempo nos presenteou e durante todo o dia tivemos o azul do céu reinando, o que nos fazia acreditar que teríamos uma noite extremamente limpa e perfeita para a visualização. Difícil seria o frio! A previsão era de -11ºC (com sensação térmica de -16ºC).

Cavalos islandeses

Cavalos islandeses/ Foto: Monique Renne

Partimos de Stykkishólmur, seguindo rumo ao norte, em direção a Akureyri. Durante todo o percurso tivemos o sol reinando e paisagens impressionantes emoldurando o cenário, entre elas as propriedades rurais com os lindíssimos e famosos cavalos da Islândia. O azul do céu era tão impressionante que até mesmo o nosso motorista islandês ficou impressionando, deixando claro que há muito tempo não via um dia tão aberto quanto aquele.

Com tantas fotos pelo lindo caminho, um atraso nos obrigou a uma parada forçada na estrada. O horário de descanso do motorista já estava para vencer e tivemos que fazer um stop de alguns minutos (obrigatório na legislação islandesa) à beira da rodovia. Era o horário do pôr do sol e, para a nossa maravilhosa surpresa, as primeiras luzes da Aurora Boreal começaram a descer no céu em formato de raio. Momento absolutamente impressionante e inesperado, já que o céu ainda estava bem iluminado ao final do entardecer. Foi mágico e inesquecível! A noite prometia intensa atividade solar, céu aberto e o melhor ainda estava por vir. Seguimos viagem já nos preparando para momentos ainda melhores. E eles vieram!

Aurora Boreal na Islândia - 26/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 26/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Nem precisamos esperar a noite seguir adiante para começarmos a caçada. Dali mesmo, no pôr do sol, começamos a fazer diversas paradas para melhor observação da Aurora Boreal. E a cada paradinha à beira da estrada ela apresentava diferentes formas, cores e ainda dançava para a gente (tão lindo que quase esquecemos do frio que batia em -11ºC neste momento).

Aurora Boreal na Islândia - 26/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 26/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Foram muitas danças! Desta vez, foi possível curtir com calma, fazer fotos, aproveitar cada segundo e até enjoar de tanto ver Aurora Boreal. Dias depois vim a saber que foi uma Aurora Boreal tão especial e tão forte que até os islandeses pararam para assistir. Aproveitamos durante um bom tempo o fenômeno e só paramos quando a fome bateu forte. Foi inesquecível!

Aurora Boreal na Islândia - 26/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 26/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Quarta noite (também maravilhosa) de Aurora Boreal na Islândia (27/10)

Ainda extasiados com a noite anterior, seguimos viagem rumo ao icônico Sigló Hotel, onde passaríamos duas noites, com direito a piscina aquecida ao ar-livre e grandes chances de mais Aurora Boreal! No percurso até lá, paramos na área de atividade geotérmica de Myvatn, onde pudemos entender um pouco mais do porquê de a Islândia ser conhecida como a terra do gelo e do fogo, com direito também a lindas fotos na Lagoa Myvatn. Depois, uma paradinha na Cachoeira Godafoss, já com parte congelada pelo inverno que chegava antes do tempo; e um pôr do sol mágico em meio ao cenário de inverno islandês.

Vista do Fosshotel Myvatn

Vista do Fosshotel Myvatn/ Fotos: Monique Renne

Mais um vez, logo que a noite chegou, as luzes do norte começaram a aparecer no céu. Era surreal que pela quarta noite seguida pudéssemos observar o fenômeno da Aurora Boreal tão nítido, colorido e ainda mais dançante. As luzes estavam frenéticas e por diversas vezes vimos raios em tons de azul, rosa e roxo cortarem o céu em velocidade. E desta vez, já “acostumados” à beleza do momento, o grupo aproveitou para relaxar, dançar e até se aventurar em um hino padrão Roberto Carlos para o momento: Se chorei ou se sorri, o importante é a Aurora eu vi!

Aurora Boreal na Islândia - 27/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 27/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Eu, já com as mãos tremendo bem menos e com um bom arquivos de fotos de Aurora Boreal, finalmente conseguir relaxar e fazer alguns vídeos. Ao chegar ao Sigló Hotel (onde foram filmadas cenas da série Trapped), as luzes ainda permaneciam no céu. E era tão intenso que mesmo com a poluição das luzes da cidade era possível observar a Aurora Boreal nitidamente.

Aurora Boreal na Islândia - 27/10/2019

Aurora Boreal na Islândia – 27/10/2019 / Fotos: Monique Renne

Quinta noite de Aurora Boreal e nossa última visualização das luzes no norte na Islândia (28/10)

Pela primeira vez na viagem teríamos um dia mais tranquilo e com pouca estrada, já que nos hospedaríamos mais uma vez no mesmo hotel. Depois de quatro noites seguidas com Aurora Boreal, a sensação de relaxamento e dever cumprido tomava conta de todo o grupo. Mas como ver as luzes do norte nunca é demais, torcemos para observar o fenômeno pela quinta noite seguida! Mas não sem antes curtir o visual e algumas baleias na cidade de Akureyri, passeio que nos rendeu lindas paisagens, mas poucas baleias, rs.

Akureyri

Akureyri / Fotos: Monique Renne

Ainda com céu limpo (incrivelmente para os padrões islandeses), nossa quinta e última noite de Aurora Boreal fechou com chave de ouro o intenso ciclo da atividade geomagnética que pegamos na Islândia. Seguindo mais uma vez as previsões do Marco Brotto (neste momento, com as aulas do Brotto, todo mundo já tinha noção dos termos técnicos, mas não necessariamente alguma ideia do que fazer com eles na prática rs), pela última vez foi possível se emocionar sob as luzes da Aurora Boreal. E a noite começou com as luzes da Aurora Boreal sendo vistas de frente do hotel, à beira da piscina aquecida: o cenário dos sonhos para muitos viajantes!

Aurora Boreal na Islândia - 28/10/2019

Aurora Boreal de frente ao Siglo Hotel, na Islândia – 28/10/2019 / Foto: Monique Renne

Esta noite foi muito especial! Era virada para o meu aniversário, que foi comemorado com toda a energia, literalmente, que vinha do céu. As luzes ganharam diferentes formas, se moviam em alta velocidade, trocavam de cor e “queimavam” o céu em lindos bailados. Protegidos do vento atrás de uma encosta, essa foi a noite menos sofrida em termos de frio e também a que mais curti sem preocupação alguma de fotografar ou filmar. Depois de alguns cliques, desliguei tudo e apenas guardei na minha própria memória aquele momento tão mágico.

Aurora Boreal na Islândia - 28/10/2019

Aurora Boreal de frente ao Siglo Hotel, na Islândia – 28/10/2019 / Foto: Monique Renne

Daí para a frente, o tempo mudou, o céu fechou, a atividade geomagnética diminuiu e as lindas noites de Aurora Boreal se foram. O grupo ainda ficou na Islândia por mais dois dias, quando visitamos o Golden Circle, a Blue Lagoon e aproveitamos para curtir a capital Reykjavik. Quando a viagem chegou ao fim, todos retornaram ao Brasil com sensação de dever cumprido e sonho realizado. Eu, como pretendia conhecer a costa sul da Islândia e ainda visualizar a Aurora Boreal outra vez, fiquei no país por mais 4 dias, desta vez sozinha.

Caçada à Aurora Boreal com tour de uma noite: meu relato de viagem

Os dias anteriores, com intensa atividade geomagnética e uma grande tempestade solar renderam visualizações de Auroras Boreais tão intensas que até mesmo entre os moradores da Islândia pareceu um fenômeno raro. A verdade é que fomos presenteados com o perfeito casamento de céu absolutamente limpo, uma grande tempestade solar, um grande buraco coronal e um excelente especialista em caçada à Aurora Boreal nos guiando. E como tudo foi perfeito, achei que a sorte seguiria ao meu lado nos dias que estive sozinha na Islândia.

A ideia inicial era alugar um carro e seguir viagem por conta própria pela costa sul até onde fosse possível chegar nos dias de viagem. No entanto, a chegada da neve antes do esperado me fez mudar de planos. As estradas estavam perigosas e eu, sem habilidade alguma para dirigir na neve, achei melhor não arriscar. A solução então foi contar com os tours de um dia que partem da capital Reykjavik, inclusive tours exclusivos para observação de Aurora Boreal.

Apesar de parecer bem simples a contratação de um passeio para visualização das luzes do norte, as empresas na Islândia, no geral, só operam quando há chances de observar o fenômeno. E para isso, como já contamos em todo o post, diversos fatores precisam andar juntos. Bem… A verdade é que toda a nossa sorte foi gasta nos dias anteriores, quando todos os fatores possíveis jogaram a nosso favor. Já nos dias seguintes, o oposto aconteceu, e por duas noites seguidas não saiu passeio para visualização de Aurora Boreal devido ao mau tempo aliado à baixa atividade geomagnética. E esse é um dos maiores pontos negativos de ficar refém de um tour de apenas algumas horas e que parte de uma cidade específica: você não poderá mudar o itinerário e percorrer centenas de quilômetros para realizar o seu sonho de ver a Aurora Boreal.

Tour Happy World para observação de Aurora Boreal em Reykjavik

Grupo do tour Happy World para observação de Aurora Boreal em Reykjavik. Foto: Happy World

Na terceira noite, conseguimos confirmação de que o tour sairia para caçar as luzes do norte. Escolhi uma empresa que monta grupos pequenos, tem carro 4×4, um instrutor capacitado e até um fotógrafo para registrar o momento. E logo que todos os viajantes entraram no carro o nosso guia já foi dizendo “Vocês devem ter visto fotos da Aurora Boreal da semana passada, não é? Pois bem… Vocês não verão nada como aquilo hoje”. Eu, que tinha visto as tais auroras da semana passada, relaxei. Senti, no entanto, que o grupo ficou bem decepcionado. Alguns estavam ali pela terceira vez na tentativa de observação e nada de ver Aurora Boreal.

Sem enrolação, a verdade é que esta noite também não foi a noite de sorte deles (e nem a minha). Vimos belas estrelas, tomamos chocolate quente, conversamos sobre astronomia e, ao final de quatro horas de tour, o guia nos avisou que aquela era considerada uma noite sem observação e, neste caso, ganharíamos um voucher para retornar em outra oportunidade (bem facinho voltar ali na Islândia). Ao menos não retornei para o hotel com a sensação de nunca ter visto a Aurora Boreal (o que acontece com muita gente), apenas não pude ver mais uma vez aquela lindeza toda que toma conta do céu e nos enche de emoção. Espero poder retornar um dia a um destino de Aurora Boreal. E que seja em breve, com direito a muitas cores e dança!

Voucher para retorno

Voucher para retorno (apesar da data de 2018, ele estava valendo).

Dicas finais sobre a Islândia!

Dinheiro na Islândia

A moeda oficial da Islândia é a Coroa Islandesa – ISK. Quem viaja com dólar ou euro pode fazer a troca da moeda nas casas de câmbio do aeroporto ou nas cidades maiores, como Reykjavik e Akureyri. Alguns estabelecimentos aceitam as duas moedas, mas a conversão nem sempre é boa. Cartões são amplamente aceitos no país. A cotação aproximada é de 150 ISK para 1 EUR.

Língua na Islândia

A língua oficial da Islândia é o islandês e, acredite, grande parte das palavras é impronunciável, especialmente se você tentar ser literal ao ler a palavra. Na dúvida, melhor apontar a palavra escrita do que tentar pronunciá-la. Será mais fácil de você ser entendido. Para salvar os turistas, inglês é comumente falado pelos islandeses.

Rua de Reykjavik

Rua de Reykjavik / Foto: Monique Renne

Chip de celular

Um chip de celular local pode ser comprado na saída do desembarque, na loja de conveniência (mesmo lugar onde vende os maravilhosos cachorros-quentes locais). O custo é barato e vale a pena ter estar conectado a todo momento, especialmente porque é bem complicado entender as placas de trânsito em islandês. Nem sempre haverá sinal, mas próximo às cidades é possível conectar. Para garantir que não fique perdido, baixe um mapa offline no Google Maps. Use os dados também para estar sempre atento à previsão do tempo e condições das estradas.

Comida na Islândia

Os custos com alimentação são bem altos na Islândia. Até mesmo os pratos mais simples, como pizzas e sanduíches, pesarão no bolso. É preciso organizar o orçamento para não passar aperto. Uma refeição bem simples custará o equivalente a 15 euros (vimos uma salada caesar em embalagem plástica por 30 euros!), sendo 20 euros o preço mais comum. Então é bom se preparar. Quem viajar de motorhome ou optar por hospedagens com cozinha poderá economizar um pouco preparando a própria comida. Quem não puder fazer a refeição, mas quiser economizar, pode contar com alguns lanches e comidas rápidas comprados nos supermercados. Não deixe também de experimentar o famoso cachorro-quente local no Baejarins Beztu Pylsur, que além de delicioso é uma boa opção econômica para um lanchinho. Vale dizer que qualquer bebida alcoólica custa caro na Islândia.

Baejarins Beztu Pylsur

O Baejarins Beztu Pylsur sempre com fila pra um cachorro-quente/ Foto: Monique Renne

Em Reykjavik há boa oferta de restaurantes e eles costumam ficar abertos até um pouco mais tarde. Já nas cidades menores, tudo fecha bem cedo e é preciso ficar atento para não passar fome. As comidas islandesas não são estranhas ao paladar brasileiro, mas é preciso se acostumar com muita batata e pouquíssima salada. Entre os pratos típicos, há muitos frutos do mar, peixes, carne de carneiro, puffin (uma ave local) e até carne de tubarão podre (bem mais turístico que parte do dia a dia local).

Prato de frutos do mar na Islândia

Prato de frutos do mar na Islândia/ Foto: Monique Renne

Custos de uma viagem para a Islândia

A Islândia é um destino bem caro e, dificilmente, uma viagem de sete dias (período ideal para ver a Aurora Boreal) custará menos de 1500 euros por pessoa (sendo bastante econômico). E esse valor não inclui a passagem aérea do Brasil! Se você pretende caçar a Aurora Boreal por conta própria (viajando de carro ou campervan), certamente os valores serão mais em conta se comparado a uma viagem com caçador de Aurora Boreal (que tem custo a partir de 4000 euros, sem refeições e aéreo do Brasil).

Caso decida viajar de maneira independente (como já explicamos anteriormente no post), atente-se para a questão do clima e segurança e prefira viajar nos meses que o clima ainda não é tão frio (como setembro). O aluguel de um carro básico na Islândia tem custo a partir de 34 euros. Já uma campervan tem custo a partir de USD 50 a diária em baixa temporada e um motorhome dificilmente custará menos de USD 300.

Paisagem islandesa

Paisagem islandesa/ Foto: Monique Renne

Alguns quesitos que não pesam tanto em outros destinos, como refeição, devem ser levados em consideração na Islândia, já que por lá as coisas custam bem mais caro. Uma refeição básica custa a partir de 20 euros. Para economizar, vale até levar alguns alimentos e lanchinhos na mala.

Hospedagem na Islândia pesa um bocado na vida do viajante. Mesmo os hostels, que tem custo mais baixo, irão impactar no orçamento. Na capital Reykjavik e na cidade de Akureyri, o custo de um hostel é, em média, 20 euros por pessoa em quarto compartilhado. Já uma guesthouse ou hotel padrão simples (muitas vezes com banheiro compartilhado) tem custo a partir de 60 euros (o quarto duplo). Mesmo apartamentos e casas de aluguel tem alto custo no país.

Paisagem islandesa/ Foto: Monique Renne

Paisagem islandesa/ Foto: Monique Renne

A boa notícia é que o acesso a praticamente todas as lindas paisagens e atrativos naturais da Islândia é gratuito. Você precisará desembolsar algumas coroas islandesas apenas para passeios especiais (como a Blue Lagoon) ou se quiser contratar um tour para ir aos destinos sem precisar dirigir por conta própria.

Se optar por viajar rumo à Islândia, organize-se bem financeiramente, prepare o orçamento e não embarque sem um seguro de viagem. A Islândia é um país maravilhoso, mas com natureza intensa e imprevisível. Viaje com segurança!

O nosso sonho de ver a Aurora Boreal foi realizado?

Ver a Aurora Boreal é realmente um sonho. E a oportunidade de realizá-lo é tão incrível que fica difícil explicar a sensação. Tanto eu, Monique, quanto a nossa editora do Melhores Destinos Chile, a Yenifer, nos apaixonamos ainda mais pelo fenômeno da Aurora Boreal. Yenifer já tem em mente a próxima viagem dos sonhos (que inclui diversos países nórdicos e um motorhome) e eu já sonho com belas auroras no Alaska. A verdade, é que depois de visualizar a Aurora Boreal pela primeira vez, nos tornamos eternos caçadores em busca daquela emoção. O sonho foi realizado, mas ele deu fruto a diversos outros! E que possamos realizar os próximos o mais breve possível.

Aurora Boreal na Islândia. Foto: Marco Brotto

Aurora Boreal na Islândia. Foto: Marco Brotto

Você também já viu a Aurora Boreal na Islândia ou em outros destinos do mundo? Conta pra gente como foi a sua emoção e experiência nesta caçada! Vale dizer que todas as fotos deste post foram feitas durante os dias em que estivemos na Islândia. São registros reais das belezas que presenciamos ao vivo enquanto estivemos por lá. E se você nunca viu a Aurora Boreal, mas tem o sonho de assistir a esse espetáculo da natureza, conta pra gente em qual país ou cidade você gostaria de caçar as luzes do norte.