logo Melhores Destinos

Poltronas do futuro: sete novos modelos que permitem distanciamento social dentro dos aviões

Bruna Scirea
Bruna Scirea
04/06/2020 às 16:29

Poltronas do futuro: sete novos modelos que permitem distanciamento social dentro dos aviões

Em tempos de pandemia, as empresas que desenvolvem o mobiliário e acessórios do interior dos aviões estão numa corrida para apresentar projetos compatíveis com este novo momento. Boa parte das novas ideias são de poltronas que permitam um certo distanciamento social dentro das cabines.

As soluções mais simples bloqueiam os assentos do meio das fileiras, instalando ali uma divisória. Mas há projetos mais ousados, que não reduzem a capacidade de passageiros dentro das cabines, e outros mais tecnológicos, até difíceis de se imaginar em uso a curto prazo.

Listamos a seguir sete modelos apresentados por engenheiros e escritórios de design de todo o mundo. Já vai pensando qual é a poltrona que mais te deixaria confortável para viajar em tempos de covid-19… E conta para a gente nos comentários, lá no fim do post!

Janus: poltronas invertidas sem redução na capacidade dos voos

Uma das poucas soluções que evitam o bloqueio de assentos e a diminuição da capacidade das cabines econômicas é a apresentada pela empresa italiana Aviointeriors. No modelo Janus, o assento do meio das fileiras de três poltronas é invertido. Ou seja: o passageiro tem a visão para o fundo da avião, enquanto os das poltronas da janela e do corredor seguem voltados para a direção do voo.

E aí você deve estar pensando: mas isso não necessariamente isola os viajantes. Para isso, os designers propõem divisórias nas laterais dos assentos, que não interferem na reclinação das poltronas, nem no acesso à mesa de refeições ou bolsão à frente. A ideia da empresa é que esses “escudos” sejam feitos de um material fácil de higienizar e facilmente removíveis, facilitando o acesso de passageiros com algum tipo de dificuldade.

Para as companhias que preferirem não mexer no desenho de suas aeronaves, a Aviointeriors desenvolveu outro projeto: proteções entre as poltronas de uma mesma fileira, sem a necessidade de os assentos estarem posicionados em direções opostas.

Interspace Lite: mais espaço e segurança aos passageiros

Pressupondo que as companhias aéreas prefiram bloquear os assentos do meio na classe econômica em vez de reformular o interior de suas aeronaves, a Universal Movement desenvolveu o Interspace Lite. O projeto prevê uma divisória encaixada nas poltronas do meio, dando maior segurança e oferecendo mais espaço aos passageiros que viajam na janela e no corredor. A expectativa é de que o produto esteja à disposição das companhias aéreas nos próximos meses.

O material proposto é opaco — e não transparente, como vimos na apresentação da Janus (acima). A empresa acredita que isso confere maior sensação de segurança aos passageiros. As divisórias bloqueiam praticamente toda a lateral, deixando um espaço livre para o apoio de copos ou outros objetos. Há também a versão para as cabines Premium Economy, com apenas uma pequena aba entre as duas poltronas. Ao meu ver, não muito útil, uma vez que as mãos ficam bem expostas, assim como os alimentos. Imagine um dos dois passageiros das poltronas abaixo espirrando. A chance de as gotículas se dispersarem por tudo é grande.

Planbay: proteção também entre as fileiras

Não muito diferente do projeto Interspace Lite, o Planbay também prevê o bloqueio do assento do meio para a instalação de um kit de isolamento. Consiste em um painel de proteção acima das poltronas, evitando possível contato entre os passageiros de fileiras distintas. O escudo se estende também ocupando o assento do meio, distanciando os viajantes da mesma fileira e oferecendo uma mesinha lateral para cada viajante. Segundo o idealizador, o engenheiro Florian Barjot, as divisórias seriam fáceis de produzir, instalar e remover, e estariam acessíveis a um baixo custo.

MGR Safewall: assentos tecnológicos e futuristas

Uma das soluções mais tecnológicas (e com pinta de custar bem caro) é a MGR Safewall, uma poltrona toda modernosa, com acabamento em materiais tão tecnológicos que seriam capazes de matar o coronavírus — no entanto, só o coronavírus, uma vez que o projeto foi desenvolvido especificamente para esta pandemia. O design é elegante, não há espaços para o acúmulo de sujeira e, em vez de parafusos ou engates, toda a montagem é feita com painéis magnéticos. Chique no último… mas talvez milhas e milhas distantes da realidade (essa mesma, em que as empresas enfrentam uma das piores crises da história da aviação). Dá uma olhada:

Autostop Aviation: solução simples e rápida

Não há informações de quanto cada uma destas soluções custaria às empresas aéreas, mas já dá para imaginar que o projeto Autostop é um dos mais econômicos e simples deles. A ideia é tão somente um painel transparente acoplado em cada assento, fazendo a divisão entre as poltronas. Não é necessário bloquear os assentos do meio, nem criar mecanismos mais rebuscados para encaixar o acessório às fileiras: bastariam algumas faixas para prender a divisória entre as poltronas. É como se fosse um face shield, aquelas máscaras de plástico que já podemos encontrar em qualquer mercado, mas na versão para assentos de avião. Só tem um problema: não encontrei informações sobre se essas placas podem ser ajustáveis, mas imagino que crianças fossem ficar desprotegidas, considerando que a proteção começa de verdade já no alto do encosto do assento.

Pierrejean Vision: é tecnologia que você quer, bebê?

É do processo criativo dar uma bela pirada, aquela viajada que vai looooonge, tão somente pelo exercício da criação. O projeto apresentado pela Pierrejean Vision é assim. Tipo um desfile de modas, sabe? Daqueles que reúnem tendências, mas com probabilidade zero de uso na vida real (pelo menos não agora, nem no ano que vem, talvez não nessa década). Sente o drama:

Brincadeiras à parte, o que sugere o francês Jacques Pierrejean são assentos que possam combinar duas questões: o conforto do passageiro e a eficiência no processo de higienização. Para isso, o designer acredita que o material utilizado será a chave das poltronas do futuro: os assentos e as superfícies devem ser facilmente limpadas. Aí já estariam fora os tecidos que encontramos hoje nas aeronaves. A ideia de Jeanpierre seria cobrir assentos com um material parecido com um papel, que pudesse ser substituído a cada voo.

Em vez de assentos individuais, o designer acredita que bancos seriam muito mais higiênicos, uma vez que seriam eliminadas aquelas fendas (com alto potencial de concentrar toda a sujeira do mundo) entre as poltronas. Neste banco, cada passageiro teria uma proteção no entorno da cabeça, viajaria em uma espécie de bolha. As cabines também deveriam ser desenhadas para que os passageiros tivessem o mínimo contato possível com as superfícies. A operação das telas de entretenimento, por exemplo, seria completamente realizada pelo celular do viajante, por meio de Bluetooth.

Tava achando o modelo do “banco” da econômica um luxo, é? Então olha o projeto da executiva:

Parece cenário de algum episódio de Black Mirror. Uma máquina para algum exame minucioso do corpo. Um divã que analisa sua mente sem você nem precisar abrir a boca. Achei doido.

Factorydesign: menos assentos, mais proteção

Outra proposta para trazer maior proteção às cabines econômicas bloqueando os assentos do meio vem de um escritório de design de Londres, o Factorydesign. A ideia, como outras apresentadas acima, é tornar o assento do meio em uma divisória física. Uma placa translúcida seria apoiada nos braços da poltrona, sem a necessidade de maiores mudanças dentro da aeronave. Confere:

Leia mais:
Aeroportos do futuro: 5 soluções tecnológicas que podem fazer parte da rotina após a pandemia
O “novo normal”: o que deve mudar na rotina das viagens após o fim da quarentena?


Em qual dos assentos acima você viajaria com maior sensação de segurança em tempos de pandemia? Participe nos comentários!