The Crags: o paraíso dos santuários de vida selvagem na África do Sul

Redação 11 · setembro · 2018

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A África do Sul vem conquistando os corações dos viajantes brasileiros como um destino de natureza exuberante, paisagens fantásticas e custos acessíveis. As passagens para Cidade do Cabo e Joanesburgo estão cada vez mais baratas e facilitam a entrada para explorar os cenários encantadores do país. Nosso leitor André Araújo saiu da rota comum e visitou uma região tão bonita quanto desconhecida da maioria dos turistas, o The Crags. Confira o relato!


Muitos brasileiros quando viajam para a África do Sul, optam por fazer a famosa Rota Jardim, porém costumam passar batido por uma pequena e bela região rural onde a vida selvagem ainda permanece preservada. O The Crags possui a maior concentração de santuários de vida selvagem do país, cercado pelo mar e a montanha, esta charmosa e desconhecida região se tornou o paraíso da vida selvagem.

Para os que gostam de animais e por alguma razão não puderam ir ao Kruger ou ao Addo Elephant Park, dois locais comuns para ver animais, o The Crags se revela o lugar ideal através dos seus santuários de animais selvagens.

Além dos animais, a região oferece uma vasta opção de atrações como praias, montanhas, atividades de aventura (trilhas e arvorismo), enocultura e principalmente sossego em contato com a natureza. É um dos pouco lugares onde ainda podemos ver uma manada de vacas sendo conduzidas pela estrada, vilarejos rurais, fazendas que produzem alimentos sem uso de agrotóxico, restaurantes simples com clima de roça, além de acomodações de todos os tipos, gostos e bolsos.

The Crags e suas atrações

Tendo como base o Eco Turismo Sustentável, a região é conhecida entre os sul africanos pelo seus três santuários dedicados especificamente a três espécies de vida selvagem que realizam um trabalho exemplar com animais resgatados:

Birds of Eden é o santuário dos pássaros, são mais de 3.500 aves vivendo livremente em uma vasta floresta onde o visitante poderá ver aproximadamente 220 espécieis diferentes.

Através de passarelas de madeira suspensa, temos a oportunidade de vê-los de pertinho voando tranquilamente pelo local. São tantas aves que de muitas delas eu desconhecia a existência, destaque para o Turaco, um belo pássaro de penas verdes e topete. Aves maiores também vivem no Birds of Eden como os flamingos rosas.

O santuário ainda possui riachos, lagos, uma pequena cachoeira e facilidades como lanchonete e loja de souvenirs.

Site: http://birdsofeden.co.za/

Jukani, o santuário das feras, abriga diversos felinos de diferentes espécies, tais como tigres brancos, leões brancos, hienas, guepardos, leopardos, onças, pumas e vários outros. Todos os animais vivem em enormes recintos repleto de árvores e vegetação, para que se sintam-se realmente na natureza.

A visita guiada permite que o visitante tenha a chance não apenas de aprender mas de se conscientizar em relação à causa e aos impactos da ação do homem
em seu habitat natural. O Jukani possui as mesmas facilidades tais como lanchonete e loja de souvenirs.

Site: http://www.jukani.co.za/

Monkeyland, no santuário dos macacos, eles que dominam a floresta e são muitos, mais 700 vivendo livres em uma imensa floresta, convivendo em harmonia entre as diferentes espécies, desde gibões, macacos pregos, lêmures e diversos outros primatas.

Através de uma visita guiada, o visitante caminha por trilhas tendo a chance de observar os macacos de pertinho, que transitam entre os visitantes sem se importar com a nossa presença, além disso temos a oportunidade de aprender sobre a importância da preservação da vida selvagem no país.

Site: http://www.monkeyland.co.za/

Por que é muito importante a nossa visita nestes santuários? Todos os animais, dos três santuários, foram resgatados de zoos, pet ilegais e até laboratórios, mas encontraram um recomeço nos santuários… uma nova chance de viver em segurança e em contato com a natureza.

Nennhum dos três santuários possui fins lucrativos, baseando-se apenas e exclusivamente no ecoturismo sustentável, por isso a visita é muito importante, por que estamos ajudando a manter estes locais e até mesmo a colaborar em relação à conscientização.

Os 3 santuários são parte da The South African Animal Sanctuary Alliance (SAASA)

Praia – Nature’s Valley

A poucos quilômetros do The Crags encontra-se o Nature’s Valley, uma vila de casas com uma bela e (quase) deserta praia, um local ideal para relaxar admirando o mar ou mesmo se banhando nas águas geladas, se tiver coragem.

Entretanto eu não recomendo se hospedar no Nature’s Valley, a menos que o turista seja um surfista, caso contrário, ficar no The Crags é a melhor opção pelas variedade de atrações.

The Crags – Acomodações

Engana-se quem acha que lugares menores e rurais não possuem acomodações confortáveis, o The Crags possui várias opções de hospedagem de diferentes estilos, preços e gostos, veja alguns exemplos abaixo:

Four Fields Farm: Chalés aconchegantes em uma bela área arborizada, onde o verde predomina. Existem chalés de diferentes tamanhos, alguns deles equipados com cozinha. Nos arredores, cavalos “aposentados” vivem tranquilamente.

Site: http://www.fourfields.co.za/

A poucos quilômetros do Four Fields, estão os chalés de madeira do Moon Shine on Whiskey Creek, situados em uma bela área arborizada, com uma relaxante vista da varanda para a gigantesca floresta. Para os aventureiros, existe uma trilha nos arredores que leva até um riacho, aproximadamente 45 minutos de caminhada.

Site: https://www.whiskeycreek.co.za/

Ambos os locais acima são self-catering, ou seja não possuem refeições incluídas, mas tem cozinha equipada.

Aqueles com orçamento mais folgado, poderão ficar no lodge Hog Hollow Lodge, que também possui vista para a floresta de sua ampla piscina, entretanto se a grana for curta, a um (único) hostel na região, chamado Wild Spirit Backpacker lodge, com um estilo hippie, o hostel possui quartos coletivo e camping, pra quem está com pouca grana e não liga muito para o aspecto limpeza.

Site: https://www.hog-hollow.com/

E por fim, por que não se hospedar de uma forma inusitada e sem abrir mão do conforto? As tendas Africamps acomodam até 5 pessoas e é como se fosse uma casa, pois possui 2 quartos, sala/cozinha com lareira, WCs com chuveiro quente e um belo deck de frente para a floresta. Exotismo total.

Site: https://www.africamps.com/

Onde comer?

Os restaurantes no The Crags são simples e com clima de fazenda, possuem uma boa variedade de refeições, destaque-se o Nature’s Way Farm Stall, que possui uma padaria/mercearia e também serve refeições, tudo feito com alimentos colhidos na própria fazenda do local.

Site: https://www.naturesway-sa.com/

Vai pra África do Sul? Não deixe de visitar esse paraíso escondido onde a natureza é abundante.

Dicas

– No The Crags, o check-in inicia sempre às 14h e o check-out às 10h.

– As tarifas variam de acordo com a época (alta, média e baixa temporada) mas são mais baratos do que as acomodações no Brasil.

– Evite os meses junho, julho e agosto quando é inverno e chuvoso na região.

– Confira os guias da Cidade do CaboJoanesburgo e também as dicas do Kruger Park para o seu primeiro safári na África do Sul!


Agradecemos ao André pelo excelente relato! E você, quer comparilhar sua viagem com a gente também? Envie seu roteiro com fotos e dicas para o e-mail convidado@melhoresdestinos.com.br !

Autor

Redação - redacao