TAP volta a cobrar adicional de combustível nas emissões com milhas

João Goldmeier 21 · novembro · 2017

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Diversos leitores entraram em contato com o Melhores Destinos para informar que a TAP está novamente cobrando adicional de combustível nas emissões de passagens com milhas. A pergunta feita por eles é uma só: a cobrança é legal? Entramos em contato com a empresa e com a Anac para apurar os fatos, e o resultado você confere aqui.

Na imagem enviada por um leitor é possível ver a cobrança do adicional de combustível (YQ)

Antes de mais nada, é preciso explicar o que é o adicional de combustível e o contexto no qual ele foi criado. Em 1997, a cotação do petróleo atingiu máximas históricas em razão de conflitos na região do Golfo Pérsico, principal produtora de petróleo no mundo. Com o petróleo supervalorizado, a International Air Transport Association (IATA), entidade que reúne as principais empresas aéreas mundiais, argumentou que a acentuada volatilidade dos preços dos combustíveis estava causando sérios problemas na criação das tarifas das empresas aéreas.

Para resolver o problema, a IATA sugeriu a criação de um adicional de combustível (“fuel surcharge”), que permitiria que as empresas ajustassem seus preços sem alterar suas bases tarifárias – o preço final seria o da tarifa somado ao adicional de combustível do dia. Isso visava facilitar o registro das tarifas junto aos sistemas de distribuição globais. Ao invés de ter de cadastrar novamente todas as tarifas no sistema dia após dia, bastaria inserir o valor diário do adicional de combustível.

A expectativa era de que a cobrança fosse temporária, cessando uma vez que a produção de petróleo voltasse ao normal. Contudo ela seguiu sendo cobrada por diversas empresas, como a Emirates e a Singapore Airlines, mesmo com o petróleo atingindo valores históricos mínimos nos anos recentes.

No Brasil a cobrança nunca foi regulamentada, embora em casos recentes a mesma tenha sido rechaçada, como o caso da Tam em 2015, que iniciou a cobrança e logo foi impedida de continuar cobrando em razão de decisão judicial. Na época o argumento que venceu na Justiça foi o seguinte: “A variação do preço do combustível é risco próprio da atividade econômica, não podendo ser cobrado de modo destacado pelas empresas aéreas”.

A recente Resolução 400/2016 da Anac, que dispõe sobre as condições gerais de transporte aéreo, veda expressamente a cobrança de quaisquer adicionais em seu artigo 4o.:

Art. 4o. A oferta de serviços de transporte aéreo de passageiros, em quaisquer canais de comercialização, conjugado ou não com serviços de turismo, deverá apresentar o valor total da passagem aérea a ser pago pelo consumidor.

Nos bilhetes pagos a questão parece estar bem determinada: a cobrança do adicional de combustível em cima da tarifa é proibida. Mas e nos bilhetes com milhas?

A situação muda um pouco de figura já que a Anac diz não regular tais situações, eis que são acordos privados que podem ou não restringir-se a serviços aéreos: “as cláusulas particulares desses acordos são da relação própria entre empresa e consumidor, especialmente quando às suas regras e valores”.

No entanto, ainda que permitida, a cobrança pode ser considerada abusiva com base no Código de Defesa do Consumidor por gerar um enriquecimento sem causa, uma vez que o custo com combustível é indissociável do serviço de transporte aéreo e deve ser previsto na estrutura de custos das empresas aéreas. Ao cobrar um adicional sobre algo que já deve constar no custo a empresa estaria ganhando duas vezes.

Sob outro ponto de vista também seria possível questionar a cobrança: se a cobrança é vedada nas passagens pagas e sendo as milhas as substitutas do dinheiro no pagamento das passagens, tanto que flutuam de acordo com a procura da mesma, não seria lógico permitir a cobrança nas emissões com milhas.

A discussão parece estar longe do fim, mas uma coisa é certa: a TAP errou ao não avisar os consumidores do início da cobrança, dando chance para que os mesmos pudessem fazer as suas emissões. A empresa foi procurada pelo Melhores Destinos para prestar esclarecimentos mas até agora não se manifestou. O espaço continua disponível, caso a TAP queira prestar informações.

Além do programa Victoria, a cobrança da taxa de combustível pela TAP também passou a ser feita nas emissões de bilhetes via Smiles.

Autor

João Goldmeier - Editor