A caminho de se tornar “empresa”, Smiles muda regra para perda de voos

Denis Carvalho 7 · maio · 2012

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Entre as várias medidas de recuperação financeira, a GOL planeja seguir o exemplo da concorrente TAM e transformar o Smiles em uma empresa independente, possibilitando inclusive a negociação de ações em bolsa de valores e facilitando as parcerias com outros segmentos para acúmulo e uso de milhas. Enquanto estuda a alteração, a companhia anunciou na última semana uma nova regra para a perda de voos (no show): a partir de agora quem não se apresentar no embarque perde suas milhas.

A medida, informada por e-mail aos associados, desagradou muitos leitores, que já estavam insatisfeitos com medidas nada populares, como o fechamento de salas VIP em aeroportos. Conforme a companhia, apenas as milhas de bilhetes emitidos antes de 01/05/2012, poderão ser reembolsadas em caso de não comparecimento sem o devido cancelamento da passagem, que pode ser feito mediante o pagamento de uma taxa.

As mudanças no Smile seguem o compasso dos cortes de gastos da GOL, que vê no programa de milhagem uma ótima saída para sua crise financeira. A Multiplus, por exemplo, criada a partir do TAM Fidelidade, obteve  lucro líquido de R$ 61,6 milhões no primeiro trimestre deste ano – seu valor de mercado já é equivalente ao da própria TAM: R$ 6,45 bilhões de reais em comparação aos R$ 7 bilhões da companhia aérea.

Com o sucesso da empreitada a concorrente conseguiu roubar do Smiles o título de maior programa de milhas da América Latina, que portava desde a década de 90, ainda sob comando da Varig. Hoje, o Fidelidade soma quase 9 milhões de usuários enquanto o Smiles tem pouco mais de 8 milhões.

A GOL contratou a consultoria Boston Consulting Group no início do ano para fazer a reestruturação do programa de milhas –  o estudo deve ficar pronto apenas na metade do ano que vem. Executivos da GOL afirmam que os dados definirão a viabilidade de se criar uma nova empresa com o Smiles –  se é que existe dúvidas após o sucesso do Fidelidade.

Com informações dos sites InfoMoney e Exame e dica dos leitores Wallyson Cleibson, Rodrigo Cesar, Guilherme Vargas, Bruno Reis e Marina Perello.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe