Roteiro de 7 dias pelo Maranhão: de São Luís aos Lençóis Maranhenses

Por Redação

Há tanta beleza no Maranhão que é impossível não se apaixonar. Da capital São Luís, com seu belo acervo histórico, às areias brancas e finas dos Lençóis Maranhenses, com dunas que dão a sensação de estar no paraíso. Para ajudar quem está planejando uma viagem pelo Maranhão, o leitor do Melhores Destinos, Jair Prandi, conta como foi o seu roteiro de 7 dias por lá. Jair tem 48 anos, é gaúcho e escreve sobre suas viagens e aventuras para o blog Viagens e Caminhos. Confira o roteiro!

Roteiro de 7 dias pelo Maranhão: de São Luís aos Lençóis Maranhenses

Roteiro de 7 dias pelo Maranhão

*Por Jair Prandi

Sou leitor do Melhores Destinos há muitos anos e sempre recebo alertas por email das promoções de passagens. Agora também tenho o aplicativo instalado em meu celular que notifica em primeira mão sobre as promoções.

Costumo viajar de modo independente e com economia, onde primeiro aproveito passagens aéreas baratas para depois traçar um roteiro e organizar o restante da viagem. Foi assim que viajei ao Maranhão.

Leia também: Lençóis Maranhense – 35 dicas para a sua primeira viagem

Confesso que não estava planejando conhecer o Maranhão! Mas, num final de semana, fui abrir meu email e lá estava, uma notificação do Melhores Destinos. A promoção estava arrasadora, com preços de Porto Alegre a São Luís por menos de R$ 300,00, ida e volta. Dei uma pesquisada rápida sobre o destino e comprei antes que acabasse, para 2 pessoas, eu e minha esposa.

Costumo alugar carro em minhas viagens, mas cheguei à conclusão de que não seria vantajoso para esta viagem. O motivo é que nos dias em que estaríamos nos Lençóis Maranhenses estaríamos pagando com o carro parado. Lá os passeios são em 4×4 ou de barco.

Primeiro dia – viagem de ida

Viajamos de carro próprio, de Vacaria – RS (onde moramos) para Porto Alegre (240 km). Deixamos o carro no prédio do estacionamento do aeroporto e pegamos o voo às 16h. Após uma longa conexão em Brasília, chegamos às 23h30 a São Luís. Pegamos um taxi (R$ 60,00) até o hotel Brisamar, na Ponta D’areia, onde chegamos às 23h.

Hotel Brisamar

Escolhemos o hotel Brisamar pelo custo benefício e pela localização. As diárias para casal custam a partir de R$ 170,00. Na volta dos Lençóis, passamos mais 2 noites no hotel.

Segundo dia – Barreirinhas

Deixamos para conhecer a capital São Luis, nos últimos dias. Acertamos o transfer para Barreirinhas (cidade base para conhecer os Lençóis Maranhenses), com a agência Gi Conect (R$ 70,00 por pessoa o trecho). São 260 km de distância e eles buscam no hotel.

Acordamos às 6h, tomamos café e às 7h30 a van passou para nos buscar no hotel. No caminho para Barreirinhas, há apenas uma parada para lanche e para passar no banheiro. Chegamos por volta das 12h na Pousada Solar das Gaivotas, onde a van nos deixou. Ficamos 3 noites nesta pousada, simples e agradável, porém, distante do centro. O proprietário nos levava quando precisávamos, mas para voltar, tínhamos que nos virar com um táxi.

avenida beira rio barreirinhas maranhao

Reservamos o resto da tarde para conhecer o centrinho de Barreirinhas e descansar. O almoço foi no restaurante Tá Delícia, com comida caseira gostosa. Depois fomos conhecer a bela Avenida Beira Rio, a parte mais turística da cidade, onde estão os restaurantes e de onde saem os passeios de barco.

Terceiro dia – Quadriciclo nos Lençóis Maranhenses

Já havíamos agendado 3 passeios (um para cada dia) nos Lençóis Maranhenses. O primeiro foi de quadriciclo pelos Pequenos Lençóis até a Península de Caburé. São 7h de passeio onde vai um guia na frente e os turistas o seguindo atrás. Fomos apenas o casal em uma máquina e o guia em outra, que acabou sendo exclusivo porque não havia outros.

Saímos às 9h e voltamos às 16h. O roteiro inicia por uma trilha em meio à vegetação de restinga e depois adentra nas dunas e lagoas dos Pequenos Lençóis. No caminho, visitamos a Tenda dos Macacos, depois seguimos num trecho pela praia até a Península de Caburé.

O almoço um foi no restaurante do Paturi, onde pudemos comer um belo prato com peixe. Depois tivemos um tempo para curtir a península que é formada por uma estreita faixa de areia, onde num lado fica o Rio Preguiças e no outro o mar.

Saiba mais sobre o tour de quadriciclo até Caburé.

Quarto dia – Excursão 4×4 pelos Lençóis Maranhenses

Nesse não tivemos atividades pela manhã, então dormimos um pouco mais. Almoçamos no centro e embarcamos na excursão de Toyota às 14h. Este tour é feito em Toyotas 4×4 adaptadas com bancos e cobertura na carroceria.

tour 4x4 lencois maranhenses

Atravessamos o rio em uma balsa, depois adentramos ao parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, onde seguimos por 12 km de trilhas de areia até chegar às grandes dunas dos Lençóis.

A partir daí fizemos uma longa caminhada entre dunas e lagoas. Na época em que fomos, muitas lagoas já estavam secas, apenas algumas estavam com água. Aguardamos o belo por do sol nas dunas e retornamos.

Leia mais: Qual a melhor época para ir aos Lençóis Maranhenses

lencois maranhenses

Saiba mais sobre o tour 4×4 Lagoa Azul.

Quinto dia – Excursão pelo Rio Preguiças e volta a São Luis

Uma camioneta nos buscou na pousada às 8h e nos levou ao cais, onde embarcamos numa lancha voadeira junto com outros turistas. O passeio pelo Rio Preguiças é muito gostoso e o rio é lindo.

tour rio preguicas

São 3 paradas no caminho: A primeira é na Tenda dos Macacos, em Vassouras. Mesmo lugar que tínhamos parado com o quadriciclo. A segunda é no povoado de Mandacaru. No local tem um farol, de onde se tem uma bela vista lá do alto. A terceira é na Península de Caburé, local do almoço, do banho de mar e de rio. Almoçamos na Cabana do Peixe, mas há vários restaurantes rústicos lado a lado para atender os turistas.

farol mandacaru

Vista do Farol de Mandacaru

Retornamos à pousada às 15h30, tomamos um banho correndo e arrumamos as malas. Às 16h a van foi nos buscar na pousada para retornar a São Luís, onde chegamos às 21h.

Saiba mais sobre o tour pelo rio Preguiças.

Sexto dia – São Luís

Neste dia pretendíamos fazer a travessia da Baía de São Marcos para conhecer Alcântara. Como era dia das eleições e os barcos iriam estar superlotados levando o povo para votar, fomos aconselhados a não ir.

Sendo assim, dormimos um pouco mais e pela manhã, caminhamos e curtimos a praia da Ponta D’areia, em frente ao hotel. Almoçamos no restaurante do hotel e passamos o resto da tarde curtindo a piscina.

Praia Ponta D'areia - São Luis

Praia Ponta D’areia – São Luis

Sétimo dia – Tour por São Luís e viagem de volta

Combinamos com um taxista (ainda no dia anterior) um pacote para alguns lugares que queríamos ir. Para um passeio que durou 6 horas e mais o translado ao aeroporto, nos cobrou R$ 300,00.

Saímos às 8h da manhã e primeiro fomos ao vasto Centro Histórico de São Luis. Circulamos por vários pontos, um pouco a pé, um pouco de carro e deu para conhecer os principais pontos turísticos.

Rua Portugal - Centro Histórico de São Luis

Rua Portugal – Centro Histórico de São Luis

Na sequência seguimos para São José do Ribamar, cidade vizinha famosa pelo santuário católico do padroeiro do Maranhão, localizado a 35 km do centro de São Luís. Visitamos a igreja, uma praça com as 12 estações da cruz e a enorme estátua do santo.

Depois seguimos por mais 30 km para Raposa. É uma vila de pescadores, conhecida pelas rendeiras de bilros e por oferecer passeios de barco por paisagens parecidas com as dos Lençóis. Como nosso tempo era curto não arriscamos, apenas ficamos observando maré que estava muito baixa e mostrava centenas de metros de areia mar adentro.

Almoçamos um excelente prato de peixe no restaurante “O Capote”, e na volta à capital passamos pela avenida Beira mar que margeia as praias de São Luís. Retornamos ao hotel, tomamos banho, fizemos o check-out, enquanto o taxista esperou para nos levar ao aeroporto.

Peixe em Raposa - Maranhão

Embarcamos às 16h e depois de uma conexão em Guarulhos, chegamos a Porto Alegre às 22h. Pegamos nosso carro e tocamos direto para Vacaria, com chegada a 1h30 da manhã.

O que mais gostamos na viagem

Os passeios nos Lençóis Maranhenses são todos bons e são bem variados, fizemos em 3 estilos diferentes: De quadriciclo, de barco e 4×4 com caminhada. Existem ainda outros para que tiver mais tempo disponível.

O que poderia ser melhor

Viajamos fora da melhor temporada nos Lençóis Maranhenses, na última semana de setembro, quando a maioria das lagoas estava seca, ou com pouca água. Com isso, os Lençóis perdem um pouco de sua beleza. O ideal é visitar os Lençóis entre de junho a agosto, época em que param as chuvas e as lagoas entre as dunas estão cheias.
Não viaje em dia de eleições, será um dia perdido! Comprei as passagens para aproveitar a promoção e só percebi depois que as eleições estariam no meio da viagem.

Raio X

Em São Luís ficamos no hotel Brisamar na Ponta D’areia e achamos que foi uma ótima escolha. Em Barreirinhas, melhor ficar na cidade, próximo aos restaurantes. Para os mais endinheirados há também ótimos resorts e pousadas na beira do rio.

Os restaurantes mais recomendados estão concentrados na Av. Beira Rio, entre eles o restaurante “A Canoa” e “O Bambu”. Veja mais sobre onde comer em Barreirinhas 

Recomendamos fazer no mínimo dois passeios: De barco pelo Rio Preguiças e um 4×4 por um dos roteiros oferecidos, fizemos o da Lagoa Azul. Leia mais sobre passeios nos Lençóis Maranhenses

A melhor forma de ir de São Luis a Barreirinhas é através de um transfer, não é caro, e eles buscam e levam nos hotéis.

Conclusão

Se vai visitar estes dois destinos do Maranhão recomendamos no mínimo um dia livre em São Luis e dois para passeios nos Lençóis Maranhenses, sendo o ideal três. Você precisará de mais dois meios dias para os deslocamentos.

Os Lençóis Maranhenses por si só vale a viagem, já, a capital São Luis, vale a pena, por ser a porta de entrada, onde chegam os voos.

Dicas do Melhores Destinos

Conhecer os Lençóis Maranhenses é sempre um privilégio, mesmo que seja em um roteiro um pouco corrido. Recomendamos, entretanto, ao menos uma semana por lá para curtir de verdade as lagoas e outras atrações, sendo que o ideal para uma viagem completa são dez dias. Com esse tempo disponível, será possível conhecer Barreirinhas, Santo Amaro e Atins, as três principais bases dos Lençóis Maranhenses. Acredite, as lagoas e cenários de cada uma delas é bem distinto e vale conhecer as três!

Sobrevoo no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Foto: Monique Renne

A alta temporada nos Lençóis Maranhenses é marcada pelo período das chuvas, quando as lagoas de água doce em meio às dunas estão cheias e no auge da beleza. A temporada de chuva costuma acontecer de janeiro a junho (a intensidade varia a cada ano), com auge nos meses de fevereiro a maio. Quanto mais chuvas no ano, mais cheias ficam as lagoas. Para ver belos dias de sol associados a lagoas cheias, o melhor é viajar nos meses de junho, julho e agosto. Com o passar dos meses sem chuva, as lagoas secam e muitas não estarão com água para o passeio. Neste caso, o ideal é seguir para a base de Santo Amaro, onde as lagoas costumam ter água por mais tempo ou para Atins, localizada à beira-mar.

Santo Amaro em período de cheia das lagoas. Foto: Monique Renne

Ainda que as lagoas sejam as atrações mais famosas e procuradas, nos Lençóis Maranhenses é possível também fazer passeios para praias e rios, ou seja, dá pra ir durante o ano todo que sempre haverá belezas para ver. Para mais detalhes, acesse o nosso post com 35 dicas para a sua primeira viagem aos Lençóis Maranhenses e também o nosso exclusivo Guia dos Lençóis Maranhenses. Certeza que você também irá se apaixonar por aquelas lagoas espetaculares!


Agradecemos ao Jair pelo relato! Quer compartilhar sua viagem com a gente? Envie seu texto e fotos para convidado@melhoresdestinos.com.br!