Roteiro em Seul: 2 dias na moderna capital da Coreia do Sul

Bruna Scirea 13 · novembro · 2017

Seul, a capital da Coreia do Sul, é daquelas cidades que misturam a modernidade dos grandes centros urbanos e a cultura milenar que sobrevive ao passar dos anos. E não faltam adjetivos para este que vem se tornando um dos principais destinos turísticos da Ásia: dinâmico, divertido, tradicional e tecnológico são só alguns deles. Quem sabe bem disso é o leitor do Melhores Destinos Rafael Castilho que, recentemente, viajou para Seul com a esposa e o filho de apenas 5 meses. Neste relato, Rafael divide com a gente um roteiro de dois dias pela capital da Coreia do Sul! Aproveite a leitura!

SEUL: CIDADANIA E MODERNIDADE

Por Rafael Castilho

Uma cidade moderna e de alta tecnologia, mas que nas pequenas coisas e sabores guarda sua essência milenar. Assim é Seul, a capital da Coreia do Sul. Mas quem viaja para o outro lado do mundo vai encontrar muito mais que as belezas culturais e os patrimônios da humanidade.

A cidade se destaca pela a cidadania, respeito ao cidadão e ao bem público. Fica até difícil pensar que até pouco tempo atrás a Coreia do Sul era uma nação mais pobre que o Brasil…

A visita à Coreia pode ser combinada com um roteiro no Japão ou na China. Segue abaixo uma rápida visita de dois dias a capital coreana e suas principais atrações.

DIA 1: Changdeokgung, Bukchon e Myeongdong

Seul tem uma das maiores redes de metrô do mundo. Siga até a estação Anguk rumo a um dos cinco patrimônios da humanidade que a capital coreana abriga. O Changdeokgung é um complexo de palácios construído na dinastia Choson em 1.412 (1A no mapa acima). Infelizmente, grande parte das instalações originais foram destruídas pelas várias guerras enfrentadas pelos coreanos. Mas o grande complexo ainda abriga 13 edifícios e 28 pavilhões. A visita custa 3 mil won, mas você pode comprar um ingresso que vale também para o outro grande palácio e o jardim secreto por 10 mil won. A visita não irá durar mais do que 1h30.

Saia do complexo e siga para sua esquerda em direção a rua Gyedong-gil rumo ao bairro antigo de Seul. Neste rua você encontrará comércio e vários pontos para matar a fome. Ao chegar na área de Bukchon você fará uma viagem ao tempo, mais precisamente ao século XV (1B).

Perca-se nas vielas e admire a antiga Seul preservada por 600 anos. Muitas casas pertenceram aos funcionários do alto escalão do governo e nobreza durante a dinastia Joseon. Provavelmente você encontrará vários jovens com roupas típicas (Hanbok), um fenômeno encontrado em algumas regiões da cidade e que aumenta a cada ano.

Ao contrário da geração mais velha, os coreanos mais jovens têm a mente mais aberta e não são limitados pelos pensamentos tradicionais”, conforme disse a professora Park Gil-Sung da Korea University, em entrevista ao Korea Post. Choi Jeong-cheol, que promove o Hanbok para o Ministério da Cultura, Esportes e Turismo, ressalta ainda que “a cultura coreana se tornou um assunto popular entre jovens coreanos por causa do crescimento global da cultura pop do país, precisamos continuar desenvolvendo novos conteúdos para que essa moda não tenha vida curta”. Portanto, você pode pedir uma selfie que eles são solícitos em atender.

Deixe a região de Bukchon e siga de volta a estação de metrô Anguk. De lá vá para Jongno-5 e encontre o mercado Gwangjang (1C). Lá há souvenirs, roupas típicas e, o melhor, comida local. Almoce como um coreano. Cuidado com a pimenta.

Aproveite a tarde e caminhe em direção ao coração comercial da cidade, Myeongdong. O percurso é meio longo, mas andando pelas ruas você vivenciará a essência urbana de Seul. Mas antes de chegar a Myeongdong aproveite para ver uma grande obra de cidadania, respeito ao dinheiro público e qualidade de vida: o rio Cheonggyecheon foi revitalizado e voltou a ganhar vida. Até 2003 ele era coberto por um viaduto.

Cheonggyecheon

Lembra muito a nossa história do Minhocão e também de muitos outras rios enterrados pelas avenidas em São Paulo (1D). Mas em Seul, a retórica política saiu do papel e, hoje, o rio despoluído é uma grande área de lazer.

Ao chegar em Myeongdong visite a Catedral de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, a primeira igreja paroquial coreana e um das mais importantes na Coreia do Sul. A construção, de 23 metros de altura, começou em 1892, no 29º ano do Imperador Gojong, e terminou em 1898. A Catedral foi construída no estilo gótico, usando mais de vinte tipos de tijolos vermelhos e cinzas (1E).

Myeongdong ferve. Aqui todos se encontram para curtir um passeio, um bar ou restaurante, ou torrar alguns won nas centenas de lojas. As grifes mais famosas estão nas ruas deste bairro. Assim como o gigante magazine Lotte, onde você pode se perder em algum andar desta imensa loja de departamento (1F). Aproveite para conhecer a comida de rua coreana. Há tipos para todos os paladares: kyeranppang, bolinho com ovo cozido; mandu, vários recheios e lembra o gyoza; beotteo ojingeo, lula seca e defumada; dolgona, bolacha doce; hudugwaja, bolinho com recheio de nozes e feijão; ou o bungeoppang, bolinho em formato de carpa recheado de feijão doce; etc. Ufa!! Precisa de um sal de frutas???…. A comida de rua pode ser encontrada em todos os bairros de Seul.

Comida de rua

Boa noite e vá descansar. O dia seguinte promete e começa cedo.

DIA 2: Namdaemun, Gyeongbokgung, Insandong-gil e Namsan Tower

A primeira parada são as ruas da região comercial de Namdaemun. Aproveite para tomar café da manhã: pode ser um bolinho de feijão ou um pãozinho de alho adocicado no Paris Baguette. Vale a pena experimentar. Esta área oferece comida típica, souvenires e muitos produtos chineses. Algumas lojas lembram a tradicional Rua 25 de Março (2A). Passe pela região e siga em direção do Portal Sul, um dos oito portões que um dia guardaram a cidade (2B). O portal que marcava a entrada principal da cidade de Seul foi construído em 1398 e reconstruído em 1447. Em 2008, ele foi incendiado por um fanático, mas novamente foi restaurado.

Do portal siga por duas quadras em direção a Estação Central. Lá você encontrará mais uma obra de cidadania e requalificação urbana (2C). Um antigo viaduto tornou-se Seoullo 7017, um parque linear de 1 km e com 24 mil plantas. Vale a visita.

Para não perder tempo tome um táxi em direção ao Palácio Gyeongbokgung, conhecido como o palácio do norte. Este é o maior da cidade e foi construído em 1395 (2D). Como os demais palácios, este não passou intacto às guerras e teve que ser reconstruído. Não perca o Pavilhão Gyeonghoeru e a lagoa Hyangwonjeong. E assista à troca da guarda. Após a visita aproveite e almoce a galinha preta ao molho ginseng no tradicional restaurante Tosokchon Samgyetang (2E).

Depois de provar esta delícia é hora de relaxar numa das principais ruas comercias de Seul. Caminhe e compre lembrancinhas na Insadong-gil (2F). Caminhe até o rio Cheonggyecheon e aprecie a outra parte deste projeto de revitalização (2G).

Insadong-gil

Está na hora de subir o monte Namsam e curtir o pôr do sol. O melhor caminho é o acesso por teleférico. Lá do alto você tem um ótimo panorama da cidade. Destaque para o centro financeiro e os palácios ao longo do horizonte (2H).

Aqui você pode relaxar nos bares ou restaurantes, ou subir mais ainda… tomando o elevador para o alto dos 236 metros da N Seoul Tower – o ingresso custa 10 mil won.

Vista do Monte Namsam

Se estiver cansado, desça o monte Namsam e jante um Bibimbap no bairro de Myeongdong. Mas se estiver com pique, na sua última noite na capital coreana, siga para o distrito Gangnam que ganhou o mundo na música do PSY que retrata a vida luxuosa associada a esta elegante e nobre área de Seul. Se encante pelos letreiros luminosos e os cheiros das comidas típicas.

Bibimbap

__________

Agradecemos ao leitor Rafael Castilho pelo roteiro, que pode ser muito útil para quem está planejando viajar para a Coreia do Sul! Quer mandar o roteiro de sua viagem para o MD? Entre em contato pelo e-mail convidado@melhoresdestinos.com.br

Autor

Bruna Scirea - Editora