Especial: Roadtripping nos Estados Unidos 10 – Phoenix,a fronteira e um destino a mais no itinerário

Denis Carvalho 9 · abril · 2012

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A jornada da jornalista Isabela Rios pelos Estados Unidos se aproxima do fim com a chegada ao Arizona. A rápida passagem pela cidade de Phoenix já permite descortinar um pouco do que ela tem a oferecer. Além disso, um pouco de estresse pela proximidade com a fronteira e o contato com a rígida polícia federal americana. Confira:

Chegamos a Phoenix de manhã cedo. A cidade fica no deserto de Sonora, em uma das regiões mais secas e agrestes do oeste. Passamos frio com 5°C e muito vento no mês de dezembro.

Infelizmente, não tivemos muito tempo para explorar a cidade, foram apenas algumas horas. A primeira impressão foi de uma cidade bonita, moderna, muito limpa e muito organizada – típica americana. Nossa visita se resumiu em Downtown Phoenix, onde estão localizados o estádio do time de baseball do estado, o Diamondbacks, e o Phoenix Symphony, sede de uma das maiores orquestras sinfônicas dos Estados Unidos. Dois lugares que vale a pena dar uma olhada.

 

Andando para o norte pela 3rd Street chegamos à basílica de St. Mary. A obra foi construída em 1914 e se tornou um dos principais cartões postais da cidade por sua arquitetura no estilo romano e bonitos vitrais.

Na 5th St fica o centro de ciência, Arizona Science Center. Lá você aprende e participa de atividades sobre biologia e física. O ingresso custa $14 para adultos pela visita às exposições. Para assistir a documentários em 3D no cinema interno é pago mais $8 e para visitar o planetário também $8.

O lugar que deu mais vontade de conhecer, mas o tempo não permitiu, foi o Desert Botanical Garden, um parque com mais de 140 hectares com centenas de espécies da flora característica do deserto. Dizem que é muito interessante, portanto fica a dica para quem visitar Phoenix.

Ao deixar a cidade continuamos em frente pelas paisagens desérticas, dessa vez sem neve. Por todo o caminho continuei marcando nosso trajeto em um mapa e me dei conta de que tinha vontade de conhecer San Diego na Califórnia, mas a cidade não estava na nossa programação. O percurso aumentaria só em umas duas horas e, em consenso com minha companheira de viagem, saímos da Interestadual-10 e pegamos a I-8 em direção a San Diego.

Alguns quilômetros à frente vimos a primeira placa indicando a Califórnia, o que significa que estávamos quase do outro lado do país.  Mas não estávamos só bem perto da costa oeste, estávamos também bem perto do México, ou melhor, dirigíamos pela estrada que fica paralela à fronteira e isso pode trazer um pequeno estresse e atraso à viagem.

À medida que nos aproximamos da divisa entre Arizona e Califórnia começamos a cruzar carros da polícia federal e helicópteros sobrevoando o deserto. Entre a entrada do estado da Califórnia e o nosso destino fomos paradas em quatro – sim quatro! – postos de fiscalização de imigrantes (obviamente o fato de termos um carro com placa do outro lado do país e sermos ambas estrangeiras ajuda a chamar a atenção). Não tivemos grandes problemas com a policia federal, mas passamos por trânsito, filas, revista no carro com cachorros treinados e checagem de documentos e antecedentes criminais.

Um dos seguranças do terceiro posto me contou que o número de imigrantes ilegais vindos do México cresce a cada ano e 90% deles tentam viver na Califórnia por ser perto da fronteira e ter clima parecido. O controle nas estradas é feito diariamente para quem não apresenta documento de cidadania americana com o objetivo de manter a segurança e lei no país. Quando perguntei se o esquema de segurança funciona ele me respondeu: “Bem, acabamos de prender uma pessoa a uns dez carros à frente do seu”.

Após terem certeza de que não éramos fugitivas ilegais ou terroristas, continuamos pelas belas paisagens de deserto e montanhas, cruzando cidades com nomes latinos e ouvindo espanhol por todos os lados.

No próximo post, após cruzar o país chegamos. CALIFORNIA, BABY!

Não deixe de ler os posts seguintes desta viagem fantástica. Perdeu os textos anteriores? Leia os posts sobre os preparativos da viagem,  WashingtonCharlotteAtlantaAlabama,  New OrleansDallas e Novo México.  

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe