Especial: Roadtripping nos Estados Unidos 9 – Novo México

Leonardo Marques 27 · março · 2012

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A jornalista Isabela Rios continua sua viagem pelos Estados Unidos na rota 66 e agora passa pelo Novo México, também conhecido como a terra do encantamento.

As incríveis paisagens do Novo México ganharam um lugar na minha lista de lembranças preferidas sobre a viagem. As placas de boas vindas que recebem os viajantes mostram o slogan oficial do estado: a terra do encantamento. Mas sinceramente, eu não esperava muito das terras secas e da vegetação rasteira da região, erro meu.

O estado do Novo México está localizado no centro de uma das zonas mais áridas do país, entre os desertos do Texas e Arizona, ao norte da fronteira com o México. A região que antigamente era dominada pelos povos indígenas, hoje apresenta a maior porcentagem de hispânicos do país. Por esse motivo, o estado tem o inglês e o espanhol como idiomas oficiais.

Nossa parada em meio ao deserto foi a cidade de Alburquerque. Foi logo antes da chegada ao destino que a minha impressão sobre as paisagens da região mudou. Aproximadamente 38 km do centro da cidade, a estrada cruza a serra Sandia Peak. O conjunto de montanhas tem 27 km de comprimento e o ponto mais alto atinge 3,255 metros. Nosso caminho à cidade passou bem no meio da formação, nos permitindo vistas incríveis das esculturas formadas por pedras gigantes, uma em cima da outra, e dos vales entres essas esculturas.

Albuquerque não é um dos principais pontos turísticos do país.  Pelo clima e a altitude, o lugar é conhecido pela prática do balonismo. Mas a não ser pelos balonistas, a cidade é visitada principalmente por quem está passando por intermináveis desertos do sudoeste americano e procura um local para sair do carro, como nós. Mas algumas atrações fazem a faz um lugar interessante para ser visitado.

A cidade tem aquela cara típica americana, prédios modernos no centro rodeados pelas casas dos subúrbios e pouca gente nas ruas. O diferencial é a quantidade de índios com a pele cor de cobre e a Rota 66 que corta a cidade ao meio.

A principal atração turística de Albuquerque é Old Town.  A cidade foi fundada em 1706, antes disso o lugar não passava de uma vila no fim do mundo que servia de abrigo para colonos e aventureiros. O progresso chegou em 1880 com a primeira linha de trem, o que trouxe cada vez mais homens brancos à cidade. As construções da época foram conservadas em Old Town onde hoje, é possível observar a origem da cidade, além da culinária Mexicana e do autêntico artesanato indígena, com peças lindas e baratas.

A mistura de culturas na cidade é muito interessante, mas por causa do pouco tempo, não tivemos a oportunidades de conhecer alguns dos Pueblos (comunidades indígenas localizadas perto de Albuquerque) e se arriscar no Sandia Peak Tramway, o teleférico mais extensor do mundo, com 5km, e que leva ao cume da montanha. Outra dica é o Kodak Albuquerque International Balloon Fiesta, evento que acontece esse ano na primeira semana de outubro e concentra mais de 700 balões coloridos.

Ao contrário do que nos vem a cabeça ao ouvir a palavra “deserto”, nosso caminho foi um pouco diferente. Mesmo com o sol, a temperatura era em média 5C e o famoso deserto, de terras laranjas e cactos, estava todo coberto por neve. Paisagens surpreendentes e um pôr-do-sol lindo de presente para finalizar o dia mais corrido e cansativo da viagem.

Ao sair de Albuquerque, passamos pela pacata cidade de Gallup e dirigimos mais 5 horas onde chegamos a cidade de Flagstaff, no Arizona. Lá nos despedimos da Rota 66 e finalmente, resolvemos descansar.

Em Flagstaff dormimos no DuBeau Hostel ($21 o quarto compartilhado), o lugar era simples, limpo, oferecia café da manhã e sinceramente, não lembro de muita coisa. A única coisa que você precisa após mais de 15 horas de estrada é uma cama. (rs)

No próximo post continuamos no Arizona, visitamos a cidade de Phoenix e tivemos nossa experiência com a patrulha de fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Não deixe de ler os posts seguintes desta incrível viagem. Perdeu os textos anteriores? Leia os posts sobre os preparativos da viagem,  WashingtonCharlotteAtlantaAlabama,  New Orleans e Dallas.  

Autor

Leonardo Marques - Diretor do Melhores Destinos