LAN suspende operações com jatos Boeing 787

Denis Carvalho 17 · janeiro · 2013

A LAN informou hoje que suspendeu temporariamente os voos com seus três jatos Boeing 787. Considerado o avião mais moderno do mundo, o modelo teve uma incrível série de incidentes no início do ano, o que levou a Federal Aviation Administration dos Estados Unidos (FAA) a suspender, também de forma temporária, todos os voos com o Dreamliner, decisão que afetou somente a United, única americana que opera com o jato. As companhias japonesas JAL e ANA já haviam decidido deixar seus 787 no solo no início de janeiro.

Segundo comunicado da LAN, os voos realizados pela frota de Boeings 787, entre Buenos Aires e Santiago, “serão operados por outros aviões da companhia, com o objetivo de mitigar o impacto que esta situação possa causar a seus passageiros e clientes de carga durante a alta temporada”. A companhia afirmou ainda que lamenta a situação.

O Boeing 787 foi desenvolvido por quase uma década e traz uma série de inovações, como uma estrutura mais leve que possibilita economia de 20% de combustível. A aeronave de longo alcance custa cerca de US$ 200 milhões e tem aproximadamente 800 pedidos ainda a serem entregues. Recentemente a Boeing acelerou a linha de produção do modelo, mas descartou que esse tenha sido o motivo dos incidentes.

Diante das péssimas notícias, muitos veículos de imprensa correram para fazer o trocadilho de que o Dreamliner se tornou o pesadelo da Boeing. No entanto, a natureza dos incidentes leva a crer que são falhas pontuais, especialmente nas baterias do avião, que não comprometem o projeto como um todo.

Para quem não se lembra, a grande (de verdade) estrela da rival Airbus, o gigantesco A380, sofreu uma crise de desconfiança parecida no ano passado, após vários modelos apresentarem  fissuras nas asas. No caso do 787, contudo, a série de incidentes seguidas e a determinação da FAA e das companhias japonesas tornam o caso mais sério. Está nas mãos das autoridades norte-americanas, que prometem uma verificação profunda, o futuro do jato mais moderno do planeta – e da própria Boeing, que com o modelo viu suas encomendas decolarem e conseguiu ultrapassar a Airbus na disputa pelo mercado mundial.

A Boeing informou ter registrado 1.203 encomendas para jatos e entregue 601 novos aviões em 2012, um desempenho que coloca a empresa americana à frente da rival europeia na disputa pelo posto de maior fabricante de aeronaves do mundo.

Dreamliner da LAN no aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires

Incidentes

Em 7 de janeiro, um Dreamliner sem passageiros a bordo pegou fogo no aeroporto internacional de Boston, nos EUA, enquanto estava estacionado em um portão. O fogo, em um avião operado pela Japan Airlines, foi apagado pelo Corpo de Bombeiros local. Não houve feridos. No dia seguinte, um vazamento de combustível obrigou um também da Japan Airlines a cancelar sua decolagem e voltar ao portão de embarque em Boston. No incidente, o avião havia se afastado do portão e se preparava para decolar rumo a Tóquio, quando foi descoberto o vazamento de cerca de 40 galões de combustível. Não houve incêndio nem feridos.

Em 9 de janeiro, a ANA cancelou um voo com o Dreamliner por um aviso de problema no sistema, que não veio a se confirmar. No dia 11, um voo da mesma operadora sofreu atraso depois de vazamento de combustível. No mesmo dia, outro avião da companhia teve o vidro do cockpit trincado. No dia 13, o avião da JAL que teve vazamento de combustível em Boston voltou a ter o mesmo problema.

Na manhã de 16 de janeiro, um 787 da ANA teve de fazer uma aterrissagem de emergência no aeroporto da cidade de Takamatsu, no sul do Japão, após ter sido detectada fumaça na cabine. O avião, que voava com 129 passageiros entre Tóquio e Ube, desviou de rota, aterrissando 35 minutos depois da decolagem. O piloto do voo e as autoridades aeroportuárias confirmaram que os indicadores da cabine detectaram um problema em uma das baterias do avião. Ninguém ficou ferido.

Com informações da LAN e dos portais Terra e G1

Publicado por

Denis Carvalho

Editor chefe

  • Thiago Ambrós

    Pois é, vários incidentes num curto espaço de tempo. Tem que fazer um recall destas aeronaves antes que haja vítimas fatais.

  • Carlos Augusto Morai

    Eu particularmente sempre gostei do Airbus, mas existem os defensores ferrenhos do Boing. E agora?

  • Jair Batista

    Bom mesmo é a Embraer 😀

  • Vitor J. Nunes

    Lamentar mesmo eu lamento é ter meus voos diretos Tam/Lan para Santiago cancelados e substituídos por voos com conexão e em horário muito piores!

    Essa prática das cias. aéreas está ficando corriqueira e irritante.

    E o cancelamento nada tem a ver com o 787. Trata-se da usual dobradinha perversa desde o final do ano passado: cancelamento de rotas & "pioria" nos programas de milhagens.

  • Marcos Sobral

    Eles estavam atrasados para entregar as encomendas e ai terminaram cometendo erros.

  • Guilherme Ortale

    Bom para a Airbus e seu A350.

    Eu já perdi a vontade de voar no 787 da Lan que tem o menor assento entre todos e o menor espaço para as pernas.

    • Victor Hugo

      O A350 até onde eu sei está sendo projetado para competir com o 777, e aconteceu o mesmo com os 747 desde a série inicial -100 surgiram sérios problemas, mas o famoso "jumbo" nunca perdeu sua popularidade de maior avião do mundo até o A380, a Boeing tem tecnologia uficiente para desenvolver um bom avião, claro que problemas acontecem mas ela está preparada pra aguentar tudo isso!

  • Diego BM

    A Gol tem essas aeronaves?

  • Guilherme Ortale

    Ah sim, claro que a boeing vai superar isso, pois é um problema pequeno na bateria… nada que vá afundar o projeto.

    Mas digo que a Airbus já aprendeu muito com os erros do 787 e vai ter mais tempo pra fazer o A350 melhor.

    Na verdade o A330-300 compete com 777-200.

    O A350-800 compete com o 787-8, o A350-900 com o 777-200 e o A350-1000 com o 77W apesar de ter um pouco menos de capacidade.

  • Leonardo Couto

    o 787 continua escalado para fazer LIM/LAX no GDS

  • Tito Bosco

    Eu tmb gosto do AIRBUS mas o A380 tmb passou por apuros lembra?

  • Não, apenas 737

  • Tito Bosco

    "A pressa é inimiga da perfeição. E a lerdeza é inimiga do progresso."

    Correram para lançar o B787 deu nisso. Mas é o mais moderno do mundo em inovação e composição. Agora o resto é ajuste.

  • Armando Cruz

    Eu tb. tive meu voo pela lan s.paulo/nova york direto em fev. cancelado e transferido via Santiago

  • Fernando

    E a QATAR suspendeu as atividades do seus 787 também.

    Em um site inglês: "Qatar Airways has become the latest carrier to ground its fleet of Boeing 787 Dreamliners.

    The move follows instructions by both the US Federal Aviation Administration and Qatar’s Civil Aviation Authority.

    Qatar Airways has five 787s in its fleet and recently started using the aircraft on flights to Heathrow from Doha […]"

  • Marcelo Levy Maia

    Este tipo de situação é normal para grandes projetos revolucionários,tanto para o A380 quanto para o 787.

    Infelizmente os incidentes com os jatos da Boeing se tornaram repetitivos num espaço de tempo muito curto e atingindo especialmente a ANA que é o maior comprador desse modelo.Por sua vez a Boeing deveria ser mais cautelosa e anunciar um Recall já que ainda tem pouco menos de 50 aeronaves entregues.Um acidente com esse modelo poderia ser vital para a

    própria Boeing.

  • Thiago Castro

    Desde que seja confortável e seguro, não estou nem aí se é Boeing ou Airbus!!

  • Henrique Fiirst

    Há cerca de três semanas atras, tive a oportunidade de voar o trech Eze/Scl em um 787 da Lan. É um belo avião. Muito moderno e tecnológico. As janelas são bem maiores que de um a320, por exemplo, e nao possuem aquelas persianas de plástico para tamparem a visão, mas um sistema de LCD que escurecia o vidro conforme vontade de passageiro.

    Bem, para comprovar o que a reportagem diz, nosso embarque atrasou 1hora por manutenção nao programada, e ficamos mais 40 minutos em solo até que fosse liberado o vôo. Achei extremamente barulhento, e todo o interior vibra muito com pequenas turbulências. Isso é causado pelo excesso de material compósito usado na sua fabricação.