LAN suspende operações com jatos Boeing 787

Denis Carvalho 17 · janeiro · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A LAN informou hoje que suspendeu temporariamente os voos com seus três jatos Boeing 787. Considerado o avião mais moderno do mundo, o modelo teve uma incrível série de incidentes no início do ano, o que levou a Federal Aviation Administration dos Estados Unidos (FAA) a suspender, também de forma temporária, todos os voos com o Dreamliner, decisão que afetou somente a United, única americana que opera com o jato. As companhias japonesas JAL e ANA já haviam decidido deixar seus 787 no solo no início de janeiro.

Segundo comunicado da LAN, os voos realizados pela frota de Boeings 787, entre Buenos Aires e Santiago, “serão operados por outros aviões da companhia, com o objetivo de mitigar o impacto que esta situação possa causar a seus passageiros e clientes de carga durante a alta temporada”. A companhia afirmou ainda que lamenta a situação.

O Boeing 787 foi desenvolvido por quase uma década e traz uma série de inovações, como uma estrutura mais leve que possibilita economia de 20% de combustível. A aeronave de longo alcance custa cerca de US$ 200 milhões e tem aproximadamente 800 pedidos ainda a serem entregues. Recentemente a Boeing acelerou a linha de produção do modelo, mas descartou que esse tenha sido o motivo dos incidentes.

Diante das péssimas notícias, muitos veículos de imprensa correram para fazer o trocadilho de que o Dreamliner se tornou o pesadelo da Boeing. No entanto, a natureza dos incidentes leva a crer que são falhas pontuais, especialmente nas baterias do avião, que não comprometem o projeto como um todo.

Para quem não se lembra, a grande (de verdade) estrela da rival Airbus, o gigantesco A380, sofreu uma crise de desconfiança parecida no ano passado, após vários modelos apresentarem  fissuras nas asas. No caso do 787, contudo, a série de incidentes seguidas e a determinação da FAA e das companhias japonesas tornam o caso mais sério. Está nas mãos das autoridades norte-americanas, que prometem uma verificação profunda, o futuro do jato mais moderno do planeta – e da própria Boeing, que com o modelo viu suas encomendas decolarem e conseguiu ultrapassar a Airbus na disputa pelo mercado mundial.

A Boeing informou ter registrado 1.203 encomendas para jatos e entregue 601 novos aviões em 2012, um desempenho que coloca a empresa americana à frente da rival europeia na disputa pelo posto de maior fabricante de aeronaves do mundo.

Dreamliner da LAN no aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires

Incidentes

Em 7 de janeiro, um Dreamliner sem passageiros a bordo pegou fogo no aeroporto internacional de Boston, nos EUA, enquanto estava estacionado em um portão. O fogo, em um avião operado pela Japan Airlines, foi apagado pelo Corpo de Bombeiros local. Não houve feridos. No dia seguinte, um vazamento de combustível obrigou um também da Japan Airlines a cancelar sua decolagem e voltar ao portão de embarque em Boston. No incidente, o avião havia se afastado do portão e se preparava para decolar rumo a Tóquio, quando foi descoberto o vazamento de cerca de 40 galões de combustível. Não houve incêndio nem feridos.

Em 9 de janeiro, a ANA cancelou um voo com o Dreamliner por um aviso de problema no sistema, que não veio a se confirmar. No dia 11, um voo da mesma operadora sofreu atraso depois de vazamento de combustível. No mesmo dia, outro avião da companhia teve o vidro do cockpit trincado. No dia 13, o avião da JAL que teve vazamento de combustível em Boston voltou a ter o mesmo problema.

Na manhã de 16 de janeiro, um 787 da ANA teve de fazer uma aterrissagem de emergência no aeroporto da cidade de Takamatsu, no sul do Japão, após ter sido detectada fumaça na cabine. O avião, que voava com 129 passageiros entre Tóquio e Ube, desviou de rota, aterrissando 35 minutos depois da decolagem. O piloto do voo e as autoridades aeroportuárias confirmaram que os indicadores da cabine detectaram um problema em uma das baterias do avião. Ninguém ficou ferido.

Com informações da LAN e dos portais Terra e G1

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe