Paris: pontos turísticos e dicas para planejar sua viagem à capital da França!

Bruna Scirea 15 · setembro · 2017

Ah, Paris! A cidade das luzes,dos inúmeros pontos turísticos, das calçadas movimentadas, da alta gastronomia, dos cafés, dos casais em lua de mel, das artes… Todos os clichês valem ser repetidos quando o assunto é a capital da França!

E bem, é sobre Paris que falaremos neste post, dedicado a todos que estão com viagem marcada para este destino incrível, os que ainda fazem planos de ir e também aos que já foram – que podem nos ajudar a ampliar a lista de dicas e informações!

Com base em nosso guia gratuito e completíssimo de Paris, fizemos um resumo do que você precisa saber para programar a sua viagem à cidade: como definir o local onde se hospedar, qual a melhor forma de se locomover pelos pontos turísticos, quais são as principais atrações da capital francesa e mais uma lista de outras dicas – que pode crescer, com a contribuição dos leitores que já visitaram Paris! Vamos lá?

Onde se hospedar em Paris

Paris é daquelas cidades com atrações turísticas espalhadas por todos os cantos. Isso quer dizer que não há um único centro ou uma região específica para se hospedar. Graças ao bom transporte público, pode-se dizer que basta estar próximo a uma estação de metrô para se ter acesso aos principais pontos de interesse da cidade! Pontos para Paris!

Uma boa forma de decidir a região onde você vai se hospedar, então, é conhecendo o mapa da cidade, inteirando-se da proximidade dos bairros com as atrações que mais lhe interessam, a comunicação com os meios de transporte e, claro, o valor da diária que cabe no seu bolso.

Paris está dividida em 20 bairros numerados, os chamados arrondissements (veja o mapa abaixo). Quanto mais baixo o número (ele pode ser identificado no fim de cada endereço, por exemplo: 75003, 75004…) mais centralizado é o ponto de interesse. Para se ter uma ideia, o primeiro arrondissement engloba a área do museu do Louvre e o entorno da Catedral de Notre Dame.

Ficar no arrondissements de números mais baixos significa poder fazer mais percursos a pé. Já nos bairros de números maiores, que costumam ter valores de diárias mais acessíveis, o deslocamento para os pontos turísticos dependerá de algum meio de transporte, que poderá exigir um tempo maior.

O famoso rio Sena, sempre repleto de barcos turísticos em toda a sua extensão, também corta a cidade em duas partes: a margem direita (Rive Droite) — considerada a mais sofisticada, por sinal — e a margem esquerda (Rive Gauche).

No nosso guia sobre Paris, você pode conferir as principais características de cada bairro parisiense – e, a partir disso, definir que região se encaixa mais com o que você procura. Lembre-se: além dos hotéis (que, tratando-se de Paris, podem muitas vezes ser caros e apertados), uma boa alternativa é o aluguel de apartamentos por meio de sites como o Airbnb. Mas atenção: fique de olho na avaliação a respeito do espaço, localização e do anfitrião!

Como circular por Paris

A maneira mais simples e rápida de se locomover em Paris é de metrô. Isso porque o tempo de espera é curto, a passagem é relativamente barata e praticamente todos os pontos de interesse da capital francesa terão uma estação bem próxima. Lembre-se de que o metrô em Paris é dividido por zonas, sendo as áreas 1 e 2 aquelas que abrigam a maior quantidade de pontos turísticos.

O bilhete único do metrô referente à zona 1 custa 1,90 €, já dez tíquetes saem por 14,90 € – ou seja, acaba sendo bem mais vantajoso adquirir o “pacote” com 10 bilhetes, que também podem ser usados nas linhas RER (zona 1), nas linhas de ônibus Ile-de-France (RATP e OPTILE), exceto o Orlybus e o Roissybus, além de bondinhos elétricos e funicular de Montmartre. Confira todas as opções de bilhetes para o metrô de Paris clicando aqui.

Uma excelente dica para quem vai passar mais dias na cidade é adquirir o Paris Visite, o cartão que dá acesso ilimitado a metrô, ônibus e RER, por tempo determinado. O passaporte para cinco dias, com acesso às zonas 1 a 3, custa 38,35 € (adulto) e 19,15 € (crianças de 4 a 11 anos). Você pode conferir as tarifas e também comprar o bilhete Paris Visite clicando aqui.

E, claro, há ainda outras boas opções de transporte para explorar a cidade: linhas de ônibus (para mais informações, clique aqui), táxis, Uber, e também a bicicleta, que pode ser uma boa aliada em dias de tempo firme! Em Paris, o sistema Vélib é o modo mais fácil de alugar bicicletas para passeios: cada estação da cidade possui um totem computadorizado, onde é possível fazer toda a operação, que está disponível em vários idiomas (para efetivá-la você precisa ter um cartão com chip). Os primeiros 30 minutos são gratuitos e você pode devolver a bicicleta a qualquer momento e em qualquer estação da cidade.

Pontos turísticos de Paris

Tem gente que prefere viajar sem planejamento nenhum. Outros, para aproveitar o tempo no destino ao máximo, já saem de casa com um roteiro pre-estabelecido por dias. Não importa qual é o seu caso: se você for viajar para Paris é preciso, no mínimo, saber quais são as principais atrações turísticas que a cidade oferece. Se puder pegar um mapa e localizá-las para já ter uma ideia de como otimizar o seu tempo, melhor ainda.

Vamos à lista do que visitar em Paris! Claro que ela não é esgotável, não conseguiríamos reunir aqui tudo o que não pode deixar de ser feito na capital francesa. Mas é um bom apanhado, que pode ajudar os viajantes a pensar por onde passear pela cidade. E, vale a pena repetir: se você tiver outras dicas imperdíveis, deixe nos comentários!

Torre Eiffel
Principal símbolo de Paris, a torre foi planejada para o centenário da Revolução Francesa. Com cerca de 300 metros de altura, a torre oferece uma das melhores vistas de Paris durante o dia e à noite (quando acontece um espetáculo de luzes). Saiba mais.

Arco do Triunfo
Criada a mando de Napoleão Bonaparte, a obra celebra a glória dos heróis de guerra. São 50 m de altura e diversas esculturas adossadas aos pilares. Do terraço panorâmico do monumento, é possível admirar a Champs-Elysées. Saiba mais.

Avenida Champs-Élysées
Conhecida pelos franceses como “A mais bela avenida do mundo”, a Champs-Elysées é um dos endereços mais movimentados e caros de Paris. São 2km repletos de lojas de todos os tipos — entre elas grifes, cinemas, cafés e restaurantes. Saiba mais.

Catedral Notre-Dame
Palco de acontecimentos como a coroação de Napoleão, é também o Kilometre Zéro, ponto de onde foram medidas as distâncias da França desde 1768. No interior, você encontra mobiliário de época, esculturas e uma coleção de peças sagradas. Saiba mais.

Basílica Sacré-Cœur
Em estilo romano-bizantino, a basílica do Sagrado Coração está situada em Montmartre, uma área privilegiada, de onde se tem uma das vistas mais belas da cidade. Depois de conhecer o interior do templo (entrada gratuita), não deixe de subir até a cúpula. Saiba mais.

Jardim das Tulherias
Localizado entre a Praça da Concórdia e o Louvre, o local é repleto de fontes, esculturas e muito verde, além de abrigar cafés (com mesas embaixo de árvores) e um dos museus mais importantes, o Orangerie. Saiba mais.

Museu do Louvre
Um dos mais importantes e famosos museus do mundo, o Louvre abriga mais de 30 mil preciosidades entre pinturas (como a Monalisa, de Leonardo da Vinci), esculturas, gravuras e objetos diversos. Saiba mais.


Palácio Versalhes

Símbolo da riqueza e de todos os excessos da corte francesa, o Palácio de Versalhes é uma visita obrigatória. Prepare-se para se surpreender com a dimensão, os detalhes, os jardins e a história do local e de quem ali morou.

Museu D’Orsay
Instalado em uma antiga estação de trens no centro de Paris, às margens do Rio Sena, o museu abriga uma vasta coleção de importantes obras de artistas como Van Gogh, Claude Monet, Auguste Rodin e Jean-Baptiste Carpeaux. Saiba mais.

Museu das Armas
Parada obrigatória para quem se interessa por assuntos de guerra e também para fãs de Napoleão. Artilharia, uniformes, obras de arte e muitos outros objetos estão reunidos no local, com ênfase especial em batalhas dos séculos XVII e XVIII e a Segunda Guerra Mundial. Saiba mais.

Museu Rodin
A maior coleção do escultor francês Auguste Rodin pode ser vista neste museu, inaugurado em 1919 e que abriga obras importantes e mundialmente famosas, como O Beijo e A mão de Deus. No jardim, é possível admirar esculturas do mestre como O Pensador. Saiba mais.

Ópera Garnier
Construído a mando de Napoleão III, o Palácio Garnier, inaugurado em 1875 é repleto de luxo e muita história. Ideal para ser visitada durante o dia, a Ópera também é perfeita para um programa cultural no período da noite. Saiba mais.

Centro Pompidou
Cinema, fotografia, teatro, música e literatura. Todas as formas de expressão estão reunidas no Georges Pompidou, um centro criado em Paris com o foco totalmente voltado para a arte moderna e contemporânea. Saiba mais. 

Jardim de Luxemburgo
Considerado um museu a céu aberto, o Jardim de Luxemburgo é um dos maiores e mais bonitos parques de Paris. Vale a pena um passeio por entre suas flores e, quem sabe, um descanso em um de seus bancos.


Moulin Rouge

O famoso cabaré, aberto em 1889, é um dos grandes símbolos da boemia na capital francesa. O espetáculo, que tem como estrelas as belas dançarinas de Cancan, é todo baseado na Belle Époque de Paris. Saiba mais.


Paris Museum Pass: comprar ou não?

Uma boa forma de economizar tempo (e dinheiro) é adquirindo o Paris Museum Pass, que dá acesso a mais de 50 museus e monumentos da capital francesa -entre elas, o Museu do Louvre, Arco do Triunfo, Centrou Pompidou, Museu d’Orsay, Museu Rodin e o Pantheon. Com ele, o visitante tem direito à entrada sem fila, já que não precisará ir até o caixa de cada atração para comprar o ingresso. São três diferentes passes que podem ser adquiridos: de 2, 4 ou 6 dias consecutivos (que custam respectivamente € 48, € 62 e € 64). Nestes períodos, é possível visitar as atrações contempladas pelo passe quantas vezes quiser. O Paris Museum Pass pode ser adquirido pela internet, nos aeroportos de Paris ou em diversos pontos de venda.

Se a sua ideia for conhecer o maior número de museus possível, esta pode ser uma dica imperdível. Agora, se o seu desejo for visitar somente algumas atrações, será preciso calcular o que vale mais a pena: comprar ingressos separados ou o passe? Há alguns fatores a serem contemplados, por exemplo: a Torre Eiffel não faz parte do Museum Pass (o ingresso para adulto custa € 17) e entrar na Notre Dame é gratuito (mas você paga € 10 para subir nas torres). Além disso, nos primeiros domingos de cada mês, muitos museus são gratuitos na França. É uma decisão completamente pessoal! Veja abaixo alguns valores que podem te ajudar na decisão – para outros, vale a pena visitar o site de cada atração e buscar os preços das visitas.

+ DICAS

1. Atente-se que alguns museus podem estar fechados em determinados dias da semana. Há também algumas atrações que ficam abertas à noite – o que pode ser uma ótima oportunidade para fazer visitar mais calmas, sem aquela multidão de turistas disputando espaço.

2. Uma dica bacana para quem estiver disposto a gastar um pouquinho mais é reservar um passeio de barco à noite pelo Sena – se for com jantar, melhor ainda. O grande atrativo está em ver de outro ângulo vários dos pontos turísticos de Paris, que ficam iluminados (e lindos) à noite! Mas claro, um passeio de barco pelo rio Sena é uma boa pedida para qualquer hora do dia, como se pode ver nas fotos abaixo.

3. Caminhe muito pelos bairros da cidade. Sente-se nos cafés, dê preferência às mesas dispostas sobre as calçadas e desfrute do tempo livre. Prove as iguarias francesas. Se você for do queijo: coma muito queijo – vale a pena! Sem falar nos croissant, vinhos e outras delícias típicas do país.

4. Experimente o aplicativo Secrets de Paris (imagem abaixo à esquerda), que todos os dias revela um lugar ou atração pouco conhecida pelos turistas. É uma forma de você conhecer um pouco mais do dia a dia de um verdadeiro parisiense! Outra sugestão é o app Welcome to Paris (imagem do meio), que tem dicas de atrações turísticas, eventos que estão rolando na cidade, passeios, lugares para compras, baladas e informações úteis sobre a cidade.

5. E, por fim, sugerimos o Visitobus (imagem acima à direita), aplicativo ideal para quem não gosta de subir nos ônibus de city tour, mas gostaria de fazer um percurso guiado com áudio! Este app traz o áudio para guiar o turista pelos atrativos que podem ser vistos ao longo de quatro linhas de ônibus normais. É só achar uma poltrona e apertar o play!

. . . . . . . . 

E aí? Está planejando viagem para Paris ou já conhece a capital francesa e tem alguma dica super legal que não listamos aqui? Compartilhe com a gente nos comentários! Toda contribuição é bem-vinda!

Confira também o nosso guia completo e gratuito de Paris. Lá você encontra com mais detalhes as informações essenciais para organizar a sua viagem! E, para tirar da cabeça que em Paris só se come bem pagando bem, leia o post da Gisela Cabral com sugestões de onde comer barato em Paris – sim, é possível fazer as refeições “lambendo os beiços” e pagando pouco! E se a ideia for esticar viagem para outros destinos da França, acesse os nosso guias sobre a Normandia e o Vale do Loire!

Autor

Bruna Scirea - Editora
  • Janaína Jubé Uhlein

    Ola! Gostei muito das dicas! No guia completo que vcs fizeram sobre Paris, eu li que existe tbm o Paris Pass! Vcs não mencionaram nesse resumo… podem me dar mais informações? Ele compensa? Obrigada

    • Ricardo

      Eu acho o Paris Pass meio pega turista. Melhor comprar o Museum Pass e o Navigo (passe de transporte) por separado, ou mesmo o carnet com 10 bilhetes de metrô/ônibus, se você ficar em Paris por menos de uma semana.

      • Denise Canabrava

        Olá ? Adoro Paris e acabo de chegar, estava estudando um pouco a língua na Sorbonne, fiquei por lá quase 2 meses, e na minha modesta opinião eu sugiro chegar em Paris e sentir qual realmente será o seu esquema de viagem, pois caminhar em Paris, flanar, é o que há de melhor, a cada momento você depara com uma beleza! Eu sugiro ficar num ponto estratégico onde possa se deslocar à pé e em alguns momentos se for deslocar para locais mais distantes, compre os carnet dos 10 ticketes que somam 14,90 euros conforme à dica do MD. Mas o Navigo eu acho que não vala a pena. E assim você pode se deslocar de ônibus ou metrô!!! Pelo menos eu não achei necessário o Navigo! E olhe que fiquei 2 meses por lá !!! Outra dica é, se caso “vous aimé bien 😊 “visitar os museus, amor profundo, aí sim aconselho a dica do MD, Museum Pass.