O que fazer em Bruges – 20 dicas para a sua viagem à cidade belga de contos de fada

Gisela Cabral 20 · dezembro · 2017

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Neste momento os termômetros registram temperaturas bem baixas no velho continente, porém Bruges, a mais nova integrante europeia do nosso Guia de Destinos, não perde a graça nem na temporada mais fria do ano. Aliás, a bela e fotogênica cidade do nordeste da Bélgica é maravilhosa em qualquer período e a prova disso está aqui neste post, que traz dicas imperdíveis para os que pretendem passar alguns dias por lá.

Nesse fim de ano, a grande atração da bela cidade são os mercados de Natal, entretanto Brugge (como é conhecida em flamengo) oferece uma série de programas atemporais, sendo que o melhor deles, na minha opinião, é calçar um par de sapatos confortáveis e explorar o destino a pé. Poder admirar sem pressa a beleza de canais que cortam ruas de paralelepípedo, repletas de construções medievais, monumentos incríveis e lojinhas de chocolate e waffle que exalam aromas inebriantes. Não é à toa que dizem que Bruges parece ter saído de um livro de contos de fada!

Excelentes museusrestaurantes, cervejarias e outros pontos turísticos, como parques altamente indicados para momentos de descanso e lazer, também estarão pelo caminho; basta ter um mapa de papel ou online em mãos para otimizar o seu tempo no destino, que fica a uma hora de trem de Bruxelas, mas merece pelo menos um pernoite. Depois que o sol se põe Bruges fica ainda mais charmosa, misteriosa, além de mais tranquila, quando os visitantes de um dia e os grupos turísticos deixam a cidade.

Vamos às dicas de Bruges!

1. Grote Markt e o Campanário de Bruges

É impossível ir a Bruges e não passar pelo ponto turístico que é um verdadeiro símbolo da cidade: o Grote Markt ou Grand Place, em francês. Uma ampla praça que abriga construções incríveis como o campanário de 83 metros de altura, o Provinciaal Hof — edifício neogótico que abriga a sede do governo provincial de West-Vlaanderen.

Do topo da torre do campanário, que começou a ser erguida em 1282 e só foi finalizada em 1482, tem-se uma das vistas mais bonitas da cidade; para chegar lá em cima, é preciso encarar 366 degraus com paradas em alguns andares para conhecer um pouco da história do monumento, que possui um carrilhão com 47 sinos. A subida custa €10 e a dica é chegar cedo para não enfrentar fila ou ter que esperar, já que não é permitida a entrada de um grande número de pessoas ao mesmo tempo.

Lembrando que no Grote Markt encontram-se, ainda, alguns museus interessantes, como a galeria de Salvador Dalí, o Bruges Historium – que proporciona ao visitante uma viagem à época medieval e, da sacada, uma bela vista da praça – e alguns restaurantes que, na verdade, são grande armadilhas para turistas: caros e de pouca qualidade. Não compensam!

2. Burg

A poucos passos do Grote Markt encontra-se outra praça muito importante e que abriga um dos edifícios mais belos da cidade. Estou me referindo à praça Burg e ao prédio da prefeitura (Stadhuis, em flamengo), de onde a cidade de Bruges vem sendo governada há mais de 600 anos. O prédio é uma verdadeira obra-prima por dentro e por fora. No hall gótico, por exemplo, encontram-se murais do século XIX, já a fachada é composta por 48 nichos para estátuas; as originais, de autoria do artista Jan Van Eyck, foram destruídas por habitantes locais num ato de lealdade aos franceses, em 1790. A entrada no museu que fica dentro do Stadhuis custa €4.

Na praça Burg, ao lado da Basílica do Sangue Sagrado, também há um mini shopping com lojinhas diversas, entre elas a de cervejas Struise, bastante indicada para os que desejam provar alguns excelentes rótulos produzidos na região, e o Ter Steeghere, um café aconchegante, que serve um cappuccino e um waffle feito na hora “dos deuses”.

Fachada do prédio da prefeitura (Stadhuis): as primeiras estátuas eram do artista Jan Van Eyck

3. Basílica do Sangue Sagrado 

Ao passar pela praça Burg não deixe de conhecer um dos templos religiosos mais importantes de Bruges, a Basílica do Sangue Sagrado. Na verdade, há duas igrejas no local, uma no térreo, em estilo Romanesco, e outra no primeiro andar, em estilo neogótico e onde está exposta a relíquia do sangue sagrado. A entrada em ambas é gratuita, porém a entrada no tesouro — onde estão expostos vários trabalhos artísticos importantes — custa €2,50.

4. Passeio de barco em Bruges

O passeio de barco pelos canais de Bruges dura apenas meia hora, mas é o suficiente para que o passageiro tenha uma boa ideia da história local e, claro, consiga tirar fotografias maravilhosas da cidade, que é conhecida como a Veneza do norte.

O tíquete custa €8 (adultos), €4 (crianças de 4 a 11 anos) e só pode ser pago em dinheiro vivo. Ah, os passeios de barco continuam acontecendo no inverno, entretanto estão sujeitos ao cancelamento devido ao mau tempo. O embarque acontece próximo à igreja de Nossa Senhora (Onze-Lieve-Vrouwekerk), na esquina da Nieuwstraat e Dijver.

5. Igreja de Nossa Senhora

A bela torre de 115 metros de altura, que se destaca no horizonte de Bruges, pertence à Igreja de Nossa Senhora, ou Onze Lieve Vrouwekerk, como se fala em flamengo. Consta que a torre que embeleza a área externa é a segunda mais alta do tipo no mundo, porém o interior desse importante templo religioso não decepciona.

É lá, por exemplo, que você vai ver de perto a escultura A Madonna e a Criança, de Michelangelo, entre outras obras de arte como pinturas, sepulcros do século XIII e os belíssimos túmulos de Maria, a duquesa de Borgonha, e Charles the Bold. A entrada na igreja custa €6.

6. Ponte de São Bonifácio

A ponte de São Bonifácio oferece uma bela visão da parte antiga de Bruges e é uma das partes mais românticas da cidade. A pequena ponte foi construída em 1910, mas tem um estilo arquitetônico que parece ser bem mais antigo; inclusive, o local costuma atrair uma quantidade enorme de turistas e a dica para evitar a fila que se forma para atravessar a ponte é ir até lá de manhã cedo ou tarde da noite.

A ponte de São Bonifácio cheia de turistas

7. Chocolate, chocolate, chocolate!

Os chocolates belgas são um dos mais famosos e saborosos do mundo e em Bruges lojas especializadas nas delícias de cacau estão por todos os lados. Vou começar citando a Godiva, cuja loja no Grote Markt também vende morangos banhados em chocolate, no período mais quente do ano, e chocolate quente, no outono e no inverno. Outras imperdíveis são a Leonidas, onde você vai experimentar trufas de chocolate maravilhosas, The chocolate line, Dumon e Pierre Marcolini.

Está indo pra Bruges, mas não quer gastar tanto com a guloseima? A dica, então, é achar o supermercado mais próximo – na esquina do Grote Markt tem um Carrefour Express – e aproveitar os preços super em conta na seção de chocolates. Ah, a de cervejas também é imperdível!

Deliciosas trufas de chocolate da Leonidas

8. De Halve Maan

Falando em cervejas belgas, não poderia deixar de sugerir o tour pela cervejaria mais famosa de Bruges, a Halve Maan, ou Meia Lua, na tradução para o português. Fundada pela família Maes em 1856, a cervejaria produz duas deliciosas e celebradas cervejas: a Brugse Zot e a Straffe Hendrik. A história da fábrica, cuja administração permanece na família até os dias de hoje, mistura-se muito à de Bruges e esta, com certeza, é uma das constatações durante a visita guiada na sede do local, na Walplein.

O tour guiado pelas salas, cubículos e escadas estreitas da cervejaria é superinformativo e cheio de objetos que contam a história do local. Optei pelo passeio guiado comum, de 45 minutos (€9), que termina com a degustação da Brugse Zot Blonde no café, onde você pode experimentar outros rótulos, além de petiscos e pratos deliciosos. Saiba mais sobre o tour aqui.

Dica do MD: todo mês de fevereiro acontece na cidade o Bruges Beer Festival, evento que reúne, dentro do campanário, pelo menos 350 rótulos de cervejas do país. Eu fui há três anos e posso afirmar que vale muito a pena. Mais informações sobre a próxima edição aqui;

A Straffe Hendrik é um dos rótulos produzidos pela De Halve Maan

9. Museus de Bruges

Considerado um dos principais museus da cidade, o Groeninge oferece ao visitante uma visão geral da história das artes plásticas na Bélgica. O foco é a coleção mundialmente famosa de pinturas primitivas flamengas, com obras de arte de artistas como Jan van Eyck, Hans Memling, Hugo van der Goes e Gerard David. A visita não costuma ser demorada, pois o local tem apenas 10 salas; a entrada custa €8.

Três iguarias da gastronomia belga, as batatas fritas no cone, os chocolates e a cerveja, também são temas de museus em Bruges. No Friet Museum, o visitante vai conhecer a história do famoso snack vendido em cones por toda a Bélgica e também vai poder experimentá-las no final do tour. A entrada custa €7 (adultos) e €5 (6 a 11 anos). Já o Choco story conta a história da transformação do cacau em chocolate e como os belgas produzem um dos chocolates mais celebrados do mundo. A entrada custa €8 (adultos) e €5 (6 a 11 anos).

Visitantes admiram obra de arte do museu Groeninge

É fã da cerveja belga? Então a visita ao Bruges Beer Museum pode ser uma excelente pedida para você. O tour superinterativo — feito com o auxílio de um iPad — dá ao visitante uma boa ideia do que a cerveja representa para Bruges, tipos de cervejas e processo de produção. Ah, ao final do tour, o visitante pode degustar três tipos de cerveja no café com vista para o Grote Markt; o tíquete, incluindo a degustação, custa €15 e €9 (sem a degustação). Mais informações sobre o museu aqui.

10. Groenerei canal e Minnewater (Lago dos Amantes)

Na minha opinião, e de várias pessoas que amam a cidade, essas são uma das regiões mais belas para passar um tempo e também para serem fotografadas. O canal, calmo tanto de dia quanto de noite, é cercado por árvores e construções medievais belíssimas. Parece até uma pintura! Já o lago, emoldurado por uma natureza exuberante, está sempre cheio de cisnes, ambos perfeitos para os que também curtem fotografar.

O canal Groenerei é tido como um dos pontos mais fotogênicos de Bruges

11. Quando Ir a Bruges

Tive a oportunidade de estar na cidade belga em três ocasiões diferentes: na primavera, no outono e no inverno e posso afirmar que todas foram muito especiais. Percebi também que, a cada visita, Bruges recebia uma quantidade maior de turistas, portanto, se  você estiver pensando em conhecê-la numa época mais tranquila, a dica é optar por períodos como a primavera, o outono (ambos na primeira quinzena) e também no inverno. Três paisagens completamente diferentes, uma florida, outras duas mais bucólicas, porém todas belíssimas.

Particularmente, ainda prefiro a visita durante o outono, apesar de haver uma maior incidência de chuvas, não resisto ao cenário de Bruges emoldurado pela folhagem amarela. Caso opte por essa época, não se esqueça de levar na mala um casaco impermeável ou uma boa capa de chuva, pois guarda-chuvas dificilmente resistirão à força do vento.

Cisnes à beira do Minnewater 

O verão é tido por alguns sites de viagens como a melhor época para explorar a capital da província de Flandres Ocidental, mas eu concordo em partes. O clima, provavelmente, vai estar muito bom, contudo os preços de hospedagem costumam dobrar nessa época do ano, sem contar que a cidade pode ficar insuportavelmente cheia. 

E o que dizer do inverno? Bem, se você é daqueles que curte frio, provavelmente vai gostar de explorar a cidade e paisagens que são um “prato cheio” para os amantes da fotografia. Sem contar que do final de novembro até o início de janeiro acontecem os celebrados mercados de Natal. Dica importante: caso opte por essa época, não deixe de levar roupas apropriadas como casaco, roupas de baixo conhecidas como segunda pele, cachecol, gorro, etc. Isso porque o frio não costuma dar muita trégua, aliás, quando estive em Bruges no inverno, cheguei a pegar neve.

O Beguinage de Bruges: patrimônio da Unesco erguido em 1245 pela ordem das Beguinas

12. Onde ficar em Bruges

Os preços vão depender muito do tipo da hospedagem e da época da visita. O verão, por exemplo, é tido como uma das temporadas mais movimentadas e, por consequência, uma das mais caras. Faça a sua reserva com antecedência caso deseje conhecer Bruges nessa época. Outro macete para fugir dos altos preços é optar por dias da semana, em vez do fim de semana.

A boa notícia é que ficar bem localizado em Bruges não é algo que está diretamente ligado a preços altos. Isso porque, apesar de o centro histórico ser a área mais indicada para os que querem fazer turismo na cidade, é possível ficar hospedado em regiões um pouco mais distantes, porém ainda muito próximas. A vantagem é, justamente, pagar menos por isso!  

O centro de Bruges tem hospedagem para todos os gostos e bolsos

A dica é que você pesquise a localização do hotel de sua preferência, antes de fazer a reserva. Se esse estabelecimento estiver situado a uma distância de 1 km (ou um pouco mais) da área central da cidade — tome como referência pontos turísticos como o Grote Markt (a praça principal) e a igreja de Nossa Senhora (Onze Lieve Vrouwekerk) —, fique tranquilo para fazer sua reserva. Isso porque Bruges é uma cidade perfeita para caminhadas, além de muito segura tanto de dia quanto de noite.

A região ao Norte do centro histórico, próxima à igreja de Jerusalém, é uma altamente indicada para os que desejam pagar um pouco menos. Além de pontos turísticos como a igreja em si e o museu, a área conta com restaurantes, cafés e fica a uma agradável caminhada de 10 minutos do Grote Markt. Vale a pena conferir as opções disponíveis!

13. Como chegar a Bruges

Se você já estiver no velho continente, saiba que pegar um trem é uma das opções mais fáceis e rápidas para chegar à cidade. Da Estação Central de Bruxelas, saem trens direto para Bruges e de hora em hora (durante a semana). A viagem tem duração de uma hora e os tíquetes podem ser adquiridos minutos antes da partida, na estação, ou com antecedência no site oficial de trens da Bélgica.

Muita gente também opta por visitar Bruges, de trem, saindo de países próximos, como é o caso da vizinha Holanda. Da Estação Central de Amsterdam até Bruges são, mais ou menos, 3 horas de viagem, com parada(s) em cidades belgas como Bruxelas, Antuérpia e Ghent. Para comprar o seu tíquete com antecedência, e também conferir horários e preços, você pode acessar o site da companhia holandesa NS Hispeed ou o site da Thalys.

Ponto de ônibus em frente à estação de trens de Bruges

O centro histórico de Bruges está a pouco mais de 1 quilômetro da estação de trem. Além de rápida, a caminhada é extremamente agradável e já “funciona” como uma amostra das belezas que serão vistas no centro da cidade; caso você precise de transporte público para deslocar-se da estação, clique aqui.

Outra opção, mais barata do que o trem, é pegar um ônibus. A Eurolines, uma conceituada empresa de transportes de passageiros na Europa, conecta Bruges a cidades como Amsterdam (via Ghent e Utrecht) e Londres. Os preços costumam ser mais baratos do que os de trem, entretanto tenha em mente que a viagem de ônibus pode acabar durando mais. Clique aqui para saber sobre horários, tarifas e para adquirir a sua passagem.

A FlixBus é outra empresa que promove viagens de ônibus de Paris a Bruges, a partir de €13, de Bruges a Londres, a partir de €17. Preços que cabem bem no bolso, principalmente naqueles mais apertados; para mais informações e compra de tíquetes, clique aqui.

14. Onde e o que comer

Apaixonada por chocolates e cervejas que sou, nem preciso dizer que Bruges é um verdadeiro paraíso gastronômico. Outras perdições difíceis de ignorar por lá – até porque são vendidos quase que em cada esquina da cidade – são o waffle fresquinho (o meu preferido é com cobertura de Nutella) e o cone de batatas fritas supersequinhas.

Fazer uma boa refeição num restaurante local de Bruges não sai tão em conta, principalmente ao optar pelo menu à la carte. Isso porque a cidade é extremamente turística e talvez esse seja o motivo pelo qual os valores sejam tão inflacionados, fora que é grande o número de armadilhas, a exemplo dos estabelecimentos situados no Grote Markt e na praça Burg. Durante as minhas andanças pela cidade, no entanto, conheci restaurantes bem legais e que valeram muito a pena. Confira abaixo:

15. Brasserie Cambrinus

Nem só de chocolates, waffle e batatas fritas vive um turista em Bruges, mas também de pratos deliciosos da gastronomia flamenga. Na brasserie Cambrinus, uma cervejaria famosa da cidade, experimentei um carbonnade flamande dos deuses, ensopado de carne reconfortante, que leva a cerveja Gulden Draak, no preparo. Sem contar que no local há pelo menos 400 rótulos de cervejas belgas, entre eles as que eu experimentei no dia da minha visita: uma Val dieu blonde (€3,85) e uma Chimay Bleu (€4,25).

Carbonnade da brasserie Cambrinus

16. Gran Kaffee Passage

Outra iguaria flamenga que aparece na maioria dos cardápios dos restaurantes de Bruges é o croquete, que pode ser recheado com queijo ou camarão. O Gran Kaffee Passage, um hotel/ restaurante superaconchegante da área central da cidade serve um delicioso duo de croquetes de entrada, acompanhado de uma saladinha (€10,95); boas pedidas de pratos principais são o steak tartare, acompanhado de salada e chips (€17,50) e o bouillabaisse com peixe fresco do mar do Norte, uma espécie de ensopado de peixe e outros frutos do mar (€21,95). Reservas são altamente recomendadas e podem ser feitas pelo website da casa.

As cervejas belgas são consideradas uma das melhores do mundo. Na foto, uma legítima Orval

17. Bocca

Se você estiver com muita pressa e quiser comer algo bom, barato e que o deixe satisfeito, a dica é o Bocca. A poucos passos do Grote Markt, o local vende massas preparadas na hora e ao gosto do cliente; basta escolher o tamanho — S (€4), M (€5) ou L (€6) —, o tipo da massa (penne ou fusili integral), o molho e acompanhamentos. Ah, lá tem até cardápio em português!

18. Brasserie De Halve Maan

Alguns parágrafos acima eu falei do tour da Halve Maan, a cervejaria fundada pela família Maes; depois da visita ao interior da cervejaria, com direito à degustação, decidi conhecer a brasserie que fica no térreo para experimentar as cervejas Brugse Zot, Straffe Hendrik e também comer algo gostoso.

A minha pedida no dia foi o Vol-au-Vent de frango — uma espécie de torta, feita com massa folhada — acompanhada de fritas, salada (€19) e uma taça de Brugse Zot (€3,40); no entanto, não posso deixar de registrar o quão bonito estava o hambúrguer com molho Zot, servido com fritas (€19). É vegetariano ou simplesmente não curte carne ou frango? Não se preocupe, pois a brasserie também oferece um cardápio com saladas, croquetes e afins. Reservas podem ser feitas aqui.

vários pratos da gastronomia belga vêm com croquetes, de acompanhamento

19. Cervejaria de Bruges

Cervejas belgas superfamosas — como a St. Bernardus, a Chimay e a La Chouffe — podem ser degustadas no tradicional T’Brugs Beertje, um café com 300 rótulos, sendo cinco deles servidos “na pressão”. Também há algumas opções de petiscos no cardápio desse templo da cerveja belga, como a tábua de queijos e salame e alguns sanduíches. Sobrou espaço para mais uma etapa de degustações? Então a pedida é o Café Vlissinghe, o pub mais antigo de Bruges, com 502 anos. Cervejas em garrafa a partir de €2,50 e pratos a partir de €6.

waffle com calda de chocolate de um café do centro de Bruges

20. Compras em Bruges

Por todo o centro turístico de Bruges, encontram-se lojas dos mais diversos tipos e que vendem de tudo. São roupas, acessórios, souvenirs, os famosos chocolates e cervejas belgas, entre outros itens. A maioria dos estabelecimentos abre de segunda-feira a sábado, das 10h às 18h30, e aos primeiros domingos de cada mês (exceto feriados), das 13h às 18h. Isso não quer dizer, no entanto, que alguns não funcionem nos outros domingos do mês.

Pode-se afirmar que a região do Grote Markt, a praça central de Bruges, concentra a maioria das lojas da cidade. Além do mais, toda quarta-feira, acontece no local uma feira de comidas, das 8h às 13h30, já de quarta a sábado, das 8h às 13h30, a movimentação é grande no Vismarkt, o tradicional mercado de peixes. O mercado fica a uma curta caminhada da praça e tanto ele quanto a feira são excelentes oportunidades de conhecer melhor os costumes locais, mesmo que não haja a intenção de comprar nada.

Outros endereços que você não pode deixar de conhecer, caso esteja interessado em gastar alguns euros em Bruges, são a Zuidzandstraat, a Steenstraat, além da Geldmuntstraat e da Noordzandstraat. Aos sábados e domingos de compras, essas áreas transformam-se em vias únicas para pedestres e são superagradáveis para uma boa caminhada.

Para os que desejam gastar menos, a dica é passar em alguma loja do Carrefour Express e comprar os chocolates de marcas belgas muito conhecidas como Lindt, Côte d’Or, entre outras. Outra seção do supermercado que compensa visitar é a das cervejas belgas, na qual você vai encontrar rótulos como Brugse Zot e Straffe Hendrik (da cervejaroa local Halve Maan), Chimay, entre várias outras, todas a precinhos bem camaradas!

E vc, já esteve em Bruges antes? Deixe aqui a sua avaliação sobre a cidade.

Autor

Gisela Cabral - Editora de Destinos Jornalista brasileira vivendo uma grande aventura na terra dos queijos, moinhos e tamancos!
  • Lorena

    Bruges é um sonho mesmo. Parece que não existe, uma das cidades mais lindas que já conheci.
    Passei 2 dias lá, ela é bem pequena, mas quero voltar. Fui no final da primavera de 2015. Tem um filme que mostra bem a cidade: “Na mira do chefe” (In Brugge).

    • Gisela Cabral

      Bem lembrado, Lorena! Esse filme é muito bom e mostra bem as belezas da cidade 🙂

  • ChrisDoido

    Ótimo post, parabéns. Brugge é uma de minhas cidades favoritas em todo o mundo. O maior e mais frequente erro que se comete ao visitar a cidade é apenas de fazer um day-trip de Bruxelas ou Amsterdam. Quem visita Brugge somente de dia não conhece nem 50% da beleza desta cidade. Por isso a cidade fica lotada sempre entre 10-11 da manhã até cerca de 17:00hrs, quando as hordas de day trippers retornam aos seus destinos – bom para aqueles que ficam!

    • Gisela Cabral

      Exatamente! A noite de Bruges é maravilhosa!!!!!!!!

  • Fabiano Bueno

    Conheci Brugge em 2005 com minha esposa, ficamos 3 dias e nos apaixonamos pela cidade! Vcs esqueceram de mencionar que é um importante centro de espetáculos de música clássica e balé.

  • Fabio

    Minha dica para Bruges eh comprar uma Delirium Tremens em qualquer loja de conveniencia por 1,65 eur e flanar pela cidade a esmo admirando o visual. A noite comprar umas garrafas de Deus e leva para o hotel. Paguei 19 euros.

  • Fernanda Pamplona

    Uma curiosidade: dá pra fazer tudo isso no inverno? Estou indo agora em janeiro e estou com certo medo do frio para fazer atrações externas (nunca peguei o inverno europeu, apenas outono)…

    • Gisela Cabral

      Oi Fernanda, dá sim! Eu, particularmente, amei o inverno em Bruges, a paisagem fica lindíssima…até peguei neve. A minha única dica é que você se vista adequadamente para não passar frio!

  • Ernesto Lippmann

    Parabens pelo guia. Minha sugestão para aqueles que gostam é alugar uma bike e explorar as redondezas.

  • Carlos Delgado Jr

    vale a pena pegar um carro no aeroporto de amsterdã e ir de carro ?

    • Ricardo

      Só se você tiver tempo sobrando, pois não é perto (255 kms, 3 horas de viagem só a ida) e a paisagem no caminho não é deslumbrante, tudo bem plano. Não é para bate volta.
      Pessoalmente, apesar de Bruges ser realmente linda, achei relativamente parecida à Amsterdam, que tem muito mais atrações. E carro em Amsterdam é besteira, não vale a pena. Bruges é bem pequena, gostei muito mas não voltaria. Já para Amsterdam, apesar de ter ido cinco vezes, voltaria fácil. Mas enfim, gostos são pessoais…
      Já estando em Bruxelas, cidade sem graça (só vale pela belíssima Grand Place e pelas cervejas), a ida a Bruges (e Ghent) é obrigatória.

    • Gisela Cabral

      Oi Carlos! Olha, eu, no seu lugar, pegaria um trem de Amsterdam, mas só depois de explorar bem a cidade holandesa (sou bairrista, moro aqui há seis anos, rs). Bruges é um encanto e diria que bem parecida com Amsterdam, mas menor.

  • Juliana Oliveira

    Ótimo post, Gisela. Parabéns!
    Moro em Bruxelas eu já visitei a cidade algumas vezes. Para mim, a melhor época do ano para visitar é primavera ou outono. No inverno tem muita chance do dia estar totalmente nublado ou chovendo, o que afeta um pouco a beleza da cidade e a qualidade do passeio.
    Quero acrescentar aqui que quem está em Bruxelas, e coincidir de visitar Bruges no final de semana, o valor do
    trem cai pela metade, de 30 euros passa para 15 euros ida e volta (e pode ser usado todo o final de semana). E com esse mesmo ticket, é possível parar em Ghent, que fica no caminho entre Bruxelas e Bruges, e é outra cidade encantadora Belga.

    E para quem quer levar chocolate mais elobarado para dar de presente, por um preço super acessível, minha dica é ir na Leonidas, e montar uma caixinha de chocolate (250gr) com vários bombons, que você escolhe na hora! Custa uns 6 euros e fica um presente lindo e delicioso! Ah, e o chocolate Lindt é suiço e não belga.

    Outra curiosidade é que os belgas são muito orgulhosos da sua batata frita e dizem que foram eles quem a inventaram! Então quando forem à uma ‘friterie’, não peçam uma ‘French fries’ (como nós aprendemos a se referir a batata em inglês), diga somente ‘Fries’ ou ‘Frites’ ! O vendedor vai ficar feliz e quem sabe até colocar um pouquinho de molho extra para vc ! 🙂

    • Gisela Cabral

      Excelentes dicas, Juliana, obrigada! Não sabia sobre esse preço especial do trem…legal demais pra quem quer passar o dia em Bruges, não é?! Bem lembrado, Ghent é uma graça. Vale a pena demais passar por lá também!

    • ceciliaalves79

      Olá, Juliana! Excelentes dicas! As passagens de trem dentro da Bélgica também costumam aumentar na alta temporada, como as passagens de avião? E vc acha uma boa se hospedar em Ghent e fazer só um bate e volta a Bruges e Bruxelas?

      Obrigada! Abs.

      • Juliana Oliveira

        Olá Cecilia,

        Não, as passagens tem o preço fixo ao longo do ano. Durante a semana é sempre mais caro, e aos finais de semana, é a metade do preço o ticket ida e volta. Há 2 anos, o valor de Bruxelas- Bruges é o mesmo, 15 euros ida-volta, final de semana! 🙂 Durante a semana é 30 euros.
        Esses tickets voce pode comprar na hora, no guichê da estação de trem.

        Sobre se hospedar em Ghent, nao tenho certeza! Acho que depende quantos dias você tem para visitor as cidades. Bruxelas requer mais tempo para voce visitar tudo, pelo menos uns 2 dias, pois é maior que Ghent, e também tem mais opções de bares, restaurantes.

        Estive em Ghent agora antes do Natal e foi bem dificil achar restaunte para jantar, sem reservas. Mas de qualquer forma, Ghent está a uns 40 minutos de Bruxelas, então é de fácil acesso também.

        E outro detalhe, é como vc está chegando a Bélgica. É trem, carro ou avião? Se for trem ou avião, as melhores opções estão em Bruxelas.

        Espero ter ajudado, boa viagem.

        • ceciliaalves79

          Obrigada pela pronta resposta, Juliana! Ainda estou planejando a viagem com o namorado (provavelmente para agosto), mas a ideia seria sairmos do Brasil para Amsterdã (na aérea que ofereça o melhor preço e menos perrengues), ficarmos lá 5 noites e depois seguirmos de trem para Bruxelas, Ghent ou Bruges (a que ofereça melhor acesso e preço por trem desde Amsterdã) para nos hospedarmos como base por mais 5 noites e podermos fazer um bate e volta às outras duas cidades. Um passeio em Colônia também seria ótimo, mas só se coubesse no orçamento, pois é um gasto a mais…

          Abs!

          • Gisela Cabral

            Oi Cecília! Então, das três a que fica mais fácil de acessar, partindo de Amsterdam (trem direto), é Bruxelas. Se vocês preferem cidade grande, acho que vão gostar de ficar por lá, vai ser fácil pegar trem para fazer um bate volta até Bruges e Ghent. Porém, se preferem hospedar-se em cidades menores e, digamos, mais aconchegantes, sugiro que fiquem em Bruges ou Ghent…eu escolheria a segunda opção, depois de uns dias em Amsterdam 🙂

          • Gisela Cabral

            Ah, Colônia é maravilhosa! Não deixem de ir se tiverem oportunidade!! 🙂

          • ceciliaalves79

            Sim, seria maravilhoso! Neste caso, acho que seria melhor ficar em Bruxelas, já que está mais perto.

          • ceciliaalves79

            Muito obrigada pela ajuda, Gisela! Vamos ver como seguem os preços e decidiremos. Ghent parece ser também uma ótima opção de hospedagem como base, também porque está a meio caminho entre Bruges e Bruxelas. Saindo de Amsterdã com o Thalys, é feita baldeação em Antuérpia e toma-se o Intercity para ir até Ghent (ou Bruges), comprando duas passagens separadas?

  • Bruno Marques

    Fui em outubro de 2016 e dormi 1 noites. A cidade é fantástica, pequena e charmosa, cheia de “pequenas” coisas pra se fazer. Destino único! Voltarei com certeza

  • ceciliaalves79

    Adorei o post! Já favoritei. Viagem dos sonhos, não vejo a hora do preço das passagens aéreas baixarem para o verão!

  • ceciliaalves79

    Legal, Gisela! Muito obrigada pelas excelentes dicas! Qualquer outra dúvida, volto a entrar em contato. Grande abraço!

  • Rose Gasparini-Morato

    Olá Gisela! Obrigada pelas dicas!
    Estaremos em Paris em abril e queremos visitar Amsterdam e Bruges. Como estaremos em 3 adultos e uma criança (7 anos), vc acha que vale a pena alugar um carro? Ficaria muito mais barato que ir e voltar de trem?

    • Gisela Cabral

      Olá Rose, tudo bem? Olha, eu acho que vale mais a pena ir de trem, até porque com carro vocês gastarão bastante com estacionamentos e, muito provavelmente, não farão uso dele nessas cidades, como meio de transporte.

      • Rose Gasparini-Morato

        Super obrigada! 🙂