Posso levar remédios em uma viagem de avião? Saiba as principais regras!

Wendell Oliveira 26 · junho · 2017

As férias estão se aproximando e com alguns feriados à vista, é chegada a hora de começar a planejar suas viagens. Entretanto, para evitar imprevistos é importante ficar atento a certas regras, como o transporte de medicamentos, em especial, os de uso contínuo.

Para alertar os viajantes e evitar “dores de cabeça”, o Coordenador Médico da Allianz Global Assistance, José Sallovitz, mais conhecido como Doutor Zuza, responde às principais dúvidas sobre o tema:

Durante a viagem, onde devo carregar meus medicamentos?

Sempre na sua bagagem de mão e dentro da embalagem original do medicamento. Caso um imprevisto como extravio da mala aconteça, você terá os seus remédios consigo, o que no caso de medicamentos de uso contínuo são de extrema importância.

Qual a quantidade de medicamentos que eu posso transportar?

Isso varia de acordo com o tempo que você irá passar fora. Entretanto, uma boa dica é levar uma quantidade extra, para uma semana a mais, por exemplo, caso a sua viagem de retorno tenha que ser adiada.

Faço uso de medicação de uso contínuo. Eu posso viajar? Quais cuidados devo ter?

Os passageiros que fazem uso de medicação contínua ou controlada podem viajar tranquilamente, desde que tomem algumas medidas preventivas. Apesar de não ser obrigatório, em viagens dentro do Brasil, é indicado levar uma prescrição médica, registrada no nome do viajante, constando os medicamentos desse tipo que estão sendo transportados. Já no exterior, com diferentes normas sanitárias, é recomendado que o passageiro leve consigo também uma versão em inglês da receita e, se possível, a nota fiscal dos medicamentos.

Consigo comprar meus medicamentos de uso contínuo e controlado no exterior?

A prescrição médica brasileira não tem validade no exterior. Para isso, o viajante teria que passar numa consulta em um hospital local e solicitar uma receita do país em questão. Vale ressaltar que consultas clínicas não emergenciais, como essa, não estão cobertas pelo seguro viagem. Por isso, previna-se e leve a quantidade correta dos seus medicamentos.

E os medicamentos de uso de rotina, que não precisam de receita. Posso levá-los sem preocupação?

Essa é uma questão importante. Alguns medicamentos de uso irrestrito aqui no Brasil, como a Dipirona Sódica, são proibidos em certos países, como nos Estados Unidos. Outro ponto de atenção é o uso de anti-inflamatórios. Em muitos países do exterior a sua compra só é possível com uma prescrição médica local. Por isso, vale a pena levar em sua bagagem esse remédio, mesmo que seja apenas por precaução.

Confira também nossas dicas de para contratar um seguro viagem internacional.

Tem mais alguma informação ou dica sobre levar medicamentos em viagens de avião? Compartilhe nos comentários!

Autor

Wendell Oliveira - Editor
  • Ane

    O mesmo vale para suplementos e vitaminas?

  • Fabio

    Nao sabia disso e levei para o Brasil varios saches de cha de coca quando estive no Peru kkkkkkkkkkkkkk

    • Rogério Cardoso

      Acho que esses chás industrializados não são proibidos. Vi vendendo no Duty Free do aeroporto de Santa Cruz de la Sierra e lá tem uma fiscalização rigorosa da polícia anti-drogas, quando vai deixar o país. Ao meu ver, o que não pode em hipótese alguma é folha de coca pois é dela que se faz a cocaína.

      • Ernesto Lippmann

        Pergunte para alguém da polícia federal ANTES de levar, e veja a resposta.

      • Ricardo

        Esses chás são proibidíssimos no Brasil, apesar de não fazerem mal nenhum. Assim como o lança-perfume, que é parecido ao “Bom Ar” na Argentina e vendido sem problema por lá, mas proibido no Brasil.

        • Rogério Cardoso

          Interessante. Bizarro então eles venderem os sachês no Duty Free da aérea internacional do aeroporto.

          • Ricardo

            Deve ser parte da campanha do Evo Morales para despenalizar o consumo da folha e do chá de coca no mundo, o que não é nenhum absurdo, pois a folha só se transforma em cocaína depois de vários tratamentos químicos.

          • Rogério Cardoso

            Com certeza, concordo contigo. O problema é a pessoa comprar na aérea internacional do aeroporto e ser preso no destino final hahaha. Pois acredito que a legalização só existe por lá, não? Tanto de plantio (com certas características), quanto o de consumo da folha e derivados como extratos, farinhas e afins.

          • Ricardo

            É arriscado mesmo comprar sem saber! Mas o chá de coca industrializado é legal no Peru também, eles tem até uma empresa estatal fabricante (Empresa Nacional de la Coca – Enaco), e na maioria dos restaurantes e bares, mesmo em Lima, eles oferecem o Coca Sour, uma variação do Pisco Sour. E acho que é legal ou tolerado nos países altiplânicos, como o Equador, Colômbia, Argentina (norte) e Chile (norte). Mesmo em Santiago por exemplo é muito fácil encontrar, em feiras ou comércios de produtos peruanos.
            E apesar da fórmula da Coca Cola já não ter cocaína entre seus componentes, a empresa até hoje importa folhas de Coca para elaborar o seu xarope.

    • Ricardo

      O problema do chá de coca é queimar o nariz e se afogar a cada cheirada…
      Em Dubai tem que tomar muito cuidado, há casos de turistas presos por vários meses por ter no sapato restos de sementes de papoula. Ou por ter fumado maconha em Amsterdam e ser pego em exame de sangue nos Emirados, mesmo sem carregar nada suspeito.

  • PauloHCM

    E no caso de insulina, para diabéticos, pode levar na bagagem de mão com a agulha? E como manter refrigerada?? E nos casos de viagem ao exterior??